Açú­CAR

Dinheiro Rural - - CONTENTS -

Co­nhe­ça a par­ce­ria iné­di­ta en­tre a mi­nei­ra VLI e a fran­ce­sa Te­re­os no trans­por­te ferroviário

Den­tro de seis me­ses, um trem es­pe­ci­al sai­rá do mu­ni­cí­pio de Gu­a­rá, no in­te­ri­or pau­lis­ta, ru­mo ao por­to de San­tos, car­re­ga­do com 5,6 mil to­ne­la­das de açú­car. Por mais que a ce­na já se­ja cor­ri­queia na re­gião, es­se trem re­pre­sen­tá um fei­to sem pre­ce­den­tes pa­ra a mi­nei­ra VLI, uma das gi­gan­tes no mo­dal ferroviário bra­si­lei­ro, e pa­ra a fran­ce­sa Te­re­os, pro­ces­sa­do­ra de açú­car, eta­nol, ami­do e ce­re­ais em 16 paí­ses. A da­ta vai mar­car a pri­mei­ra ope­ra­ção de es­co­a­men­to de açú­car nu­ma par­ce­ria iné­di­ta e que po­de ser­vir de mo­de­lo pa­ra o trans­por­tes de car­gas no País. “Es­sa par­ce­ria é uma gran­de opor­tu­ni­da­de pa­ra am­pli­ar a nos­sa par­ti­ci­pa­ção no agro­ne­gó­cio”, diz o en­ge­nhei­ro de pro­du­ção bai­a­no Marcello Spi­nel­li, 44 anos, pre­si­den­te da VLI, com se­de em Be­lo Ho­ri­zon­te. “O cam­po é um seg­men­to mui­to im­por­tan­te pa­ra a com­pa­nhia.” Atu­al­men­te, o se­tor agrí­co­la res­pon­de por cer­ca de 60% do fa­tu­ra­men­to da em­pre­sa, que foi de R$ 4,5 bi­lhões em 2017. No ca­so do açú­car, a VLI trans­por- tou 4,6 mi­lhões de to­ne­la­das, vo­lu­me equi­va­len­te a 11,9% da sa­fra na­ci­o­nal no ci­clo 2017/2018. Com a par­ce­ria, a VLI vai trans­por­tar mais um mi­lhão de to­ne­la­das. Es­sa é a pre­vi­são de Jacyr Cos­ta Fi­lho, 61 anos, pre­si­den­te da Te­re­os In­ter­na­ci­o­nal, sub­si­diá­ria da co­o­pe­ra­ti­va no País, se­di­a­da na ca­pi­tal pau­lis­ta. “Is­so é mui­to açú­car”, diz ele. “O con­tra­to co­me­ça em abril de 2019.”

Pa­ra co­lo­car a par­ce­ria em pé, o in­ves­ti­men­to foi de R$ 200 mi­lhões, ra­te­a­do pe­las du­as em­pre­sas, num con­tra­to de 30 anos. O pro­je­to

in­clui dois ar­ma­zéns ex­clu­si­vos pa­ra a Te­re­os, já em fa­se fi­nal de cons­tru­ção, nos ter­mi­nais da VLI. Um de­les em Gu­a­rá, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 80 mil to­ne­la­das, e ou­to no por­to de San­tos, pa­ra 114 mil to­ne­la­das. Spi­nel­li diz que a par­ce­ria faz par­te de uma am­pla es­tra­té­gia de ex­pan­são da em­pre­sa. “Pas­sa­mos por uma fa­se cons­tru­to­ra”, afir­ma. “Ti­ra­mos do pa­pel pro­je­tos de ter­mi­nais em Mi­nas Ge­rais, São Pau­lo e To­can­tins. O mo­men­to é dar efi­ci­ên­cia ao sis­te­ma in­te­gra­do.”

Ho­je, a VLI quer avan­çar, em­bo­ra já se­ja do­na de três por­tos pró­pri­os, oi­to ter­mi­nais in­ter­mo­dais de ar­ma­ze­na­gem e mo­vi­men­ta­ção de pro­du­tos, e te­nha a con­ces­são de oi­to mil quilô­me­tros de es­tra­das de fer­ro, pas­san­do por se­te Es­ta­dos mais o Dis­tri­to Fe­de­ral. Além da dis­po­si­ção de fir­mar ou­tras par­ce­ri­as, co­mo a da Te­re­os, a em­pre­sa es­tá de olho em mais con­ces­sões. “Es­ta­mos aten­tos às opor­tu­ni­da­des que sur­gi­rem”, afir­ma Spi­nel­li. “O se­tor ferroviário pe­de di­na­mis­mo e há es­pa­ços pa­ra con­tri­buir mais com o País, no de­sa­fio da in­fra­es­tru­tu­ra

O se­tor ferroviário pe­de di­na­mis­mo e há es­pa­ços pa­ra con­tri­buir mais com o País”

MARCELLO SPI­NEL­LI, pre­si­den­te da VLI

e da lo­gís­ti­ca.” O exe­cu­ti­vo es­tá des­de 2011 na VLI, que tem co­mo aci­o­nis­tas a mi­ne­ra­do­ra Va­le (37,6%), o fun­do ca­na­den­se Bro­ok­fi­eld (26,5%), a ja­po­ne­sa Mit­sui (20%) e o Fun­do de In­ves­ti­men­to do FGTS (15,9%).

O mo­dal ferroviário é a bo­la da vez pa­ra o agro­ne­gó­cio, por con­ta da dis­cus­são do ta­be­la­men­to do fre­te ro­do­viá­rio. No ano pas­sa­do, che­ga­ram aos por­tos, atrá­ves de fer­ro­vi­as, 68,7 mi­lhões de to­ne­la­das de pro­du­tos agrí­co­las. O sal­to foi de 82,7% em uma dé­ca­da. No ca­so do açú­car fo­ram 14 mi­lhões de to­ne­la­das, 36,3% da pro­du­ção. Mas po­de­ria ser mais, já que um trem que ho­je sai de Gu­a­rá, ru­mo a San­tos, po­de subs­ti­tuir a ope­ra­ção de 150 ca­mi­nhões. O Bra­sil pos­sui 30,6 mil quilô­me­tros de fer­ro­vi­as, dos quais 29 mil es­tão sob con­ces­são pri­va­da. Nos pró­xi­mos cin­co anos, o mo­dal po­de ga­nhar mais 5,1 mil quilô­me­tros de con­ces­são com a Fer­ro­grão, li­gan­do Si­nop (MT) ao por­to de Mi­ri­ti­bu­ba (PA), e a Fer­ro­via Nor­te-Sul, de Por­to Na­ci­o­nal (TO) a Es­tre­la D’Oes­te (SP). “O te­ma in­fra­es­tru­tu­ra de trans­por­tes, em es­pe­ci­al no se­tor ferroviário, en­trou na pau­ta de­fi­ni­ti­va do País”, diz Spi­nel­li. “Ve­mos is­so com bons olhos.”

O País ga­nha com es­sa de­ci­são. Com 1,7 mi­lhão de quilô­me­tros de ex­ten­são, as es­tra­das res­pon­dem por 485,6 bi­lhões de to­ne­la­das por quilô­me­tro útil (TKU, uni­da­de fí­si­ca de es­for­ço de trans­por­te), vo­lu­me que re­pre­sen­ta 61,1% do to­tal na­ci­o­nal de car­gas. Já as fer­ro­vi­as es­co­am 164,8 bi­lhões de TKU, 20,7%. O po­der pa­ra mu­dar es­sa re­la­ção es­tá com uma trin­ca de gi­gan­tes. Além da VLI, a cu­ri­ti­ba­na Ru­mo, do gru­po Co­san, e a mi­nei­ra MRS. É pe­lo ca­pi­tal de­las que a fer­ro­via se ex­pan­de. Se­gun­do a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Trans­por­ta­do­res Fer­ro­viá­ri­os (ANTF), dos R$ 92 bi­lhões in­ves­ti­dos no se­tor nos úl­ti­mos 21 anos, 90,3% vi­e­ram de ca­pi­tal pri­va­do. No ca­so da VLI, de 2014 a 2017, a com­pa­nhia in­ves­tiu R$ 9 bi­lhões, dos quais R$ 4 bi­lhões se des­ti­na­ram à mo­der­ni­za­ção e ao au­men­to da ca­pa­ci­da­de de seu ter­mi­nal por­tuá­rio em San­tos (SP). Até o ano que vem se­rão 640 mil de to­ne­la­das de ca­pa­ci­da­de de ar­ma­ze­na­men­to de pro­du­tos, 4,6 ve­zes aci­ma de 2013.

É o açú­car da Te­re­os um dos gran­des res­pon­sá­veis por es­sa gui­na­da da VLI. A fran­ce­sa tem se­te usi­nas e uma área de 300 mil hec­ta­res de ca­na-de-açú­car na re­gião de Ri­bei­rão Pre­to (SP). Na sa­fra 2017/2018 fo­ram pro­ces­sa­das 20,2

mi­lhões de to­ne­la­das de ca­na, o que lhe ren­deu uma re­cei­ta de R$ 10,7 bi­lhões. A par­ce­ria com a VLI vai azei­tar as en­gre­na­gens de uma ope­ra­ção que já ocor­re na com­pa­nhia, mas de for­ma dis­per­sa. O açú­car pro­ces­sa­do pa­ra ex­por­ta­ção sai das uni­da­des de Gu­aí­ra e de Ta­na­bi. Em 2017, elas pro­du­zi­ram 962 mil to­ne­la­das com des­ti­no ao ex­te­ri­or, 53,4% do açú­car pro­ces­sa­do pe­la Te­re­os no Bra­sil. Ho­je, o pro­du­to ven­di­do às tra­dings é le­va­do até os ter­mi­nais fer­ro­viá­ri­os por mais de uma com­pa­nhia. No mês pas­sa­do, a DI­NHEI­RO RU­RAL acom­pa­nhou es­se pro­ces­so (con­fi­ra nas ima­gens do to­po e do pé da pá­gi­na). Com a par­ce­ria, tu­do se­rá con­cen­tra­do na VLI e a ven­da do açú­car pas­sa­rá a ser fei­ta pe­la pró­pria Te­re­os.

Se­gun­do o exe­cu­ti­vo Carlos Si­mões, di­re­tor da Ca­deia de Su­pri­men­tos da Te­re­os, mu­da o mo­do de ope­ra­ção da com­pa­nhia. “O pro­je­to é es­tra­té­gi­co por­que pas­sa­mos a fun­ci­o­nar co­mo uma tra­ding de açú­car”, diz ele. “A VLI re­pre­sen­ta mais do que um mo­dal li­vre de ris­cos, ela é a li­ber­da­de de ven­der nos­so pro­du­to da me­lhor ma­nei­ra que achar­mos.” Is­so por­que, em­bo­ra o in­ves­ti­men­to em ar­ma­zéns se­ja uma ta­re­fa da VLI, eles se­rão ex­clu­si­vos pa­ra uso da Te­re­os, de­fi­ni­dos no con­tra­to. Es­sa no­va es­tru­tu­ra de ar­ma­ze­na­gem traz mais mus­cu­la­tu­ra e es­tá em li­nha com a Te­re­os Com­mo­di­ti­es, uma sub­si­diá­ria glo­bal pa­ra o co­mér­cio de açú­car, cri­a­da há três anos pa­ra mu­dar o fo­co do ne­gó­cio. No ano pas­sa­do, as ven­das di­re­tas glo­bais fo­ram de 1,4 mi­lhão e 2,3 mi­lhões de to­ne­la­das fo­ram en­tre­gues a tra­dings. Mas o pla­no da com­pa­nhia é ou­sa­do. Até 2020, a Te­re­os quer ter 15% de par­ti­ci­pa­ção na dis­tri­bui­ção glo­bal de açú­car. Is­so sig­ni­fi­ca um vo­lu­me de 9,4 mi­lhões de to­ne­la­das, das ven­das glo­bais de 62,8 mi­lhões, es­ti­ma­das pe­lo De­par­ta­men­to de Agri­cul­tu­ra dos Es­ta­dos Uni­dos (Usda, na si­gla em in­glês).

LO­CO­MO­TI­VA: no por­to de San­tos (SP), a VLI es­tá au­men­tan­do a es­tru­tu­ra de re­ce­bi­men­to de açú­car trans­por­ta­do por trens da com­pa­nhia

7 8 9O Açú­CAR VEM: a 70 quilô­me­tros da usi­na, o açú­car é des­car­ga­do e ar­ma­ze­na­do no ter­mi­nal da VLI (7). A quí­mi­ca in­dus­tri­al Na­tá­lia Cos­ta ins­pe­ci­o­na o car­re­ga­men­to dos va­gões (8). O pro­ces­so de­mo­ra no­ve ho­ras (9)

1 2 3O INí­CIO DA JOR­NA­DA: a co­lhei­ta da ca­na-de-açú­car na fa­zen­da Man­du, da Te­re­os (1), ro­da 24 ho­ras por dia na sa­fra, on­de tra­ba­lha o ope­ra­dor Gil­son da Sil­va Sou­za (2). De­pois de pi­ca­da, a ca­na se­gue pa­ra a mo­a­gem na usi­na (3).

O Açú­CAR VAI: o ma­qui­nis­ta Je­an Car­lo Nascimento dá iní­cio à vi­a­gem (10). O açú­car é des­car­re­ga­do no ter­mi­nal da VLI no por­to de San­tos (11) e daí em em­bar­ca­do nos na­vi­os com des­ti­no à Ásia (12) 10 11 12

4 5 6A IN­DúS­TRIA: de­pois do co­zi­men­to do cal­do da ca­na e da cen­tri­fu­ga­ção na usi­na, o açú­car em seu es­tá­gio bru­to é res­fri­a­do na es­tei­ra (4). O ope­ra­dor Carlos Car­do­so (5) con­fe­re se o pro­du­to já po­de ser en­vi­a­do, por ca­mi­nhão, ao ter­mi­nal (6)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.