UM GI­GAN­TE NO CAM­PO

Um bom tra­ba­lho de ges­tão fi­nan­cei­ra ga­ran­te à Am­bev uma for­te pre­sen­ça no mer­ca­do, com re­cei­ta lí­qui­da em 2017 de R$ 47,9 bi­lhões

Dinheiro Rural - - AGRONEGÓCIO DIRETO - POR CAR­LOS VALIM

Nas dis­cus­sões so­bre mo­de­los de ne­gó­ci­os, as gran­des em­pre­sas de con­su­mo são con­si­de­ra­das ca­da vez mais com­pa­nhi­as de mar­ke­ting. Os es­pe­ci­a­lis­tas cos­tu­mam de­fen­der que o prin­ci­pal ne­gó­cio de­las, ape­sar de ven­de­rem pro­du­tos de ori­gem in­dus­tri­al, não é exa­ta­men­te a ca­pa­ci­da­de in­dus­tri­al. Mas, sim, a for­ma com que tra­ba­lham as su­as mar­cas, co­mo as apre­sen­tam e de­sen­vol­vem pa­ra es­ti­mu­lar o de­se­jo e uma boa per­cep­ção no cli­en­te. Do­na de mar­cas po­de­ro­sas co­mo Skol, Brah­ma, An­tarc­ti­ca e Gu­a­ra­ná An­tarc­ti­ca, a em­pre­sa de be­bi­das Am­bev é um dos me­lho­res exem­plos dis­so. Pa­ra man­ter a sua po­si­ção in­ve­já­vel no mer­ca­do, há mui­tos in­ves­ti­men­tos de mar­ca. Com is­so, a em­pre­sa é a lí­der na­ci­o­nal, com par­ti­ci­pa­ção de 63,8%, no vo­lu­me de cer­ve­ja ven­di­do no Bra­sil nes­te ano, e faz par­te do gru­po AB In­bev, que do­mi­na a fa­bri­ca­ção de cer­ve­jas no mun­do. Mas, o tra­ba­lho na com­pa­nhia vai mui­to além das es­tra­té­gi­as de mar­ke­ting, ou de pre­ci­fi­ca­ção de pro­du­tos e de dis­tri­bui­ção. Na fór­mu­la do su­ces­so da Am­bev, é tam­bém es­sen­ci­al a re­la­ção com o agro­ne­gó­cio.

Afi­nal, as ca­rac­te­rís­ti­cas de pro­du­tos di­vul­ga­das por pro­pa­gan­da e mar­ke­ting pre­ci­sam exis­tir no mun­do re­al. Pa­ra a pro­du­ção do Gu­a­ra­ná An­tarc­ti­ca, o seu re­fri­ge­ran­te mais co­nhe­ci­do, é im­por­tan­te a re­la­ção com pro­du­to­res do gu­a­ra­ná, na Amazô­nia. Pa­ra pro­du­zir cer­ve­ja, é pre­ci­so ter con­fiá­veis pro­du­to­res de ce­va­da, mal­te e lú­pu­lo. Ou se­ja, a Am­bev, um gi­gan­te in­dus­tri­al e de mar­ke­ting, tem um pé no cam­po.

Com es­sas im­por­tan­tes re­la­ções com o mun­do agrí­co­la, a em­pre­sa co­man­da­da pe­lo CEO Ber­nar­do Pai­va foi elei­ta, pe­la sex­ta vez, a me­lhor or­ga­ni­za­ção da ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio In­di­re­to, den­tre os Con­glo­me­ra­dos do Prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018. Con­tou a seu fa­vor ter al­can­ça­do a mai­or pon­tu­a­ção em me­lhor Ges­tão Fi­nan­cei­ra. A Am­bev fe­chou 2017 com um va­lor de mer­ca­do de R$ 240 bi­lhões, ten­do che­ga­do a ul­tra­pas­sar a Pe­tro­bras co­mo a com­pa­nhia mais va­li­o­sa do País. A re­cei­ta lí­qui­da au­men­tou 9,6%, atin­gin­do R$ 47,9 bi­lhões, im­pul­si­o­na­da por um cres­ci­men­to de 5,6% no Bra­sil.

Foi um re­sul­ta­do im­por­tan­te uma vez que, no ano pas­sa­do, o vo­lu­me de con­su­mo de cer­ve­ja no País au­men­tou ape­nas 0,7%, um cres­ci­men­to pu­xa­do por ró­tu­los de me­nor pre­ço, por cau­sa de um am­bi­en­te econô­mi­co frá­gil. As di­fi­cul­da­des de mer­ca­do per­ma­ne­cem nes­te ano, cri­an­do um gran­de de­sa­fio pa­ra a em­pre­sa man­ter a sua on­da de bons re­sul­ta­dos da úl­ti­ma dé­ca­da. No en­tan­to, o his­tó­ri­co cui­da­do da Am­bev com os seus cus­tos de ope­ra­ção jo­ga a seu fa­vor.

O Ebit­da ajus­ta­do, que me­de a mar­gem ope­ra­ci­o­nal da em­pre­sa, che­gou a R$ 20,1 bi­lhões, em 2017, uma ex­pan­são de 7,9%, mes­mo ten­do so­fri­do uma que­da de 40% no lu­cro lí­qui­do, pa­ra R$ 7,8 bi­lhões. Os de­sa­fi­os pa­ra a em­pre­sa vão além dos efei­tos da lon­ga cri­se econô­mi­ca pe­la qual o País atra­ves­sou. Há uma mu­dan­ça do es­ti­lo de con­su­mo dos cli­en­tes de cer­ve­ja. E a com­pa­nhia res­pon­de di­ver­si­fi­can­do o seu port­fó­lio. “Exis­te uma ten­dên­cia do mer­ca­do de ofe­re­cer ca­da vez mais op­ções pa­ra o con­su­mi­dor”, afir­ma Mau­rí­cio Sou­fen, vi­ce-pre­si­den­te in­dus­tri­al e de lo­gís­ti­ca da Am­bev. “Is­so acon­te­ce em vá­ri­as in­dús­tri­as em to­do o mun­do e te­mos de es­tar na van­guar­da des­se pro­ces­so em cer­ve­jas”, des­ta­ca o exe­cu­ti­vo.

A es­tra­té­gia se tra­duz na Am­bev ven­den­do ho­je no Bra­sil mais de 100 ró­tu­los de cer­ve­ja em 300 for­ma­tos de pro­du­tos (in­cluin­do la­ta, gar­ra­fa e vo­lu­mes di­fe­ren­tes). As op­ções vão des­de as su­as mar­cas tra­di­ci­o­nais a pro­du­tos im­por­ta­dos, do port­fó­lio glo­bal da AB In­bev, co­mo a Ho­e­ga­ar­den, a bel­ga Lef­fe e a ar­gen­ti­na Pa­ta­go­nia.

Ou­tro des­ta­que na ca­te­go­ria de Con­glo­me­ra­dos foi a ale­mã Bayer, que atin­giu a mai­or no­ta em Ges­tão Cor­po­ra­ti­va. Es­se que­si­to in­clui go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va, sus­ten­ta­bi­li­da­de e ino­va­ção, en­tre ou­tros pon­tos. “A in­te­gri­da­de, que en­ten­de­mos co­mo con­for­mi­da­de com­ple­ta com to­das as leis e re­gu­la­men­ta­ções, é um dos ele­men­tos mais im­por­tan­tes da cul­tu­ra man­ti- da pe­la Bayer em to­do o mun­do”, diz Marc Rei­chardt, CEO da Bayer Bra­sil. “Es­ta­mos con­ven­ci­dos de que as prá­ti­cas de go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va in­te­gra­das à vi­são de sus­ten­ta­bi­li­da­de em to­dos os ní­veis de ges­tão são o úni­co ca­mi­nho pa­ra ge­rar va­lor pa­ra os en­vol­vi­dos no ne­gó­cio e pa­ra to­da a so­ci­e­da­de.”

A pre­sen­ça da com­pa­nhia – que atua da pro­du­ção de me­di­ca­men­tos com e sem pres­cri­ção mé­di­ca a itens de saú­de ani­mal – no agro­ne­gó­cio mun­di­al só ga­nha mais pe­so, uma vez que ela pas­sa por uma in­te­gra­ção com a ame­ri­ca­na Mon­san­to. O ne­gó­cio es­tá sen­do in­te­gra­do à di­vi­são agrí­co­la da Bayer, cha­ma­da de Crop Sci­en­ce. A aqui­si­ção da Mon­san­to, que custou US$ 66 bi­lhões, foi fi­na­li­za­da em ju­nho des­te ano. Com es­sa tran­sa­ção, foi for­ma­da a mai­or em­pre­sa de se­men­tes e de agroquí­mi­cos do pla­ne­ta. “A agri­cul­tu­ra pre­ci­sa acom­pa­nhar uma po­pu­la­ção cres­cen­te que ne­ces­si­ta de ali­men­tos sau­dá­veis, se­gu­ros e aces­sí­veis. Tra­ta-se de uma das ne­ces­si­da­des hu­ma­nas mais bá­si­cas e que de­ve ser su­pri­da de for­ma sus­ten­tá­vel”, diz Gerhard Boh­ne, res­pon­sá­vel pe­la di­vi­são Crop Sci­en­ce da Bayer no País. “O Bra­sil é o nos­so se­gun­do mai­or mer­ca­do do gru­po.” Com es­se gran­de por­te, a com­pa­nhia te­rá pa­pel es­sen­ci­al pa­ra aju­dar a agri­cul­tu­ra a au­men­tar a sua pro­du­ti­vi­da­de, mes­mo de­pois de tan­tos avan­ços já con­se­gui­dos nos úl­ti­mos anos. É um ca­mi­nho que a Bayer co­nhe­ce bem. A com­pa­nhia tem tra­di­ção de in­ves­ti­men­tos em pes­qui­sas e de­sen­vol­vi­men­to no Bra­sil, que in­cluiu a cri­a­ção de no­vos cen­tros de ino­va­ção em Pau­lí­nia, no in­te­ri­or de São Pau­lo, e o de­sen­vol­vi­men­to de pes­qui­sas em con­jun­to com a Em­bra­pa.

GERHARD, DA BAYER: “As prá­ti­cas de go­ver­nan­ça cor­po­ra­ti­va in­te­gra­das à sus­ten­ta­bi­li­da­de são o úni­co ca­mi­nho pa­ra ge­rar va­lor ao ne­gó­cio e à so­ci­e­da­de“

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.