‘Qu­e­ro as pro­vas’, afir­ma viú­va de lu­ta­dor

Correio da Bahia - - Mais -

em de­le­ga­ci­as e tam­bém não ti­nha na­da. Até a SSP es­ta­va sem en­ten­der, por­que não exis­tia a en­tra­da de­le. E ago­ra apa­re­ceu, por­que es­tá re­per­cu­tin­do, né?”, dis­se.

O COR­REIO pro­cu­rou a Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al da Saú­de (Se­sab), já que o Er­nes­to Si­mões é uma uni­da­de es­ta­du­al, mas a pas­ta in­for­mou que não for­ne­ce o es­ta­do de saú­de nem in­for­ma­ções de pa­ci­en­tes in­ter­na­dos na re­de de as­sis­tên­cia es­ta­du­al, “cum­prin­do de­ter­mi­na­ção do Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na (CFM) e do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”.

Iraíl­son co­me­çou a lu­tar jiu-jít­su aos 13 anos. Aos 21, par­ti­ci­pou do pri­mei­ro cam­pe­o­na­to va­le-tu­do. Ho­je, boa par­te da fa­mí­lia – in­cluin­do a es­po­sa, com quem es­ta­va há 15 anos, e o fi­lho de 12 anos – tam­bém se de­di­ca ao es­por­te.

En­tre as prin­ci­pais con­quis­tas, es­tão o tri­cam­pe­o­na­to bai­a­no es­ta­du­al na mo­da­li­da­de, o 3º lu­gar na Co­pa do Mun­do de jiu-jít­su, em 2010, e o 1º lu­gar da 2ª Eta­pa do Cam­pe­o­na­to Mun­di­al, em 2015, em Bu­e­nos Ai­res. Nes­te ano, Iraíl­son tam­bém foi vi­ce-cam­peão do Flo­ri­pa Fall In­ter­na­ti­o­nal Open Jiu-Jít­su, em Flo­ri­a­nó­po­lis.

“Si­nho era um cam­peão. De­di­ca­do ao es­por­te, cheio de so­nhos. Es­ta­va com pla­nos pa­ra ir pa­ra a Eu­ro­pa lu­tar com o fi­lho, com a fa­mí­lia (se­ria em ja­nei­ro, em Por­tu­gal). O jiu-jít­su uniu to­do mun­do. In­fe­liz­men­te, o so­nho foi in­ter­rom­pi­do”, la­men­tou Mar­ce­lo.

Co­mo pro­fes­sor, a ví­ti­ma ti­nha um pro­je­to pa­ra en­si­nar o es­por­te na Ba­se Co­mu­ni­tá­ria de São Ca­e­ta­no, bair­ro on­de mo­ra­va com a fa­mí­lia. Ele mi­nis­tra­va au­las gra­tui­tas de jiu-jít­su pa­ra cri­an­ças e adul­tos. “Era um pro­fes­sor mui­to im­por­tan­te na ci­da­de pe­la sua tra­je­tó­ria no es­por­te. Fa­zia um tra­ba­lho so­ci­al im­por­tan­te no bair­ro de São Ca­e­ta­no com cri­an­ças ca­ren­tes. É uma per­da pa­ra o es­por­te na Bahia”, afir­mou o di­re­tor da Fe­de­ra­ção Bai­a­na de Jiu-jít­su e MMA, Ricardo Cal­dei­ra. “Meu ma­ri­do es­tá es­pan­ca­do, o crâ­nio de­le es­tá es­ma­ga­do. E não vi mar­cas de ti­ro”. Com es­sas pa­la­vras, a es­po­sa do mes­tre de jiu-jít­su Iraíl­son Ga­ma Cos­ta, Mar­ta He­le­na Vil­las Bo­as, re­a­giu à de­cla­ra­ção da Se­cre­ta­ria da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca do Es­ta­do (SSP-BA) de que seu ma­ri­do ti­nha rou­ba­do um car­ro e tro­ca­do ti­ros com a po­lí­cia.

Du­ran­te o ve­ló­rio da ví­ti­ma, Mar­ta, que tam­bém é mes­tre de jiu-jít­su, co­brou res­pos­tas da SSP. “Eu qu­e­ro as pro­vas. Ca­dê as ar­mas? A guar­ni­ção? On­de foi is­so?”, ques­ti­o­nou, em en­tre­vis­ta ao COR­REIO, no Ce­mi­té­rio do Campo San­to.

Mar­ta con­tou ain­da que o ma­ri­do saiu de ca­sa na quar­ta-fei­ra pe­la ma­nhã pa­ra treinar e, de­pois dis­so, de­sa­pa­re­ceu. A fa­mí­lia ne­ga en­vol­vi­men­to de Iraíl­son com o cri­me. “Es­sa (tro­ca de ti­ros com a po­lí­cia) é a des­cul­pa

Mar­ta He­le­na e o atle­ta Fe­li­pe Ca­val­can­te, 17, se abra­çam no ve­ló­rio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.