AGRO­NE­GÓ­CIO DI­RE­TO GRU­PO ES­PE­CI­AL ME­LHOR DO ANO

A Ca­mil Ali­men­tos e a Te­re­os Açú­car e Ener­gia têm al­go em co­mum: a ges­tão das ope­ra­ções é que faz a di­fe­ren­ça

Dinheiro Rural - - CONTENTS - • Por VE­RA ONDEI

Ca­mil

Odia 26 de se­tem­bro de 2017 foi um mar­co na his­tó­ria da Ca­mil Ali­men­tos, em­pre­sa que atua nas ca­dei­as do ar­roz, fei­jão, açú­car e pes­ca­dos. No aus­te­ro pré­dio da Bol­sa de Va­lo­res de São Pau­lo, qu­an­do o mar­te­lo ba­teu anun­ci­an­do a aber­tu­ra dos tra­ba­lhos no bal­cão da B3, a Ca­mil Ali­men­tos dei­xou de ser uma em­pre­sa fa­mi­li­ar pa­ra se tor­nar mais uma com­pa­nhia aber­ta, su­jei-

ta aos hu­mo­res do mer­ca­do de ca­pi­tais. No dia do IPO (si­gla em in­glês pa­ra Ofer­ta Ini­ci­al Pú­bli­ca de ações), a Ca­mil cap­tou no mer­ca­do R$ 370 mi­lhões, em­bo­ra es­pe­ras­se mais. O pe­río­do foi pró­di­go de IPOs, sen­do 2017 um dos mais aque­ci­dos pa­ra aber­tu­ra de ca­pi­tal na com­pa­ra­ção com os dez anos an­te­ri­o­res. Além da Ca­mil, fi­ze­ram IPO na B3 o Car­re­four, a Azul Li­nha Aé­re­as, a Mo­vi­da, a IRB Res­se­gu­ros, a Ôme­ga Ener­gia, a Bi­o­tos­ca­na e o Ins­ti­tu­to Her­mes Par­di­ni. “Nos­so so­nho é tor­nar a Ca­mil das mai­o­res com­pa­nhi­as de ali­men­tos da Amé­ri­ca La­ti­na”, diz Lu­ci­a­no Qu­ar­ti­e­ro, CEO da Ca­mil.

Com atu­a­ção no Uru­guai, na Ar­gen­ti­na, no Chi­le e no Pe­ru, além de Bra­sil, a Ca­mil te­ve re­cei­ta de R$ 4,6 bi­lhões no ano pas­sa­do, pra­ti­ca­men­te re­pe­tin­do o de­sem­pe­nho do ano an­te­ri­or. No prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018, a em­pre­sa sa­grou­se cam­peã na ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio Di­re­to – Gru­po Es­pe­ci­al, com des­ta­que pa­ra a Ges­tão Fi­nan­cei­ra. Ela tam­bém fi­cou em pri­mei­ro lu­gar no se­tor Grãos e foi es­co­lhi­da a Em­pre­sa do Ano no Agro­ne­gó­cio.

Com o IPO, a ex­pan­são es­pe­ra­da da com­pa­nhia pro­je­ta­da por Qu­ar­ti­e­ro pas­sa por três fren­tes. A pri­mei­ra de­las é en­trar em no­vas ca­te­go­ri­as de ali­men­tos nos paí­ses nos qu­ais a em­pre­sa já atua. No Uru­guai, por exem­plo, ela ven­de pes­ca­dos e es­tá en­tran­do no mer­ca­do de açú­car. “No Pe­ru, se con­so­me ar­roz ho­je co­mo o Bra­sil con­su­mia na dé­ca­da de 1970, on­de 85% do mer­ca­do era a gra­nel e 15% em­pa­co­ta­do”, afir­ma. “A com­pa­nhia vem se pre­pa­ran­do pa­ra uma mu­dan­ça no há­bi­to de con­su­mo da­que­le país.”

A se­gun­da fren­te é en­trar em no­vos mer­ca­dos. Nes­se mo­men­to, o país mais co­bi­ça­do pe­la Ca­mil é a Colôm­bia. E a ter­cei­ra fren­te é me­lho­rar a po­si­ção no Bra­sil, cres­cen­do nas cha­ma­das áre­as bran­cas, co­mo o in­te­ri­or do Nor­des­te e Nor­te do País, on­de a pre­sen­ça da com­pa­nhia ain­da é fra­ca. “A Ca­mil é a mai­or em­pre­sa de grãos da Amé­ri­ca do Sul. No Bra­sil, so­mos lí­de­res.

Na ci­da­de de

São Pau­lo, do­mi­na­mos

40% da de­man­da, mas te­mos ape­nas

7,3% do mer­ca­do na­ci­o­nal de ar­roz e

5,5% do mer­ca­do de fei­jão”, ana­li­sa o exe­cu­ti­vo.

“En­tão, ain­da há mui­to es­pa­ço pa­ra con­so­li­dar”, diz.

Pa­ra cres­cer, a Ca­mil tem fei­to em sua his­tó­ria um mo­vi­men­to con­tí­nuo de apro­xi­ma­ção com pro­du­to­res e cli­en­tes de seus pro­du­tos. Ho­je, ela es­tá em 60 paí­ses e com­pra ma­té­ria-pri­ma de cer­ca de dois mil pro­du­to­res no Bra­sil, Chi­le e Uru­guai. Nes­ses paí­ses, os pro­du­to­res con­tam com agrô­no­mos que acom­pa­nham o an­da­men­to das sa­fras. E tam­bém con­tam com fi­nan­ci­a­men­to di­re­to. “Fi­nan­ci­a­mos com di­nhei­ro os pro­du­to­res des­de a eta­pa de plan­tio à co­lhei­ta”, afir­ma Qu­ar­ti­e­ro. “Fa­ze­mos a aná­li­se de ris­co de ca­da um, com um con­tra­to de li­qui­da­ção na co­lhei­ta.” No ca­so dos cli­en­tes, a trans­pa­rên­cia da in­for­ma­ção na ten­dên­cia de mer­ca­do é a re­gra.

Man­ter os com­pra­do­res ali­nha­dos é uma ques­tão de so­bre­vi­vên­cia. Is­so por­que a re­la­ção com es­se pú­bli­co é in­ten­sa. “Ca­so a tran­sa­ção de uma se­ma­na não se­ja trans­pa­ren­te, pre­ju­di­ca o re­la­ci­o­na­men­to da se­ma­na se­guin­te”, des­ta­ca. “Às ve­zes, é con­tra in­tui­ti­vo acon­se­lhar um cli­en­te a com­prar me­nos, se o mer­ca­do es­tá cain­do. Mas ele vai ver o va­lor des­sa ação, vai en­ten­der e va­lo­ri­zar mais a nos­sa re­la­ção.” Pa­ra o exe­cu­ti­vo, o es­pí­ri­to co­o­pe­ra­ti­vis­ta de pro­xi­mi­da­de com os pro­du­to­res e com os cli­en­tes, de unir pa­ra fi­car mais for­te, es­tá no fun­da-

men­to do mo­de­lo im­plan­ta­do por seu pai, Jai­ro Qu­ar­ti­e­ro, que tra­ba­lhou em par­ce­ria por mais de du­as dé­ca­das.

Na Te­re­os Açú­car e Ener­gia,

o co­o­pe­ra­ti­vis­mo e o tra­ba­lho co­la­bo­ra­ti­vo tam­bém fa­zem par­te da cul­tu­ra. Ela é uma sub­si­diá­ria da Te­re­os International, co­o­pe­ra­ti­va da qual fa­zem par­te 12 mil pro­du­to­res. No Bra­sil, a uni­da­de pro­duz açú­car, eta­nol e bi­o­e­le­tri­ci­da­de, a par­tir de uma área plan­ta­da de 300 mil hec­ta­res de ca­na-de-açú­car, no in­te­ri­or de São Pau­lo. Em 2017, a re­cei­ta foi de R$ 3,6 bi­lhões, 3,7% aci­ma do ano an­te­ri­or. Pe­lo de­sem­pe­nho, a Te­re­os foi elei­ta a me­lhor em Ges­tão Cor­po­ra­ti­va, na ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio Di­re­to – Gru­po Es­pe­ci­al do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018. Não foi fá­cil. “Nos úl­ti­mos dois anos, hou­ve mui­ta vo­la­ti­li­da­de no se­tor, es­pe­ci­al­men­te o açú­car”, diz Jacyr da Cos­ta Fi­lho, pre­si­den­te da Te­re­os no Bra­sil.

A vo­la­ti­li­da­de im­pli­ca num po­si­ci­o­na­men­to mais re­fi­na­do em hed­ge e tam­bém nu­ma pro­xi­mi­da­de mai­or com os cli­en­tes. Com a Te­re­os Com­mo­di­ti­es, a co­o­pe­ra­ti­va atua di­re­ta­men­te em 17 paí­ses, em bus­ca de com­pra­do­res pa­ra os seus pro­du­tos - além da ca­na-de-açú­car, tam­bém atua na ca­deia pro­du­ti­va da man­di­o­ca pa­ra a pro­du­ção de ami­do. O fo­co nas ope­ra­ções pas­sa pe­la lo­gís­ti­ca. Nes­te ano, a Te­re­os fe­chou uma par­ce­ria com a VLI, em­pre­sa de lo­gís­ti­ca que con­tro­la 7,9 mil quilô­me­tros de fer­ro­vi­as no País, pa­ra o trans­por­te de açú­car do in­te­ri­or de São Pau­lo ao por­to de San­tos. “As­sim, ser­vi­mos me­lhor nos­sos cli­en­tes”, diz Cos­ta Fi­lho. Mas não é so­men­te is­so. Pa­ra o exe­cu­ti­vo, o se­tor da ca­na-de-açú­car, que já foi um seg­men­to in­ten­si­vo no uso de mão de obra, ho­je é in­ten­si­vo em ca­pi­tal. Por cau­sa de ino­va­ções, má­qui­nas e ca­mi­nhões, por exem­plo, pre­ci­sam ser tro­ca­dos com mai­or cons­tân­cia, pa­ra que não se per­ca em efi­ci­ên­cia.

Se­gun­do ele, são ne­ces­sá­ri­as atu­a­li­za­ções cons­tan­tes. “Não é mais pos­sí­vel, por exem­plo, usar uma má­qui­na co­lhe­do­ra por 5 anos.” A tec­no­lo­gia co­mo me­di­da tem le­va­do a Te­re­os a avan­çar em um mo­ni­to­ra­men­to mais ágil da la­vou­ra. Em 2017, ela fez um pro­je­to piloto e nes­te ano co­me­çou a im­plan­tar um con­tro­le agrí­co­la da la­vou­ra por meio de satélite. “Nas ope­ra­ções de agri­cul­tu­ra, a ca­na res­pon­de por 60% da pro­du­ção de açú­car”, afir­ma Cos­ta Fi­lho. O pro­je­to já con­su­miu

R$ 28 mi­lhões e ain­da de­ve re­ce­ber mais in­ves­ti­men­to.

Com a no­va con­fi­gu­ra­ção da ges­tão, a in­for­ma­ção tem fluí­do na em­pre­sa e há a ne­ces­si­da­de de fun­ci­o­ná­ri­os mais ca­pa­ci­ta­dos. O que ele­va a mão de obra a ou­tro pa­ta­mar de an­sei­os: é pos­sí­vel fa­zer uma car­rei­ra mais so­fis­ti­ca­da no cam­po. A Te­re­os pos­sui cer­ca de 9 mil fun­ci­o­ná­ri­os e 60% das po­si­ções aber­tas são pre­en­chi­das in­ter­na­men­te. “Nós te­mos fo­co em re­sul­ta­dos, com uma me­ri­to­cra­cia bas­tan­te for­te e vol­ta­da pa­ra a ex­ce­lên­cia ope­ra­ci­o­nal”, diz Cos­ta Fi­lho. “Um fun­ci­o­ná­rio que é bem ava­li­a­do po­de fa­zer car­rei­ra com as­cen­são ver­ti­cal e tam­bém la­te­ral.” O exe­cu­ti­vo dá co­mo exem­plo um re­ma­ne­ja­men­to ocor­ri­do nes­te fim de ano: um dos fun­ci­o­ná­ri­os da equi­pe de in­te­li­gên­cia de mer­ca­do es­tá in­do pa­ra a Eu­ro­pa, pa­ra tra­ba­lhar no es­cri­tó­rio de Ge­ne­bra. Pa­ra subs­ti­tuí­lo, es­ta­va em pro­ces­so uma fun­ci­o­ná­ria da equi­pe de lo­gís­ti­ca.

LA­VOU­RA: Jacyr da Cos­ta Fi­lho, pre­si­den­te da re­gião Bra­sil da Te­re­os International, da qual faz par­te a uni­da­de Açu­car e Ener­gia: “O uso in­ten­si­vo de ca­pi­tal se­rá ca­da vez mais ne­ces­sá­rio“

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.