AN­DER­SON VERSUS AD­SON

Ca­sos de agres­são con­tra mu­lhe­res no Rio e na Bahia fo­ram ati­tu­des de am­bas as fa­ces

Correio da Bahia - - Mais - Alexandre Ly­rio e Luã Sou­za RE­POR­TA­GEM re­da­[email protected]

Eu fa­zia uma pi­a­da com ele: ‘Es­se Ad­son pa­re­ce que veio fu­gi­do de um mor­ro ca­ri­o­ca. Cor­reu da po­lí­cia e veio pa­rar aqui na Bahia’. Se tor­nou re­al

Ad­vo­ga­do e co­le­ga de fa­cul­da­de de Ad­son, ao lem­brar que es­te sem­pre ‘vi­via cor­ren­do’

Um pro­fes­sor tem vá­ri­os alu­nos. Mas Ad­son cha­ma a aten­ção. Sem­pre par­ti­ci­pa­ti­vo, além de so­lí­ci­to e pres­ta­ti­vo com os co­le­gas

Pro­fes­sor de Di­rei­to da Dois de Ju­lho ao re­lem­brar que Ad­son era alu­no de des­ta­que

Ad­son che­ga­va jun­to mes­mo (na fa­cul­da­de). Aju­da­va quem quer que es­ti­ves­se pre­ci­san­do. Não só a nós do gru­po, mas qual­quer um

Co­le­ga de fa­cul­da­de que se ofe­re­ceu pa­ra de­fen­der Ad­son em ca­so de ne­ces­si­da­de

Na Bahia, to­dos os que man­ti­ve­ram con­ta­to com An­der­son Luiz Mo­rei­ra da Cos­ta, tra­fi­can­te que fu­giu pa­ra a Bahia e vi­rou ad­vo­ga­do e em­pre­sá­rio (ver pá­gi­nas an­te­ri­o­res), são unâ­ni­mes em acre­di­tar que ele se re­ge­ne­rou. Mas há re­gis­tros mos­tran­do que seu no­vo no­me não é tão lim­po as­sim. Pri­mei­ro por­que Ad­son Mo­rei­ra de Me­ne­zes, iden­ti­da­de que as­su­miu em Sal­va­dor, apa­re­ce em três ações ju­di­ci­ais re­la­ci­o­na­das a exe­cu­ção fis­cal. São ta­xas de li­cen­ci­a­men­to de es­ta­be­le­ci­men­tos pro­va­vel­men­te com dí­vi­das com o mu­ni­cí­pio.

Até aí, na­da de­mais. O pro­ble­ma é que, com uma bus­ca mais apu­ra­da, o sis­te­ma do TJ-BA con­se­gue pes­car um pro­ces­so de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. Es­se tal­vez se­ja o úni­co mo­men­to que Ad­son se re­co­nec­ta com An­der­son. Até por­que, no Rio, An­der­son tam­bém res­pon­deu pro­ces­so por vi­o­lên­cia do­més­ti­ca.

Em Sal­va­dor, em 2010, Ad­son foi de­nun­ci­a­do pe­lo MP-BA por le­são cor­po­ral qua­li­fi­ca­da, pra­ti­ca­da con­tra Mô­ni­ca Young Ae Yu, que te­ria ocor­ri­do em ou­tu­bro de 2008, em um mo­tel no Bar­ba­lho.

Ape­sar dos ar­gu­men­tos da de­fe­sa de que o réu não te­ria vín­cu­lo afe­ti­vo com a ví­ti­ma, a juí­za che­ga­ria à con­clu­são de que os dois na­mo­ra­vam ha­via um ano e meio qu­an­do das agres­sões. Uma au­di­ên­cia de ins­tru­ção e jul­ga­men­to che­gou a ser mar­ca­da pa­ra ou­tu­bro de 2011, mas o pro­ces­so, por al­gum mo­ti­vo, foi fi­na­li­za­do.

Mô­ni­ca Yu não foi lo­ca­li­za­da pra fa­lar do as­sun­to.

O fa­to é que, na ho­ra em que agre­dia uma mu­lher, em Sal­va­dor, Ad­son foi An­der­son de no­vo. Por um ins­tan­te, a per­so­na que ele as­su­miu por tan­to tem­po na Bahia, sua más­ca­ra, sim­ples­men­te caiu. Mas quem é aque­le ho­mem na sua es­sên­cia? Qual a sua re­al per­so­na? An­der­son ou Ad­son?

Ele che­ga­va aí (no Res­tau­ran­te Tro­pi­cá­lia, Pe­lou­ri­nho), des­car­re­ga­va o car­ro dele. Sem­pre mui­to edu­ca­do. Um ho­mem de bem

Do­no da Can­ti­na da Lua, es­ta­be­le­ci­men­to vi­zi­nho ao res­tau­ran­te de Ad­son e sua mãe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.