AÇÚ­CAR E BI­O­E­NER­GIA

A Co­per­su­car ce­le­bra os re­sul­ta­dos da sa­fra 2017/2018, em que ob­te­ve lu­cro lí­qui­do de R$ 147 mi­lhões, e re­for­ça in­ves­ti­men­tos em in­fra­es­tru­tu­ra. O ob­je­ti­vo é es­co­ar com mai­or efi­ci­ên­cia a sua pro­du­ção de açú­car e de eta­nol

Dinheiro Rural - - CONTENTS - • POR BRU­NO SAN­TOS

Co­per­su­car

Ca­da vez mais, o cam­po e a ci­da­de es­tão uni­dos com o ob­je­ti­vo de pro­du­zir de for­ma sus­ten­tá­vel. Pro­va dis­so foi a cri­a­ção do Pro­gra­ma de Mo­bi­li­da­de e Lo­gís­ti­ca, o Ro­ta 2030, de­sen­vol­vi­do pe­lo se­tor au­to­mo­ti­vo, em par­ce­ria com o se­tor su­cro­e­ner­gé­ti­co e o acom­pa­nha­men­to téc­ni­co da União da In­dús­tria de Ca­na­de-Açú­car (Uni­ca). O pro­je­to, apro­va­do pe­lo Se­na­do e, pou­cas ho­ras de­pois, as­si­na­do pe­lo pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, tem co­mo ob­je­ti­vo a con­ces­são de até R$ 1,5 bi­lhão de cré­di­to tri­bu­tá­rio anu­al à in­dús­tria au­to­mo­ti­va. O in­cen­ti­vo é pa­ra que as mon­ta­do­ras in­vis­tam em pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to pa­ra pro­du­zi­rem veí­cu­los mais efi­ci­en­tes mo­vi­dos a bi­o­com­bus­tí­veis, co­mo o eta­nol. Com is­so, os mo­to­res flex têm mui­to a ga­nhar em efi­ci­ên­cia.

O Ro­ta 2030 re­co­nhe­ce os in­ves­ti­men­tos em pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to que têm si­do fei­tos e que vi­a­bi­li­za­rão ain­da mais o eta­nol”, afir­ma Eli­za­beth Fa­ri­na, pre­si­den­te da Uni­ca. Pa­ra es­se au­men­to de de­man­da, o se­tor es­tá se pre­pa­ran­do e os in­ves­ti­men­tos fei­tos em me­lho­ri­as dos ca­na­vi­ais nos úl­ti­mos anos já sur­ti­ram efei­to. Na sa­fra 2017/2018, por exem­plo, fo­ram pro­ces­sa­das no Cen­tro-Sul, re­gião que pos­sui 278 usi­nas de ca­na-de-açú­car em ati­vi­da­de, mais de 596 mi­lhões de to­ne­la­das. O re­sul­ta­do, que re­pre­sen­ta uma re­tra­ção de 1,8% - al­go em tor­no de 10 mi­lhões de to­ne­la­das de ca­na, an­te a sa­fra 2016/2017 -, não im­pac­tou na so­ma fi­nal. Is­so por­que o au­men­to da quan­ti­da­de de açú­car con­ti­do por to­ne­la­da de ca­na, fru­to de tec­no­lo­gia, fez cres­cer a pro­du­ção de açú­car e o eta­nol, os prin­ci­pais pro­du­tos fi­nais.

En­quan­to o açú­car so­mou 36 mi­lhões de to­ne­la­das na sa­fra 2017/2018, con­ta­bi­li­zan­do cres­ci-

men­to de 1,2% so­bre a sa­fra an­te­ri­or, o eta­nol che­gou a 26,09 bi­lhões de li­tros, cer­ca de 1,7% su­pe­ri­or ao vo­lu­me re­gis­tra­do no pe­río­do an­te­ce­den­te. Des­se to­tal, 10,4 bi­lhões de li­tros fo­ram de eta­nol ani­dro (mis­tu­ra­do à ga­so­li­na) e 15,7 bi­lhões de li­tros de hi­dra­ta­do, ven­di­do sem mis­tu­ra nos pos­tos. Se­gun­do An­to­nio de Pá­dua Ro­dri­gues, di­re­tor téc­ni­co da Uni­ca, a sa­fra co­me­çou mais açu­ca­rei­ra, po­rém o eta­nol

pas­sou a ser mais com­pe­ti­ti­vo, com des­ta­que pa­ra o cres­ci­men­to na pro­du­ção do hi­dra­ta­do. “Mes­mo com re­tra­ção no vo­lu­me de ca­na, o se­tor am­pli­ou a ofer­ta do re­no­vá­vel em mais de 650 mi­lhões de li­tros”, afir­ma Ro­dri­gues. “E a sa­fra 2018/2019 se man­tém al­co­o­lei­ra, al­go que há mui­tos anos não se via”.

Mo­ti­va­da pe­lo ce­ná­rio de­sa­fi­a­dor, a Co­per­su­car S.A. ob­te­ve re­sul­ta­dos que a fi­ze­ram ven­ce­do­ra do se­tor Açú­car e Bi­o­com­bus­tí­veis do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO

RU­RAL 2018. A pro­e­za da em­pre­sa foi con­so­li­dar sua ex­pan­são e pre­sen­ça no mer­ca­do mun­di­al de açú­car e eta­nol, sem pa­rar de in­ves­tir.

Em uma no­va ini­ci­a­ti­va de for­ta­le­ci­men­to do ne­gó­cio de lo­gís­ti­ca de eta­nol, a com­pa­nhia es­ta­be­le­ceu uma joint-ven­tu­re pa­ra ope­rar o ter­mi­nal de com­bus­tí­veis em Pau­lí­nia (SP), em par­ce­ria com a BP Bi­o­com­bus­tí­veis, sub­si­diá­ria da BP, em­pre­sa na­ci­o­nal que atua no se­tor de pe­tró­leo, gás, lu­bri­fi­can­tes e bi­o­com­bus­tí­veis. Com is­so, a Co­per­su­car pas­sa a con­tar com uma in­ter­li­ga­ção fer­ro­viá­ria, além dos mo­dais ro­do­viá­rio e du­to­viá­rio, am­pli­an­do a ofer­ta de ser­vi­ços pa­ra o mer­ca­do. “A Co­per­su­car tem cla­re­za de seu pro­pó­si­to, com so­li­dez nos ne­gó­ci­os e vi­são es­tra­té­gi­ca”, diz Pau­lo Ro­ber­to de Sou­za, pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da mul­ti­na­ci­o­nal. Ele des­ta­ca que, além da pre­sen­ça glo­bal re­le­van­te e con­so­li­da­da, a em­pre­sa con­se­guiu am­pli­ar os ga­nhos es­tru­tu­rais, com a oti­mi­za­ção dos ati­vos lo­gís­ti­cos.

Na sa­fra 2017-18, o gru­po re­gis­trou lu­cro lí­qui­do de R$ 147,2 mi­lhões e fa­tu­ra­men­to lí­qui­do de R$ 28,6 bi­lhões. Nes­se pe­río­do, as usi­nas pro­ces­sa­ram 85 mi­lhões de to­ne­la­das de ca­na-de-açú­car. Fo­ram co­mer­ci­a­li­za­dos 14,1 bi­lhões de li­tros de eta­nol no mer­ca­do glo­bal (5,2% aci­ma do pe­río­do an­te­ri­or). Des­te to­tal, 9,8 bi­lhões de li­tros fo­ram mo­vi­men­ta­dos pe­la sub­si­diá­ria ame­ri­ca­na Eco-Energy que ob­te­ve uma fa­tia de 16% do mer­ca­do nos Es­ta­dos Uni­dos, atin­gin­do re­cei­ta de US$ 4,4 bi­lhões, al­go em tor­no de R$ 16,6 bi­lhões.

Por sua vez, a ma­triz bra­si­lei­ra man­te­ve o rit­mo for­te nas ope­ra­ções, co­mer­ci­a­li­zan­do 4,3 bi­lhões

de li­tros. “No mer­ca­do de com­bus­tí­veis, a no­va po­lí­ti­ca de pre­ços no País trou­xe com­pe­ti­ti­vi­da­de ao eta­nol e res­ta­be­le­ceu as prá­ti­cas de li­vre mer­ca­do”, afir­ma Sou­za. O exe­cu­ti­vo re­for­ça, ain­da, a im­por­tân­cia de pro­gra­mas de in­cen­ti­vo à pro­du­ção sus­ten­tá­vel, co­mo o Ro­ta 2030 e o Re­no­vaBio, si­gla pa­ra Po­lí­ti­ca Na­ci­o­nal de Bi­o­com­bus­tí­veis, im­plan­ta­da pe­lo Go­ver­no pa­ra de­fi­nir es­tra­té­gi­as ao se­tor de bi­o­com­bus­tí­veis. “O eta­nol tam­bém mereceu re­co­nhe­ci­men­to por sua con­tri­bui­ção ao cli­ma, com a apro­va­ção de im­por­tan­tes pro­gra­mas pa­ra o se­tor pe­lo Go­ver­no Fe­de­ral”, diz Sou­za. No mer­ca­do de açú­car, a com­pa­nhia co­me­mo­rou 3 anos de ope­ra­ção da Al­ve­an, joint-ven­tu­re cri­a­da em par­ce­ria com a mul­ti­na­ci­o­nal ame­ri­ca­na Car­gill, pa­ra a ex­por­ta­ção do pro­du­to. Do vo­lu­me to­tal de 4,5 mi­lhões de to­ne­la­das pro­du­zi­das, 2,9 mi­lhões fo­ram des­ti­na­das ao mer­ca­do ex­ter­no e 1,6 mi­lhão pa­ra o in­ter­no. “Va­mos se­guir in­ves­tin­do, pa­ra cres­cer­mos in­ter­na­men­te“, con­clui.

TEM­POS ME­LHO­RES: A no­va po­lí­ti­ca de pre­ços deu mais com­pe­ti­ti­vi­da­de ao eta­nol

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.