TE­RE­ZA CRIS­TI­NA COR­RÊA DA COS­TA DI­AS

Te­re­za Cris­ti­na Cor­rêa da Cos­ta Di­as, fu­tu­ra mi­nis­tra da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to

Dinheiro Rural - - CONTENTS - Fá­BIO MOITINHO

Mal com­ple­tou no­ve me­ses na pre­si­dên­cia da Fren­te Par­la­men­tar da Agro­pe­cuá­ria, a de­pu­ta­da fe­de­ral Te­re­za Cris­ti­na Cor­rêa da Cos­ta Di­as (DEM-MS) acei­tou, no iní­cio de no­vem­bro, um de­sa­fio ain­da mai­or: co­man­dar o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, Pe­cuá­ria e Abas­te­ci­men­to (Ma­pa), na ges­tão do pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro. Aos 64 anos, a agrô­no­ma cam­po-gran­den­se tem lar­ga ex­pe­ri­ên­cia no se­tor. En­tre 2007 e 2014, foi a se­cre­tá­ria de Es­ta­do de Agri­cul­tu­ra de Ma­to Gros­so do Sul. No Ma­pa, ela te­rá uma mis­são mo­nu­men­tal: reu­nir sob sua gu­ar­da ta­re­fas que não mais per­ten­ci­am à pas­ta.

O Ma­pa vol­ta a ter co­mo atri­bui­ções as po­lí­ti­cas pa­ra a agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, a ex­ten­são ru­ral, a pes­ca e a re­for­ma agrá­ria — nes­te úl­ti­mo ca­so, um as­sun­to que es­te­ve, por 46 anos, sob a ba­tu­ta do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Co­lo­ni­za­ção e Re­for­ma Agrá­ria (In­cra). “A bus­ca é apri­mo­rar o que já es­tá bom e me­lho­rar o que ain­da é de­fi­ci­tá­rio”, afir­ma Te­re­za. “A ideia é fa­zer com que o agri­cul­tor per­ca me­nos tem­po do la­do de fo­ra da por­tei­ra e ga­nhe mais tem­po den­tro de­la, pro­du­zin­do com mais tec­no­lo­gia e ob­ten­do pro­du­ti­vi­da­de ca­da vez mai­or.” Na en­tre­vis­ta ex­clu­si­va à DI­NHEI­RO RU­RAL, a fu­tu­ra mi­nis­tra fa­la so­bre os seus pla­nos pa­ra o pró­xi­mo go­ver­no.

DI­NHEI­RO RU­RAL – Que pro­je­tos con­ti­nu­am inal­te­ra­dos no pró­xi­mo go­ver­no e qu­ais de­les de­vem ser re­es­tru­tu­ra­dos?

TE­RE­ZA CRIS­TI­NA – O Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra é uma ca­sa an­ti­ga e bem or­ga­ni­za­da. Te­mos al­guns tra­ba­lhos que da­re­mos con­ti­nui­da­de e ou­tras po­lí­ti­cas que de­vem ser re­es­tru­tu­ra­das. O Blai­ro Mag­gi fez uma boa ges­tão, es­pe­ci­al­men­te com a aber­tu­ra e a bus­ca de no­vos mer­ca­dos pa­ra a agro­pe­cuá­ria. Va­mos dar con­ti­nui­da­de a is­so, sem dú­vi­da al­gu­ma. En­tre­tan­to, há al­gu­mas coi­sas que eu gos­ta­ria de mu­dar um pou­co. Qu­e­ro tra­ba­lhar bas­tan­te com a re­or­ga­ni­za­ção da Se­cre­ta­ria de De­fe­sa Agro­pe­cuá­ria. Ho­je, ela é um pon­to ne­vrál­gi­co. Foi pe­la fal­ta de aten­ção a es­sa se­cre­ta­ria que acon­te­ce­ram epi­só­di­os co­mo as ope­ra­ções Car­ne Fra­ca e Tra­pa­ça. A es­tra­té­gia se­rá mos­trar que o nos­so ser­vi­ço de inspeção sa­ni­tá­ria ani­mal e ve­ge­tal e o pró­prio em­pre­sa­ri­a­do bra­si­lei­ro es­tão re­cu­pe­ra­dos des­ses epi­só­di­os e cor­ri­gin­do as su­as prá­ti­cas.

RU­RAL – O pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro afir­mou em sua cam­pa­nha que da­ria mais ce­le­ri­da­de ao agro­ne­gó­cio. Co­mo pre­ten­de fa­zer is­so?

TE­RE­ZA – O mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra co­me­çou um pro­je­to mui­to in­te­res­san­te: o Agro Mais. Ele bus­ca di­mi­nuir a bu­ro­cra­cia e fa­ci­li­tar o am­bi­en­te de ne­gó­cio de vá­ri­os em­pre­en­di­men­tos do se­tor. Tu­do is­so, sem ti­rar a se­gu­ran­ça dos pro­ces­sos. É um as­sun­to que a gen­te tem de se­guir, pois não é uma ta­re­fa pa­ra ape­nas um go­ver­no.

RU­RAL – O que re­pre­sen­ta a vol­ta da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar sob o cui­da­do do Ma­pa?

TE­RE­ZA – Re­pre­sen­ta o de­se­jo do go­ver­no. Por­que, se­ja o pro­du­tor pe­que­no, mé­dio ou gran­de, no fi­nal das con­tas a agri­cul­tu­ra é uma só. E por is­so pre­ci­sa­mos tra­tá-la co­mo uma só en­ti­da­de. É cla­ro que ca­da clas­se de pro­du­tor tem os seus pro­ble­mas e es­pe­ci­fi­ci­da­des. Qu­e­ro acom­pa­nhar pes­so­al­men­te a te­má­ti­ca da agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar, par­ti­ci­pan­do das dis­cus­sões e da cri­a­ção de pro­gra­mas de go­ver­no.

RU­RAL – Qu­ais são as pri­o­ri­da­des na re­for­ma agrá­ria? TE­RE­ZA

– A pri­o­ri­da­de é dar a ga­ran­tia de ti­tu­la­ção de ter­ras a qu­em re­al­men­te tem es­se di­rei­to. Is­so ga­ran­te que es­se pro­du­tor te­nha efe­ti­va­men­te sua li­ber­da­de pa­ra pe­gar cré­di­to e tra­ba­lhar a ter­ra, es­ta­be­le­cen­do seus pro­ces­sos pro­du­ti­vos e a sua in­de­pen­dên­cia no cam­po. Pa­ra is­so acon­te­cer, se­rá ne­ces­sá­rio o apoio da as­sis­tên­cia téc­ni­ca. Não adi­an­ta so­men­te dar o tí­tu­lo da ter­ra. É pre­ci­so dar a opor­tu­ni­da­de de uma as­sis­tên­cia de qua­li­da­de.

RU­RAL – Pa­ra o cam­po, qual o re­fle­xo ime­di­a­to des­sas no­vas me­di­das?

TE­RE­ZA – Is­so vai re­fle­tir num pro­du­tor que en­ten­de a sua ati­vi­da­de de ma­nei­ra mais econô­mi­ca. A agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar não é uma ati­vi­da­de de sub­sis­tên­cia. É pre­ci­so dei­xar de la­do es­se con­cei­to. Pre­ci­sa­mos fa­zer com que se­ja de­sen­vol­vi­da pa­ra ven­der seus pro­du­tos, fo­men­tan­do uma agri­cul­tu­ra co­mer­ci­al e que aten­da ao mer­ca­do.

RU­RAL – Co­mo fa­zer o Ma­pa tra­ba­lhar nes­se sen­ti­do?

TE­RE­ZA – Ca­da vez mais, nós do mi­nis­té­rio te­re­mos de exer­ci­tar a in­te­li­gên­cia e a es­tra­té­gia na agri­cul­tu­ra. Is­so vai ser im­por­tan­te pa­ra es­se pro­du­tor, co­mo tam­bém se­rá pa­ra to­da a agro­pe­cuá­ria. Mas não é so­men­te is­so. É mui­to im­por­tan­te es­tar­mos aten­tos ao ce­ná­rio mun­di­al. Is­so po­de di­re­ci­o­nar al­gu­mas po­lí­ti­cas. A cul­tu­ra do mi­lho, por exem­plo. Quan­to o País tem de pro­du­zir des­se ce­re­al em de­ter­mi­na­do ano? Te­mos de fi­car sem­pre ala­van­ca­dos nes­sa pro­du­ção? Pa­ra res­pon­der a es­sas ques­tões, pes­so­as den­tro do mi­nis­té­rio de­vem co­nhe­cer o mer­ca­do na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal, pa­ra de­fi­nir­mos as pro­pos­tas de po­lí­ti­cas agrí­co­las. Is­so ser­vi­rá co­mo uma ba­se só­li­da pa­ra a to­ma­da de de­ci­são dos pro­du­to­res.

RU­RAL – Qu­ais mer­ca­dos são mais im­por­tan­tes pa­ra o su­ces­so des­se ti­po de po­lí­ti­ca?

TE­RE­ZA – Es­ta­re­mos fo­ca­dos em to­dos os mer­ca­dos. Nos que ain­da não es­ta­mos pre­sen­tes, va­mos pros­pec­tar. A agro­pe­cuá­ria é mui­to gran­de e pu­jan­te. Por is­so, te­mos de ga­ran­tir o cres­cen­te flu­xo das ex­por­ta­ções do se­tor.

RU­RAL – Mas a se­nho­ra tem da­do de­cla­ra­ções de que se­ria pre­ci­so re­ver o Mer­co­sul.

“Te­mos uma agro­pe­cuá­ria mui­to gran­de e pu­jan­te. Por is­so, te­mos de ga­ran­tir o cres­cen­te flu­xo das ex­por­ta­ções do se­tor”

TE­RE­ZA – Sim. Is­so quer di­zer que é ne­ces­sá­rio um re­ar­ran­jo das ne­go­ci­a­ções en­tre to­dos os paí­ses que fa­zem par­te des­se blo­co. Por­que o Mer­co­sul, pa­ra o agro­ne­gó­cio, tem cri­a­do uma sé­rie de pro­ble­mas. No se­tor de lác­te­os, por exem­plo, há uma en­tra­da ili­mi­ta­da de pro­du­tos, es­pe­ci­al­men­te de lei­te em pó. Is­so der­ru­ba os pre­ços dos pro­du­tos na­ci­o­nais. O mes­mo acon­te­ce com o ar­roz. Pra­ti­ca­men­te aca­ba­mos com a pro­du­ção do grão no Rio Gran­de do Sul, por­que re­ce­be­mos al­tos vo­lu­mes vin­dos de paí­ses do Mer­co­sul. Is­so cria um mer­ca­do in­ter­no al­ta­men­te ins­tá­vel, pa­ra o qual não con­se­gui­mos de­fi­nir po­lí­ti­cas de pro­te­ção de pre­ços aos pe­que­nos pro­du­to­res. Não que­re­mos que is­so con­ti­nue.

RU­RAL – O no­vo Go­ver­no já tem uma pro­pos­ta pa­ra o cré­di­to ru­ral??

TE­RE­ZA – Sim. A pro­pos­ta é tra­ba­lhar não so­men­te pen­san­do no Go­ver­no co­mo fon­te ex­clu­si­va pa­ra o cré­di­to ao pro­du­tor. É pre­ci­so en­con­trar al­ter­na­ti­vas com a aju­da da ini­ci­a­ti­va pri­va­da, pa­ra que a agro­pe­cuá­ria te­nha mais li­nhas de cré­di­to pa­ra in­ves­ti­men­to e cus­teio.

DI­NHEI­RO RU­RAL – Co­mo cri­ar um mai­or en­vol­vi­men­to da ini­ci­a­ti­va pri­va­da nes­se no­vo pro­je­to do Go­ver­no que vai as­su­mir?

TE­RE­ZA – Já te­mos al­gu­mas fer­ra­men­tas con­sa­gra­das, co­mo é o ca­so das Le­tras de Cré­di­to do Agro­ne­gó­cio e dos Cer­ti­fi­ca­dos de Re­ce­bí­veis do Agro­ne­gó­cio. Mas gos­ta­ria de pro­por um car­dá­pio com mais li­nhas de cré­di­to pa­ra for­ta­le­cer o cam­po, aju­dar o agri­cul­tor. A agro­pe­cuá­ria bra­si­lei­ra cres­ceu mui­to e pre­ci­sa de re­cur­sos pa­ra mais in­ves­ti­men­tos, cus­teio e co­ber­tu­ra de ris­cos. Se con­se­guir­mos de­fi­nir, por exem­plo, uma po­lí­ti­ca de se­gu­ro ru­ral que se­ja mais abran­gen­te, efe­ti­va e que com­por­te um nú­me­ro mai­or de pro­du­to­res ru­rais, os ban­cos pri­va­dos pas­sam a in­gres­sar com mais vo­lu­mes de re­cur­sos. Te­ría­mos ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras, co­mo, por exem­plo, Bra­des­co, o San­tan­der e o Itaú, co­lo­can­do bem mais di­nhei­ro na agro­pe­cuá­ria. O gran­de pro­ble­ma é que o nos­so se­gu­ro ain­da é mui­to ca­ro.

RU­RAL – Qual sua es­tra­té­gia pa­ra ba­ra­te­ar o se­gu­ro ru­ral? TE­RE­ZA

– Ain­da não te­mos es­sa es­tra­té­gia. Is­so por­que é uma po­lí­ti­ca a ser dis­cu­ti­da en­tre o Go­ver­no e as em­pre­sas de se­gu­ro e res­se­gu­ro. Não se­rá uma ta­re­fa fá­cil. To­dos os ges­to­res que pas­sa­ram pe­lo Ma­pa não con­se­gui­ram re­sol­ver es­se pro­ble­ma. Qu­e­ro por fo­co nis­so. O pla­no é nos de­bru­çar­mos so­bre es­se as­sun­to e re­sol­vê-lo o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel. Os pro­du­to­res dos Es­ta­dos Uni­dos têm se­gu­ro. Os eu­ro­peus, tam­bém. Pre­ci­sa­mos ter o nos­so. Re­sol­ver o se­gu­ro ru­ral é um mar­co que qu­e­ro dei­xar no pró­xi­mo Go­ver­no e uma das mi­nhas me­tas.

RU­RAL – Pa­ra o pro­du­tor, um dos mai­o­res en­tra­ves é a lo­gís­ti­ca, que não tem an­da­do nos úl­ti­mos anos.

TE­RE­ZA – A lo­gís­ti­ca tam­bém es­tá den­tro do pa­co­te dos prin­ci­pais de­sa­fi­os. Te­mos a fer­ro­via Ferrogrão, na re­gião Nor­te, além de ro­do­vi­as fun­da­men­tais pa­ra o es­co­a­men­to da pro­du­ção no Nor­te e no Sul do País que pre­ci­sam ser re­sol­vi­das. Mas acre­di­to que, com o no­vo Go­ver­no, ha­ve­rá mais Par­ce­ri­as Pú­bli­co-Pri­va­das (PPPs) pa­ra in­je­tar ca­pi­tal, sa­nan­do a lo­gís­ti­ca que con­ti­nua sen­do um dos gran­des gar­ga­los pa­ra o au­men­to de pro­du­ção e pa­ra a ex­pan­são das no­vas fron­tei­ras da agro­pe­cuá­ria.

RU­RAL – O que é ne­ces­sá­rio pa­ra que es­sas PPPs se con­cre­ti­zem?

TE­RE­ZA – Se­rá ne­ces­sá­rio o Bra­sil con­so­li­dar sua cre­di­bi­li­da­de fren­te aos in­ves­ti­do­res in­ter­na­ci­o­nais. Se o País pas­sar pa­ra o mun­do que vai cum­prir con­tra­tos e dis­por de leis que as­se­gu­rem o ca­pi­tal in­ves­ti­do, es­tou cer­ta de que vem ca­pi­tal de fo­ra pa­ra di­na­mi­zar pro­je­tos em hi­dro­vi­as e ro­do­vi­as.

RU­RAL – E co­mo re­sol­ver o ta­be­la­men­to do fre­te, um de­sa­fio que pas­sa de um go­ver­no pa­ra o ou­tro sem que um con­sen­so se­ja for­ma­do?

TE­RE­ZA – Des­de o prin­cí­pio, eu ha­via me po­si­ci­o­na­do con­tra o ta­be­la­men­to do fre­te. Sem­pre achei que era um ti­ro no pé. E é re­al­men­te o que is­so es­tá se mos­tran­do. Mas ve­jo uma mo­vi­men­ta­ção pa­ra que o atu­al go­ver­no re­sol­va es­sa ques­tão an­tes mes­mo de ter­mi­nar es­te ano.

“A agri­cul­tu­ra fa­mi­li­ar não é uma ati­vi­da­de de sub­sis­tên­cia. É pre­ci­so dei­xar de la­do es­se con­cei­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.