CMA - Cia Agro­pe­cuá­ria Mon­te Ale­gre

A ex­por­ta­ção de ga­do vi­vo é uma das apos­tas da CMA — Cia. Agro­pe­cuá­ria Mon­te Ale­gre, de Bar­re­tos (SP), pa­ra al­can­çar a li­de­ra­ça

Dinheiro Rural - - CONTENTS - • POR FLÁVIA TONIN

PÁG. 89

OB­ra­sil es­tá con­fi­nan­do 3,4 mi­lhões de bo­vi­nos, nes­te ano, em sis­te­ma in­ten­si­vo de en­gor­da, de acor­do com da­dos da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Con­fi­na­do­res. É o mes­mo vo­lu­me con­fi­na­do em 2017, ano con­si­de­ra­do pe­lo se­tor co­mo um pe­río­do de cus­tos ele­va­dos pa­ra a ati­vi­da­de. Foi pre­ci­so mui­ta ges­tão afi­a­da e um sen­so de opor­tu­ni­da­de agu­ça­do pa­ra ter bons re­sul­ta­dos no ne­gó­cio. Es­se es­for­ço se re­fle­tiu na ava­li­a­ção dos pro­du­to­res que par­ti­ci­pa­ram das pes­qui­sas do prêmio Des­ta­ques da Pe­cuá­ria. O de­sem­pa­te dos pri­mei­ros co­lo­ca­dos se deu nos de­ta­lhes (con­fi­ra o qua­dro abai­xo). A con­sis­tên­cia de seus con­tro­les ope­ra­ci­o­nais e re­sul­ta­dos téc­ni­cos fi­ze­ram da CMA – Cia. Agro­pe­cuá­ria Mon­te Ale­gre, em Bar­re­tos (SP), di­ri­gi­da pe­lo mé­di­co ve­te­ri­ná­rio André Luiz Per­ro­ne dos Reis, a cam­peã na ca­te­go­ria Con­fi­na­men­to do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL. “Nos­so cres­ci­men­to se de­ve à con­fi­an­ça que o mer­ca­do tem na em­pre­sa e à trans­pa­rên­cia que te­mos com os pe­cu­a­ris­tas par­cei­ros no con­fi­na­men­to”, afir­ma Per­ro­ne. “Al­go cons­truí­do em mui­tos anos de tra­ba­lho.”

Em 2018, o con­fi­na­men­to de­ve fe­char com 42 mil ani­mais en­gor­da­dos no sis­te­ma, vo­lu­me 5% aci­ma de 2017. O de­sem­pe­nho o co­lo­ca en­tre os gran­des con­fi­na­do­res do País, en­tre eles, a Gran­de La­go. “O con­fi­na­men­to pas­sou a ser mais usa­do pe­lo pe­cu­a­ris­ta co­mo uma fer­ra­men­ta de ter­mi­na­ção,” diz Per­ro­ne. “Por­que ele po­de ali­vi­ar pas­tos e oti­mi­zar o gi­ro do ne­gó­cio.” Do to­tal de ani­mais con­fi­na­dos pe­la CMA, 65% são de par­cei­ros, pe­cu­a­ris­tas que dei­xam a pro­du­ção no sis­te­ma in­ten­si­vo de en­gor­da ape­nas nos úl­ti­mos cem di­as do ci­clo pe­cuá­rio. Atu­al­men­te, são 134 par­cei­ros no Su­des­te e no Cen­tro-Oes­te.

Des­de 2016, a CMA tam­bém es­tá ha­bi­li­ta­da a ex­por­tar ani­mais vi­vos. Is­so im­pul­si­o­nou o cres­ci­men­to da uni­da­de de en­gor­da, que tem des­ti­na­do até 30% do ga­do con­fi­na­do a es­se fim - 12 mil ani­mais no ci­clo pas­sa­do. “Ex­por­tar é al­go ins­tá­vel, que de­ve ser vis­to co­mo uma opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio”, afir­ma Per­ro­ne. Se­gun­do ele, a van­ta­gem es­tá mais no gi­ro de ani­mais do que na mar­gem de ga­nho. Em ge­ral, o tem­po mé­dio en­tre a ori­gi­na­ção e a en­tre­ga do ani­mal no por­to é de dois me­ses.

No ca­so do mer­ca­do de car­ne, com ani­mais aba­ti­dos no País, Per­ro­ne afir­ma que o se­tor de con­fi­na­men­to tem se be­ne­fi­ci­a­do com o cres­ci­men­to do mer­ca­do chi­nês, que vem pu­xa­do pe­la de­man­da de ani­mais jo­vens e com car­ca­ça de qua­li­da­de. “É um mer­ca­do que quer qua­li­da­de.” Pa­ra ele, a sus­ten­ta­ção des­sa per­cep­ção só não tem si­do mais con­sis­ten­te por­que o País atra­ves­sa uma fa­se de mer­ca­do in­ter­no de­pri­mi­do. Mas is­so de­ve mu­dar. Por is­so, de olho no fu­tu­ro, Per­ro­ne apos­ta em uma apro­xi­ma­ção e fi­de­li­za­ção com seus par­cei­ros e com a in­dús­tria fri­go­rí­fi­ca, vi­san­do uma ges­tão de tec­no­lo­gi­as ba­se­a­das em ren­ta­bi­li­da­de sus­ten­tá­vel pa­ra es­se seg­men­to de ne­gó­cio.

PER­RO­NE: “Ex­por­tar é al­go ins­tá­vel e de­ve ser vis­to co­mo opor­tu­ni­da­de de ne­gó­cio“

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.