Gi­gan­te: o fal­si­fi­ca­dor da má­fia si­ci­li­a­na

Correio da Bahia - - Mais -

Até che­gar à Eu­ro­pa, a dro­ga ates­ta­da por Le­lio per­cor­ria di­ver­sos ca­mi­nhos - e pas­sa­va pe­lo estô­ma­go de mui­tas pes­so­as, as “mu­las”. Elas en­go­li­am cáp­su­las com co­caí­na e vi­a­ja­vam de Sal­va­dor pa­ra Portugal, en­tra­da na Eu­ro­pa.

O iní­cio da tra­je­tó­ria se da­va na Bo­lí­via e no Pe­ru. De­pois, a dro­ga che­ga­va ao Brasil e se­guia pa­ra os es­ta­dos. Na Bahia, a co­caí­na era en­vi­a­da pa­ra depósitos me­di­a­dos por fac­ções. In­ter­me­diá­ri­os fa­zi­am a li­ga­ção dos depósitos com Gi­gan­te, pa­ra o “tes­te de qua­li­da­de”. En­tão, a dro­ga era em­ba­la­da em cáp­su­las e en­go­li­da.

A Po­lí­cia Fe­de­ral não tem es­ti­ma­ti­va da quan­ti­da­de de dro­ga que foi en­vi­a­da pa­ra o ex­te­ri­or ou a quan­ti­da­de de di­nhei­ro que foi mo­vi­men­ta­do pe­la or­ga­ni­za­ção. O úni­co da­do di­vul­ga­do foi que Gi­gan­te tem um pa­trimô­nio de R$ 5 milhões, que eram “la­va­dos” atra­vés da com­pra de ter­re­nos e imó­veis co­mer­ci­ais e re­si­den­ci­ais. Em Sal­va­dor, as pro­pri­e­da­des es­ta­vam no Cen­tro. So­men­te um ter­re­no à ven­da no Rio de Ja­nei­ro to­ta­li­za­va R$ 2 milhões.

Um lau­do emi­ti­do pe­la PF ates­ta que, com a quan­ti­da­de de imó­veis que Gi­gan­te pos­sui, ele não te­ria a ca­pa­ci­da­de de acu­mu­lar tal quan­tia de bens. “A sus­pei­ta é que to­do o mon­tan­te encontrado se­ja pro­ve­ni­en­te do tráfico. Ape­sar do di­nhei­ro, ele vi­via uma vi­da sim­ples. Ele mo­ra­va com uma fi­lha brasileira e ti­nha ou­tros dois fi­lhos que re­si­dem na Eu­ro­pa. Os três não têm en­vol­vi­men­to com o tráfico”, afir­mou Daniel Ma­dru­ga. A quan­tia deve ser con­fis­ca­da. O pau­lis­ta Le­lio Pa­o­lo Gi­gan­te, 84 anos, ti­nha vi­da sim­ples em Sal­va­dor e fin­gia vi­ver dos alu­guéis de imó­veis que tem na La­dei­ra dos Afli­tos, on­de foi pre­so, on­tem, pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral.

Mas, há anos, era um cri­mi­no­so in­ter­na­ci­o­nal. A vi­da no cri­me do ho­mem, que foi le­va­do ain­da cri­an­ça pa­ra a Itá­lia pe­los pais, co­me­çou qu­an­do era co­mis­sá­rio de bor­do da Avi­an­ca na Colôm­bia, de on­de vo­a­va pa­ra Es­ta­dos Uni­dos e Eu­ro­pa.

Se­gun­do re­la­ta o li­vro de Le­an­dro De­mo­ri, Co­sa Nos­tra no Brasil – A História do Ma­fi­o­so que Der­ru­bou um Im­pé­rio - sobre Tom­ma­so Bus­cet­ta - Le­lio tra­fi­ca­va re­ló­gi­os fal­si­fi­ca­dos pa­ra com­ple­tar o sa­lá­rio de co­mis­sá­rio. Até que um dia viu no tráfico de heroína um ne­gó­cio mais lu­cra­ti­vo.

Nu­ma de su­as aven­tu­ras, aca­bou de­ti­do pa­ra ave­ri­gua­ção em um pos­to adu­a­nei­ro na fron­tei­ra dos Es­ta­dos Uni­dos com o Ca­na­dá. O me­do de ser de­por­ta­do o fez fu­gir do pré­dio e ca­mi­nhar por até 50 quilô­me­tros na ne­ve e pa­rar em Mon­tre­al.

De­pois de pe­dir aju­da a um gru­po que apoi­a­va imigrantes ile­gais, foi jo­ga­do nos fun­dos de um car­ro por dois des­co­nhe­ci­dos e aco­mo­da­do nu­ma ca­sa, on­de dor­miu por dois di­as, até se de­pa­rar com Tom­ma­so Bus­cet­ta, um dos líderes da má­fia ita­li­a­na, ao seu la­do.

O ita­li­a­no na épo­ca já era fo­ra­gi­do da po­lí­cia, e Gi­gan­te es­ta­va com um pas­sa­por­te fal­so que ti­nha as di­gi­tais de Bus­cet­ta e o no­me de Ro­ber­to Ca­val­la­ro, um dos tan­tos no­mes fal­sos usa­dos por ele. Já era par­te dos serviços de fal­si­fi­ca­ção fei­tos por Le­lio que fa­ci­li­ta­ri­am a vi­da da Co­sa Nos­tra por dé­ca­das.

O do­cu­men­to fal­so, con­tu­do, ha­via fi­ca­do com os agen­tes qu­an­do fo­ra de­ti­do. Bus­cet­ta tor­nou a de­sa­pa­re­cer e Gi­gan­te vol­tou ao Brasil, on­de se en­con­tra­ram no­va­men­te no Rio de Ja­nei­ro.

Se­gun­do a po­lí­cia, eles eram par­cei­ros e con­si­de­ra­vam-se co­mo “com­pa­dres”. Bus­cet­ta, de­pois de pre­so e de­la­tar o es­que­ma da má­fia si­ci­li­a­na, mor­reu em 2000, em NY. Ele não foi mais vis­to por Gi­gan­te, que, pa­ra a po­lí­cia, nun­ca dei­xou o cri­me.

De especialista em fal­si­fi­ca­ção de pas­sa­por­tes da má­fia ita­li­a­na, Gi­gan­te é ho­je, se­gun­do a po­lí­cia, quem tes­ta o grau de pu­re­za de mai­or par­te da co­caí­na que sai da Bo­lí­via e é en­vi­a­da à Eu­ro­pa de­pois de pas­sar pe­lo Brasil.

On­tem, em Sal­va­dor, Le­lio Pa­o­lo Gi­gan­te foi pre­so tem­po­ra­ri­a­men­te por 30 di­as. A Po­lí­cia Fe­de­ral in­for­mou que pe­di­rá que a pri­são de­le se­ja con­ver­ti­da em pre­ven­ti­va, di­an­te das pro­vas ob­ti­das na ope­ra­ção de­fla­gra­da on­tem.

Gi­gan­te res­pon­de­rá pe­los cri­mes de or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa (art. 2º da Lei 12.850/2013), as­so­ci­a­ção pa­ra o tráfico (art. 35 da Lei 11.343) e la­va­gem de di­nhei­ro (art. 1º da Lei 9.613/1998).

Le­lio Pa­o­lo Gi­gan­te tem 84 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.