AN­DER­SON LUIZ MO­REI­RA DA COS­TA

Correio da Bahia - - Mais -

O es­pe­ci­al Du­as Fa­ces de Um Ho­mem, pro­du­zi­do em Sal­va­dor e no Rio (use o link: http://bit.ly/Es­pe­ci­alCORREIO), tam­bém traz um ví­deo so­bre o pro­ces­so de apu­ra­ção (link: http://bit.ly/Ad­sonAn­der­son) Na noi­te de 12 de de­zem­bro do ano 2000, na BR-101, prin­ci­pal ro­do­via que cor­ta o es­ta­do do Rio de Ja­nei­ro, um ban­do de 15 as­sal­tan­tes abor­da um car­ro-for­te. Di­vi­di­da em dois ca­mi­nhões rou­ba­dos, a qua­dri­lha por­ta es­co­pe­tas e fu­zis. Os cri­mi­no­sos ata­cam o veí­cu­lo blin­da­do pe­lo te­to, úni­co pon­to sem a pro­te­ção. Atin­gi­do no pes­co­ço e na ca­be­ça, o vi­gi­lan­te Alexandre Hen­ri­que Mo­rei­ra, 29 anos, mor­re na ho­ra. Ou­tros dois se­gu­ran­ças são ba­le­a­dos. Os la­drões fo­gem le­van­do cer­ca de R$ 700 mil (R$ 2 mi­lhões em va­lo­res atu­a­li­za­dos com in­fla­ção).

A ação au­da­ci­o­sa, um dos mai­o­res rou­bos da épo­ca, cha­mou a aten­ção. Qua­tro me­ses de­pois, em 15 de abril de 2001, An­der­son Luiz Mo­rei­ra da Cos­ta, 30, foi pre­so en­quan­to vol­ta­va de uma vi­a­gem à tu­rís­ti­ca Te­re­só­po­lis. Pa­ra a po­lí­cia, ele era um dos ar­ti­cu­la­do­res do gran­de rou­bo. Em­bo­ra fos­se a pri­mei­ra vez que An­der­son ga­nha­va as man­che­tes, o ban­di­do, res­pon­sá­vel por co­man­dar a ven­da de dro­gas no Com­ple­xo da Ser­ri­nha, em Ma­du­rei­ra, já era per­so­na do cri­me mui­to an­tes dis­so. Es­ta­va na mi­ra de in­ves­ti­ga­do­res ha­via 7 anos. Em maio de 1994, um inqué­ri­to po­li­ci­al apon­ta­va que tra­fi­can­tes de di­ver­sas co­mu­ni­da­des ha­vi­am se reu­ni­do em uma es­pé­cie de ‘con­sór­cio’ pa­ra rou­bar car­ros-for­tes.

O lí­der do gru­po era An­der­son Vi­ni­cius Sim­plí­cio.

Não se tra­ta­va ape­nas de um xa­rá de An­der­son Luiz. Os dois che­fi­a­vam o trá­fi­co na Ser­ri­nha e ti­nham as mes­mas fei­ções, ida­de e vul­go: “Es­pi­nha”, ape­li­do ori­gi­na­do de uma ci­ca­triz na bar­ri­ga de­vi­do a uma ci­rur­gia. De­ta­lhe: An­der­son já ha­via si­do pre­so por­tan­do do­cu­men­tos com ao me­nos ou­tras cin­co iden­ti­fi­ca­ções di­fe­ren­tes. Ou se­ja, seus “eus” den­tro da mes­ma per­so­na­li­da­de cri­mi­no­sa eram mui­tos. Se­gun­do a po­lí­cia, a qua­dri­lha co­man­da­da por Es­pi­nha – que re­cru­ta­va até ado­les­cen­tes – foi res­pon­sá­vel por mais de 40 rou­bos a car­ros-for­tes, com lu­cro bru­to de 8 mi­lhões de dó­la­res.

Em abril de 2001, uma com­pa­nhei­ra de Es­pi­nha por 11 anos pro­cu­rou a de­le­ga­cia e re­la­tou que “por vá­ri­as ve­zes” fo­ra agre­di­da por ele. Na da­ta em que de­nun­ci­ou o ex, dis­se que ele ha­via ten­ta­do “lhe ma­tar com en­for­ca­men­to, so­cos e pon­ta­pés”.

RASTREIO COM­PLI­CA­DO

As mui­tas iden­ti­da­des tor­nam di­fí­cil a mis­são de re­fa­zer os pas­sos de An­der­son. A úl­ti­ma vez que ele foi pa­rar atrás das gra­des, até on­de se sa­be, foi em abril de 2003, após ser de­ti­do em uma ro­do­viá­ria de Vi­la Ve­lha (ES). Ele per­ma­ne­ceu de­ti­do por 55 di­as, até ob­ter re­la­xa­men­to de pri­são. A par­tir daí, seu pa­ra­dei­ro só vol­tou a ser co­nhe­ci­do qu­an­do da de­ten­ção em Sal­va­dor.

Na ten­ta­ti­va de de­se­ma­ra­nhar o no­ve­lo da vi­da de An­der­son, a re­por­ta­gem des­co­briu que a es­co­la on­de ele dis­se ter es­tu­da­do no Rio não exis­te. O en­de­re­ço dá, li­te­ral­men­te, num be­co sem saí­da.

Na Jus­ti­ça do Rio, An­der­son Luis Mo­rei­ra (com S no Luis e sem o ‘da Cos­ta’) res­pon­de a só um pro­ces­so cri­mi­nal: uma ação ini­ci­a­da a par­tir de uma in­ves­ti­ga­ção de 1998, que in­di­ci­ou seis tra­fi­can­tes. De lá pa­ra cá, após des­mem­bra­men­tos e pres­cri­ções, res­ta­ram so­men­te dois réus além de An­der­son, o úni­co ain­da pre­so.

A de­fe­sa de Es­pi­nha não co­men­tou as pri­sões. Na co­mu­ni­da­de da Ser­ri­nha, on­de ho­je atua uma fac­ção ri­val, nin­guém tam­bém quer co­men­tar ou lem­brar os tem­pos em que Es­pi­nha era o do­no do mor­ro.

DI­VUL­GA­ÇÃO/PO­LÍ­CIA CI­VIL

An­der­son e a ci­ca­triz de ‘es­pi­nha’ no pei­to, qu­an­do foi pre­so no Rio por crimes co­mo as­sal­to a car­ro-for­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.