CA­PA

PE­LA PRI­MEI­RA VEZ NA HIS­Tó­RIA, UMA MON­TA­DO­RA DE­SEN­VOL­VEU UM CAR­RO Hí­BRI­DO QUE FUN­CI­O­NA MO­VI­DO A ETA­NOL E A ELE­TRI­CI­DA­DE. SAIBA O QUE A TOYO­TA E OU­TRAS GI­GAN­TES, CO­MO RAí­ZEN, TE­RE­OS E CO­PER­SU­CAR, ES­TãO FA­ZEN­DO PA­RA TOR­NAR A MA­TRIZ ENER­Gé­TI­CA BRA­SI­LEI­RA CAD

Dinheiro Rural - - CONTENTS - VERA ONDEI

Os avan­ços do País nas ener­gi­as al­ter­na­ti­vas

Ocar­ro que abre es­ta re­por­ta­gem, um mo­de­lo Prius da mon­ta­do­ra ja­po­ne­sa Toyo­ta, re­pre­sen­ta um fei­to iné­di­to da en­ge­nha­ria global. E tem no seu DNA de nas­cen­ça o agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro. Ele é o pri­mei­ro veí­cu­lo flex do mun­do mo­vi­do a ele­tri­ci­da­de e a eta­nol. O protótipo guar­da­do a se­te cha­ves nos la­bo­ra­tó­ri­os da fá­bri­ca em São Ber­nar­do do Cam­po, na gran­de São Pau­lo, já per­cor­reu 1,5 mil quilô­me­tros até Bra­sí­lia, no mês de mar­ço, e de­ve ro­dar por ou­tros tre­chos de es­tra­das até o fim do ano. “O Bra­sil pro­duz eta­nol e o car­ro hí­bri­do é a me­lhor com­bi­na­ção que po­de acon­te­cer ao País”, diz Rafael Chang, pre­si­den­te da Toyo­ta Bra­sil, em­pre­sa que fa­tu­rou glo­bal­men­te US$ 264 bilhões no ano fiscal con­cluí­do em ju­lho de 2017. “Acre­di­ta­mos que es­sa é a tecnologia mais apro­pri­a­da pa­ra o Bra­sil. Por is­so co­me­ça­mos o pro­je­to.”

Chang, 50 anos, de ori­gem pe­ru­a­na, es­tá no co­man­do da sub­si­diá­ria bra­si­lei­ra des­de ja­nei­ro de 2017. En­ge­nhei­ro in­dus­tri­al de for­ma­ção e há mais de uma dé­ca­da na Toyo­ta, ele tem re­a­li­za­do uma sé­rie de vi­a­gens pe­lo in­te­ri­or do Bra­sil. No dia 9 de abril, por exem­plo, es­te­ve no mu­ni­cí­pio de Na­ran­di­ba, a 470 quilô­me­tros de São Pau­lo, pa­ra co­nhe­cer a uni­da­de su­cro­e­ner­gé­ti­ca do gru­po Co­cal, con­tro­la­da pe­la fa­mí­lia Garms. Foi a pri­mei­ra vez que o exe­cu­ti­vo co­lo­cou os pés em uma usi­na de ca­na-de-açú­car. “Que­ria en­ten­der, so­bre­tu­do, o pro­ces­so e a pro­du­ção de ca­na-de-açú­car”, diz Chang. “O Bra­sil é gran­de e di­ver­so.” No mês pas­sa­do, ele es­ta­va no­va­men­te na es­tra­da, des­sa vez em vi­a­gens pa­ra Por­to Ve­lho (RO) e no­va­men­te pa­ra o in­te­ri­or paulista, pas­san­do pe­la Agrishow, em Ri­bei­rão Pre­to, a mai­or fei­ra de tec­no­lo­gi­as e má­qui­nas agrí­co­las do País.

As­sim co­mo Chang, o se­tor do agro­ne­gó­cio po­de ter uma opor­tu­ni­da­de de ou­ro pa­ra que o eta­nol e a bi­o­e­le­tri­ci­da­de au­men­tem sua par­ti­ci­pa­rão na ma­triz ener­gé­ti­ca bra­si­lei­ra. Es­sas ener­gi­as pro­du­zi­das pe­lo agro­ne­gó­cio vão com­pe­tir com ou­tras fon­tes, co­mo a eó­li­ca e a so­lar. E a dis­pu­ta por es­pa­ço e por re­cur­sos no mer­ca­do tem au­men­ta­do. So­men­te pa­ra a eó­li­ca, no mês pas­sa­do, o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) anun­ci­ou a cap­ta­ção de US$ 1 bi­lhão, no ex­te­ri­or, pa­ra se­rem apli­ca­dos em oi­to usi­nas com ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da de 1,3 mil me­gawatts (MW). Esse mo­vi­men­to por ener­gia elé­tri­ca aten­de a uma de­man­da pro­je­ta­da pa­ra 2050, que de­ve tri­pli­car até lá, de acor­do com es­ti­ma­ti­vas da Em­pre­sa de Pes­qui­sa Ener­gé­ti­ca (EPE) e do Mi­nis­té­rio de Mi­nas e Ener­gia. No ano pas­sa­do, o con­su­mo de ener­gia cres­ceu cerca de 1%. Até 2022 de­ve avançar, em mé­dia, 3% ao ano.

Atu­al­men­te, as fon­tes uti­li­za­das têm uma po­tên­cia ins­ta­la­da de 166.562 MW, se­gun­do a União da In­dús­tria de Ca­na-de-Açú­car (Uni­ca), com ba­se em da­dos ofi­ci­ais ( con­fi­ra qua­dro na pág. 44). A bi­o­mas­sa das mais di­ver­sas fon­tes con­tri­bui com 14,6 mil MW, sen­do que a ca­na-de-açú­car res­pon­de por 77%. “A re­to­ma­da do con­su­mo de ener­gia mos­tra que ha­ve­rá ne­ces­si­da­de de no­vos in­ves­ti­men­tos”, diz Zil­mar Jo­sé de Sou­za, ge­ren­te de bi­o­e­le­tri­ci­da­de da Uni­ca e pro­fes­sor da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas. “Ho­je, o Bra­sil apro­vei­ta ape­nas 14% do po­ten­ci­al do se­tor pa­ra pro­du­zir bi­o­e­le­tri­ci­da­de. Is­so quer di­zer que têm ador­me­ci­das nos ca­na­vi­ais al­gu­mas usi­nas Be­lo Mon­te.”

Pa­ra Le­o­nar­do San­tos Caio Fi­lho, di­re­tor de Tecnologia e Re­gu­la­ção da As­so­ci­a­ção da In­dús­tria de Co­ge­ra­ção de Ener­gia (Co­gen), a bi­o­e­le­tri­ci­da­de tem de fa­to po­ten­ci­al pa­ra cres­cer. Ho­je, das 370 usi­nas de açú­car e eta­nol, 177 ex­por­tam ener­gia pa­ra a re­de na­ci­o­nal de dis­tri­bui­ção. En­tre elas es­tão gran­des gru­pos, co­mo a Raí­zen, Co­per­su­car e a fran­ce­sa Te­re­os, que têm in­ves­ti­do no se­tor. Mas há cerca de 120 usi­nas que po­de­ri­am pas­sar por mo­der­ni­za­ção de cal­dei­ras e de equi­pa­men­tos. No en­tan­to, os in­ves­ti­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a adap­ta­ção são al­tos. Uma usi­na mé­dia, pa­ra pro­du­zir 30 me­gawatts ins­ta­la­dos, pre­ci­sa de re­cur­sos de R$ 120 mi­lhões. O in­ves­ti­men­to te­ria que ser de pe­lo me­nos R$ 14,5 bilhões pa­ra o gru­po de usi­nas. “O au­men­to da bi­o­e­le­tri­ci­da­de pas­sa pe­la mo­der­ni­za­ção do se­tor”, diz Caio Fi­lho. “E tam­bém pe­lo au­men­to da mo­a­gem, es­ti­ma­da em mais 220 mi­lhões de to­ne­la­das nos pró­xi­mos anos.”

Com a atu­al mo­a­gem de cerca de 660 mi­lhões de to­ne­la­das de ca­na, que ge­ram 12 gi­gawatts, no fim de 2020, o País te­ria acres­ci­das nes­sa pro­du­ção ou­tros qua­tro gi­gawatts de ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da. “A bi­o­mas­sa mo­vi­da a ca­na vai pro­du­zir mais ele­tri­ci­da­de que a usi­na de Itai­pu. A hi­dre­lé­tri­ca pro­duz 14 gi­gawatts.” Nes­se cres­ci­men­to, Caio Fi­lho afir­ma que o mo­de­lo da­qui pa­ra fren­te mos­tra uma ten­dên­cia cla­ra de mu­dan­ça de con­cei­to. O mo­de­lo cen­tra­li­za­do, de con­su­mo de ener­gia lon­ge da pro­du­ção, de­ve perder es­pa­ço pa­ra a ener­gia dis­tri­buí­da, na qual ela é pro­du­zi­da per­to do mer­ca­do con­su­mi­dor. Is­so sig­ni­fi­ca mo­de­los me­no­res e mais rá­pi­dos de pro­du­ção. Ho­je, a Co­gen tem fei­to um tra­ba­lho in­ten­so de atra­ção de in­ves­ti­men­tos pa­ra au­men­tar a ofer­ta de ener­gia dis­tri­buí­da. “Pa­ra fun­dos de in­ves­ti­men­to, in­clu­si­ve es­tran­gei­ros, faz mui­to sen­ti­do investir no se­tor”, diz Caio Fi­lho. “Um in­ves­ti­men­to pa­ra pro­du­zir

um me­gawatt de uma fon­te sustentável sai por cerca de R$ 4 mi­lhões.”

Mui­tas ino­va­ções que vêm pe­la fren­te, além dos carros, se­rão im­por­tan­tes. Equi­pa­men­tos mo­der­nos nas ca­sas e nas ru­as te­rão pou­ca per­da de ener­gia. No­vas tec­no­lo­gi­as vão per­mi­tir ar­ma­ze­nar ele­tri­ci­da­de atra­vés de re­des in­te­li­gen­tes. E ela se­rá ca­da vez me­nos dependente de fon­tes não re­no­vá­veis, co­mo pe­tró­leo e car­vão. É o que di­zem as pes­qui­sas e é pa­ra es­sa re­a­li­da­de que o mer­ca­do olha. Mar­ce­lo Cou­to, 42 anos, di­re­tor de Bi­o­e­ner­gia, Fu­são e Aqui­si­ções da Raí­zen, afir­ma que es­tá lon­ge do con­sen­so a atu­al dis­cus­são global de co­mo se­rá es­sa agen­da de tran­si­ção do uso de ener­gia. “A ele­tri­fi­ca­ção da economia é um fa­to. Ago­ra, o que es­tá em aber­to é o seu mai­or ou me­nor uso”, afir­ma ele.

“Ho­je, pa­ra o se­tor da ca­na-de-açú­car, o pon­to prin­ci­pal é sua ca­pa­ci­da­de de li­dar com es­sa in­cer­te­za.”

A Raí­zen, que per­ten­ce ao em­pre­sá­rio

Ru­bens Omet­to, tem uma ca­pa­ci­da­de ins­ta­la­da pa­ra pro­du­zir um gi­gawatt de bi­o­e­le­tri­ci­da­de. No ano pas­sa­do, as usi­nas pro­du­zi­ram 2,4 te­rawattho­ra, ener­gia su­fi­ci­en­te pa­ra abas­te­cer por um ano a ci­da­de do Rio de Ja­nei­ro. A Raí­zen con­ta com 26 usi­nas, das quais 24 es­tão no in­te­ri­or de São Pau­lo, on­de es­tá o mai­or con­su­mo. O cul­ti­vo de ca­na-de-açú­car to­ma 447,3 mil hec­ta­res. Além de ele­tri­ci­da­de, são pro­du­zi­dos açú­car e dois bilhões de li­tros de bi­o­com­bus­tí­vel por ano. “Nós es­ta­mos apos­tan­do no mer­ca­do de ener­gia li­vre”, diz Cou­to. “Acre­di­ta­mos que, com esse mo­de­lo, o mer­ca­do do­bra de ta­ma­nho.”

No ca­so do eta­nol, um es­tu­do apoi­a­do pe­la Fun­da­ção de Am­pa­ro à Pes­qui­sa do Es­ta­do de São Pau­lo e pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Ci­ên­cia e Tecnologia pa­ra Bi­o­e­ta­nol mos­tra que o cul­ti­vo de ca­na-de-açú­car pa­ra o bi­o­com­bus­tí­vel po­de­ria ex­pan­dir pa­ra até 116 mi­lhões de hec­ta­res. A área se­ria

“A ELE­TRI­FI­CA­ÇÃO DA ECONOMIA É UM FA­TO. VA­MOS CRES­CER BASEADOS EM PES­QUI­SA E INO­VA­ÇÃO ” MAR­CE­LO COU­TO, di­re­tor de Bi­o­e­ner­gia, Fu­são e Aqui­si­ções da Raí­zen

su­fi­ci­en­te pa­ra pro­du­zir o equi­va­len­te a 12,7 mi­lhões de bar­ris de pe­tró­leo por dia, em 2045. Par­te das pes­qui­sas que devem le­var a es­sa pro­du­ção tem si­do de­sen­vol­vi­da no Cen­tro de Tecnologia Ca­na­vi­ei­ra (CTC), uma so­ci­e­da­de anô­ni­ma man­ti­da por usi­nas de ca­na-de-açú­car. Jo­sé Gus­ta­vo Leite, 57 anos, pre­si­den­te do CTC, diz que a ins­ti­tui­ção tem tra­ba­lha­do pa­ra va­li­dar o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to do se­tor. “O se­tor ca­mi­nha pa­ra ser mais pro­du­ti­vo, com tec­no­lo­gi­as dis­rup­ti­vas, co­mo o plan­tio da ca­na por se­men­te”, afir­ma Leite. “A bi­o­tec­no­lo­gia da ca­na trans­gê­ni­ca tam­bém de­ve pro­mo­ver uma re­vo­lu­ção.”

No ca­so das se­men­tes, a pri­mei­ra fa­se de tes­te em cam­po já co­me­çou nes­ta sa­fra, que vai de abril até mar­ço de 2019. Pa­ra tur­bi­nar as pes­qui­sas, o CTC inau­gu­rou no mês pas­sa­do o LAB USA, em Saint Louis, no qual cinco ci­en­tis­tas brasileiros se re­ve­zam. “Saint Louis é o Va­le do Si­lí­cio das se­men­tes”, diz Leite. Nos pró­xi­mos anos se­rão in­ves­ti­dos R$ 50 mi­lhões em pes­qui­sas. Chang, da Toyo­ta, diz acre­di­tar que a tecnologia e a ino­va­ção da­rão as res­pos­tas de que o se­tor pre­ci­sa pa­ra que os pro­je­tos sus­ten­tá­veis sai­am do pa­pel. “Pa­ra nós, as ener­gi­as sus­ten­tá­veis, em to­das as es­fe­ras, não é um jo­go. É ne­gó­cio”, diz Chang. Até 2025, to­dos os carros da Toyo­ta no mun­do te­rão pe­lo me­nos uma ver­são hí­bri­da. Até 2040 to­dos os carros se­rão hí­bri­dos, elé­tri­cos ou mo­vi­dos a hi­dro­gê­nio. “Es­sa é a nos­sa re­cei­ta de fu­tu­ro”, diz o exe­cu­ti­vo. O Bra­sil tem po­ten­ci­al pa­ra ser protagonista nes­sa no­va on­da da ener­gia sustentável.

“O BRA­SIL APRO­VEI­TA APE­NAS 14% DO PO­TEN­CI­AL DO SE­TOR PA­RA PRO­DU­ZIR BI­O­E­LE­TRI­CI­DA­DE ” ZIL­MAR JO­SÉ DE SOU­ZA, ge­ren­te de bi­o­e­le­tri­ci­da­de da Uni­ca

RAFAEL CHANG: pa­ra o pre­si­den­te da Toyo­ta no Bra­sil, a tecnologia dos carros hí­bri­dos uti­li­zan­do eta­nol é um ca­mi­nho sem vol­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.