AZEI­TE

A im­por­tân­cia do con­su­mo de azei­te e seus be­ne­fí­ci­os

Cozinha da Vovó Palmirinha - - ÍNDICE - Ca­mi­la Ta­va­res Pre­ve­la­to Nu­tri­ci­o­nis­ta - CRN 10678

Oa­zei­te é um óleo pro­du­zi­do a par­tir da azei­to­na. Tra­ta-se de um ali­men­to mui­to an­ti­go e pre­sen­te em gran­de par­te das co­zi­nhas nos di­as atu­ais.

Cha­ma­do de “ou­ro lí­qui­do”, o azei­te es­tá no ran­king de ali­men­tos es­sen­ci­ais ao car­dá­pio de quem quer uma vi­da mais sau­dá­vel. Ri­co em áci­dos mo­noin­sa­tu­ra­dos, vi­ta­mi­na E e an­ti­o­xi­dan­tes, ele aju­da em do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, pre­vi­ne o en­ve­lhe­ci­men­to pre­co­ce, ser­ve co­mo lu­bri­fi­can­te do in­tes­ti­no e ain­da aju­da no com­ba­te ao cân­cer.

O azei­te ex­tra­vir­gem, mais pu­ro den­tre to­dos, é ex­traí­do na pri­mei­ra pren­sa­gem da azei­to­na e não pas­sa por ne­nhum pro­ces­so quí­mi­co. O vir­gem é o re­sul­ta­do da se­gun­da e da ter­cei­ra pren­sa­gem. O re­fi­na­do é pro­du­zi­do pe­la re­fi­na­ção do azei­te vir­gem. O azei­te pu­ro, mais ba­ra­to, po­rém com o mes­mo va­lor nu­tri­ti­vo, é uma mis­tu­ra de azei­te re­fi­na­do e vir­gem. São ne­ces­sá­ri­as de 1.300 a 2.000 azei­to­nas pa­ra pro­du­zir 250 mi­li­li­tros de azei­te.

As pro­pri­e­da­des nu­tri­ci­o­nais e te­ra­pêu­ti­cas do azei­te vêm sen­do de­mons­tra­das em vá­ri­os tra­ba­lhos ci­en­tí­fi­cos.

Ele é pra­ti­ca­men­te isen­to de gor­du­ra sa­tu­ra­da e con­tém, além da tí­pi­ca gor­du­ra mo­noin­sa­tu­ra­da, pre­sen­te em to­dos os ti­pos de azei­te, al­tas con­cen­tra­ções de vi­ta­mi­na E, be­ta ca­ro­te­no e po­li­fe­nóis. Es­sa as­so­ci­a­ção de com­pos­tos pa­re­ce ser a res­pon­sá­vel pe­la sua ati­vi­da­de an­ti­o­xi­dan­te e an­ti-in­fla­ma­tó­ria.

O azei­te po­de ser uti­li­za­do à tem­pe­ra­tu­ra am­bi­en­te, co­mo po­de ser aque­ci­do em ali­men­tos co­zi­dos. Só não va­le fri­tar ou abu­sar de al­tas tem­pe­ra­tu­ras, pois qu­an­to mais ca­lor, mai­or se­rá a per­da de seus com­pos­tos be­né­fi­cos. For­ne­ce no­ve ca­lo­ri­as por gra­ma do pro­du­to e po­de adi­ci­o­nar mui­tas ca­lo­ri­as ao car­dá­pio de uma pes­soa, in­vi­a­bi­li­zan­do seus pla­nos de al­can­çar ou man­ter um pe­so ide­al.

De­pois de en­ten­der me­lhor to­dos os be­ne­fí­ci­os do uso cor­re­to do azei­te, eu co­mo nu­tri­ci­o­nis­ta da Nur­se’s Li­fe, in­clui o con­su­mo diá­rio em al­gu­mas re­fei­ções dos ido­sos, pen­san­do na me­lho­ra do es­ta­do nu­tri­ci­o­nal de ca­da um. E a ca­sa Nur­se’s Li­fe pre­o­cu­pa-se com o ido­so co­mo um to­do, aten­deu pron­ta­men­te mi­nha in­di­ca­ção. Tam­bém co­mo pro­fis­si­o­nal re­co­men­do o uso dos AZEI­TES BOR­GES, de­vi­do seu di­fe­ren­ci­al em re­la­ção a qua­li­da­de do pro­du­to e pro­pri­e­da­des nu­tri­ci­o­nais, além de sua de­ta­lha­da ro­tu­la­gem. Ti­ve a opor­tu­ni­da­de de co­nhe­cer to­do o pro­ces­so de fa­bri­ca­ção e acom­pa­nhar pas­so a pas­so de ca­da eta­pa, com is­so vi­ven­ci­ei a ver­da­dei­ra re­a­li­da­de. Ter aten­ção aos ti­pos de azei­tes con­su­mi­dos são de ex­tre­ma im­por­tân­cia pa­ra sua saú­de. Apro­vei­te es­sas di­cas e con­su­ma vo­cê tam­bém AZEI­TE BOR­GES. Es­se eu re­co­men­do!!!

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.