No­vos do­nos não po­de­rão re­cla­mar

Correio da Bahia - - Mais -

Na épo­ca em que ad­qui­riu os Flu­en­ces, o TJ-BA jus­ti­fi­cou a com­pra afir­man­do que era “mais uma me­di­da pa­ra di­mi­nuir gas­tos no Poder Ju­di­ciá­rio”, já que gas­ta­va R$ 2,1 mi­lhões por ano com alu­guel de 49 veí­cu­los do mes­mo mo­de­lo. “Com a com­pra de 60 veí­cu­los (de­pois vi­e­ram mais oi­to), a eco­no­mia pro­je­ta­da é de R$ 1,5 mi­lhão/ano, con­si­de­ran­do ga­ran­ti­as ofe­re­ci­das pe­las mon­ta­do­ras”, di­zia o TJ-BA.

Os carros, no en­tan­to, apre­sen­ta­ram pro­ble­mas no mó­du­lo de in­je­ção, cen­tral de co­man­do, sus­pen­são, par­te elé­tri­ca, ca­ta­li­sa­dor, con­di­ci­o­na­dor de ar e amor­te­ce­do­res, con­for­me a Cor­te.

Pa­ra o diretor do Sindicato dos Ser­vi­do­res do Poder Ju­di­ciá­rio do Es­ta­do da Bahia (Sin­po­jud), Luiz Qui­xa­bei­ra, o TJ-BA tem ou­tras ne­ces­si­da­des que não com­prar carros no­vos. “Os ser­vi­do­res es­tão in­dig­na­dos com es­sa com­pra. Tem co­mar­cas on­de fal­tam com­pu­ta­do­res e pa­pel hi­gi­ê­ni­co. Ve­mos is­so [a com­pra] co­mo al­go su­pér­fluo, di­an­te de tan­tas ne­ces­si­da­des ur­gen­tes”, dis­se.

Qui­xa­bei­ra cri­ti­ca a fal­ta de fun­ci­o­ná­ri­os con­cur­sa­dos: “Gran­de par­te das co­mar­cas es­tá lo­ta­da de es­ta­giá­ri­os e de fun­ci­o­ná­ri­os das pre­fei­tu­ras, o que não con­tri­bui pa­ra o bom an­da­men­to dos pro­ces­sos, is­so o TJ-BA não re­sol­ve lo­go”.

O Tri­bu­nal diz que o Flu­en­ce de 2014 “saiu da li­nha de pro­du­ção em 2017 e, por ser im­por­ta­do, há uma gran­de di­fi­cul­da­de pa­ra en­con­trar e subs­ti­tuir os com­po­nen­tes ori­gi­nais qu­an­do apre­sen­tam de­fei­tos”. A Cor­te ain­da con­si­de­ra que “há gran­de ris­co de que­bra dos veí­cu­los du­ran­te a con­du­ção dos ma­gis­tra­dos nes­ta ca­pi­tal e du­ran­te as vi­a­gens pa­ra o in­te­ri­or do es­ta­do” na jus­ti­fi­ca­ti­va da aber­tu­ra da li­ci­ta­ção que re­sul­tou na com­pra dos 80 Co­rol­las.

O TJ-BA de­cla­rou ain­da que “o apa­ren­te bom es­ta­do de con­ser­va­ção [dos Flu­en­ces da Re­nault] de­cor­re do cui­da­do com a uti­li­za­ção do bem”. Quem ar­re­ma­tar um dos 68 carros de lu­xo Flu­en­ce, da Re­nault, não po­de­rá re­cla­mar de qual­quer de­fei­to.

De acor­do com edi­tal do lei­lão, pu­bli­ca­do na quar­ta-fei­ra no Diário da Jus­ti­ça Ele­trô­ni­co (DJE), os au­to­mó­veis são lei­lo­a­dos no es­ta­do de con­ser­va­ção e nas con­di­ções de fun­ci­o­na­men­to em que se en­con­tram.

Pa­ra evi­tar sur­pre­sas, o TJ-BA dis­po­ni­bi­li­zou os veí­cu­los pa­ra vi­si­ta­ção dos in­te­res­sa­dos até o dia 20 de­zem­bro, de se­gun­da a sex­ta-fei­ra, das 9h às 16h.

O pre­gão ocor­re­rá no gal­pão da Co­or­de­na­ção de Dis­tri­bui­ção, na Ave­ni­da Pa­ra­le­la, nº 4.289, pró­xi­mo à Es­ta­ção Mus­su­run­ga, a par­tir das 9h30 de 21 de de­zem­bro.

In­for­ma­ções re­la­ti­vas à mar­ca, mo­de­lo, ano, chas­sis e va­lo­res de ava­li­a­ção cons­tam no Ane­xo I do edi­tal, disponível no si­te do Tri­bu­nal.

Po­de par­ti­ci­par do pre­gão qual­quer pes­soa fí­si­ca, ins­cri­ta no Ca­das­tro Na­ci­o­nal de Pes­so­as Fí­si­cas (CPF), ou pes­soa ju­rí­di­ca de na­tu­re­za pú­bli­ca ou pri­va­da. É ve­da­da a par­ti­ci­pa­ção de agen­tes pú­bli­cos ou ser­vi­do­res per­ten­cen­tes ao qua­dro do TJ.

Os in­te­res­sa­dos de­vem re­a­li­zar seu cre­den­ci­a­men­to pe­ran­te o lei­lo­ei­ro no dia do even­to, a par­tir das 8h. É obri­ga­tó­ria a apre­sen­ta­ção de ori­gi­nais e có­pi­as do CPF ou CNPJ. Nes­se úl­ti­mo ca­so, tam­bém se faz ne­ces­sá­ria a apre­sen­ta­ção dos CPFs dos re­pre­sen­tan­tes le­gais.

Os re­pre­sen­tan­tes dos li­ci­tan­tes, pes­soa fí­si­ca ou ju­rí­di­ca, que não pos­sam com­pa­re­cer à fa­se de lan­ces, de­vem com­pa­re­cer ao pre­gão em pos­se de uma pro­cu­ra­ção.

Os bens ar­re­ma­ta­dos se­rão pa­gos à vis­ta, em mo­e­da cor­ren­te ou che­que no­mi­nal ao lei­lo­ei­ro. So­bre o va­lor ar­re­ma­ta­do, de ca­da lo­te, se­rá acres­ci­do o equi­va­len­te a 5% pa­ra a co­mis­são do lei­lo­ei­ro. O va­lor se­rá pa­go pe­lo ar­re­ma­tan­te di­re­ta­men­te ao lei­lo­ei­ro.

A en­tre­ga dos lo­tes acon­te­ce­rá após o pri­mei­ro dia útil de re­a­li­za­ção do lei­lão, me­di­an­te apre­sen­ta­ção da no­ta fis­cal emi­ti­da pe­lo lei­lo­ei­ro. As no­tas fis­cais re­la­ti­vas a lo­tes cu­jos pa­ga­men­tos fo­rem re­a­li­za­dos em che­ques só se­rão emitidas após com­pen­sa­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.