Es­pe­ci­a­lis­ta tro­ca ex­pe­ri­ên­cia com pe­cu­a­ris­tas bai­a­nos

Correio da Bahia - - Mais -

Es­ti­ma-se que a pro­cu­ra pe­la car­ne gour­met cres­ceu 112% nos úl­ti­mos 5 anos no Bra­sil. No mes­mo pe­río­do o mer­ca­do de car­ne co­mum de­cres­ceu 2%. Mas, os cri­a­do­res de bo­vi­nos da Bahia ain­da não pos­su­em nenhum nú­cleo de pro­du­ção de car­nes es­pe­ci­ais vol­ta­dos pa­ra aten­der es­te ni­cho de mer­ca­do e os prin­ci­pais cri­a­do­res de ga­do de cor­te do es­ta­do, es­tão se or­ga­ni­zan­do pa­ra aten­der o pro­mis­sor mer­ca­do de car­nes com cor­tes es­pe­ci­ais.

No úl­ti­mo fim de se­ma­na, du­ran­te a Fe­na­gro, os pe­cu­a­ris­tas bai­a­nos cri­a­ram um Nú­cleo de Qua­li­da­de da Car­ne. O ob­je­ti­vo é pro­du­zir, já a par­tir do pró­xi­mo ano, cor­tes es­pe­ci­ais di­re­ci­o­na­dos pa­ra bou­ti­ques gour­mets de car­ne bo­vi­na.

“Por en­quan­to só re­a­li­za­mos a ven­da tra­di­ci­o­nal pa­ra fri­go­rí­fi­cos, pe­la ar­ro­ba mes­mo, in­de­pen­den­te do cor­te, e sem mar­ca. Es­ta­mos apri­mo­ran­do a ge­né­ti­ca, a nu­tri­ção, a sa­ni­da­de e a sus­ten­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma pa­ra au­men­tar o re­ba­nho de qua­li­da­de e for­ne­cer cor­tes es­pe­ci­ais. Es­ta­mos bus­can­do pro­du­to­res dis­pos­tos a fa­zer is­so pa­ra aten­der es­te mer­ca­do”, diz Luiz San­de, di­re­tor exe­cu­ti­vo da ABCN, As­so­ci­a­ção Bai­a­na de Cri­a­do­res de Ne­lo­re.

Os cor­tes es­pe­ci­ais de bo­vi­nos não vão de­mo­rar pa­ra che­gar ao mer­ca­do. “No úl­ti­mo do­min­go, du­ran­te a fei­ra agro­pe­cuá­ria, fi­ze­mos uma de­gus­ta­ção dos pri­mei­ros cor­tes. Ano que vem, já que­re­mos es­tar no mer­ca­do com a nos­sa pró­pria mar­ca”, ga­ran­te San­de. O mer­ca­do de cor­tes es­pe­ci­ais é uma ten­dên­cia em to­do o Bra­sil. Os pi­o­nei­ros fo­ram os pe­cu­a­ris­tas li­ga­dos a Ce­lei­ro Car­nes Es­pe­ci­ais do Ma­to Gros­so. A em­pre­sa reú­ne 60 pe­que­nos e mé­di­os pe­cu­a­ris­tas, que man­têm pro­du­ção men­sal de 2 a 3 mil ca­be­ças de ga­do por mês.

Há 13 anos eles cri­a­ram um port­fó­lio com 32 cor­tes di­fe­ren­ci­a­dos de bo­vi­nos, de car­pac­cio a lin­gui­ças ar­te­sa­nais. Atu­al­men­te for­ne­cem pa­ra qua­tro es­ta­dos e vi­ra­ram re­fe­rên­cia na­ci­o­nal no mer­ca­do gour­met.

No úl­ti­mo fim de se­ma­na, de pas­sa­gem pe­la Bahia, du­ran­te a Fe­na­gro, Cris­ti­a­ne Ra­bai­o­li, di­re­to­ra-exe­cu­ti­va da Ce­lei­ro, fa­lou so­bre as pers­pec­ti­vas de mer­ca­do pa­ra os pe­cu­a­ris­tas bai­a­nos que pen­sam em en­trar nes­te se­le­to seg­men­to de car­nes.

A pro­du­to­ra ru­ral de­fen­de que a im­plan­ta­ção de um ne­gó­cio des­te ti­po en­vol­ve a li­ga­ção de to­dos os elos da ca­deia pro­du­ti­va. “É pre­ci­so unir to­dos os se­to­res, o pro­du­tor ru­ral, o va­re­jo, a in­dús­tria, os pon­tos de ven­da e até uma pes­qui­sa de mer­ca­do com o con­su­mi­dor. To­dos pre­ci­sam es­tar co­nec­ta­dos”, ex­pli­ca Cris­ti­a­ne Ra­bai­o­li.

Ela pon­tua que no­vos in­ves­ti­men­tos tão são ne­ces­sá­ri­os. “O pe­cu­a­ris­ta pre­ci­sa fa­zer um in­ves­ti­men­to no ga­do e na ge­né­ti­ca. De­pois tem to­do um di­fe­ren­ci­al na em­ba­la­gem e na se­gu­ran­ça ali­men­tar, que são uma ga­ran­tia pa­ra o con­su­mi­dor”, acres­cen­ta.

Ain­da pa­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, o con­su­mi­dor de cor­tes gour­met é mais exi­gen­te e bus­ca mui­to mais que uma sim­ples car­ne. “O con­su­mi­dor bus­ca sa­bor e ma­ci­ez. Por is­so, mui­to mais que en­tre­gar uma car­ne, o pe­cu­a­ris­ta tem que ofe­re­cer uma ex­pe­ri­ên­cia pa­ra o con­su­mi­dor, e is­so en­vol­ve não ape­nas a car­ne, mas a ques­tão do am­bi­en­te em que ela é pro­du­zi­da", fa­la. "Só as­sim o con­su­mi­dor vai es­tar dis­pos­to a pa­gar um pou­co mais pe­lo pro­du­to”, con­clui.

Cris­ti­a­ne Ra­bai­o­li fez pa­les­tra na Fe­na­gro du­ran­te o fi­nal de se­ma­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.