Fo­tos de­vem aju­dar a iden­ti­fi­car ban­di­dos

Correio da Bahia - - Mais - THAIS BOR­GES

A po­lí­cia in­ves­ti­ga o ata­que ao ter­rei­ro Ilê Axé Oji­sé Olo­du­ma­re, que tem 15 anos de his­tó­ria, mas es­tá em Bar­ra do Po­ju­ca há ape­nas qua­tro anos. Des­de que foi fun­da­do, a ca­sa nun­ca so­freu atos de in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa, mas os in­te­gran­tes re­la­tam que sem­pre so­frem pre­con­cei­to ao an­dar pe­la lo­ca­li­da­de on­de es­tá ins­ta­la­da atu­al­men­te.

Se­gun­do o ba­ba­lo­ri­xá Ry­chelmy Im­bi­ri­ba, du­ran­te a pre­sen­ça de po­li­ci­ais mi­li­ta­res no lo­cal, após o cri­me, fo­ram mos­tra­das fo­tos de cri­mi­no­sos que atu­am na re­gião, e que po­dem es­tar en­vol­vi­dos com o ata­que. Al­guns dos ban­di­dos, in­clu­si­ve, fo­ram re­co­nhe­ci­dos pe­las ví­ti­mas, o que de­ve aju­dar a po­lí­cia a en­con­trar os au­to­res.

Ape­sar da vi­a­tu­ra do Pe­lo­tão de Em­pre­go Tá­ti­co Ope­ra­ci­o­nal (Pe­to) ter ido ao lo­cal e mos­tra­do as fo­tos, a as­ses­so­ria da Po­lí­cia Ci­vil afir­ma não ter in­dí­ci­os de quem são os cri­mi­no­sos. Além dis­so, in­for­mou que, a prin­cí­pio, a ação é tra­ta­da ape­nas co­mo rou­bo, não co­mo in­to­le­rân­cia. O ca­so foi re­gis­tra­do na De­le­ga­cia de Mon­te Gor­do.

PA­RA NÃO ES­QUE­CER

Os mem­bros do ter­rei­ro irão re­gis­trar o ca­so no Cen­tro de Re­fe­rên­cia de Com­ba­te ao Ra­cis­mo e à In­to­le­rân­cia Re­li­gi­o­sa Nel­son Man­de­la, da Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Pro­mo­ção da Igual­da­de Ra­ci­al (Se­pro­mi), no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co (MP-BA) e en­trar em con­ta­to com a Pre­fei­tu­ra de Ca­ma­ça­ri.

A Se­cre­ta­ria de De­sen­vol­vi­men­to So­ci­al e Ci­da­da­nia (Se­des) da ci­da­de afir­mou que sou­be do ca­so pe­lo COR­REIO, mas que a pas­ta fa­la­ria com o ter­rei­ro. “En­tra­rei em con­ta­to co­lo­can­do à dis­po­si­ção pa­ra re­ce­bê-los na Se­des”, in­for­mou uma re­pre­sen­tan­te da Se­des.

Co­or­de­na­do­ra ge­ral do Co­le­ti­vo de En­ti­da­des Ne­gras (CEN) e eke­di da Ca­sa de Oxu­ma­rê, Irail­des An­dra­de afir­mou que es­tá “sen­si­bi­li­za­da e pre­o­cu­pa­da com es­sa qu­es­tão”. “In­fe­liz­men­te, ho­je va­mos ter que ter mui­to cui­da­do. Es­sa é a con­ver­sa que ve­nho ten­do aqui em ca­sa (de Oxu­ma­rê). Te­mos que ter cui­da­do com es­ses ata­ques que es­ta­mos so­fren­do. Eu acho que a gen­te (os ter­rei­ros) pre­ci­sa ago­ra se for­ta­le­cer mui­to e ter mui­to cui­da­do, por­que vi­ve­re­mos tem­pos mui­to di­fí­ceis”, dis­se.

CO­MO DE­NUN­CI­AR

A Se­pro­mi tem uma re­de de aten­di­men­to con­tra a in­to­le­rân­cia re­li­gi­o­sa nos mu­ni­cí­pi­os. O con­ta­to de­ve ser fei­to atra­vés do (71) 3117-7448. O ór­gão é res­pon­sá­vel por ori­en­tar a ví­ti­ma a pro­cu­rar a uni­da­de mais pró­xi­ma.

Ou­tra for­ma de de­nun­ci­ar ata­ques é atra­vés do apli­ca­ti­vo Ma­pa do Ra­cis­mo, lan­ça­do em no­vem­bro pe­lo MP-BA. Na prá­ti­ca, de­pois que o ci­da­dão bai­xar o app e fi­zer a de­nún­cia, uma equi­pe ges­to­ra vai en­ca­mi­nhar a de­man­da pa­ra a co­mar­ca de­vi­da e, em se­gui­da, o MP-BA en­tra­rá em con­ta­to com a ví­ti­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.