ME­LHOR DO ANO

A Phi­bro Saú­de Ani­mal e a Du­ra­tex S.A con­tor­nam as ins­ta­bi­li­da­des e avan­çam em Ges­tão Fi­nan­cei­ra e Cor­po­ra­ti­va

Dinheiro Rural - - CONTENTS - POR BRU­NO SAN­TOS

Phi­bro

Reu­niões diá­ri­as, vi­a­gens cor­po­ra­ti­vas, te­le­fo­ne ocu­pa­do, com­pro­mis­sos pú­bli­cos e uma agen­da sem­pre lo­ta­da, in­clu­si­ve aos fe­ri­a­dos. Nos úl­ti­mos 2 anos, tem si­do as­sim a ro­ti­na do ad­mi­nis­tra­dor Mau­rí­cio Gra­zi­a­ni, pre­si­den­te da sub­si­diá­ria da com­pa­nhia ame­ri­ca­na Phi­bro Saú­de Ani­mal. Ao as­su­mir, em 2017, o mai­or de­sa­fio de sua car­reia, a pre­si­dên­cia da com­pa­nhia, o exe­cu­ti­vo sa­bia que ti­nha co­mo mis­são man­ter a em­pre­sa for­te e con­so­li­da­da num pe­río­do de tur­bu­lên­ci­as na eco­no­mia. Mas Gra­zi­a­ni con­ta que es­ta­va pre­pa­ra­do e a em­pre­sa tem pas­sa­do ile­sa pe­las tur­bu­lên­ci­as do mer­ca­do. Em 2017, a com­pa­nhia cres­ceu 2% em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, com fa­tu­ra­men­to de R$ 347 mi­lhões. A ma­triz ame­ri­ca­na, a Phi­bro Ani­mal He­alth Cor­po­ra­ti­on , se­di­a­da em

Te­a­neck, no Es­ta­do de No­va Jer­sey, fa­tu­rou no mes­mo pe­río­do R$ 3 bi­lhões. “Es­tou na Phi­bro há mais de 4 anos. Eu já co­nhe­cia bas­tan­te a em­pre­sa e es­ta­va a par da es­tra­té­gia”, diz Gra­zi­a­ni. A fi­li­al bra­si­lei­ra - um das 50 que a com­pa­nhia tem em to­do o mun­do - man­tém-se co­mo o prin­ci­pal ne­gó­cio fo­ra dos Es­ta­dos Uni­dos.

Es­pe­ci­a­li­za­da na pro­du­ção de adi­ti­vos pa­ra me­lho­rar a ab­sor­ção de nu­tri­en­tes nas di­e­tas de aves, suí­nos, bo­vi­nos, pei­xes e crus­tá­ce­os, é a cam­peã na ca­te­go­ria em Agro­ne­gó­cio In­di­re­to – Mé­di­as Em­pre­sas, do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL. Ela tam­bém foi a me­lhor em Ges­tão Fi­nan­cei­ra, além de ser a pri­mei­ra no se­tor de Nu­tri­ção Ani­mal. Em ope­ra­ção no Bra­sil há 20 anos, a Phi­bro tem 440 fun­ci­o­ná­ri­os em du­as fá­bri­cas na gran­de São Pau­lo, uma em Bra­gan­ça Pau­lis­ta e ou­tra em Gu­a­ru­lhos.

Nes­sas uni­da­des, ela pro­duz os prin­cí­pi­os ati­vos co­mer­ci­a­li­za­dos pe­la mar­ca, co­mo a vir­gi­ni­a­mi­ci­na, mo­lé­cu­la ex­clu­si­va que ra­pi­da­men­te ga­nhou o mer­ca­do por sua efi­ci­ên­cia em ele­var o pe­so dos bo­vi­nos. “Ex­por­ta­mos pa­ra o mun­do in­tei­ro o que fa­zem­mos no Bra­sil”, diz Mau­rí­cio Gra­zi­a­ni.

A com­pa­nhia tam­bém tem uma ima­gem con­so­li­da­da no seg­men­to de aves e de suí­nos, os cha­ma­dos mo­no­gás­tri­cos, que já che­ga­ram a res­pon­der por 90% do fa­tu­ra­men­to. Ho­je, res­pon­dem por 50% dos ga­nhos, mas con­ti­nu­am fun­da­men­tais pa­ra os ne­gó­ci­os da com­pa­nhia. A ou­tra me­ta­de es­tá dis­tri­buí­da em 35% pa­ra os pro­du­tos bo­vi­nos (cor­te e lei­te) e 15% na aqui­cul­tu­ra. No seg­men­to de aves e suí­nos, a Phi­bro tem co­mo cli­en­te to­das as em­pre­sas do se­tor in­dus­tri­al de nu­tri­ção ani­mal. En­tre elas es­tão no­mes im­por­tan­tes co­mo a bra­si­lei­ra Pre­mix, mul­ti­na­ci­o­nais, co­mo a Seara e a BRF, além de gran­des co­o­pe­ra­ti­vas, co­mo a ca­ta­ri­nen­se Aurora e as pa­ra­na­en­ses Co­pa­col e C.Va­le. “Te­mos 350 cli­en­tes di­re­tos, mais uma in­fi­ni­da­de in­di­re­tos”, afir­ma Gra­zi­a­ni. “E que­re­mos con­ti­nu­ar cres­cen­do”, des­ta­ca.

Em Ges­tão Cor­po­ra­ti­va, na ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio In­di­re­to – Mé­di­as Em­pre­sas, a ven­ce­do­ra foi a Du­ra­tex Flo­res­tal, se­di­a­da em São Pau­lo, em­pre­sa bra­si­lei­ra de ca­pi­tal aber­to, con­tro­la­da pe­la Itaú­sa – In­ves­ti­men­tos Itaú S.A – e pe­la Com­pa­nhia Lig­na de In­ves­ti­men­tos. Com 67 anos de mer­ca­do, a Du­ra­tex tem for­te atu­a­ção na pro­du­ção de pai­néis de ma­dei­ra in­dus­tri­a­li­za­da. Tam­bém atua na fa­bri­ca­ção de pi­sos la­mi­na­dos, lou­ças, re­ves­ti­men­tos e me­tais sa­ni­tá­ri­os, re­pre­sen­ta­das com as mar­cas De­ca, Hy­dra, Ceu­sa e Du­ra­flo­or.

A com­pa­nhia pos­sui 24 uni­da­des in­dus­tri­ais e flo­res­tais dis­tri­buí­das em oi­to Es­ta­dos. Além dis­so, de­tém três fá­bri­cas de pai­néis na Colôm­bia. To­dos os ne­gó­ci­os ge­ra­ram à em­pre­sa, em 2017, o mon­tan­te de R$ 4 bi­lhões, que re­pre­sen­tou cres­ci­men­to de 2,1% em re­la­ção ao ano an­te­ri­or. No ca­so da Du­ra­tex Flo­res­tal, bra­ço agrí­co­la da com­pa­nhia, a re­cei­ta foi de R$ 438 mi­lhões. “Em 2016, o re­sul­ta­do da Du­ra­tex foi mui­to pe­que­no, mas em 2017 vol­ta­mos pa­ra o jogo”, diz Hen­ri­que Gu­a­rag­na Mar­con­des, vi­ce-pre­si­den­te da di­vi­são de ma­dei­ra. A Du­ra­tex Flo­res­tal pro­du­ziu 5,6 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de ma­dei­ra em 2017.

Atu­al­men­te, a Du­ra­tex tem 296 mil hec­ta­res de flo­res­tas plan­ta­das, sen­do 275 mil hec­ta­res no Bra­sil e 11 mil hec­ta­res na Colôm­bia. “Nos­so prin­ci­pal de­sa­fio é man­ter a com­pe­ti­ti­vi­da­de pa­ra ga­ran­tir sem­pre re­sul­ta­dos po­si­ti­vos”, des­ta­ca Mar­con­des.

Pa­ra ga­ran­tir qua­li­da­de e efi­ci­ên­cia, a em­pre­sa in­ves­tiu R$ 365,9 mi­lhões em su­as fá­bri­cas e flo­res­tas. Par­te des­se in­ves­ti­men­to foi di­re­ci­o­na­do pa­ra o mo­ni­to­ra­men­to e o acom­pa­nha­men­to da qua­li­da­de da ma­té­ria pri­ma. A Du­ra­tex uti­li­za o que há de mais mo­der­no no mer­ca­do, co­mo dro­nes, ima­gens por sa­té­li­tes, re­des neu­rais ar­ti­fi­ci­ais pa­ra ma­pe­a­men­to de pro­ble­mas e bus­ca de so­lu­ções. “Tu­do is­so nos au­xi­lia a ter um ma­pe­a­men­to mui­to pró­xi­mo do re­al”, afir­ma Mar­con­des. “Te­mos, tam­bém, um pro­gra­ma de me­lho­ra­men­to ge­né­ti­co com fo­co em al­ta pro­du­ti­vi­da­de, pa­ra me­lhor qua­li­da­de da ma­dei­ra, além da se­gu­ran­ça con­tra pragas e do­en­ças que pos­sam nos pre­ju­di­car”.

Com es­tra­té­gia de ne­gó­ci­os bem de­fi­ni­da e ex­pec­ta­ti­va tra­ça­das de um cres­ci­men­to só­li­do nos pró­xi­mos anos, a Du­ra­tex anun­ci­ou três im­por­tan­tes tran­sa­ções. Umas de­las foi re­a­li­za­da em par­ce­ria com a Eu­ca­tex, in­dús­tria de ca­pi­tal aber­to, de Sal­to (SP), que atua no mer­ca­do de pa­pel e ce­lu­lo­se. O acor­do pre­vê a tro­ca de ins­ta­la­ções e de equi­pa­men­tos pa­ra a pro­du­ção de cha­pas fi­nas de fi­bra des­ti­na­das à ex­por­ta­ção. A fa­zen­da da Eu­ca­tex fi­ca lo­ca­li­za­da es­tra­te­gi­ca­men­te pró­xi­ma da uni­da­de da Du­ra­tex, no mu­ni­cí­pio de Ita­pe­ti­nin­ga (SP). A se­gun­da ope­ra­ção im­por­tan­te foi a ven­da de ter­ras e flo­res­tas em São Pau­lo pa­ra a Su­za­no Pa­pel e Ce­lu­lo­se. A tran­sa­ção en­vol­veu 29,5 mil hec­ta­res de áre­as ru­rais e os ati­vos flo­res­tais. O ne­gó­cio foi fe­cha­do por R$ 750 mi­lhões. “A ven­da das áre­as pa­ra a Su­za­no foi es­tra­té­gi­ca e deu mais ro­bus­tez ao nos­so pro­ces­so”, afir­ma o exe­cu­ti­vo.

A ter­cei­ra mo­vi­men­ta­ção de im­pac­to foi a cri­a­ção de uma joint­ven­tu­re com o gru­po aus­tría­co Len­zing pa­ra cons­tru­ção de uma fá­bri­ca de ce­lu­lo­se so­lú­vel. O ne­gó­cio re­ce­be­rá in­ves­ti­men­tos ini­ci­ais de cer­ca de US$ 1 bi­lhão. O acor­do tam­bém ga­ran­te a ven­da da to­ta­li­da­de da pro­du­ção de ce­lu­lo­se so­lú­vel pa­ra a Len­zing, em con­di­ções de mer­ca­do. “Es­ta­mos na fa­se de es­tu­do e de es­tru­tu­ra­ção des­se pro­je­to, que irá am­pli­ar nos­so le­que de atu­a­ção pa­ra o mer­ca­do de ce­lu­lo­se”, ex­pli­ca Mar­con­des.

GRA­ZI­A­NI, DA PHI­BRO: "Ex­por­ta­mos pa­ra o mun­do in­tei­ro o que pro­du­zi­mos no Bra­sil"

NA LU­TA: “Nos­so prin­ci­pal de­sa­fio é man­ter a com­pe­ti­ti­vi­da­de, pa­ra ga­ran­tir sem­pre re­sul­ta­dos po­si­ti­vos“, afir­ma Hen­ri­que Mar­con­des, vi­ce-pre­si­den­te da Du­ra­tex

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.