ME­LHOR DO ANO

Pro­du­zin­do a mar­ca de man­tei­ga mais fa­mo­sa do Bra­sil, o La­ti­cí­ni­os Gon­çal­ves Sal­les une tra­di­ção e mo­der­ni­da­de pa­ra al­can­çar bons re­sul­ta­dos e lon­ge­vi­da­de

Dinheiro Rural - - CONTENTS - POR Fá­BIO MOITINHO

La­ti­cí­ni­os Gon­çal­ves Sal­les

Den­tro de pou­co mais de um ano, o La­ti­cí­ni­os Gon­çal­ves Sal­les, fa­bri­can­te de de­ri­va­dos lác­te­os e ca­fés es­pe­ci­ais, en­tra­rá pa­ra o se­le­to gru­po de em­pre­sas bra­si­lei­ras cen­te­ná­ri­as. Nes­sa mais al­ta clas­se, já es­tão íco­nes co­mo as gaú­chas Ger­dau e Sal­ton, as ca­ta­ri­nen­ses He­ring e Malwee, as pau­lis­tas Vo­to­ran­tim e Kla­bin, e a pa­ra­en­se Mat­te Leão. Não há da­dos ofi­ci­ais so­bre o nú­me­ro pre­ci­so de in­te­gran­tes des­se clu­be de em­pre­en­di­men­tos se­cu­la­res. Há, no en­tan­to, um nú­me­ro que mos­tra a re­le­vân­cia de uma com­pa­nhia in­te­gral­men­te na­ci­o­nal che­gar aos 100 anos.

O da­do mais re­cen­te do IBGE, de 2016, mos­tra que a vi­da mé­dia das em­pre­sas bra­si­lei­ras é de ape­nas 11 anos. E is­so num país com cer­ca de 4,5 mi­lhões de com­pa­nhi­as pri­va­das. “O se­gre­do da nos­sa lon­ge­vi­da­de é a qua­li­da­de dos nos­sos pro­du­tos”, afir­ma Geraldo Re­sen­de Fi­lho, 71 anos, pre­si­den­te da Gon­çal­ves Sal­les.

Se­gun­do ele, a pre­o­cu­pa­ção com vo­lu­mes de pro­du­ção e re­cei­ta não é o fo­co prin­ci­pal da em­pre­sa mi­nei­ra. “Os re­sul­ta­dos apa­re­cem co­mo con­sequên­cia”, diz. De fa­to, eles apa­re­cem. Sem dí­vi­das e com fi­nan­ças só­li­das, a Gon­çal­ves Sal­les é a gran­de cam­peã do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL de 2018, na ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio Di­re­to – Mé­di­as Em­pre­sas. A com­pa­nhia tam­bém ga­nhou por Me­lhor Ges­tão Fi­nan­cei­ra, na mes­ma ca­te­go­ria, além de ser a cam­peã no se­tor de La­ti­cí­ni­os (con­fi­ra na pá­gi­na 122). Fun­da­da em 1920 e se­di­a­da no mu­ni­cí­pio de São Se­bas­tião do Pa­raí­so (MG), a Gon­çal­ves Sal­les é a fa­bri­can­te da man­tei­ga mais fa­mo­sa do País, a Aviação. Mas há ou­tros pro­du­tos que fo­ram sen­do in­cor­po­ra­dos ao por­ti­fó­lio, co­mo quei­jos, re­quei­jões, do­ce e cre­mes de lei­te, e, nos úl­ti­mos 5 anos, uma li­nha de ca­fés es­pe­ci­ais. “A me­ta é ter es­ses pro­du­tos ca­da vez mais pre­sen­tes nas gôn­do­las dos su­per­mer­ca­dos. Mas a man­tei­ga ain­da é o nos­so car­ro-che­fe”, des­ta­ca Re­sen­de Fi­lho.

Não é por me­nos que o fa­tu­ra­men­to da Gon­çal­ves Sal­les mais do que do­brou nos úl­ti­mos 6 anos, che­gan­do a qua­se R$ 250

mi­lhões em 2017. Em re­la­ção a 2016, es­sa re­cei­ta cres­ceu 30,8%. Nos de­mais in­di­ca­do­res fi­nan­cei­ros, a em­pre­sa mos­trou co­mo fa­zer bem a li­ção de ca­sa. O lu­cro an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção (Ebit­da, na si­gla em in­glês) foi de ex­pres­si­vos R$ 29 mi­lhões, o do­bro do re­gis­tra­do em 2016. As dí­vi­das caí­ram de R$ 834 mil, em 2016, pa­ra R$ 350 mil em 2017, que re­pre­sen­ta­va ape­nas 4,4% do to­tal que a em­pre­sa ti­nha em cai­xa na­que­le ano.

“É um en­di­vi­da­men­to ir­ri­só­rio”, afir­ma Re­sen­de Fi­lho. “In­ves­ti­mos pri­o­ri­ta­ri­a­men­te com ca­pi­tal pró­prio, além de nos con­cen­trar­mos em uma ges­tão bem ali­nha­da.” A em­pre­sa ain­da es­tá sob o con­tro­le da ges­tão fa­mi­li­ar - Re­sen­de Fi­lho é ne­to de um dos fun­da­do­res, An­to­nio Gon­çal­ves, que cri­ou a em­pre­sa ao la­do de Au­gus­to e Os­car Sal­les, pai e fi­lho. De acor­do com o atu­al pre­si­den­te da com­pa­nhia, um dos pla­nos pa­ra o fu­tu­ro é dar iní­cio à tran­si­ção pa­ra uma ges­tão com pro­fis­si­o­nais do mer­ca­do. “A ideia é pre­ser­var a tra­di­ção da em­pre­sa, in­ves­tin­do em profissionalismo, mas sem al­te­rar o que foi con­quis­ta­do”, diz Re­sen­de. Não é di­fí­cil per­ce­ber o re­al mo­ti­vo pe­lo qual a man­tei­ga cri­a­da pe­la fa­mí­lia con­quis­tou ta­ma­nho res­pal­do no mer­ca­do con­su­mi­dor, além de res­pon­der por 65% do fa­tu­ra­men­to da com­pa­nhia mi­nei­ra.

O es­me­ro na pro­du­ção sem­pre foi – e con­ti­nua sen­do – a pri­o­ri­da­de no pro­ces­so in­dus­tri­al. “Con­se­gui­mos mo­der­ni­zar as eta­pas de fa­bri­ca­ção, sem al­te­rar o sa­bor do pro­du­to”, afir­ma Re­sen­de Fi­lho. O vo­lu­me é imen­so. So­men­te no ano pas­sa­do, fo­ram pro­ces­sa­das 9 mil to­ne­la­das da man­tei­ga Aviação. Pa­ra 2018, a pro­je­ção é fe­char o ano com na ca­sa das 11 mil to­ne­la­das. Ho­je, com 280 fun­ci­o­ná­ri­os, a Gon­çal­ves Sal­les es­tu­da um pro­je­to de mé­dio e lon­go pra­zo pa­ra a cons­tru­ção de uma no­va fá­bri­ca, pró­xi­ma à re­gião de São Se­bas­tião do Pa­raí­so. “Já te­mos o ter­re­no”, diz Re­sen­de Fi­lho. “O pla­no é mi­grar to­da a pro­du­ção pa­ra es­sa no­va uni­da­de.”

Ou­tra com­pa­nhia que tam­bém es­tá na bus­ca por bons re­sul­ta­dos é a Agrí­co­la Xin­gu, o bra­ço agrí­co­la do gru­po ja­po­nês Mit­sui no País. A Xin­gu cul­ti­va so­ja, mi­lho e al­go­dão, em 45 mil hec­ta­res es­pa­lha­dos pe­los Es­ta­dos da Bahia, Mi­nas Ge­rais e Ma­to Gros­so. A com­pa­nhia é a cam­peã em Me­lhor Ges­tão Cor­po­ra­ti­va, na ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio Di­re­to Mé­di­as Em­pre­sas. A Xin­gu fa­tu­rou R$ 298 mi­lhões no ano pas­sa­do, 26,1% a mais do que em 2016. Mas o fo­co da com­pa­nhia não es­tá so­men­te nos nú­me­ros fi­nan­cei­ros, se­gun­do o exe­cu­ti­vo ja­po­nês Ta­kehi­ko Shi­ma­da, 58 anos, di­re­tor-pre­si­den­te da Agrí­co­la Xin­gu. “A ten­dên­cia, re­al­men­te, é cres­cer. Mas is­so não se­rá fei­to no cur­to pra­zo”, afir­ma Shi­ma­da. “Va­mos cres­cer em pe­río­dos em que iden­ti­fi­car­mos opor­tu­ni­da­des. O que es­ta­mos pri­o­ri­zan­do ago­ra é um re­la­ci­o­na­men­to mais pró­xi­mo com as co­mu­ni­da­des lo­cais on­de es­ta­mos pro­du­zin­do”, de­cla­ra o exe­cu­ti­vo.

Um be­lo exem­plo dis­so é o tra­ba­lho que a em­pre­sa tem re­a­li­za­do com uma co­mu­ni­da­de de 65 fa­mí­li­as de pe­que­nos pro­du­to­res ru­rais, no mu­ni­cí­pio bai­a­no de Cor­ren­ti­na. A ini­ci­a­ti­va foi in­ter­me­di­a­da pe­la Cen­tral das As­so­ci­a­ções de Agri­cul­to­res Fa­mi­li­a­res de Cor­ren­ti­na (Ca­af), que reú­ne cer­ca de 20 as­so­ci­a­ções e mais de 500 pro­du­to­res lo­cais. Des­de o iní­cio de 2017, a Xin­gu es­tru­tu­rou, jun­to aos pe­que­nos pro­du­to­res da re­gião, um pro­je­to de cul­ti­vo de di­ver­sos le­gu­mes e hor­ta­li­ças.

Nes­se pro­gra­ma, são plan­ta­dos 21 pro­du­tos, co­mo be­ter­ra­ba, ce­nou­ra, ce­bo­li­nha, sal­sa e co­en­tro. Gra­ças ao pro­je­to, cer­ca de R$ 420 mil são in­je­ta­dos na eco­no­mia lo­cal, se­gun­do Han­nes Ta­va­res de Mou­ra, pre­si­den­te da Ca­af. “A em­pre­sa Xin­gu do­ou kits com se­men­tes, ins­tru­ções de plan­tio, equi­pa­men­tos de ir­ri­ga­ção por go­te­ja­men­to e fer­ra­men­tas”, con­ta Mou­ra. “Os mem­bros da co­mu­ni­da­de, que já cri­a­vam fran­go cai­pi­ra, pas­sa­ram tam­bém a co­lher ali­men­tos”, de­cla­ra.

Se­gun­do o di­re­tor ad­mi­nis­tra­ti­vo da Xin­gu, Ser­gio Del­la Li­be­ra, a em­pre­sa es­tru­tu­rou um con­tra­to de com­pra de par­te des­ses ali­men­tos, in­cluin­do a pro­du­ção de fran­gos, pa­ra a re­fei­ção dos fun­ci­o­ná­ri­os que atu­am na re­gião. “Cri­a­mos um cír­cu­lo vir­tu­o­so”, diz. “Aju­da­mos a eco­no­mia lo­cal e be­ne­fi­ci­a­mos nos­sos tra­ba­lha­do­res com uma re­fei­ção de qua­li­da­de.”

Além de ga­ran­tir uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel a seus fun­ci­o­ná­ri­os, a Agrí­co­la Xin­gu tam­bém re­a­li­za um es­for­ço con­tí­nuo no trei­na­men­to e na ca­pa­ci­ta­ção de sua equi­pe so­bre se­gu­ran­ça no tra­ba­lho. Atu­al­men­te, são 500 tra­ba­lha­do­res em ope­ra­ções no cam­po e 60 no es­cri­tó­rio, na se­de da em­pre­sa, na ca­pi­tal pau­lis­ta. Nas ati­vi­da­des de cam­po, o cui­da­do é re­do­bra­do, com aten­ção to­tal ao uso de equi­pa­men­tos de pro­te­ção in­di­vi­du­al (EPI) e na ado­ção de bo­as prá­ti­cas agrí­co­las. “Não há um dia se­quer em que não se­jam fei­tas reu­niões so­bre es­ses te­mas”, diz Del­la Li­be­ra. “Is­so é fei­to an­tes mes­mo de o tra­ba­lha­dor co­me­çar su­as ta­re­fas no cam­po”, ga­ran­te o exe­cu­ti­vo. Além dis­so, a com­pa­nhia de­sen­vol­ve uma pro­gra­ma­ção de trei­na­men­tos que vão do cui­da­do com o ma­nu­seio de agroquí­mi­cos à ope­ra­ção de má­qui­nas agrí­co­las. “Is­so faz com que a em­pre­sa te­nha mui­tos fun­ci­o­ná­ri­os pro­fis­si­o­na­li­za­dos, sa­ben­do o que de­vem fa­zer e co­mo fa­zer”, des­ta­ca Del­la Li­be­ra.

PRO­DU­çãO LO­CAL: um dos pro­je­tos da Xin­gu in­cen­ti­va pe­que­nos pro­du­to­res ru­rais a plan­tar le­gu­mes e hor­ta­li­ças, co­mo be­ter­ra­ba, ce­nou­ra, ce­bo­li­nha e co­en­tro

OLHO NO SO­CI­AL: com fa­tu­ra­men­to de R$ 298 mi­lhões, a Agrí­co­la Xin­gu mon­tou pro­je­to com pe­que­nos pro­du­to­res ru­rais. "Que­re­mos me­lho­rar nos­so re­la­ci­o­na­men­to com as co­mu­ni­da­des lo­cais", diz o di­re­tor-pre­si­den­te da em­pre­sa, Ta­kehi­ko Shi­ma­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.