Ca­dê a ben­ze­ta­cil?

Correio da Bahia - - Mais - Ga­bri­el Amo­rim*, Ga­bri­el Mou­ra* e Ma­ria Cla­ra Gib­son* RE­POR­TA­GEM re­da­[email protected] COM SU­PER­VI­SÃO DO CHE­FE DE RE­POR­TA­GEM JOR­GE GAUTHIER

Ir pa­ra a es­co­la, an­dar de bi­ci­cle­ta, sair com os ami­gos e, a ca­da 21 di­as, to­mar uma in­je­ção de Ben­ze­ta­cil. Es­sa é a ro­ti­na do es­tu­dan­te de Se­a­bra, Lu­an Fer­rei­ra Men­des, 18, que faz uso do re­mé­dio des­de os 12 anos e de­ve con­ti­nu­ar com ele até os 35. O pro­ble­ma é que a me­di­ca­ção, úni­ca for­ma de tra­tar sua fe­bre reu­má­ti­ca, es­tá em fal­ta nas farmácias bai­a­nas.

Em Sal­va­dor, por exem­plo, o COR­REIO per­cor­reu 50 dro­ga­ri­as de 18 di­fe­ren­tes re­des, em 11 bair­ros - ao lon­go des­ta se­ma­na, e en­con­trou o re­mé­dio em ape­nas du­as de­las: Mult­mais, da Bo­ca do Rio, e na Far­ma Rio Ver­me­lho, lo­ca­li­za­da no bair­ro de mes­mo no­me. Em ou­tras qua­tro foi pos­sí­vel achar o Be­pe­ben, pro­du­to si­mi­lar, fa­bri­ca­do a par­tir da mes­ma subs­tân­cia.

O pre­ço mé­dio é de R$ 14 por am­po­la. O le­van­ta­men­to do COR­REIO foi fei­to no Ca­ne­la, Bo­ca do Rio, Im­buí, Ca­bu­la, Na­ran­di­ba, Bro­tas, En­ge­nho Ve­lho de Bro­tas, Cos­ta Azul, Pi­tu­ba, Rio Ver­me­lho e Bar­ra. A far­má­cia Ex­tra­far­ma, em Bro­tas, aber­ta há um ano, por exem­plo, nun­ca con­se­guiu re­ce­ber o me­di­ca­men­to. “Nós já fi­ze­mos o pe­di­do pe­lo me­di­ca­men­to mais de 10 ve­zes, mas sem­pre te­mos a res­pos­ta de que es­tá em fal­ta no dis­tri­bui­dor”, con­ta a far­ma­cêu­ti­ca Loha­na So­a­res.

Mãe de Lu­an, a au­xi­li­ar de con­sul­tó­rio odon­to­ló­gi­co Sir­lei­de Al­ves Fer­rei­ra, 45, diz que pre­ci­sa ir pa­ra as uni­da­des de saú­de pú­bli­cas pa­ra me­di­car o fi­lho. “É mui­to di­fí­cil en­con­trar o re­mé­dio. Às ve­zes não tem nem no pos­to e na UPA, e qu­an­do vou pro­cu­rar nas farmácias, não acho em ne­nhu­ma. Qu­an­do en­con­tro o re­mé­dio, as en­fer­mei­ras me dão umas cin­co [am­po­las], pa­ra ga­ran­tir”.

Ben­ze­ta­cil é o no­me po­pu­lar da pe­ni­ci­li­na ben­za­ti­na. Co­nhe­ce­mos a subs­tân­cia pe­lo no­me co­mer­ci­al da­do pe­la Eu­ro­far­ma, prin­ci­pal fa­bri­can­te da dro­ga no Bra­sil. “Ela é um ti­po de pe­ni­ci­li­na de ação pro­lon­ga­da, que fi­ca no or­ga­nis­mo por até 21 di­as agin­do”, es­cla­re­ce o in­fec­to­lo­gis­ta Fer­nan­do Ba­da­ró.

O fa­bri­can­te in­for­mou ao COR­REIO que, em 2018, de­vi­do a ajus­tes na fá­bri­ca, hou­ve uma “re­du­ção pon­tu­al na pro­du­ção de Ben­ze­ta­cil, que po­de ter ge­ra­do de­sa­bas­te­ci­men­to em al­gu­mas farmácias e re­des de va­re­jo”.

No en­tan­to, ain­da se­gun­do a Eu­ro­far­ma, des­de de­zem­bro do ano pas­sa­do, “a fa­bri­ca­ção e dis­tri­bui­ção do me­di­ca­men­to Ben­ze­ta­cil vem ocor­ren­do nor­mal­men­te, po­rém a de­man­da do mer­ca­do tem se mos­tra­do aci­ma dos ní­veis his­tó­ri­cos”. Mes­mo as­sim, o fa­bri­can­te afir­mou que a pro­du­ção do me­di­ca­men­to já foi nor­ma­li­za­da e que, nos pró­xi­mos di­as, o mer­ca­do es­ta­rá com­ple­ta­men­te abas­te­ci­do.

CO­MÉR­CIO

Pa­ra o vi­ce-pre­si­den­te do Sin­di­ca­to do Co­mér­cio Va­re­jis­ta de Pro­du­ção Far­ma­cêu­ti­ca do Es­ta­do da Bahia, Luis Trin­da­de, a fa­bri­ca­ção es­tá fo­ra da re­gu­la­ri­da­de há mais de dois anos e o que che­ga até as farmácias é in­su­fi­ci­en­te, mes­mo que, pa­ra ele, a de­man­da se­ja me­nor. “Ho­je exis­te um con­tro­le pa­ra a com­pra de Ben­ze­ta­cil, só se po­de com­prar com re­cei­ta”.

Já pa­ra o mé­di­co in­fec­to­lo­gis­ta Antô­nio Ban­dei­ra, co­or­de­na­dor do Co­mi­tê Ci­en­tí­fi­co da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de In­fec­to­lo­gia, o de­sa­pa­re­ci­men­to do Ben­ze­ta­cil po­de es­tar re­la­ci­o­na­do ao au­men­to dos ca­sos de sí­fi­lis no es­ta­do. “O re­mé­dio é fun­da­men­tal no tra­ta­men­to da sí­fi­lis. Is­so por­que, no ca­so da do­en­ça, es­sa é a úni­ca que dá se­gu­ran­ça de tra­tar o do­en­te”.

Além da sí­fi­lis, o Ben­ze­ta­cil tam­bém po­de ser uti­li­za­do pa­ra o tra­ta­men­to de ou­tras do­en­ças, in­fec­ções de gar­gan­ta, co­mo amig­da­li­te bac­te­ri­a­na, e ma­ni­fes­ta­ções de pe­le co­mo a eri­si­pe­la e fe­bre reu­má­ti­ca.

De acor­do com o pro­fes­sor da Es­co­la Bahi­a­na de Me­di­ci­na e Saú­de Pú­bli­ca e mé­di­co in­fec­to­lo­gis­ta Rob­son Reis, o Ben­ze­ta­cil é a pri­mei­ra op­ção pa­ra o tra­ta­men­to de sí­fi­lis e da fe­bre reu­má­ti­ca.

“A pe­ni­ci­li­na ben­za­ti­na, por ser uma dro­ga an­ti­ga e am­pla­men­te uti­li­za­da, e por ser mais es­pe­cí­fi­ca e di­re­ci­o­na­da, tor­na o tra­ta­men­to mais se­gu­ro e efi­caz. Ou­tras dro­gas, além de um mai­or cus­to, não são tão efi­ca­zes. No ca­so da amig­da­li­te, exis­tem ou­tros me­di­ca­men­tos”.

A es­cas­sez do re­mé­dio já é co­nhe­ci­da pe­los mé­di­cos. A con­sul­to­ra co­mer­ci­al Ta­mi­res No­va­es, 23, con­se­guiu en­con­trar a dro­ga na se­gun­da far­má­cia que pro­cu­rou, no en­tan­to, foi ad­ver­ti­da pe­lo mé­di­co. “Ele me dis­se que po­de­ria ser di­fí­cil en­con­trar, por is­so in­di­cou uma ou­tra op­ção”.

ABAS­TE­CI­MEN­TO

Al­gu­mas farmácias vi­si­ta­das che­gam, in­clu­si­ve, a ori­en­tar o pa­ci­en­te a pro­cu­rar uma uni­da­de de saú­de pú­bli­ca, on­de se­ria mais fá­cil o aces­so ao Ben­ze­ta­cil. Ape­sar das farmácias não te­rem o me­di­ca­men­to nas pra­te­lei­ras, na ca­pi­tal, as uni­da­des de saú­de pú­bli­cas e pri­va­das afir­mam que não en­con­tram a mes­ma di­fi­cul­da­de. Re­pre­sen­tan­tes da Se­cre­ta­ria Municipal de Saú­de (SMS) e da Se­cre­ta­ria de Saú­de do Es­ta­do da Bahia (Se­sab) in­for­ma­ram que o es­to­que de Ben­ze­ta­cil es­tá re­gu­lar. O Mi­nis­té­rio da Saú­de foi pro­cu­ra­do, mas não res­pon­deu a re­por­ta­gem.

Em re­la­ção aos hos­pi­tais pri­va­dos, o COR­REIO pro­cu­rou, em Sal­va­dor, o Hos­pi­tal da Bahia, Hos­pi­tal São Ra­fa­el, Hos­pi­tal San­ta Iza­bel, Hos­pi­tal Por­tu­guês, Hos­pi­tal Ali­an­ça e Hos­pi­tal Ae­ro­por­to, que não re­la­ta­ram pro­ble­mas a res­pei­to do Ben­ze­ta­cil.

Com a fal­ta do re­mé­dio, uma das op­ções re­cei­ta­das pe­los mé­di­cos é o me­di­ca­men­to si­mi­lar, co­nhe­ci­do co­mo Be­pe­ben. Fa­bri­ca­do pe­lo la­bo­ra­tó­rio Teu­to, o re­mé­dio con­tém a mes­ma subs­tân­cia do Ben­ze­ta­cil.

O pro­fes­sor Rob­son Reis ex­pli­ca a di­fe­ren­ça en­tre os me­di­ca­men­tos. “Na prá­ti­ca, é a mes­ma subs­tân­cia e o no­me muda de acor­do com o la­bo­ra­tó­rio que pro­duz. É preciso, con­tu­do, to­mar cui­da­do pa­ra não con­fun­dir o re­mé­dio si­mi­lar com o ge­né­ri­co. O re­mé­dio si­mi­lar não pas­sou por to­dos os ri­go­ro­sos testes de bi­o­e­qui­va­lên­cia, por is­so ape­nas pro­me­te ter os mes­mos efei­tos”, en­si­na Rob­son.

Os testes men­ci­o­na­dos são fei­tos tan­to no me­di­ca­men­to de re­fe­rên­cia - que no ca­so da pe­ni­ci­li­na ben­za­ti­na é o Ben­ze­ta­cil, que foi o pri­mei­ro a ser co­mer­ci­a­li­za­do - quan­to no ge­né­ri­co, que é co­mer­ci­a­li­za­do com o no­me re­al da subs­tân­cia. Po­rém, os me­di­ca­men­tos si­mi­la­res não são obri­ga­dos a re­a­li­zar to­dos os testes. O la­bo­ra­tó­rio Teu­to, que é res­pon­sá­vel pe­la pro­du­ção do si­mi­lar no país, in­for­mou que não há pro­ble­ma na dis­tri­bui­ção do pro­du­to.

Em 50 farmácias vi­si­ta­das pe­lo COR­REIO, só ti­nha em du­as

FO­TO: MAU­RO AKIN NASSOR/COR­REIO

Em Sal­va­dor, há farmácias on­de o me­di­ca­men­to es­tá em fal­ta há mais de um ano; pre­ço é R$ 15 a am­po­la

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.