Fes­te­jos atra­em mais tu­ris­tas

Correio da Bahia - - Mais -

Com a vin­da de 3,7 mi­lhões de tu­ris­tas pa­ra Sal­va­dor en­tre de­zem­bro e mar­ço, a ocu­pa­ção dos ho­téis da ca­pi­tal bai­a­na irá ba­ter os 93% de ocu­pa­ção mé­dia du­ran­te os qua­tro me­ses. A es­ti­ma­ti­va é da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Ho­téis (ABIH-BA). Pa­ra o di­re­tor de mar­ke­ting da en­ti­da­de, Lu­ci­a­no Lo­pes, o ca­len­dá­rio de fes­tas po­pu­la­res é “mui­to im­por­tan­te”, prin­ci­pal­men­te por es­ten­der a es­ta­da das pes­so­as na ci­da­de.

“Ge­ral­men­te, au­men­ta a es­ta­da de­les en­tre dois e três di­as aqui na ca­pi­tal. Is­so é óti­mo, por­que in­flu­en­cia em to­da uma re­de de seg­men­tos. Além da de­man­da adi­ci­o­nal do Ve­rão, as fes­tas aca­bam man­ten­do as pes­so­as mais tem­po aqui”, diz.

O im­pac­to mai­or ocor­re nos di­as de se­ma­na - quan­do a ocu­pa­ção cos­tu­ma ser me­nor. “No Bon­fim, por exem­plo, que cai em uma quin­ta-fei­ra, os tu­ris­tas co­me­çam a che­gar na quar­ta-fei­ra, es­ten­den­do es­sa es­ta­da”, pon­tu­ou.

O Car­na­val de­ve al­can­çar en­tre 95% a 100% de ocu­pa­ção ho­te­lei­ra e o Ré­veil­lon de­ve fe­char em 100%, com to­dos os ho­téis ocu­pa­dos em Sal­va­dor. “Já em fe­ve­rei­ro, te­re­mos a ocu­pa­ção mé­dia de 81%. A de­man­da dos ho­téis cos­tu­ma ser da pró­pria Bahia, do in­te­ri­or do es­ta­do, mas tam­bém uma de­man­da mui­to for­te de Mi­nas Ge­rais, Bra­sí­lia e do Nor­des­te. Fo­ra do Bra­sil são mais os ar­gen­ti­nos e chi­le­nos”, ex­pli­cou.

A As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Agên­ci­as de Vi­a­gens na Bahia (Abav-BA) ex­pli­cou que as fes­tas tra­di­ci­o­nais já são gran­des co­nhe­ci­das do ca­len­dá­rio das ope­ra­do­ras na­ci­o­nais - sen­do ven­di­das co­mo des­ti­no. As fes­tas de mai­or des­ta­que são Car­na­val, Na­ve­gan­tes, La­va­gem do Bon­fim e Ie­man­já. “As de­mais fes­tas têm uma di­vul­ga­ção lo­cal com as en­ti­da­des e ór­gãos do nos­so seg­men­to e o dos ho­téis pa­ra os seus hós­pe­des”, dis­se.

Quem tam­bém comemora a che­ga­da das fes­tas po­pu­la­res são os am­bu­lan­tes de Sal­va­dor. De acor­do com o pre­si­den­te do sin­di­ca­to de Fei­ran­tes e Am­bu­lan­tes (Sin­di­fei­ra), Mil­ton Ávi­la, o or­ça­men­to dos am­bu­lan­tes “mais do que tri­pli­ca du­ran­te es­sa épo­ca”. “Mui­tos tra­ba­lha­do­res só tra­ba­lham nes­sas fes­tas e têm co­mo ren­da prin­ci­pal es­sa épo­ca. Se tra­ba­lhar em to­das as fes­tas, eles con­se­guem um or­ça­men­to de R$ 6 mil a R$ 15 mil”, con­tou Ávi­la. O cre­den­ci­a­men­to já es­tá aber­to pa­ra a Con­cei­ção da Praia e San­ta Lu­zia (ve­ja ao la­do).

Pa­ra os ba­res e res­tau­ran­tes, o cres­ci­men­to no mo­vi­men­to é par­ci­al. “Cos­tu­ma me­lho­rar nos di­as an­te­ri­o­res às fes­tas. Os bai­a­nos gos­tam de an­te­ci­par es­sa co­me­mo­ra­ção nos ba­res e res­tau­ran­tes for­mais e aca­bam mi­gran­do pa­ra os am­bu­lan­tes nos di­as das fes­tas. Quem aca­ba se be­ne­fi­ci­an­do de al­gu­ma for­ma são os ba­res e res­tau­ran­tes li­ga­dos ao la­zer - e não ao ne­gó­cio”, con­tou o pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Ba­res e Res­tau­ran­tes (Abra­sel-BA), Luiz Hen­ri­que do Amaral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.