Sob do­mí­nio do ter­ror

Correio da Bahia - - Front Page -

O es­tu­dan­te Jo­nas Ri­bei­ro dos San­tos Ne­to, de 17 anos, se tor­nou sím­bo­lo do do­mí­nio im­pos­to por fac­ções do cri­me or­ga­ni­za­do so­bre co­mu­ni­da­des pe­ri­fé­ri­cas de Sal­va­dor, on­de o ter­ror avan­ça sem frei­os. Bru­tal­men­te as­sas­si­na­do, o jo­vem que so­nha­va em ser bo­xe­a­dor pro­fis­si­o­nal foi re­ti­ra­do à for­ça de um ôni­bus por ban­di­dos, em 15 de de­zem­bro, no Bos­que das Bro­mé­li­as. Seu cor­po só foi en­con­tra­do no úl­ti­mo dia 5, no por­ta-ma­las de um car­ro rou­ba­do e aban­do­na­do per­to da ca­sa on­de mo­ra­va, no Pla­ne­ta dos Ma­ca­cos.

Os si­nais de tor­tu­ra e os fe­ri­men­tos dei­xa­dos por ti­ros e fa­ca­das de­mons­tra­vam o ta­ma­nho da cru­el­da­de a que foi sub­me­ti­do. Sem qual­quer his­tó­ri­co ou en­vol­vi­men­to com crimes, Jo­nas foi mor­to, pro­va­vel­men­te, ape­nas por re­si­dir em uma área con­tro­la­do pe­la fac­ção ri­val a dos seus al­go­zes. Os de­dos ar­ran­ca­dos do es­tu­dan­te se­ri­am uma for­ma de dei­xar no cor­po a “mar­ca” do Bon­de do Ma­lu­co, gru­po que do­mi­na o Bos­que das Bro­mé­li­as e que ga­nhou no­to­ri­e­da­de atra­vés da si­gla BDM.

Co­mo re­ve­lou o COR­REIO na edi­ção da úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, o con­jun­to ha­bi­ta­ci­o­nal tam­bém sim­bo­li­za a Sal­va­dor em que os cri­mi­no­sos agem li­vre­men­te, sem qual­quer ti­po de re­pres­são efe­ti­va por par­te dos ór­gãos de Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca. Lan­ça­do com pom­pa em de­zem­bro de 2010, em um dos úl­ti­mos com­pro­mis­sos de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT) co­mo pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, o Bos­que das Bro­mé­li­as vi­rou ter­ri­tó­rio sob do­mí­nio do cri­me or­ga­ni­za­do nes­se cur­to es­pa­ço de tem­po.

Lá, co­mo em mui­tas ou­tras co­mu­ni­da­des da ca­pi­tal bai­a­na, o Es­ta­do não exis­te. Quem di­ta as re­gras são cri­mi­no­sos. In­va­dem ca­sas, ati­ram em pes­so­as nas ru­as, cri­am ce­mi­té­ri­os clan­des­ti­nos e ma­tam aque­les que atra­ves­sam seus ca­mi­nhos, se­ja por dí­vi­da, por que­bra­rem a “lei do si­lên­cio” do trá­fi­co ou, no ca­so de Jo­nas, por per­ten­ce­rem ao bair­ro dos seus ini­mi­gos. O mes­mo ocor­re com o fa­ve­li­za­do Pla­ne­ta dos Ma­ca­cos, on­de ou­tra fac­ção, pa­ra­do­xal­men­te ba­ti­za­da de Co­man­do da Paz (CP), é ao mes­mo tem­po juiz e ver­du­go.

O avan­ço des­se rei­na­do do ter­ror coin­ci­de com o cres­ci­men­to sis­te­má­ti­co das es­ta­tís­ti­cas de mor­tes vi­o­len­tas e crimes de to­do ti­po na Bahia du­ran­te os úl­ti­mos dez anos, co­mo apon­ta­ram es­tu­dos ela­bo­ra­dos por ins­ti­tui­ções res­pei­ta­das e ba­se­a­dos em da­dos ofi­ci­ais, em­bo­ra o go­ver­no do es­ta­do, com frequên­cia, se apres­se na ten­ta­ti­va de des­qua­li­fi­cá-los.

O san­gue que cor­re nas ru­as de bair­ros si­tu­a­dos no Su­búr­bio, às mar­gens da BR-324 ou até mes­mo em ocu­pa­ções de­sor­de­na­das que sur­gi­ram no co­ra­ção de bair­ros tra­di­ci­o­nais dis­pen­sa ne­ga­ti­vas ofi­ci­ais pa­ra pro­var que ele exis­te e to­mou uma pro­por­ção nun­ca vis­ta na his­tó­ria da ci­da­de. Cul­par as dro­gas e a de­sa­gre­ga­ção de fa­mí­li­as pe­lo ta­ma­nho as­sus­ta­dor da vi­o­lên­cia na ci­da­de, co­mo cer­tas au­to­ri­da­des vol­ta e meia cos­tu­mam pre­gar, ser­ve tão so­men­te pa­ra es­ca­mo­te­ar uma ver­da­de que não se po­de es­con­der.

Há mui­to es­te jor­nal aler­ta o go­ver­no e a cú­pu­la da Se­gu­ran­ça Pú­bli­ca so­bre a ur­gên­cia de uma po­lí­ti­ca efe­ti­va de com­ba­te às fac­ções do cri­me or­ga­ni­za­do. O pro­ble­ma não é fá­cil de re­sol­ver, is­so é fa­to, e de­pen­de tam­bém do en­vol­vi­men­to de to­dos, da Jus­ti­ça ao em­pre­sa­ri­a­do, das en­ti­da­des da so­ci­e­da­de ci­vil or­ga­ni­za­da ao Le­gis­la­ti­vo, das ad­mi­nis­tra­ções mu­ni­ci­pais aos ór­gãos fe­de­rais. Mas, so­bre­tu­do, é uma ta­re­fa que, em um pri­mei­ro mo­men­to, ca­be a quem tem o de­ver cons­ti­tui­ci­o­nal de ze­lar pe­la vi­da dos ci­da­dãos de bem em seus es­ta­dos.

A de­mo­ra em re­a­gir ao do­mí­nio do ter­ror so­bre co­mu­ni­da­des ca­ren­tes de Sal­va­dor fez com que a cri­mi­na­li­da­de tam­bém to­mas­se o con­tro­le da pe­ri­fe­ria de ci­da­des do in­te­ri­or e da Re­gião Me­tro­po­li­ta­na. Não são pou­cos os bair­ros sub­ju­ga­dos por ban­di­dos em mu­ni­cí­pi­os com Ita­bu­na, Fei­ra de San­ta­na, Ca­ma­ça­ri, Lau­ro de Freitas e Por­to Se­gu­ro, só pa­ra fi­car em al­guns de uma gran­de lis­ta. Se al­go não for fei­to ago­ra, ve­re­mos ca­da vez mais vítimas co­mo Jo­nas.

Já são mui­tas as co­mu­ni­da­des da ca­pi­tal on­de o Es­ta­do não exis­te. Quem di­ta re­gras são cri­mi­no­sos

/correio24horas

@correio24horas

Ex­pul­so An­tes mes­mo de en­trar na ca­sa, o atle­ta de MMA Fá­bio, que foi anun­ci­a­do co­mo par­ti­ci­pan­te do BBB19, foi des­clas­si­fi­ca­do do pro­gra­ma, que es­treia nes­sa ter­ça-fei­ra (15). A TV Glo­bo in­for­mou a saí­da do can­di­da­to da dis­pu­ta em um co­mu­ni­ca­do pu­bli­ca­do on­tem. A emis­so­ra tam­bém re­ve­lou que Fá­bio não se­rá subs­ti­tuí­do. A Glo­bo dis­se que Fá­bio omi­tiu pa­ra a TV que é pa­tro­ci­na­do por uma mar­ca de rou­pa de gi­nás­ti­ca, o que foi con­si­de­ra­do que­bra de con­tra­to por con­ta dele.

HTTP://BIT.LY/EXPULSOBBB

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.