GRÃOS

A Ca­mil Ali­men­tos, que abriu seu ca­pi­tal na bol­sa de va­lo­res em 2017, pre­pa­ra ex­pan­são com ne­gó­ci­os em ou­tros seg­men­tos, co­mo ca­fés es­pe­ci­ais e tri­go • POR VE­RA ONDEI

Dinheiro Rural - - CONTENTS -

Ca­mil

Den­tro de pou­cos anos, não mais do que uma dé­ca­da, o Bra­sil de­ve che­gar à ca­sa de 300 mi­lhões de to­ne­la­das de grãos cul­ti­va­dos em 71 mi­lhões de hec­ta­res. O cres­ci­men­to es­ti­ma­do em vo­lu­me é da or­dem de 30%, en­tre a sa­fra 2017/2018 e a de 2027/2018, sain­do de uma pro­du­ção que nos di­as atu­ais es­tá na fai­xa de 230 mi­lhões de to­ne­la­das. Os da­dos cons­tam do es­tu­do Pro­je­ções do Agro­ne­gó­cio Bra­sil, re­a­li­za­do pe­la Se­cre­ta­ria de Po­lí­ti­ca Agrí­co­la do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra (Ma­pa) e Se­cre­ta­ria de In­te­li­gên­cia e Re­la­ções Es­tra­té­gi­cas da Em­pre­sa Bra­si­lei­ra de Pes­qui­sa Agro­pe­cuá­ria (Si­re/Em­bra­pa). “O Bra­sil tem se pre­pa­ra­do pa­ra o au­men­to da pro­du­ção e cum­pri­rá a sua mis­são de ofe­re­cer ali­men­to pa­ra o mun­do, de for­ma sus­ten­tá­vel”, afir­ma Eu­mar No­vac­ki, se­cre­tá­rio-exe­cu­ti­vo do Ma­pa.

O cres­ci­men­to da pro­du­ção se da­rá em uma sé­rie de cul­ti­vos, co­mo al­go­dão, amen­doim, ar­roz, aveia, ca­no­la, cen­teio, ce­va­da, fei­jão e mi­lho. Em­bo­ra em área cul­ti­va­da os des­ta­que se­jam a so­ja e o mi­lho – sen­do a mai­or par­te re­a­pro­vei­ta­men­to de pas­ta­gens na­tu­rais ou de­gra­da­das –, la­vou­ras co­mo as de ar­roz e fei­jão ga­nha­rão efi­ci­ên­cia na pro­du­ti­vi­da­de. Ou se­ja, pa­ra es­sas com­mo­di­ti­es, a área cul­ti­va­da po­de até di­mi­nuir de ta­ma­nho, mas o au­men­to da pro­du­ção é da­do co­mo cer­to. Ro­ber­to Ro­dri­gues, co­or­de­na­dor do Cen­tro de Es­tu­dos do Agro­ne­gó­cio da Fun­da­ção Ge­tú­lio Var­gas, diz que há um mun­do cres­cen­te, de­man­dan­te e com ne­ces­si­da­de de pro­du­zir. “O Bra­sil vai ter de ali­men­tar mais gen­te. E is­so se faz com tec­no­lo­gia”, diz. “Não é fá­cil, mas o País já mos­trou o ca­mi­nho.” En­tre as sa­fras 1990-91 e a 2017-18, a área cul­ti­va­da au­men­tou 61%, en­quan­to a pro­du­ção cres­ceu 312%.

Con­fi­an­do que os ne­gó­ci­os ten­dem a en­con­trar um ce­ná­rio pro­pí­cio ao cres­ci­men­to sus­ten­tá­vel no mé­dio e lon­go pra­zo, as em­pre­sas que atu­am no se­tor não têm pou­pa­do in­ves­ti­men­tos. E qu­an­do po­dem, se rein­ven­tam. É o ca­so da Ca­mil Ali­men­tos, ga­nha­do­ra do se­tor de Grãos do prêmio AS ME­LHO­RES DA DI­NHEI­RO RU­RAL 2018. No ano pas­sa­do, a em­pre­sa, que é mai­or in­dús­tria de be­ne­fi­ci­a­men­to de ar­roz e fei­jão da Amé­ri­ca La­ti­na, além de atu­ar no seg­men­to de açú­car e de pes­ca­dos, abriu o seu ca­pi­tal na

B3, a bol­sa de va­lo­res de

São Pau­lo, co­mo for­ma de se ca­pi­ta­li­zar e con­ti­nu­ar cres­cen­do. “So­mos uma em­pre­sa com ape­ti­te pa­ra cres­cer”, diz Lu­ci­a­no Qu­ar­ti­e­ro, CEO da Ca­mil. Além de ser a ga­nha­do­ra do se­tor de Grãos, a Ca­mil foi a cam­peã na ca­te­go­ria Agro­ne­gó­cio Di­re­to – Gru­po Es­pe­ci­al e tam­bém foi elei­ta a Em­pre­sa do Ano no Agro­ne­gó­cio. No ano pas­sa­do, a com­pa­nhia, que pos­sui cer­ca de 6 mil fun­ci­o­ná­ri­os, fa­tu­rou R$ 4,6 bi­lhões. Há 5 anos, es­sa re­cei­ta era de cer­ca de R$ 2 bi­lhões.

De acor­do com Qu­ar­ti­e­ro, é um de­se­jo an­ti­go da sua fa­mí­lia, que de­tém o con­tro­le aci­o­ná­rio da em­pre­sa, atu­ar no se­tor de ca­fés es­pe­ci­ais e na ca­deia do tri­go. “Es­se de­se­jo é latente. Fa­re­mos aqui­si­ções nes­se sen­ti­do, bus­can­do mar­cas for­tes.” Em se­tem­bro de 2017, a ofer­ta ini­ci­al de ações da Ca­mil (IPO, na si­gla em in­glês) pre­ci­fi­cou ca­da ação a R$ 9. Na oca­sião, o mo­vi­men­to no mer­ca­do de ca­pi­tais foi de R$ 1,3 bi­lhão, de acor­do com da­dos da Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM).

O pas­so da Ca­mil Ali­men­tos ru­mo ao mer­ca­do fi­nan­cei­ro ser­ve co­mo sus­ten­to pa­ra o seu pla­no de con­so­li­da­ção na Amé­ri­ca do Sul, em paí­ses co­mo Uru­guai, Chi­le e Pe­ru, on­de já atua. Além dis­so, a em­pre­sa quer re­tor­nar à Ar­gen­ti­na e en­trar em mer­ca­dos co­bi­ça­dos, co­mo a Colôm­bia, que pro­duz os me­lho­res ca­fés do mun­do. “Va­mos cres­cer de for­ma sus­ten­tá­vel, olhan­do opor­tu­ni­da­des”, diz Qu­ar­ti­e­ro. “Sem­pre foi as­sim e con­ti­nu­a­re­mos nes­se ca­mi­nho, man­ten­do as fi­nan­ças sau­dá­veis pa­ra dar se­gu­ran­ça aos nos­sos par­cei­ros e aos con­su­mi­do­res dos nos­sos pro­du­tos.”

PRO­DU­çãO: ho­je, o Bra­sil cul­ti­va 230 mi­lhões de to­ne­la­das de grãos. A me­ta é ele­var es­se nú­me­ro pa­ra 300 mi­lhões

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.