Fa­zen­da 3R

Pa­ra pro­du­zir ani­mais de pa­drão ele­va­do e dis­pu­ta­dos pe­lo mer­ca­do, Rubens Ca­te­nac­ci, da fa­zen­da 3R, no Ma­to Gros­so do Sul, in­ves­te em ne­lo­re

Dinheiro Rural - - CONTENTS - • POR FLÁVIA TONIN

PÁG. 88

Omu­ni­cí­pio sul-ma­to-gros­sen­se de Fi­guei­rão, a 250 quilô­me­tros ao nor­te da ca­pi­tal Cam­po Gran­de, fi­ca nu­ma re­gião are­no­sa, de ter­ras fra­cas. Mas pa­ra o do­no da fa­zen­da 3R, Rubens Ca­te­nac­ci, lo­ca­li­za­da no mu­ni­cí­pio, a areia de sua pro­pri­e­da­de é óti­ma e a água tem tan­ta qua­li­da­de que é co­mo um eli­xir pa­ra a sua be­zer­ra­da. Ca­te­nac­ci é re­co­nhe­ci­do no se­tor da pe­cuá­ria co­mo um dos mais tra­di­ci­o­nais pro­du­to­res de be­zer­ros do Ma­to Gros­so do Sul.

Is­so por­que, aqui­lo que po­de pa­re­cer fru­to de um mi­la­gre é o re­sul­ta­do do uso de mui­ta tec­no­lo­gia. Pe­lo tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do, a fa­zen­da 3R é a cam­peã na ca­te­go­ria Ga­do de Pro­du­ção do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018. Aos 73 anos, Rubens Ca­te­nac­ci é um ár­duo e apai­xo­na­do de­fen­sor da ra­ça ne­lo­re. A ca­da ano, ele ven­de, em mé­dia, 2,5 mil be­zer­ros. “A ra­ça evo­luiu mui­to”, afir­ma. “Tem cos­te­las bem pro­fun­das, ga­ru­pa lar­ga e até car­ne no tra­sei­ro.”

O tom bem hu­mo­ra­do do pro­du­tor não es­con­de sua lu­ta por um re­co­nhe­ci­men­to que ele con­si­de­ra jus­to. Pa­ra ele, na pon­ta fi­nal da ca­deia pro­du­ti­va, o ne­lo­re não tem o des­ta­que me­re­ci­do, per­den­do em va­lo­ri­za­ção no mer­ca­do con­su­mi­dor. “Me­ta­de des­sa car­ne boa que es­ta­mos fa­zen­do no cru­za­men­to in­dus­tri­al se de­ve ao ne­lo­re”, afir­ma Ca­te­nac­ci. “Es­sa ra­ça não per­de em qua­li­da­de, se for bem tra­ta­da, as­sim co­mo acon­te­ce com as ou­tras no cru­za­men­to”, des­ta­ca o pe­cu­a­ris­ta.

Não por aca­so, des­de o ano pas­sa­do a fa­zen­da 3R vol­tou a ser uma pro­pri­e­da­de ex­clu­si­va à cri­a­ção de ne­lo­re, de­pois de 4 anos tes­tan­do um mo­de­lo de cru­za­men­to in­dus­tri­al. Ca­te­nac­ci pro­duz be­zer­ros que aos 9 me­ses de vi­da pe­sam 300 qui­los, num sis­te­ma in­ten­si­vo de cri­a­ção. Em con­di­ções mais ex­ten­si­vas, se­ria ne­ces­sá­rio o do­bro de tem­po pa­ra o ani­mal al­can­çar o mes­mo pe­so. O pro­du­tor in­ves­te em pas­to ro­ta­ci­o­na­do, com uma pra­ça cen­tral de ali­men­ta­ção, on­de o be­zer­ro re­ce­be ra­ção. O su­ces­so le­vou a em­pre­sa Agro­ce­res, uma das mai­o­res do se­tor de nu­tri­ção ani­mal, a lan­çar uma li­nha de pro­du­tos com o no­me da fa­zen­da. “Com es­se sis­te­ma, as va­cas fi­cam man­sas, há au­men­to da ta­xa de pre­nhez e o be­zer­ro ini­cia mais ce­do o de­sen­vol­vi­men­to do rú­men”, ex­pli­ca Ca­te­nac­ci.

Pa­ra ven­der sua pro­du­ção, ele cos­tu­ma co­lo­car os ani­mais na Ex­po­si­ção de Ca­ma­puã, mu­ni­cí­pio a 100 quilô­me­tros de Fi­guei­rão. Des­de 2008, Ca­ma­puã pos­sui o tí­tu­lo de "Ca­pi­tal do Be­zer­ro de Qua­li­da­de", ou­tor­ga­do pe­lo Go­ver­no do Es­ta­do. E ga­nhou o re­co­nhe­ci­men­to em to­do o País. A fei­ra é uma das mais aguar­da­das no ca­len­dá­rio agro­pe­cuá­rio. Pe­lo be­zer­ro mais pe­sa­do, Ca­te­nac­ci tem con­se­gui­do uma va­lo­ri­za­ção de 30% em re­la­ção aos pre­ços da re­gião. No ano pas­sa­do, a mé­dia dos be­zer­ros ven­di­dos em dois lei­lões foi de R$ 1.560. Além dos be­zer­ros, a 3R tam­bém ven­de tou­ros. Em 2017, fo­ram 150 ani­mais co­mer­ci­a­li­za­dos, à mé­dia de R$ 7 mil.

PAI­XãO: Ca­te­nac­ci é de­fen­sor de ne­lo­re. “A ra­ça evo­luiu mui­to”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.