CA­PA

Dinheiro Rural - - CONTENTS -

PES­QUI­SA EX­CLU­SI­VA DA CON­SUL­TO­RIA FLOW/ DI­NHEI­RO RU­RAL MOS­TRA CO­MO GI­GAN­TES DO AGRO­NE­Gó­CIO, CO­MO A SYNGENTE DE VAL­DE­MAR FISCHER, ES­TãO TRA­BA­LHAN­DO PA­RA ATRAIR TA­LEN­TOS EM UM MUN­DO CONECTADO

Oa­grô­no­mo Val­de­mar Fischer, di­re­tor-ge­ral da Syn­gen­ta pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na, é fa­zen­dei­ro. Há três dé­ca­das ele cria ga­do na fron­tei­ra gaú­cha, no mu­ni­cí­pio de Unis­tal­da. Mas Fischer ra­ra­men­te apa­re­ce na pro­pri­e­da­de, fi­can­do com o pai a mis­são de man­ter o ser­vi­ço em dia. A ra­zão é sim­ples: não so­bra es­pa­ço na agen­da do exe­cu­ti­vo que co­me­çou a tra­ba­lhar nas em­pre­sas que um dia for­ma­ri­am a Syn­gen­ta ain­da em me­a­dos dos anos 1980. Fischer, que mo­rou no Equa­dor, Mé­xi­co e Es­ta­dos Uni­dos, pas­sou por to­das as trans­for­ma­ções da em­pre­sa de ori­gem suí­ça, com­pra­da pe­la Chi­naNa­ti­o­nal Che­mi­cal há dois anos. Em 2017, a Syn­gen­ta fa­tu­rou US$ 12,6 bi­lhões com agroquí­mi­cos e se­men­tes. Mas, em tem­pos da cha­ma­da ino­va­ção aber­ta e co­la­bo­ra­ti­va, na qual as com­pa­nhi­as pre­ci­sam olhar além de seu pró­prio ne­gó­cio de ma­nei­ra abran­gen­te e sem ne­nhum pre­con­cei­to pe­lo no­vo, ago­ra ele tem um de­sa­fio adi­ci­o­nal: fa­zer da Syn­gen­ta uma em­pre­sa aber­ta à ino­va­ção. O que sig­ni­fi­ca, mui­tas ve­zes, se abrir pa­ra fo­ra, ob­ser­van­do co­mo agem star­tups do agro­ne­gó­cio.

Não por aca­so, no iní­cio des­te ano, a Syn­gen­ta com­prou a mi­nei­ra Stri­der. Cri­a­da em 2013, a star­tup de­sen­vol­ve tec­no­lo­gia pa­ra con­tro­le de pra­gas e mo­ni­to­ra­men­to de má­qui­nas atra­vés de ima­gens de sa­té­li­te. Tem

UMA PES­QUI­SA EX­CLU­SI­VA DA DI­NHEI­RO RU­RAL, EM PAR­CE­RIA COM A CON­SUL­TO­RIA FLOW, OU­VIU CEOS E DI­RE­TO­RES DE GI­GAN­TES CO­MO SYN­GEN­TA, CAR­GILL, JOHN DE­E­RE, BAYER, RAíZEN, FI­BRIA, YARA E GENESIS GROUP E TRAçA UM PER­FIL INé­DI­TO DE CO­MO ELAS ES­TãO TRA­BA­LHAN­DO PA­RA ATRAIR TA­LEN­TOS QUE VãO CRI­AR O AGRO­NE­Gó­CIO DO FU­TU­RO VE­RA ON­DEI

cer­ca de 1,5 mi­lhão de hec­ta­res em seu sis­te­ma no Bra­sil e nos Es­ta­dos Uni­dos. A ta­ca­da da Syn­gen­ta foi o pri­mei­ro ne­gó­cio de uma em­pre­sa do se­tor de agroquí­mi­cos no mun­do das ag­te­chs, as cha­ma­das star­tups do agro­ne­gó­cio. “A gen­te quer apren­der com os ta­len­tos das em­pre­sas que tra­ze­mos pa­ra den­tro da Syn­gen­ta”, diz Fischer. “Por­que não exis­te uma so­lu­ção úni­ca, do pon­to de vis­ta tec­no­ló­gi­co pa­ra o agri­cul­tor. Co­me­ça­mos a in­ves­tir na área di­gi­tal pa­ra tra­zer às fa­zen­das op­ções de ge­ren­ci­a­men­to e de mo­ni­to­ra­men­to, tor­nan­do mais efi­ci­en­te as ou­tras fer­ra­men­tas que elas já têm.”

A Syn­gen­ta não es­tá so­zi­nha nes­se no­vo mun­do das ino­va­ções co­la­bo­ra­ti­vas pa­ra o agro­ne­gó­cio. Há mui­tas ou­tras em­pre­sas que en­fren­tam es­se de­sa­fio. A DI­NHEI­RO RU­RAL e a Flow Exe­cu­ti­ve Fin­ders, con­sul­to­ria es­pe­ci­a­li­za­da em re­cru­ta­men­to e se­le­ção de exe­cu­ti­vos, pe­lo quar­to ano con­se­cu­ti­vo, fo­ram a cam­po pa­ra en­ten­der as­pec­tos de li­de­ran­ças nes­se mo­vi­men­to que es­tá le­van­do as em­pre­sas do agro­ne­gó­cio a se rein­ven­ta­rem. Fo­ram ou­vi­das e ana­li­sa­das as ações de oi­to em­pre­sas e da AgTe­ch Ga­ra­ge, que nas­ceu no po­lo de ino­va­ção em Pi­ra­ci­ca­ba (SP), on­de es­tão cer­ca de 300 star­tups em bus­ca de so­lu­ções ino­va­do­ras pa­ra se­rem trans­for­ma­das em pro­du­tos ren­tá­veis. Além da Syn­gen­ta par­ti­ci­pa­ram do es­tu­do a Car­gill, a Yara, a Bayer, a Raízen, a Fi­bria, a John De­e­re e a Genesis Group. O pro­je­to com­ple­to, com to­dos os de­ta­lhes das ações de­sen­vol­vi­das por es­se gru­po, po­de ser en­con­tra­do no si­te da DI­NHEI­RO RU­RAL, aces­san­do o do­cu­men­to “Ino­va­ção co­la­bo­ra­ti­va che­ga pa­ra re­vo­lu­ci­o­nar o agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro.” Além dis­so, as con­clu­sões do re­la­tó­rio se­rão de­ba­ti­das no 4º En­con­tro de Lí­de­res do Agro­ne­gó­cio, com o te­ma “Open In­no­va­ti­on re­vo­lu­ci­o­na o agro bra­si­lei­ro”. O even­to, pro­mo­vi­do pe­la Flow e Edi­to­ra Três, em ou­tu­bro, é ex­clu­si­vo pa­ra um gru­po de exe­cu­ti­vos do se­tor. “O am­bi­en­te di­gi­tal es­tá le­van­do mui­tas mu­dan­ças ao agro­ne­gó­cio e tam­bém à cap­tu­ra de ta­len­tos a es­se no­vo am­bi­en­te de ne­gó­ci­os”, diz Igor Schultz, só­cio di­re­tor da Flow. “Há um am­bi­en­te ri­co e me­ri­to­crá­ti­co emer­gin­do.”

Jun­tas, as oi­to em­pre­sas que mos­tra­ram co­mo têm si­do a abor­da­gem no cam­po da ino­va­ção, fa­tu­ra­ram glo­bal­men­te cer­ca de US$ 110 bi­lhões no ano pas­sa­do. Es­se vo­lu­me é mais do que o Bra­sil re­ce­beu com as ex­por­ta­ções do agro­ne­gó­cio, que foi de US$ 96 bi­lhões. A Car­gill, uma das mai­o­res em­pre­sas de ali­men­tos do mun­do, com re­cei­ta de US$ 30,4 bi­lhões, de­sem­bol­sou US$ 30

mi­lhões no ano pas­sa­do so­men­te pa­ra com­prar a star­tup ame­ri­ca­na Des­car­tes Lab, tam­bém de­di­ca­da a tec­no­lo­gi­as de ima­gens por sa­té­li­te. Mas ela tam­bém in­ves­tiu jun­to com Bill Ga­tes, fun­da­dor da Mi­cro­sof, US$ 17 mi­lhões na star­tup Memphis Me­ats, na Ca­li­fór­nia, que já pro­du­ziu em la­bo­ra­tó­rio car­ne bo­vi­na e de fran­go a par­tir de cé­lu­la ani­mal. “Es­ta­mos sem­pre pen­san­do on­de po­de­mos ino­var”, diz Luiz Pret­ti, pre­si­den­te da com­pa­nhia no Bra­sil. “E is­so tem in­fluên­cia nos ta­len­tos que bus­ca­mos pa­ra es­sa no­va fa­se, sem mu­dar a nos­sa con­vic­ção de que um ali­men­to pre- ci­sa ser se­gu­ro, sau­dá­vel e sus­ten­tá­vel.” No Bra­sil, com cer­ca de dez mil fun­ci­o­ná­ri­os, a Car­gill tem re­a­li­za­do uma sé­rie de even­tos com te­mas co­mo a “re­vo­lu­ção di­gi­tal em­pre­sa­ri­al”, nos quais eles são cha­ma­dos pa­ra o cen­tro dos de­ba­tes.

Na Raízen o pro­je­to foi além. A joint ven­tu­re da Co­san, con­tro­la­da pe­lo em­pre­sá­rio Ru­bens Omet­to e a pe­tro­lei­ra ame­ri­ca­na Shell, e que é ho­je uma das mai­o­res do se­tor de ca­na-de-açú­car e bi­o­e­ner­gi­as do País, inau­gu­rou o Pul­se no ano pas­sa­do, um po­lo de ino­va­ção de­di­ca­do ao agro­ne­gó­cio. De ime­di­a­to, o Pul­se atraiu a ins­cri­ção de cer­ca de 400 star­tups pa­ra ocu­par as ins­ta­la­ções de sua se­de, no Par­que Tec­no­ló­gi­co de Pi­ra­ci­ca­ba. Ho­je há 12 ag­te­chs nes­se es­pa­ço. “Pa­ra a Raízen, é uma opor­tu­ni­da­de úni­ca de apren­der no­vas for­mas de tra­ba­lho”, diz Fa­bio Mota, di­re­tor do Pul­se. “E dis­cu­tir idei­as com um gru­po ex­tre­ma­men­te qua­li­fi­ca­do de em­pre­en­de­do­res.” In­te­gram o Pul­se em­pre­sas co­mo a Per­fect Flight, cri­a­da em 2015 pa­ra de­sen­vol­ver so­lu­ções de da­dos ge­or­re­fe­ren­ci­a­dos na apli­ca­ção aé­rea de agroquí­mi­cos. Não por aca­so, em ju­lho, a Per­fect

Flight, que mo­ni­to­ra cer­ca de um mi­lhão de lavouras no Bra­sil, fe­chou uma par­ce­ria com a Syn­gen­ta. “A ino­va­ção faz par­te do DNA da Syn­gen­ta. Dez anos atrás já es­tá­va­mos tra­ba­lhan­do com fo­co no di­gi­tal por­que ele agre­ga va­lor a to­da a ca­deia”, diz Ari­ad­ne Ca­bal­le­ro, lí­der em agri­cul­tu­ra di­gi­tal pa­ra Bra­sil e Amé­ri­ca La­ti­na. “Com cer­te­za es­ta­mos olhan­do vá­ri­as ou­tras áre­as de in­ves­ti­men­tos. Co­mo no pró­prio se­tor de agroquí­mi­cos. Mas há um ele­men­to for­te, que é a área de so­lu­ções fi­nan­cei­ras”, diz Fischer. O exe­cu­ti­vo dá co­mo exem­plo de fron­tei­ra os Cer­ti­fi­ca­dos de Re­ce­bí­veis do Agro­ne­gó­cio (CRA), que são tí­tu­los de cré­di­to emi­ti­dos pe­las em­pre­sas. A Syn­gen­ta aca­ba de emi­tir R$ 400 mi­lhões em CRA, a mai­or do se­tor de agroquí­mi­cos.

É im­pos­sí­vel me­dir a quan­ti­da­de de re­cur­sos fi­nan­cei­ros que es­tá sen­do di­re­ci­o­na­da a es­se no­vo mo­do ge­rir a ino­va­ção. Não há, ain­da, co­mo fa­zê-lo. Mas a SP Ven­tu­res, uma ace­le­ra­do­ra pa­ra star­tups do agro­ne­gó­cio, já in­ves­tiu R$ 69,6 mi­lhões em no­vas idei­as. Fran­cis­co Jar­dim, CEO da SP Ven­tu­res, diz que a evo­lu­ção das ag­te­chs foi bru­tal nos úl­ti­mos qua­tro anos, fru­to de uma mai­or co­nec­ti­va­da­de no cam­po. “A tec­no­lo­gia das star­tups foi fi­can­do mais ma­du­ra, mais fá­cil de en­tre­gar e mais ba­ra­ta”, diz ele. “As em­pre­sas fo­ram des­co­brin­do co­mo ven­der di­gi­tal­men­te e o pro­du­tor foi fi­can­do ca­da vez pro­pí­cio a com­prar pe­la in­ter­net. O am­bi­en­te con­ver­giu.” O fa­to é que hou­ve uma re­vo­lu­ção em ter­mos de al­fa­be­ti­za­ção di­gi­tal, com a po­pu­la­ri­za­ção dos smartpho­nes. “O que acon­te­ce na agri­cul­tu­ra é o mes­mo que acon­te­ceu na in­ter­net, na in­dús­tria far­ma­cêu­ti­ca com a bi­o­tec­no­lo­gia e em tan­tos ou­tros se­to­res da eco­no­mia”, diz Jar­dim (leia a en­tre­vis­ta ex­clu­si­va na pág. 44).

O Agte­ch Val­ley, o po­lo das 300 star­tups da re­gião de Pi­ra­ci­ca­ba, mos­tra co­mo es­se mo­vi­men­to é re­cen­te e o grau de sua ebu­li­ção em bus­ca de no­vas in­te­li­gên­ci­as. A ideia da AgTe­ch Ga­ra­ge sur­giu a ape­nas dois anos pa­ra co­nec­tar as star­tups às gran­des em­pre­sas. Jo­sé Au­gus­to To­mé, um de seus fun­da­do­res, diz que o pro­je­to, ho­je com 12 star­tups, aten­de a uma de­man­da de­pois de lon­gas con­ver­sas com as em­pre­sas. “To­das elas que­ri­am es­tar per­to des­sa ino­va­ção tra­zi­da pe­las star­tups, mas não sa­bi­am co­mo fa­zer”, diz To­mé. “O que fa­ze­mos é man­ter um re­la­ci­o­na­men­to com as star­tups, cri­an­do con­fi­an­ça e en­ten­den­do pro­fun­da­men­te os ne­gó­ci­os e as tec­no­lo-

gi­as, pa­ra, em se­gui­da, pro­mo­ver as co­ne­xões cor­re­tas com as gran­des em­pre­sas.” A AgTe­ch Ga­ra­ge tem nes­se gru­po em­pre­sas co­mo a Bayer, a John De­re, a Genesis Group e a Ou­ro­fi­no. “Das 12 star­tups que apre­sen­ta­mos à Ou­ro­fi­no em no­vem­bro do ano pas­sa­do, qua­tro es­tão fa­zen­da ne­gó­cio com a em­pre­sa”, afir­ma To­mé. A Ou­ro­fi­no, com se­de em Cra­vi­nhos (SP), é a mai­or em­pre­sa de saú­de ani­mal que ain­da é de ca­pi­tal na­ci­o­nal.

Co­mo a Ou­ro­fi­no, as em­pre­sas mo­der­nas es­tão se es­pe­lhan­do no em­pre­en­de­do­ris­mo das star­tups pa­ra se trans­for­ma­rem. Por­que elas es­tão mu­dan­do a ma­nei­ra co­mo vão cres­cer da­qui pa­ra a fren­te. O mo­de­lo é ba­se­a­do no res­pei­to ao pas­sa­do, mas elas que­rem in­ven­tar um fu­tu­ro. E pre­ci­sam da aju­da das star­tups pa­ra es­sa mis­são. No ca­so da Yara, mul­ti­na­ci­o­nal no­ru­e­gue­sa de fer­ti­li­zan­tes, es­se mo­vi­men­to co­me­çou em 2015, quan­do foi cri­a­do na em­pre­sa o que ela cha­ma de ecos­sis­te­ma de ino­va­ção. O mes­mo va­le pa­ra a Genesis Group, com

se­de em Lon­dri­na (PR). A em­pre­sa de cer­ti­fi­ca­ções e mo­ni­to­ra­men­to de pro­ces­sos em gi­gan­tes co­mo Nes­tlé e BRF, e que per­ten­ce ao fun­do in­glês Ac­tis, mo­ni­to­ra es­se am­bi­en­te em to­do o mun­do. “Ace­le­ra­do­ras, star­tups e po­los de ino­va­ção per­mi­tem a in­tro­du­ção de no­vas idei­as pa­ra os nos­sos ne­gó­ci­os”, afir­ma Lu­ci­a­no Bri­to, di­re­tor de no­vos ne­gó­ci­os da Genesis Lab, uma das di­vi­sões do gru­po.

No ca­so da Fi­bria, uma das gran­des com­pa­nhi­as da área flo­res­tal, Fer­nan­do Ber­to­luc­ci, di­re­tor de Tec­no­lo­gia e Ino­va­ção, diz que na em­pre­sa os ta­len­tos em­pre­en­de­do­res re­ce­bem men­to­ria téc­ni­ca e su­por­te fi­nan­cei­ro pa­ra de­sen­vol­ver pro­je­tos. Em bus­ca des­ses ta­len­tos, no ano pas­sa­do ela lan­çou o Fi­bria In­sight com dois de­sa­fi­os: en­xer­gar no­vas apli­ca­ções pa­ra a ce­lu­lo­se mi­cro­fi­bri­lar, um ti­po es­pe­cí­fi­co de pro­du­to des­sa ca­deia, e me­lho­rar o pro­ces­so de em­ba­la­gem de far­dos de ce­lu­lo­se. Dois me­ses após o lan­ça­men­to ha­via 46 pro­pos­tas na me­sa da em­pre­sa. “O con­cei­to de open in­no­va­ti­on não é no­vo pa­ra a Fi­bria”, diz Ber­to­luc­ci. O que mu­da é a for­ma e a ve­lo­ci­da­de com que ela ocor­re em di­fe­ren­tes ta­len­tos que che­gam pa­ra in­te­ra­gir com a em­pre­sa. A Fi­bria, que fa­tu­rou R$ 11,7 bi­lhões no ano pas­sa­do, foi com­pra­da nes­te ano pe­la fa­mí­lia Fef­fer, do­na da Su­za­no, ou­tra gi­gan­te do se­tor.

Na Bayer, o mo­vi­men­to em bus­ca de ta­len­tos se in­ten­si­fi­cou

em 2016, com uma ação glo­bal. A em­pre­sa de bi­o­tec­no­lo­gi­as pa­ra a agri­cul­tu­ra e a pe­cuá­ria, cri­ou o Grants4Tar­gets pa­ra in­cen­ti­var pes­qui­sa­do­res de star­tups, ins­ti­tui­ções ci­en­tí­fi­cas e uni­ver­si­da­des a en­con­trar so­lu­ções com fo­co no con­tro­le de plan­tas da­ni­nhas, do­en­ças e pra­gas que pre­ju­di­cam as lavouras. Pa­ra sus­ten­tar a ini­ci­a­ti­va, a em­pre­sa des­ti­nou E 50 mil a ser re­pas­sa­do a pro­je­tos es­co­lhi­dos. Renato Luz­zar­di, ge­ren­te de Ali­an­ças da Bayer pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na, diz que a em­pre­sa re­ce­beu cer­ca de 300 pro­pos­tas, das quais cer­ca de 30 fo­ram de em­pre­en­de­do­res bra­si­lei­ros. “O gran­de be­ne­fí­cio pa­ra o agri­cul­tor se­rão pro­du­tos, so­lu­ções e ser­vi­ços mais cus­to­mi­za­dos pa­ra su­as ne­ces­si­da­des”, afir­ma ele. O Grants4 Tar­gets es­tá den­tro de um ou­tro pro­gra­ma, o Bayer Open In­no­va­ti­on Por­tal, que abre pos­si­bi­li­da­des de co­la­bo­ra­ção em di­fe­ren­tes áre­as do co­nhe­ci­men­to hu­ma­no. Quem vi­si­ta o si­te en­con­tra uma va­ri­e­da­de de pro­je­tos no seg­men­to de agro­ne­gó­ci­os, po­den­do apre­sen­tar su­as pro­pos­tas e bus­car apoi­os.

VAL­DE­MAR FISCHER: o di­re­tor ge­ral da Syn­gen­ta pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na diz que a em­pre­sa es­tá aber­ta a apren­der com os no­vos ta­len­tos

CAM­PO DE IDEI­AS: as star­tups, em­pre­sas que ama­du­re­cem ca­da vez mais ra­pi­da­men­te, vêm ga­nhan­do a con­fi­an­ça dos pro­du­to­res e atrain­do mais in­ves­ti­men­tos de­di­ca­dos à ino­va­ção

LUIZ PRET­TI: pa­ra o pre­si­den­te da Car­gill no Bra­sil, a ino­va­ção vem jun­to com o que a em­pre­sa acre­di­ta, que é ter ali­men­to se­gu­ro, sau­dá­vel e sus­ten­tá­vel

FO­CO E FOR­çA: a pes­qui­sa de­sen­vol­vi­da den­tro das em­pre­sas vem bus­can­do ade­rên­ci­as com pro­je­tos ino­va­do­res pa­ra le­var ao cam­po um con­jun­to de so­lu­ções per­so­na­li­za­das às ne­ces­si­da­des dos pro­du­to­res

JO­Sé AU­GUS­TO TO­Mé: a AgTe­ch Ga­ra­ge, da qual é o CEO, nas­ceu pa­ra co­nec­tar as star­tups às gran­des em­pre­sas do agro­ne­gó­cio

FA­BIO MOTA: o di­re­tor do Pul­se, cri­a­do pe­la gi­gan­te Raízen, afir­ma que o cen­tro de ino­va­ção é uma opor­tu­ni­da­de da em­pre­sa apren­der no­vas for­mas de tra­ba­lho

PIONEIRISMO: ao ser cri­a­do, no ano pas­sa­do, o Pul­se, cen­tro de ino­va­ção da Raízen, atraiu a ins­cri­ção de 400 star­tups do se­tor do agro­ne­gó­cio, em bus­ca de uma opor­tu­ni­da­de pa­ra se de­sen­vol­ve­rem

FU­TU­RO: na Fi­bria, as pes­qui­sas es­tão apon­tan­do no­vos usos pa­ra a ce­lu­lo­se, co­mo rou­pas e pró­te­ses mé­di­cas fei­tas em im­pres­so­as 3D

RENATO LUZ­ZAR­DI: pa­ra o ge­ren­te de Ali­an­ças da Bayer, a pro­cu­ra por ta­len­tos não tem fron­tei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.