ME­LHOR DO ANO

CO­MO AS CO­O­PE­RA­TI­VAS CO­A­MO E COOPERCITRUS TÊM AL­CAN­ÇA­DO EX­CE­LEN­TES RE­SUL­TA­DOS, AO CON­FI­AR NA CA­PA­CI­DA­DE EM­PRE­EN­DE­DO­RA dos seus pro­du­to­res ru­rais

Dinheiro Rural - - CONTENTS -

Co­a­mo

Na noi­te de 28 de no­vem­bro, cer­ca de 6 mil pes­so­as mar­ca­ram pre­sen­ça na fren­te da se­de da Co­a­mo Agroin­dus­tri­al, a co­o­pe­ra­ti­va agrí­co­la de Cam­po Mou­rão (PR), pa­ra uma das fes­ti­vi­da­des mais aguar­da­das do ano: o acen­der de mi­lha­res de lu­zes co­lo­ri­das. O even­to ocor­re há cer­ca de 15 anos. O Na­tal da Co­a­mo, co­mo é cha­ma­do, vai até o dia 7 de ja­nei­ro e po­de ser con­fe­ri­do to­dos os di­as, as­sim que a noi­te cai. Mas pa­ra os seus 28 mil pro­du­to­res co­o­pe­ra­dos, o Na­tal mais pol­pu­do acon­te­ce em fe­ve­rei­ro, qu­an­do se­rão dis­tri­buí­das as so­bras das ope­ra­ções re­a­li­za­das em 2018. No ca­so das co­o­pe­ra­ti­vas, as so­bras equi­va­lem ao lu­cro das em­pre­sas pri­va­das. E sem­pre há bons di­vi­den­dos à es­pe­ra dos pro­du­to­res.

No ano pas­sa­do, as so­bras re­la­ti­vas a 2016 fo­ram de R$ 320,6 mi­lhões, fi­can­do na mé­dia dos úl­ti­mos três anos. To­man­do uma dé­ca­da co­mo me­di­da, as atu­ais so­bras são qua­se qua­tro ve­zes mai­o­res. Em 2008, elas fo­ram de R$ 82,3 mi­lhões, pa­ra uma re­cei­ta to­tal da co­o­pe­ra­ti­va da or­dem de R$ 3,2 bi­lhões. No ano pas­sa­do, a Co­a­mo fa­tu­rou R$ 10,5 bi­lhões. “O nos­so di­fe­ren­ci­al é a ges­tão, o jei­to de ad­mi­nis­trar o ne­gó­cio, e in­ves­ti­men­tos em trei­na­men­to e ca­pa­ci­ta­ção das pes­so­as”, diz o agrô­no­mo Jo­sé Arol­do Gal­las­si­ni, pre­si­den­te da co­o­pe­ra­ti­va.

No agro­ne­gó­cio, as co­o­pe­ra­ti­vas têm si­do exem­plos de que a união sem­pre foi a sua for­ça. Es­sa é uma ver­da­de no cam­po, cons­truí­da com o tra­ba­lho de mi­lhões de pro­du­to­res ru­rais. Pe­lo de­sem­pe­nho em 2017, a Co­a­mo Agroin­dus­tri­al é a cam­peã na ca­te­go­ria Mega Co­o­pe­ra­ti­va, do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018. A no­va ca­te­go­ria le­va em con­ta re­cei­tas aci­ma de R$ 2,5 bi­lhões. Além do prêmio má­xi­mo, a Co­a­mo tam­bém foi elei­ta a me­lhor em Ges­tão Fi­nan­cei­ra, en­tre as co­o­pe­ra­ti­vas.

De acor­do com a Or­ga­ni­za­ção das Co­o­pe­ra­ti­vas Bra­si­lei­ras (OCB), as de pro­du­ção agro­pe­cuá­ria fa­tu­ra­ram R$ 200 bi­lhões em 2017, va­lor 10,6% su­pe­ri­or à re­cei­ta do ano an­te­ri­or. A Co­a­mo é a mai­or co­o­pe­ra­ti­va agrí­co­la da Amé­ri­ca La­ti­na e ser­ve co­mo exem­plo de efi­ci­ên­cia den­tro e fo­ra da por­tei­ra. Dis­tri­buí­da em 117 uni­da­des, por 71 mu­ni­cí­pi­os nos Es­ta­dos do Pa­ra­ná, San­ta Ca­ta­ri­na e Ma­to Gros­so do Sul, a Co­a­mo cres­ceu ex­pres­si­va­men­te nos úl­ti­mos anos, em re­cei­ta e tam­bém no nú­me­ro de as­so­ci­a­dos.

No iní­cio da dé­ca­da pas­sa­da, a co­o­pe­ra­ti­va ti­nha cer­ca de 17 mil co­o­pe­ra­dos, 60% a me­nos do que o atu­al qua­dro. Pa­ra ga­nhar efi­ci­ên­cia nos pro­ces­sos, que vão do cam­po à in­dús­tria, a Co­a­mo tem in­ves­ti­do pe­sa­do nos úl­ti­mos anos. A con­ta é de R$ 1 bi­lhão pa­ra a cons­tru­ção de dois ar­ma­zéns - um em Si­dro­lân­dia e ou­tro em Ita­po­rã (MS) - e pa­ra a mo­der­ni­za­ção e me­lho­ria de qua­tro en­tre­pos­tos. Mas não pa­ra por aí. A mai­or par­te des­se in­ves­ti­men­to es­tá ga­nhan­do for­ma em Dou­ra­dos (MS), on­de um par­que de obras mos­tra a cons­tru­ção do que se­rá uma no­va uni­da­de in­dus­tri­al des­ti­na­da ao pro­ces­sa­men­to de so­ja, com ca­pa­ci­da­de pa­ra 3 mil to­ne­la­das por dia, e uma re­fi­na­ria de óleo, pa­ra a pro­du­ção de até 720 to­ne­la­das diá­ri­as. Com in­ves­ti­men­tos to­tais de R$ 650 mi­lhões, a uni­da­de en­tra em ope­ra­ção em 2019.

Do bi­lhão pre­vis­to em in­ves­ti­men­tos, a Co­a­mo já apli­cou R$ 392 mi­lhões. “O pro­ble­ma das em­pre­sas bra­si­lei­ras é a ca­pi­ta­li­za­ção”, diz Gal­las­si­ni. “Qu­em sou­be se ca­pi­ta­li­zar saiu na fren­te. Foi exa­ta­men­te o que nós fi­ze­mos.” Gal­las­si­ni sa­be do que fa­la. Ele foi um dos fun­da­do­res da co­o­pe­ra­ti­va, em 1970, e des­de 1975 é o seu pre­si­den­te. Atu­al­men­te, a Co­a­mo pos­sui du­as uni­da­des de pro­ces­sa­men­to de so­ja pa­ra a pro­du­ção de óle­os e fa­re­lo: uma em Cam­po Mou­rão, com pro­du­ção de 3 mil to­ne­la­das por dia, e ou­tra em Pa­ra­na­guá, tam­bém no Pa­ra­ná, com pro­du­ção de 2 mil to­ne­la­das diá­ri­as. Com a uni­da­de sul-ma­to-gros­sen­se, a me­ta é ter uma pro­du­ção to­tal de 8 mil to­ne­la­das por dia. A co­o­pe­ra­ti­va tam­bém pos­sui dois moi­nhos de tri­go, um com ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­ces­sar 500 to­ne­la­das de grãos por dia, e o ou­tro pa­ra cer­ca de 200 to­ne­la­das diá­ri­as.

Ela atua, tam­bém, nas cul­tu­ras de ca­fé e de al­go­dão. “Às ve­zes, é me­lhor ven­der o grão do que in­dus­tri­a­li­zar o pro­du­to. Mas, no vo­lu­me que nós pro­du­zi­mos, a in­dús­tria nos dá ou­tras op­ções de co­mer­ci­a­li­za­ção, co­mo o óleo, o fa­re­lo e a mar­ga­ri­na”, afir­ma Gal­las­si­ni. “Qu­em não tem in­dús­tria é pra­ti­ca­men­te um gran­de ce­re­a­lis­ta”, ob­ser­va. No ano pas­sa­do, seus co­o­pe­ra­dos en­tre­ga­ram 7,6 mi­lhões de to­ne­la­das de so­ja, mi­lho, tri­go, ca­fé e al­go­dão. Pa­ra 2019, a Co­a­mo ana­li­sa no­vos in­ves­ti­men­tos. O prin­ci­pal, até ago­ra, é a ideia de mon­tar uma fá­bri­ca de ra­ção ani­mal.

A Coopercitrus Co­o­pe­ra­ti­va de Pro­du­to­res Ru­rais, com se­de em Be­be­dou­ro (SP), tam­bém vai in­ves­tir em 2019 e já tem seu pla­no fe­cha­do. Ele se­rá de R$ 1,5 mi­lhão no de­sen­vol­vi­men­to de uma pla­ta­for­ma cha­ma­da “Cam­po Di­gi­tal”, vol­ta­da ao mo­ni­to­ra­men­to das pro­pri­e­da­des dos seus atu­ais 34 mil co­o­pe­ra­dos.

No prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018, ela foi elei­ta a me­lhor em Ges­tão Cor­po­ra­ti­va, na ca­te­go­ria Mega Co­o­pe­ra­ti­va. Com 41 anos de ati­vi­da­de, a Coopercitrus é a mai­or co­o­pe­ra­ti­va pau­lis­ta. Sua es­tra­té­gia é tra­ba­lhar com uma di­ver­si­fi­ca­ção de cul­tu­ras, co­mo ca­na-de-açú­car, mi­lho, so­ja e ci­trus. Há 2 anos, a Coopercitrus ade­riu tam­bém ao ca­fé, ao in­te­grar ao seu pa­trimô­nio cin­co co­o­pe­ra­ti­vas me­no­res. “Te­mos pro­cu­ra­do ado­tar uma es­tra­té­gia de di­ver­si­fi­ca­ção, pa­ra não fi­car­mos ex­pos­tos ao ris­co de uma só cul­tu­ra”, diz Fer­nan­do De­gob­bi, pre­si­den­te da co­o­pe­ra­ti­va.

A di­ver­si­da­de de pro­du­tos tem se mos­tra­do efi­ci­en­te o cres­ci­men­to da Coopercitrus. No ano pas­sa­do, a re­cei­ta foi de R$ 3,1 bi­lhões, cer­ca de 15% mai­or do que em 2016. Seus co­o­pe­ra­dos cul­ti­vam uma área de 3 mi­lhões de hec­ta­res, com a ca­na-de-açú­car co­mo prin­ci­pal cul­tu­ra. E tem uma ex­pli­ca­ção: seus co­o­pe­ra­dos es­tão nos Es­ta­dos de São Pau­lo, Mi­nas Ge­rais e Goiás, re­giões on­de a cul­tu­ra pre­do­mi­na. Ho­je, a co­o­pe­ra­ti­va pos­sui fá­bri­ca de ra­ções, ope­ra­ções de lo­gís­ti­ca de in­su­mos, pro­ces­sa­do­ra de so­ja, se­te si­los pa­ra 200 mil to­ne­la­das de grãos, 18 ar­ma­zéns de ca­fé pa­ra ar­ma­ze­nar 15 mi­lhões de sa­cas e um de açú­car, pa­ra 60 mil to­ne­la­das. Há, ain­da, 62 lo­jas que aten­dem ao con­su­mi­dor ur­ba­no. Além dis­so, a Coopercitrus for­ne­ce in­su­mos e con­ta com par­ce­ri­as de em­pre­sas de má­qui­nas agrí­co­las, co­mo Val­tra, New Ho­land e JCB, pa­ra fa­ci­li­tar o fi­nan­ci­a­men­to de equi­pa­men­tos a ju­ros aces­sí­veis. O mes­mo acon­te­ce com em­pre­sas de ir­ri­ga­ção.

O su­ces­so econô­mi­co da co­o­pe­ra­ti­va pas­sa pe­lo aten­di­men­to per­so­na­li­za­do aos pro­du­to­res. Pa­ra mo­ni­to­rar a fer­ti­li­da­de do so­lo das pro­pri­e­da­des, oi­to qua­dri­ci­clos com GPS co­lhem amos­tras pa­ra es­tu­dos. A aná­li­se ser­ve pa­ra que os pro­du­to­res mo­ni­to­rem a ta­xa de va­ri­a­ção de nu­tri­en­tes e de­ci­dam so­bre as apli­ca­ções de fertilizantes. “É co­mo um he­mo­gra­ma em hu­ma­nos, que ser­ve pa­ra ver co­mo o so­lo se com­por­ta em ca­da área”, afir­ma De­gob­bi. O lan­ça­men­to do que ele cha­ma de “Cam­po Di­gi­tal” é ape­nas o exem­plo mais re­cen­te. A me­ta é mo­ni­to­rar 27,5 mil pro­pri­e­da­des, com o uso de ima­gens via satélite e dro­nes de pul­ve­ri­za­ção. A tec­no­lo­gia, de­fi­ni­ti­va­men­te, che­gou ao cam­po. In­clu­si­ve, nas co­o­pe­ra­ti­vas agrí­co­las.

TEM­POS MO­DER­NOS: A Coopercitrus, pre­si­di­da por De­gob­bi, vai in­ves­tir R$ 1,5 mi­lhão nu­ma pla­ta­for­ma cha­ma­da “Cam­po Di­gi­tal“, pa­ra mo­ni­to­rar a la­vou­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.