As du­as guer­ras da Pre­vi­dên­cia

Correio da Bahia - - Mundo - Mi­ri­am lei­tão COM ALVARO GRIBEL (DE SÃO PAU­LO)

blogs.oglo­bo.glo­bo.com/mi­ri­am-lei­tao/

A prin­ci­pal ba­ta­lha da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia ain­da nem co­me­çou. A bri­ga pa­ra va­ler se­rá de­pois da pos­se do no­vo Con­gres­so, em fevereiro, e da elei­ção da no­va CCJ (Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção, Jus­ti­ça e Ci­da­da­nia), que de­ve acon­te­cer no fi­nal de mar­ço. Só aí os lob­bi­es en­tra­rão em campo. O que hou­ve até ago­ra é dis­pu­ta in­ter­na, que tem emi­ti­do pés­si­mos si­nais. No go­ver­no pas­sa­do, Te­mer, Pa­di­lha e Mei­rel­les jo­ga­vam afi­na­dos a fa­vor da re­for­ma e ti­ve­ram que su­ar a ca­mi­sa atrás dos vo­tos que a fi­zes­se avan­çar. No atu­al, há de­sen­con­tros no trio: o pre­si­den­te e os mi­nis­tros da Eco­no­mia e da Ca­sa Ci­vil.

A op­ção de co­me­çar do ze­ro é a pi­or ideia que sur­giu. Por is­so no Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia ba­te-se pa­ra que se­ja apro­vei­ta­do o pro­je­to que já ca­mi­nhou, con­tra to­das as crí­ti­cas do en­tão de­pu­ta­do Onyx Lo­ren­zo­ni. A tra­mi­ta­ção, no ca­so de ter um no­vo pro­je­to, se­ria lon­ga de­mais e des­per­di­ça­ria o pe­río­do de lua de mel com o Con­gres­so, o mer­ca­do e o elei­to­ra­do. Nes­se ca­so, a dis­cus­são só te­ria iní­cio após a for­ma­ção da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), no fi­nal de mar­ço. De­pois, se­ria cons­ti­tuí­da uma Co­mis­são Es­pe­ci­al pa­ra dis­cu­tir a PEC. O pri­mei­ro se­mes­tre se­ria per­di­do re­fa­zen­do-se os pas­sos da re­for­ma de Te­mer.

Es­se é o ar­gu­men­to mais for­te do ministro Pau­lo Gu­e­des. Ele sem­pre diz que a re­for­ma do Te­mer é “re­men­do em cal­ça ve­lha”, po­rém es­se re­men­do se­rá o veí­cu­lo pa­ra a pro­pos­ta de Bol­so­na­ro avan­çar. Quem já es­te­ve ne­go­ci­an­do no go­ver­no pas­sa­do ex­pli­ca que há uma mar­gem de ma­no­bra enor­me pa­ra se me­xer no tex­to. Mais de 200 emen­das fo­ram apre­sen­ta­das ao pro­je­to ori­gi­nal, na Co­mis­são Es­pe­ci­al que ana­li­sou a PEC. Es­sas emen­das ser­vem de ba­se pa­ra al­te­ra­ções no subs­ti­tu­ti­vo do re­la­tor Arthur Maia (PPS-BA), in­cluin­do a ca­pi­ta­li­za­ção. O pró­xi­mo pas­so, en­tão, se­ria a vo­ta­ção em ple­ná­rio.

Se­rá preciso con­tor­nar o fa­to de que o che­fe da Ca­sa Ci­vil e o pre­si­den­te fi­ze­ram du­ras crí­ti­cas à re­for­ma de Te­mer. Bol­so­na­ro che­gou a di­zer que ela era du­ra de­mais e que não se po­dia “ma­tar ido­so” pa­ra sal­var o Bra­sil. Onyx se jun­tou ao PT, na épo­ca, pa­ra ne­gar a exis­tên­cia do dé­fi­cit. A opo­si­ção e os lob­bi­es con­trá­ri­os às mu­dan­ças vão usar is­so con­tra o go­ver­no.

Há vá­ri­os gru­pos com mui­ta for­ça que são ad­ver­sá­ri­os da re­for­ma. Os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos de al­to es­ca­lão, in­clu­si­ve al­guns ser­vi­do­res le­gis­la­ti­vos que as­ses­so­ram os par­la­men­ta­res e que co­nhe­cem co­mo nin­guém o fun­ci­o­na­men­to do Con­gres­so. Jun­to de­les, os fun­ci­o­ná­ri­os do po­der ju­di­ciá­rio e as for­ças de se­gu­ran­ça. A bancada de ser­vi­do­res au­men­tou nes­sa elei­ção.

Ou­tro gru­po é com­pos­to pe­los ru­ra­lis­tas, in­flu­en­tes no atu­al go­ver­no. Eles não são exa­ta­men­te con­tra a re­for­ma, mas não que­rem al­te­ra­ção que afe­te os pri­vi­lé­gi­os do se­tor ru­ral. E há tam­bém os mi­li­ta­res, que con­ti­nu­am fa­lan­do em al­to e bom som que são di­fe­ren­tes. Na ver­da­de, Bol­so­na­ro em si é re­pre­sen­tan­te des­se gru­po. Ele fez sua car­rei­ra po­lí­ti­ca de­fen­den­do in­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos das For­ças Ar­ma­das e dos po­li­ci­ais. No ca­so dos po­li­ci­ais, é fun­da­men­tal pa­ra os es­ta­dos que eles se apo­sen­tem mais tar­de. Ho­je, mui­tos de­les se apo­sen­tam an­tes dos 50 anos.

O eco­no­mis­ta Fá­bio Gi­am­bi­a­gi, es­pe­ci­a­lis­ta em Pre­vi­dên­cia, ava­lia que pro­por o re­gi­me de ca­pi­ta­li­za­ção se­rá um er­ro, por­que vai cau­sar mui­to ruí­do e ge­rar pou­ca eco­no­mia pa­ra se com­ba­ter a cri­se fis­cal. Pe­las su­as contas, se for apro­va­do o pro­je­to su­ge­ri­do pe­los eco­no­mis­tas Ar­mí­nio Fra­ga e Pau­lo Taf­ner, que tem uma tran­si­ção de re­gi­mes len­ta, ape­nas 1,5% das des­pe­sas do INSS se­ri­am afe­ta­das.

—Das du­as, uma: ou se faz uma ca­pi­ta­li­za­ção mais rá­pi­da e aí o cus­to é al­to de­mais, pra­ti­ca­men­te im­pa­gá­vel; ou se faz uma ca­pi­ta­li­za­ção mais len­ta e aí o ga­nho é mui­to pe­que­no e não va­le a pe­na— ar­gu­men­ta.

Gi­am­bi­a­gi tam­bém vê com pre­o­cu­pa­ção a es­tra­té­gia po­lí­ti­ca de ne­go­ci­ar com as ban­ca­das e não com os par­ti­dos. A mai­o­ria dos ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos con­cor­da que ig­no­rar os par­ti­dos vai au­men­tar o cus­to da apro­va­ção de me­di­das di­fí­ceis co­mo a Pre­vi­dên­cia.

Pau­lo Gu­e­des quer uma ca­pi­ta­li­za­ção mais rá­pi­da. A pro­pos­ta de só es­tar dis­po­ní­vel pa­ra quem nas­ceu após 2014 é len­ta de­mais, na opi­nião dele. O pro­ble­ma é que, so­bre es­se as­sun­to, a Ca­sa Ci­vil tem pro­je­to pron­to. Em su­ma, o go­ver­no es­tá ain­da em ple­na guer­ra in­ter­na pa­ra sa­ber que re­for­ma afi­nal apre­sen­ta­rá. A se­gun­da gran­de guer­ra se­rá no Con­gres­so.

Gran­de ba­ta­lha da Pre­vi­dên­cia ain­da nem co­me­çou e se dará no Con­gres­so. Por is­so, pre­o­cu­pa a fal­ta de sin­to­nia in­ter­na so­bre o pro­je­to no go­ver­no Bol­so­na­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.