Po­bre­za afe­ta 6,9 mi­lhões

Correio da Bahia - - Mais - Mário Bittencourt

Es­ta­do do Bra­sil com o mai­or nú­me­ro de ins­cri­tos no pro­gra­ma fe­de­ral Bol­sa Fa­mí­lia, a Bahia ti­nha, no ano pas­sa­do, 6,9 mi­lhões de pes­so­as, ou 44,8% de sua po­pu­la­ção, vi­ven­do abai­xo da li­nha de po­bre­za. Es­te nú­me­ro re­pre­sen­ta uma al­ta de 2 pon­tos per­cen­tu­ais (p.p) em re­la­ção a 2016 (42,8%). No país, a pro­por­ção de pes­so­as po­bres cres­ceu bem me­nos no mes­mo pe­río­do - pas­sou de 25,7% pa­ra 26,5%, ou se­ja, 0,8 p.p. a mais. A in­for­ma­ção é da pes­qui­sa Sín­te­se de In­di­ca­do­res So­ci­ais 2018, di­vul­ga­da on­tem pe­lo Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), com da­dos re­fe­ren­tes ao ano de 2017.

Es­tar abai­xo da li­nha de po­bre­za sig­ni­fi­ca, pe­los cri­té­ri­os do Ban­co Mun­di­al, ter ren­da mé­dia de até US$ 5,50 por dia ou R$ 406 por mês. É o ca­so, por exem­plo, da ca­ta­do­ra de ma­te­ri­ais re­ci­clá­veis Cle­o­ni­ce Pe­rei­ra de Jesus, 57 anos. Re­si­den­te de Vi­tó­ria da Con­quis­ta, no su­do­es­te do es­ta­do, ela mo­ra de fa­vor nu­ma ca­sa em­pres­ta­da, com is­so con­se­gue fu­gir do alu­guel. A re­si­dên­cia, no Lo­te­a­men­to Ida­li­na Ve­lo­so, pró­xi­mo ao Anel Viá­rio, abri­ga ain­da o com­pa­nhei­ro, que vi­ve de em­pre­gos tem­po­rá­ri­os, e um bis­ne­to de 4 anos.

“De­vo ter al­gu­ma coi­sa em ca­sa. A ren­da que ga­nho não dá pa­ra fa­zer fei­ra, com­pro de pou­co em pou­co no mer­ca­do, às ve­zes fi­a­do”, ela dis­se, en­quan­to lim­pa­va o ter­re­no on­de acu­mu­la res­tos de ma­dei­ra e me­tal.

De tão pou­co que ela e o ma­ri­do ga­nham, não con­se­gue es­ti­mar a ren­da fa­mi­li­ar. Há três me­ses bus­ca ser reins­cri­ta no Bol­sa Fa­mí­lia, de on­de já foi des­ca­das­tra­da por mais de uma vez, se­gun­do ela re­la­ta, sem sa­ber ex­pli­car por que is­so ocor­re.

“No má­xi­mo, o que con­si­go ti­rar é R$ 150 por mês. Meu ma­ri­do con­se­gue uns R$ 40 nos bi­cos que faz no dia, mas tem mês que não con­se­gue ar­ran­jar na­da. Mas te­nho ou­tras pes­so­as que me aju­dam, e as­sim vou vi­ven­do”, dis­se.

Mes­mo que tra­ga da­dos de 2017, a pes­qui­sa Sín­te­se de In­di­ca­do­res So­ci­ais 2018 ain­da se apro­xi­ma mui­to da re­a­li­da­de atu­al, so­bre­tu­do quan­do se ob­ser­va que a Ba- hia é o es­ta­do do país que mais tem ins­cri­tos no pro­gra­ma fe­de­ral Bol­sa Fa­mí­lia.

De acor­do com da­dos do Por­tal da Trans­pa­rên­cia do go­ver­no fe­de­ral, a Bahia tem 1.980.153 ca­das­tra­dos em 2018 (em 2017 ha­via pou­co mais de 2 mi­lhões), pa­ra os qu­ais se­rão re­pas­sa­dos até o fi­nal do ano R$ 2,9 bi­lhões.

Pa­ra o Ban­co Mun­di­al, es­tar abai­xo da li­nha de po­bre­za sig­ni­fi­ca ter ren­da mé­dia de até US$ 5,50 por dia. Já o Bol­sa Fa­mí­lia, on­de es­tão ins­cri­tas fa­mí­li­as em si­tu­a­ção de po­bre­za ou ex­tre­ma po­bre­za, tem co­mo li­mi­te de ren­da men­sal R$ 89 por pes­soa (ex­tre­ma po­bre­za) ou en­tre R$ 89,1 a R$ 178 men­sais (po­bre­za), com cri­an­ças ou ado­les­cen­tes até 17 anos.

No ca­so do va­lor de US$ 5,50, ele foi ado­ta­do pe­lo Bra­sil pa­ra mo­ni­to­ra­men­to da Agen­da 2030 de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel. A er­ra­di­ca­ção da po­bre­za es­tá ex­pres­sa nas me­tas do 1º dos 17 Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel.

No ca­so da pes­qui­sa do IBGE, as pes­so­as ca­das­tra­das no Bol­sa Fa­mí­lia tam­bém são in­cluí­das en­tre as que pos­su­em ren­da. “Mes­mo que se­ja bai­xo o va­lor, é al­go que con­ta na ren­da per ca­pi­ta”, dis­se Ma­ri­a­na Vi­vei­ros, ana­lis­ta de dis­se­mi­na­ção de in­for­ma­ções do ór­gão fe­de­ral.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.