Opo­si­ção e sin­di­ca­tos cri­ti­cam no­vo pa­co­te

Correio da Bahia - - Mais -

O pa­co­te de Rui che­ga num mo­men­to em que o es­ta­do en­fren­ta pro­ble­mas fi­nan­cei­ros. Um de­les diz res­pei­to à Pre­vi­dên­cia es­ta­du­al, cu­jo dé­fi­cit sal­tou de R$ 2 bi­lhões pa­ra R$ 4 bi­lhões nos úl­ti­mos qua­tro anos. Com a al­te­ra­ção na alí­quo­ta, o es­ta­do es­pe­ra ar­re­ca­dar R$ 250 mi­lhões por ano. Já com o cor­te de car­gos, a ex­pec­ta­ti­va é eco­no­mi­zar R$ 100 mi­lhões.

Além dis­so, o es­ta­do ul­tra­pas­sou o li­mi­te pru­den­ci­al de gas­tos com pes­so­al pre­vis­to na Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal, fi­xa­do em 46,55% da re­cei­ta cor­ren­te lí­qui­da do es­ta­do. O gas­to, se­gun­do Rui, su­pe­rou os 47%.

Os ser­vi­do­res que in­te­gram os qua­dros de ór­gãos ex­tin­tos, afir­mou Rui, se­rão re­a­pro­vei­ta­dos na ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. Os da Su­dic, por exem­plo, vão pa­ra a Se­cre­ta­ria de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (SDE). So­bre a Con­der, o go­ver­na­dor con­tou que foi pro­cu­ra­do por ser­vi­do­res da em­pre­sa pú­bli­ca do es­ta­do e abriu um diá­lo­go so­bre a pro­ba­bi­li­da­de de man­ter as ati­vi­da­des.

As con­ver­sas en­vol­vem a de­mis­são de 268 ser­vi­do­res apo­sen­ta­dos que ain­da tra­ba­lham na Con­der, mais da me­ta­de do qua­dro do ór­gão.

“Não tem co­mo to­car uma em­pre­sa com 500 pes­so­as e 268 apo­sen­ta­dos. É im­pro­du­ti­vo”, emen­dou Rui. O pa­co­te de Rui ge­rou crí­ti­cas de ser­vi­do­res pú­bli­cos e da ban­ca­da de opo­si­ção na As­sem­bleia, que pro­me­tem cri­ar uma fren­te de re­sis­tên­cia às pro­pos­tas. Em es­pe­ci­al, o au­men­to da alí­quo­ta pre­vi­den­ciá­ria. A no­tí­cia mo­bi­li­zou os sin­di­ca­tos dos ser­vi­do­res do Ju­di­ciá­rio (Sin­po­jud), da Saú­de (SindSaú­de), da Fa­zen­da (SindSe­faz) e da Edu­ca­ção (APLB), que vão ho­je à As­sem­bleia pro­tes­tar con­tra o re­a­jus­te.

En­quan­to Rui de­fen­de a pro­pos­ta sob ar­gu­men­to de que dez ou­tros es­ta­dos tam­bém au­men­ta­ram a alí­quo­ta, os sin­di­ca­tos di­zem que a ta­xa da Bahia já é mai­or do que a de 19 uni­da­des da fe­de­ra­ção. Pa­ra as en­ti­da­des, mes­mo com uma mai­or ar­re­da­ca­ção, o rom­bo de R$ 4 bi­lhões da Pre­vi­dên­cia con­ti­nu­a­rá exis­tin­do.

“Há ou­tros mei­os de au­men­tar a ar­re­ca­da­ção sem one­rar o ser­vi­dor, que já tem três anos sem re­po­si­ção in­fla­ci­o­ná­ria”, critica o pre­si­den­te do Sin­po­jud, Ze­nil­do Cas­tro.

Pa­ra Rui Oli­vei­ra, co­or­de­na­dor-ge­ral da APLB, a bai­xa ar­re­ca­da­ção do fun­do da Pre­vi­dên­cia é fru­to “da po­lí­ti­ca de ter­cei­ri­za­ção do ser­vi­ço pú­bli­co, ado­ta­da no es­ta­do, que tem al­to ín­di­ce de fun­ci­o­ná­ri­os con­tra­ta­dos por Re­da, que não ar­re­ca­dam pa­ra o Fun­prev, mas sim pa­ra o INSS”.

Pa­ra a opo­si­ção, o dé­fi­cit no se­tor é efei­to de “má ges­tão” dos go­ver­no de Rui e Ja­ques Wagner (PT), que de­mo­ra­ram a to­mar me­di­das di­an­te do au­men­to no nú­me­ro de apo­sen­ta­dos.

“O ser­vi­dor es­tá com sa­lá­rio con­ge­la­do e não po­de so­frer com es­se en­car­go”, dis­se o de­pu­ta­do Lu­ci­a­no Ribeiro (DEM), lí­der do blo­co. A me­di­da en­con­tra re­sis­tên­cia até en­tre de­pu­ta­dos da ba­se, que te­mem a im­po­pu­la­ri­da­de da pro­pos­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.