CRé­DI­TO é

O CRÉ­DI­TO RU­RAL SE TOR­NOU O MAIS IM­POR­TAN­TE IN­SU­MO PA­RA A EX­PAN­SÃO DO AGRO­NE­GÓ­CIO EM TO­DO O PAÍS. MAS Já HOU­VE ÉPO­CA EM QUE ELE ERA MAIS ACES­SÍ­VEL AO PRO­DU­TOR

Dinheiro Rural - - CONTENTS - FÁ­BIO MOITINHO

Es­pe­ci­al apre­sen­ta co­mo os avan­ços no cam­po es­tão re­la­ci­o­na­dos com os re­cur­sos fe­de­rais

Uma gi­gan­tes­ca ope­ra­ção co­me­çou em se­tem­bro, por to­do o País, co­mo ocor­re to­dos os anos. No mês pas­sa­do foi da­da a lar­ga­da pa­ra o plan­tio das pri­mei­ras áre­as da sa­fra 2018/2019, com a se­me­a­du­ra do amen­doim, ar­roz, gi­ras­sol, mi­lho e da so­ja. A ta­re­fa de co­brir uma área de 63,1 mi­lhões de hec­ta­res até me­a­dos de de­zem­bro é fei­ta com uma fro­ta de 1,2 mi­lhão de tra­to­res e 358,1 mil plan­ta­dei­ras. A área de plan­tio é equi­va­len­te a cer­ca de 3,4 mi­lhões de Ma­ra­ca­nãs. “Es­sa con­quis­ta é de gran­de res­pon­sa­bi­li­da­de da área da pes­qui­sa”, diz o en­ge­nhei­ro agrô­no­mo Alys­son Pa­o­li­nel­li, 82 anos, ex-mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra e pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra dos Pro­du­to­res de Mi­lho (Abra­mi­lho), com se­de em Bra­sí­lia. “Da dé­ca­da de 1970 pa­ra cá, o Bra­sil cri­ou uma agri­cul­tu­ra tro­pi­cal al­ta­men­te com­pe­ti­ti­va e sus­ten­tá­vel.” Além dos in­su­mos ob­ti­dos da­que­la épo­ca, co­mo se­men­tes ge­ne­ti­ca­men­te me­lho­ra­das e

adap­ta­das a to­das as re­giões do País, de­fen­si­vos de me­lhor qua­li­da­de e fer­ti­li­zan­tes mais efi­ca­zes, ou­tra ma­té­ria-pri­ma es­sen­ci­al foi o cré­di­to ru­ral.

Pa­ra o ad­vo­ga­do Fran­cis­co Turra, 76 anos, tam­bém ex-mi­nis­tro da Agri­cul­tu­ra e pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Pro­teí­na Ani­mal (ABPA), um cré­di­to sub­si­di­a­do e com ju­ros fi­xos pos­si­bi­li­tou ao pro­du­tor a apli­ca­ção do que ha­via de me­lhor pa­ra a la­vou­ra. “O pro­du­tor só pas­sou fa­zer o uso des­sa

cres­cen­te tec­no­lo­gia por­que sa­bia co­mo pa­gar a con­ta”, diz Turra. Foi quan­do o País dei­xou, de­fi­ni­ti­va­men­te pa­ra trás, um pro­ces­so in­fla­ci­o­ná­rio de cer­ca de 80% ao mês, en­tre ju­nho de 1989 e de­zem­bro de 1991 – a fa­se mais crí­ti­ca, se­gun­do a Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas –, que o cré­di­to ru­ral co­me­çou a che­gar no cam­po e a pro­du­ção cres­ceu ain­da mais. Se­gun­do Turra, que es­ta­va à fren­te do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e

Abas­te­ci­men­to (Ma­pa) – na tran­si­ção do pri­mei­ro ao se­gun­do man­da­to do go­ver­no Fer­nan­do Hen­ri­que Car­do­so, em1998 – era di­fí­cil con­ven­cer a equi­pe econô­mi­ca da im­por­tân­cia do cré­di­to no cam­po. “Ha­via uma cul­tu­ra den­tro da área econô­mi­ca de achar que o cré­di­to ru­ral era um cus­to ab­sur­do”, diz Turra. “Ti­ve mui­to tra­ba­lho pa­ra des­mis­ti­fi­car is­so, mos­tran­do que o re­tor­no era mui­to mai­or.” E Turra con­ven­ceu. Na sa­fra 2018/2019 há pre­vi­sões que in­di­cam uma co­lhei­ta de 245 mi­lhões de to­ne­la­das de grãos, 7,3% a mais que os 228,3 mi­lhões no ci­clo 2017/2018, es­ti­ma­do pe­la Com­pa­nhia Na­ci­o­nal de Abas­te­ci­men­to (Co­nab). Con­si­de­ran­do ape­nas os da­dos ofi­ci­ais já con­so­li­da­dos, o cres­ci­men­to da pro­du­ção foi de 69% na úl­ti­ma dé­ca­da. Nes­se mes­mo pe­río­do o Pro­du­to In­ter­no Bru­to do agro­ne­gó­cio cres­ceu 92,4%, che­gan­do a R$ 1,4 tri­lhão, se­gun­do o Cen­tro de Es­tu­dos Avan­ça­dos em Eco­no­mia Apli­ca­da (Ce­pea/Esalq), de Pi­ra­ci­ca­ba (SP).

Gran­de par­te des­sa gui­na­da do se­tor foi in­flu­en­ci­a­da por apor­tes mai­o­res ao cré­di­to ru­ral. Na sa­fra pas­sa­da fo­ram sub­si­di­a­dos pe­lo go­ver­no R$ 152,8 bi­lhões, cer­ca de 2,4 ve­zes mais que na tem­po­ra­da 2008/2009. Pa­ra a sa­fra que es­tá co­me­çan­do, o go­ver­no si­na­li­za a apli­ca­ção de R$ 191,2 bi­lhões. “O cré­di­to ru­ral é um ins­tru­men­to fa­bu­lo­so, mas é pre­ci­so avan­çar mais, pa­ra que ele con­ti­nue for­te sem­pre” diz Pa­o­li­nel­li. “Pa­ra is­so, é ne­ces­sá­rio uma equi­pe econô­mi­ca or­ga­ni­za­da e com­pro­me­ti­da.”

A fi­na­li­da­de do cré­di­to ru­ral é fi­nan­ci­ar as ope­ra­ções de cus­teio de pro­du­ção da la­vou­ra, in­ves­ti­men­to em bens ou ser­vi­ços e na co­mer­ci­a­li­za­ção dos pro­du­tos, de­pois da co­lhei­ta. É com uma eco­no­mia afi­na­da que o go­ver­no es­ti­mu­la a for­ma­ção dos re­cur­sos mais pom­po­sos pa­ra o in­ves­ti­men­to no se­tor. Atu­al­men­te, os ban­cos têm que des­ti­nar 30% dos de­pó­si­tos à

vis­ta e 60% dos de­pó­si­tos em pou­pan­ça ru­ral pa­ra apli­car em ope­ra­ções de cré­di­to ru­ral. Es­sas du­as ope­ra­ções cor­res­pon­dem à mai­or fa­tia da ori­gem dos re­cur­sos pa­ra o cré­di­to ru­ral. Na sa­fra pas­sa­da, elas res­pon­de­ram por 56,4% do mon­tan­de de di­nhei­ro. Tam­bém são ti­ra­dos re­cur­sos da Le­tra de Cré­di­to do Agro­ne­gó­cio (LCA), de fun­dos do BNDES e do Te­sou­ro Na­ci­o­nal, en­tre ou­tras fon­tes. São elas que ga­ran­tem ju­ros mais com­pe­ti­ti­vos. Pa­ra os mé­di­os pro­du­to­res, com ren­da bru­ta anu­al de até R$ 2 mi­lhões, as ta­xas de cus­teio nes­ta sa­fra fo­ram re­du­zi­das de 7% ao ano pa­ra 6% ao ano. Aos de­mais, caiu de 8,5% ao ano pa­ra 7%. Já as ta­xas pa­ra os fi­nan­ci­a­men­tos de in­ves­ti­men­to fi­ca­ram en­tre 5,25% ao ano e 7,5%. Na sa­fra pas­sa­da, a variação era de 6,5% ao ano, até 10,5%. “Ago­ra, te­mos ju­ros fi­xos bem ra­zoá­veis”, diz Turra. “E são eles que dão as ga­ran­ti­as de in­ves­ti­men­to ao pro­du­tor.”

Com es­se pros­pec­to, os nú­me­ros de to­ma­da de re­cur­sos cres­ce­ram nos pri­mei­ros dois me­ses de li­be­ra­ção de fi­nan­ci­a­men­tos do Pla­no Agrí­co­la e Pe­cuá­rio 2018/2019, em com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do da sa­fra pas­sa­da. Fo­ram 139,2 mil ope­ra­ções, so­ma­ran­do R$ 34,1 bi­lhões en­tre ju­lho e agos­to, 45% a mais que o mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. Pa­ra o se­cre­tá­rio de Po­lí­ti­ca Agrí­co­la do Ma­pa, Wil­son Vaz de Araújo, o bom de­sem­pe­nho do cré­di­to ru­ral, es­pe­ci­al­men­te nos úl­ti­mos cin­co anos, re­fle­te as gran­des ex­pec­ta­ti­vas do pro­du­tor ru­ral em re­la­ção ao com­por­ta­men­to do mer­ca­do agrí­co­la. “Há re­cur­sos dis­po­ní­veis e os pro­du­to­res re­cor­rem ao cré­di­to pa­ra apro­vei­tar opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os”, diz Araújo. “A mai­or atra­ti­vi­da­de por es­ses re­cur­sos foi a re­du­ção das ta­xas de ju­ros. E, den­tro des­te qua­dro, ob­ser­va-se o mai­or de­sem­bol­so de re­cur­sos a ta­xas con­tro­la­das do que a ta­xas li­vres, que são re­cur­sos mais ba­ra­tos.” En­tre os prin­ci­pais pro­gra­mas de fi­nan­ci­a­men­to des­ta­ca-se o Pro­gra­ma de Cons­tru­ção e Am­pli­a­ção de Ar­ma­zéns (PCA), que te­ve au­men­to de 141%, por con­ta do in­cen­ti­vo pa­ra im­plan­ta­ção de es­tru­tu­ras com ca­pa­ci­da­de de até seis mil to­ne­la­das, a ta­xas de ju­ros de 5,25% ao ano. Já o Pro­gra­ma de Mo­der­ni­za­ção da Fro­ta de Tra­to­res Agrí­co­las e Im­ple­men­tos (Mo­der­fro­ta), te­ve de­sem­pe­nho 55% su­pe­ri­or ao da sa­fra pas­sa­da. “Es­se in­cre­men­to já era es­pe­ra­do, de­vi­do à re­du­ção das ta­xas”, diz Araújo.

Pa­ra Turra, o de­sen­vol­vi­men­to de mais fon­tes de re­cur­sos tam­bém pre­ci­sa ser se­gui­do com o di­re­ci­o­na­men­to de po­lí­ti­cas es­pe­cí­fi­cas, sa­fra após sa­fra. Is­so é o vai per­mi­tir que ca­da vez mais pro­du­to­res aces­sem os re­cur­sos, não só nas gran­des cul­tu­ras, co­mo a so­ja, o mi­lho e o al­go­dão, mas tam­bém a pro­du­ção de fru­tas, hor­ta­li­ças, além das ati­vi­da­des pe­cuá­ri­as, co­mo a pro­du­ção lei­tei­ra e a cri­a­ção de aves e de suí­nos. “É im­por­tan­te sem­pre se pen­sar em li­nhas es­pe­cí­fi­cas pa­ra dar com­pe­ti­ti­vi­da­de a es­sas ati­vi­da­des, que, em ge­ral, es­tão nas mãos de pro­du­to­res da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar.” Adi­ci­o­nal­men­te a es­sa vi­são de li­nhas es­pe­cí­fi­cas de cré­di­to, Turra tam­bém acre­di­ta que ações que pro­mo­vam a edu­ca­ção fi­nan­cei­ra tam­bém se­jam es­sen­ci­ais. “Is­so é o que vai re­fle­tir ca­da vez mais a pro­fis­si­o­na­li­za­ção do pro­du­tor e sig­ni­fi­ca­rá que o di­nhei­ro não vai ser jo­ga­do fo­ra.” A pers­pec­ti­va é que ele se­ja me­lhor em­pre­ga­do, in­clu­si­ve pa­ra que a pro­du­ção agrí­co­la não vi­va so­men­te de com­mo­di­ti­es, mas de pro­du­tos de mai­or va­lor ale­gra­do.

O cré­di­to ru­ral é um ins­tru­men­to fa­bu­lo­so, mas é pre­ci­so avan­çar mais, pa­ra que ele No­no­no con­ti­nue No­no­no­no, for­te ABor­pe­rat. sem­pre. Lam ing Pa­ra eu fa­ci is­so f bfgnjb é rge ne­ces­sá­rio uma equi­pe econô­mi­ca or­ga­ni­za­da e com­pro­me­ti­da” Alys­son Pa­o­li­nel­li, pre­si­den­te da Abra­mi­lho

Má­QUI­NAS EM CAM­PO: no Cer­ra­do, as ope­ra­ções de co­lhei­ta têm de en­vol­ver uma gran­de quan­ti­da­de de má­qui­nas. O que tem sus­ten­ta­do is­so é o cré­di­to ru­ral no País

JU­ROS BAI­XOS: pa­ra Wil­son de Araújo, do mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, as ta­xas es­ti­mu­lam a to­ma­da de cré­di­to nes­ta sa­fra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.