EN­TRE­VIS­TA

Gui­lher­me Hen­ri­que Fi­guei­re­do Mar­ques, di­re­tor do De­par­ta­men­to de Saú­de Ani­mal do Ma­pa, fa­la so­bre os próximos pas­sos pa­ra a er­ra­di­ca­ção to­tal da fe­bre af­to­sa no País

Dinheiro Rural - - CONTENT - FáBIO MOITINHO

Gui­lher­me Hen­ri­que Fi­guei­re­do Mar­ques, di­re­tor do De­par­ta­men­to de Saú­de Ani­mal do Ma­pa

Den­tro de cin­co anos, o Bra­sil po­de­rá in­te­grar um se­le­to gru­po, hoje for­ma­do por 68 paí­ses. En­tre eles es­tão po­tên­ci­as glo­bais, co­mo os Es­ta­dos Uni­dos, a Ale­ma­nha e o Ca­na­dá, e tam­bém vi­zi­nhos co­mo o Chi­le, o Pe­ru e até o Su­ri­na­me. Es­ses paí­ses são con­si­de­ra­dos zo­nas li­vres de fe­bre af­to­sa sem va­ci­na­ção, cer­ti­fi­ca­dos pe­la Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al de Saú­de Ani­mal (OIE, na si­gla em in­glês), com se­de em Pa­ris. O trabalho não será fácil pa­ra uma do­en­ça trans­mi­ti­da por ví­rus e que po­de le­var à mor­te bo­vi­nos e tam­bém bu­ba­li­nos, ovi­nos, ca­pri­nos, suínos e ani­mais sil­ves­tres. Até aqui, o País já lu­tou por qua­se seis dé­ca­das pa­ra er­ra­di­car a do­en­ça do re­ba­nho bo­vi­no. Só pa­ra com­pa­ra­ção, os ame­ri­ca­nos re­a­li­za­ram tal ta­re­fa em 1929. “De for­ma gra­du­al, a me­ta é pa­rar de va­ci­nar o ga­do”, diz o mé­di­co ve­te­ri­ná­rio Gui­lher­me Hen­ri­que Fi­guei­re­do Mar­ques, 48 anos, di­re­tor do De­par­ta­men­to de Saú­de Ani­mal do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to, e re­pre­sen­tan­te do Bra­sil na OIE. Mar­ques vai co­man­dar os 18,5 mil ser­vi­do­res nes­sa ta­re­fa, em 5,5 mil es­cri­tó­ri­os de vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria no País. Do­no de um mer­ca­do glo­bal da or­dem de US$ 6,3 bi­lhões em ex­por­ta­ções, o Bra­sil po­de­ria ga­nhar mais se a fe­bre af­to­sa, ou a pre­sen­ça ate­nu­a­da do ví­rus em va­ci­nas, não fos­se um im­pe­di­ti­vo pa­ra que mui­tos paí­ses ain­da dei­xem de com­prar car­ne aqui ou a des­va­lo­ri­ze por ques­tões sa­ni­tá­ri­as.

DI­NHEI­RO RU­RAL – Por que o Bra­sil de­mo­rou tan­to tem­po pa­ra ter o sta­tus de país li­vre de fe­bre af­to­sa, em­bo­ra ain­da com va­ci­na­ção?

GUI­LHER­ME HEN­RI­QUE FI­GUEI­RE­DO MAR­QUES –

Por­que, até no iní­cio da dé­ca­da de 1990, a OIE apenas reconhecia li­vre da do­en­ça um país co­mo um to­do. Es­sa con­di­ção so­men­te foi al­can­ça­da pe­lo Bra­sil nes­te ano. O País se tor­nou o mai­or ex­por­ta­dor de car­ne bo­vi­na por­que em 1992 a OIE es­ta­be­le­ceu uma no­va re­gra in­ter­na­ci­o­nal. Por ela, foi pos­sí­vel di­vi­dir o Bra­sil em zo­nas li­vres e ir so­li­ci­tan­do o re­co­nhe­ci­men­to por eta­pas. Aos pou­cos, fo­ram cri­a­das as zo­nas li­vres com va­ci­na­ção, um trabalho de qua­se 60 anos. Foi mui­to tem­po, sim, es­pe­ci­al­men­te por­que so­mos um país con­ti­nen­tal, com 220 mi­lhões de bo­vi­nos que se tor­nou o mai­or re­ba­nho comercial do mun­do. Se a re­gra de 1990 ti­ves­se si­do man­ti­da, so­men­te a par­tir de ago­ra o País pas­sa­ria a ser um gran­de ex­por­ta­dor pa­ra mui­tos mer­ca­dos.

RU­RAL – Em va­lo­res, o que a af­to­sa sig­ni­fi­ca ao País? MAR­QUES – Por ano, sig­ni­fi­ca cer­ca de US$ 1 bi­lhão gas­tos com con­tro­le sa­ni­tá­rio. Os pro­du­to­res são os que mais con­tri­bu­em, com cer­ca de 70% des­se va­lor. Mas é um investimen­to que tem re­tor­no. Pa­ra ca­da US$ 1 in­ves­ti­do no con­tro­le da af­to­sa, re­tor­nam US$ 30 pa­ra a ca­deia, atra­vés das ex­por­ta­ções. É o pro­je­to de mai­or êxi­to que o Bra­sil já re­a­li­zou na pe­cuá­ria. Es­se re­tor­no é mui­to mai­or que o de qual­quer usi­na hi­dre­lé­tri­ca já ins­ta­la­da no País.

RU­RAL – Cin­co anos se­rão su­fi­ci­en­tes pa­ra tor­nar o Bra­sil li­vre da do­en­ça, sem va­ci­nar o re­ba­nho? MAR­QUES – Sim. O re­co­nhe­ci­men­to da úl­ti­ma zo­na li­vre de af­to­sa com va­ci­na­ção, os Es­ta­dos de Ro­rai­ma, Ama­zo­nas e Ama­pá e parte do Pa­rá, era a pe­ça que fal­ta­va no que­bra- ca­be­ça do pro­je­to que o governo vi­nha, gra­da­ti­va­men­te, co­lo­can­do em prá­ti­ca. Re­gras fo­ram es­ta­be­le­ci­das e avança- mos. Hoje, o País pos­sui um sis­te­ma ve­te­ri­ná­rio sa­tis­fa­tó­rio, com pro­fis­si­o­nais trei­na­dos pa­ra a ta­re­fa. Aliás, es­sa é uma exi­gên­cia e um pré­re­qui­si­to pa­ra po­der fa­zer jus ao re­co­nhe­ci­men­to que al­can­ça­mos na OIE.

RU­RAL – Qual de­ve ser o pró­xi­mo pas­so? MAR­QUES – O pró­xi­mo pas­so já es­tá de­fi­ni­do des­de o fim do ano pas­sa­do. É um pla­no es­tra­té­gi­co pa­ra mais dez anos. De for­ma gra­du­al, nos próximos cin­co anos, o Bra­sil vai pa­rar de va­ci­nar bo­vi­nos. Nos cin­co anos se­guin­tes va­mos fa­zer um mo­ni­to­ra­men­to fi­no da si­tu­a­ção, o que vai exi­gir do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra uma equi­pe téc­ni­ca ain­da mais for­ta­le­ci­da. Quan­do se re­ti­ra a va­ci­na­ção, o ris­co de um even­tu­al sur­to é mai­or. Por is­so, é pre­ci­so um to­tal con­tro­le de fron­tei­ra com ou­tros paí­ses e um sis­te­ma mui­to eficiente de co­mu­ni­ca­ção na no­ti­fi­ca­ção de um sur­to.

RU­RAL – O atu­al ti­me de fis­cais será ca­paz de cum­prir es­sa ta­re­fa? MAR­QUES – Sim, mas pre­ci­sa­mos ir além. Hoje, cer­ca de 8,5 mil ser­vi­do­res pú­bli­cos tra­ba­lham na área de vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria em to­do o País. É um exér­ci­to que po­de che­gar a qual­quer pro­pri­e­da­de ru­ral em um prazo má­xi­mo de até 12 ho­ras. Se hou­ver uma no­ti­fi­ca­ção de sus­pei­ta de uma do­en­ça, o governo vai sa­ber. Aliás, cri­a­mos um sis­te­ma ro­bus­to e ca­paz de vi­gi­ar não so­men­te a af­to­sa, co­mo ou­tras do­en­ças crí­ti­cas que po­dem aco­me­ter os ani­mais, en­tre elas a bru­ce­lo­se e a fe­bre do Ni­lo em equi­nos. Mas a vi­tó­ria so­bre a fe­bre af­to­sa tem um gos­to mui­to es­pe­ci­al, por­que ela se tor­nou um di­vi­sor de águas.

RU­RAL – Di­vi­sor de águas em que sen­ti­do? MAR­QUES – A af­to­sa é uma en­fer­mi­da­de em­ble­má­ti­ca e po­de cau­sar um alto impacto comercial e econô­mi­co. To­do país no mun­do, que tem um ser­vi­ço ve­te­ri­ná­rio con­fiá­vel e quer agre­gar va­lor aos seus pro­du­tos, é re­co­nhe­ci­do co­mo li­vre sem va­ci-

“Pa­ra ca­da US$ 1 in­ves­ti­do no con­tro­le da af­to­sa, re­tor­nam US$ 30 pa­ra a ca­deia, atra­vés das ex­por­ta­ções”

na­ção. A pre­sen­ça da fe­bre af­to­sa é o que re­al­men­te se­pa­ra um país sub­de­sen­vol­vi­do de um de­sen­vol­vi­do, por­que hoje já exis­tem ex­ce­len­tes va­ci­nas, além de es­tu­dos de epi­de­mi­o­lo­gia que po­dem er­ra­di­car a do­en­ça. Con­se­gui­mos ti­rar o Bra­sil des­sa con­di­ção, mas não po­de­mos pa­rar por­que cor­re­mos o ris­co de a qual­quer mo­men­to ter uma re­a­pa­ri­ção da do­en­ça. Vale lem­brar que o úl­ti­mo sur­to da do­en­ça foi em 2006. RU­RAL – On­de es­ta­ria es­se ris­co? MAR­QUES – Nos vi­zi­nhos, prin­ci­pal­men­te. Ele es­ta­ria na Ve­ne­zu­e­la e na Colôm­bia. São os mais ar­ris­ca­dos paí­ses da Amé­ri­ca do Sul. A Ve­ne­zu­e­la tem em tor­no de dois mi­lhões de bo­vi­nos e a Colôm­bia cer­ca de 13 mi­lhões. Não há um re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal da Ve­ne­zu­e­la co­mo país li­vre da af­to­sa, pe­la di­fi­cul­da­de po­lí­ti­co- econô­mi­ca que pas­sa o país. É bem pro­vá­vel que pos­sa es­tar ocor­ren­do al­gum fo­co por lá e is­so é mui­to pre­o­cu­pan­te. Já na Colôm­bia hou­ve a de­tec­ção de um fo­co de af­to­sa no ano pas­sa­do. RU­RAL – Co­lo­car ou­tros paí­ses além do Bra­sil nes­sa con­ta não é um exa­ge­ro? MAR­QUES – Não, por­que nós ain­da não aca­ba­mos com a do­en­ça, aca­ba­mos com a cir­cu­la­ção do ví­rus no País. Is­so sig­ni­fi­ca que nos­sa ta­re­fa é re­do­brar as aten­ções nas bar­rei­ras pri­má­ri­as, que são aque­las em fron­tei­ra com ou­tros paí­ses e em ae­ro­por­tos, pa­ra coi­bir qual­quer ação de bi­o­ter­ro­ris­mo. Há in­te­res­se de di­ver­sos se­to­res, que não vou no­me­ar, pa­ra que se­ja man­ti­da a va­ci­na­ção por mui­tos anos. O governo tem mo­ni­to­ra­do is­so, sis­te­ma­ti­ca­men­te. As ame­a­ças nes­sa área sa­ni­tá­ria po­dem vir até de ou­tros paí­ses que com­pe­tem com o Bra­sil nas ex­por­ta­ções de car­nes. RU­RAL – Epi­só­di­os co­mo o da Car­ne Fra­ca não ar­ra­nham a ima­gem do sis­te­ma de fiscalizaç­ão sa­ni­tá­ria do País? MAR­QUES – De for­ma al­gu­ma. O que foi co­lo­ca­do em xe­que foi a ima­gem do País e não o que de fa­to acon­te­ceu. A car­ne bra­si­lei­ra não é fra­ca, a car­ne é for­te. O que acon­te­ceu foi uma atu­a­ção er­rô­nea de al­guns fun­ci­o­ná­ri­os do Ma­pa, os quais já pe­na­li­za­dos. Es­ta­mos fa­lan­do de 12 pes­so­as, con­tra um uni­ver­so de 18,5 mil fun­ci­o­ná­ri­os. En­tão, não é jus­to trans­fe­rir es­se pe­so a to­do o sis­te­ma. Acre­di­to que no atu­al em­ba­te in­ter­na­ci­o­nal, há que pre­va­le­cer o re­co­nhe­ci­men­to do trabalho de vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria na­ci­o­nal. RU­RAL – No fu­tu­ro, o que acon­te­ce­ria com o Bra­sil, ca­so hou­ves­se um sur­to, já que a in­dús­tria ve­te­ri­ná­ria de­ve pa­rar a pro­du­ção de va­ci­nas? MAR­QUES – Na­da mu­da no mo­do de agir. Te­mos um pla­no es­tra­té­gi­co de con­tin­gên­cia da do­en­ça e já re­a­li­za­mos si­mu­la­ções de emer­gên­ci­as sa­ni­tá­ri­as. O pla­no es­tra­té­gi­co pre­vê a cri­a­ção de um ban­co com es­to­que de cer­ca de 450 mi­lhões de do­ses de va­ci­na. Além dis­so, tam­bém ha­ve­rá la­bo­ra­tó­ri­os que man­te­rão um ban­co de an­tí­ge­nos, que é a ma­té­ria- pri­ma da va­ci­na. Há mui­tas in­dús­tri­as in­te­res­sa­das em cui­dar des­sa ta­re­fa pa­ra o governo. No en­tan­to, é uma in­ter­pre­ta­ção equi­vo­ca­da acre­di­tar que a va­ci­na é a tá­bua da sal­va­ção. Ela é apenas um ins­tru­men­to im­por­tan­te quan­do se tem mais de seis mil fo­cos da fe­bre, co­mo já ocor­reu com o Bra­sil no pas­sa­do. Hoje não te­mos mais is­so. Mas, ca­so ha­ja al­gum sur­to, va­ci­na é o que não vai fal­tar. A pes­te clás­si­ca suí­na é um exem­plo prá­ti­co dis­so. Há cer­ca de dez anos a do­en­ça foi er­ra­di­ca­da no País e não va­ci­na­mos mais os ani­mais. To­da­via, há uma in­dús­tria que mantém o es­to­que es­tra­té­gi­co e que tam­bém ex­por­ta a va­ci­na pa­ra ou­tros paí­ses.

“Se a re­gra de 1990 ti­ves­se si­do man­ti­da, so­men­te a par­tir de ago­ra o País pas­sa­ria a ser um gran­de ex­por­ta­dor de car­ne bo­vi­na”

VAS­TO CAM­PO: o País é do­no do mai­or re­ba­nho comercial de bo­vi­nos do mun­do, com 218,2 mi­lhões de ani­mais

EM­BAR­QUE GA­RAN­TI­DO: no ano pas­sa­do, o Bra­sil ex­por­tou 1,5 mi­lhão de to­ne­la­das de car­ne bo­vi­na, por US$ 6,3 bi­lhões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.