TOUROS

A OFER­TA AIN­DA REDUZIDA DE ANI­MAIS é UMA JA­NE­LA DE OPOR­TU­NI­DA­DES PA­RA QUEM IN­VES­TE EM GE­NÉ­TI­CA E APOS­TA NUM MER­CA­DO PO­TEN­CI­AL CON­TA­DO EM BI­LHÕES DE RE­AIS

Dinheiro Rural - - CONTENT - VE­RA ON­DEI, DE UBERABA (MG)

Tem­po­ra­da mos­tra pro­du­to­res em bus­ca de um mer­ca­do de po­ten­ci­al bi­li­o­ná­rio

Às 20h45 do dia 20 de agos­to, dois peões abri­am a por­tei­ra de aces­so à pis­ta do ta­ter­sal de lei­lões Ru­bi­co de Car­va­lho, no par­que Fer­nan­do Cos­ta, em Uberaba (MG). Es­se foi o si­nal pa­ra que o tou­ro Gu­er­rei­ro da Ho­ra, con­ti­do na em­bo­ca­du­ra da pis­ta, en­tras­se na área de apre­sen­ta­ção. Na ba­ti­da do mar­te­lo, o tou­ro ne­lo­re, nas­ci­do em ou­tu­bro de 2017 e pe­san­do 711 qui­los, saiu por R$ 13,5 mil pa­ra o cri­a­dor Ad­mil­son Rob­son Oli­vei­ra, de Prai­nha (PA). Gu­er­rei­ro foi o pri­mei­ro ani­mal ven­di­do no 6º lei­lão Ge­né­ti­ca Pro­va­da Ho­ra.

O even­to é pro pro­mo­vi­do pe­lo cri­a­dor pa­ra­na­en­se Jo­sé Ro­ber­to Höfig H Ra­mos, 52 anos. Mas ele não era o lan­ce mai mais es­pe­ra­do. Cer­ca de uma ho­ra de­pois, a pos­se de 50% de Gold, com a mes­ma ida­de e pe­so, fo foi dis­pu­ta­da por 8 com­pra­do­res até os se­gun­dos fin fi­nais do lan­ce. E não po­de­ria ser di­fe­ren­te: o pre pre­ço foi até R$ 142,5 mil, com lan­ce fe­cha­do por Ra Ra­fa­el dos San­tos, da Agro­pe­cuá­ria Ter­ra No­va, de Lui­zi­â­nia (SP). Gold saiu da pis­ta di­re­to pa­ra ac a cen­tral de in­se­mi­na­ção Ac­ce­le­ra­ted Ge­ne Ge­ne­tic, etic, de Rib Ri­bei­rão Pre­to (SP), já com 4 mil do­se do­ses s de sê­men en­co­men­da­das du­ran­te o re­ma­te, pe­lo va­lor de R$ R 128 mil. “Ca­da vez mais, a pe­cuá­ria te­em tem si­do vis vis­ta co­mo ati­vi­da­de de al­ta pro­du­ti­vi­dad vi­da­de”, diz Ra­mos. “Ho­je se aba­te boi aos 22 me­se me­ses, em vez dos 48 me­ses de anos atrás, por­que

a ge­né­ti­ca do ne­lo­re es­tá sen­do tra­ba­lha­da e se apro­xi­ma ca­da vez mais dos ín­di­ces de pro­du­ti­vi­da­de do ga­do eu­ro­peu e do ame­ri­ca­no”, de­cla­ra.

O lei­lão de agos­to foi um das cen­te­nas de even­tos que mar­ca­ram a tem­po­ra­da de ven­da de re­pro­du­to­res, con­si­de­ra­da en­tre as me­lho­res dos úl­ti­mos anos. A tem­po­ra­da 2019 se en­cer­ra nes­te mês. Com um re­ba­nho de cer­ca de 200 mi­lhões de bo­vi­nos, dos quais 70 mi­lhões são de fê­me­as em ida­de re­pro­du­ti­va – con­tan­to va­cas e no­vi­lhas de 2 a 3 anos –, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os subs­ti­tuir nos plan­teis 420 mil touros por ano. Is­so, já le­van­do em con­ta a uti­li­za­ção da in­se­mi­na­ção ar­ti­fi­ci­al. To­man­do co­mo ba­se o pre­ço da ar­ro­ba do boi gor­do nos úl­ti­mos me­ses, pra­ti­ca­da no Cen­troOes­te, o mer­ca­do de touros re­pre­sen­ta um po­ten­ci­al de R$ 4,8 bi­lhões por ano. A ci­ên­cia re­pro­du­ti­va pre­ga uma re­no­va­ção de 20% de touros de uma pro­pri­e­da­de, por ano, o que sig­ni­fi­ca ro­dar por com­ple­to a ge­né­ti­ca de uma fazenda no pe­río­do de uma dé­ca­da. A dis­pu­ta por uma fa­tia des­se mer­ca­do, ain­da lon­ge do ide­al, ex­pli­ca a dis­po­si­ção dos cri­a­do­res de touros na pro­mo­ção de re­ma­tes. “O se­tor da pe­cuá­ria es­tá acre­di­tan­do mui­to em uma re­to­ma­da dos ne­gó­ci­os”, diz Lou­ren­ço Mi­guel Cam­po, do­no da lei­lo­ei­ra Cen­tral, de Ara­ça­tu­ba (SP), or­ga­ni­za­dor do even­to da

“A PE­CUÁ­RIA SEM­PRE FOI VIS­TA CO­MO UMA BOA RESERVA DE CAI­XA. MAS AGO­RA A HIS­TÓ­RIA É OU­TRA”

JO­SÉ RO­BER­TO HÖFIG RA­MOS E MARGA SCHULTZ RA­MOS, DA AGROHORA

“QUEM IN­VES­TE AGO­RA EM GE­NÉ­TI­CA PEN­SA NO BOI QUE SE­RÁ ABATIDO EM 2022” LOU­REN­ÇO CAM­PO, DA CEN­TRAL LEI­LÕES

Ho­ra Höfig Ra­mos. “Há três ele­men­tos que sus­ten­tam es­sa per­cep­ção: Chi­na, PSA e UE-Mer­co­sul”.

No pri­mei­ro ca­so, Cam­po se re­fe­re à de­man­da cres­cen­te por car­ne bo­vi­na no País asiá­ti­co. No ano pas­sa­do, os chi­ne­ses im­por­ta­ram 1 mi­lhão de to­ne­la­das (em equi­va­len­te car­ca­ça), das quais 31% fo­ram do Bra­sil. A prin­ci­pal aju­da nes­se au­men­to, ain­da que se­ja uma tra­gédia, vem da Pes­te Suí­na Afri­ca­na (PSA), do­en­ça que já di­zi­mou me­ta­de de re­ba­nho chi­nês, ho­je es­ti­ma­do em 200 mi­lhões de ani­mais. Os suínos são a fon­te da prin­ci­pal pro­teí­na con­su­mi­da su­mi­da por lá.

Além dis­so, e não me­nos im­por­tan­te, é o acor­do de li­vre co­mér­cio en­tre a União Eu­ro­peia e o Mer­co­sul. Ca­so ele se­ja apro­va­do pe­los paí­ses do blo­co eu­ro­peu, de­ve­rá en­trar em vi­gor nos pró­xi­mos dois anos. O acor­do pre­vê uma co­ta de 99 mil to­ne­la­das à Eu­ro­pa, das quais 45 mil to­ne­la­das se­rão ori­gi­na­das no Bra­sil com tarifa in­tra­co­ta de 7,5% e vo­lu­me cres­cen­te em 5 anos.

Além dis­so, a tarifa foi ze­ra­da pa­ra as 10 mil to­ne­la­das de­sos­sa­das, des­ti­na­das à Co­ta Hil­ton, um mer­ca­do glo­bal de cer­ca de 70 mil to­ne­la­das que po­dem va­ler até o do­bro de uma car­ne com­mo­dity. “Quem in­ves­te ago­ra em ge­né­ti­ca es­tá pen­san­do no boi que se­rá abatido em 2022”, afir­ma Cam­po. “É is­so que não dei­xa o mer­ca­do de touros pa­rar”, des­ta­ca ele.

No ca­so da Ho­ra Höfig Ra­mos, a AgroHora, o pla­no é do­brar a ofer­ta de touros nos pró­xi­mos anos. Es­ta é uma ideia flo­res­cen­te en­tre pe­cu­a­ris­tas que par­ti­ci­pam de pro­gra­mas de se­le­ção. Atu­al­men­te, Ra­mos cria 200 touros, a par­tir de um re­ba­nho de 4 mil fê­me­as alo­ja­das em Bra­si­lân­dia (MS), em sis­te­ma de In­te­gra­ção La­vou­raPe­cuá­ria-Flo­res­ta, há seis anos. O to­tal de ter­ras é de 14 mil hec­ta­res em ou­tras pro­pri­e­da­des, in­cluin­do o Pa­ra­ná on­de es­tá a ori­gem da fa­mí­lia. Ele ain­da tem so­ja e flo­res­ta plan­ta­da de eu­ca­lip­to des­ti­na­do à Su­za­no Pa­pel e Ce­lu­lo­se. “A pe­cuá­ria in­te­gra­da com a agri­cul­tu­ra e boa ge­né­ti­ca é ren­tá­vel”, diz ele. “Mas, pa­ra is­so, é pre­ci­so in­ves­tir.”

“NA PE­CUÁ­RIA, MUI­TA GEN­TE AIN­DA FA­LA QUE A FÊ­MEA É SÓ UMA FÔRMA

WILLIAM KOURY, DA FAZENDA KALUENE

A fa­mí­lia Höfig Ra­mos é de agro­pe­cu­a­ris­tas tra­di­ci­o­nais, no mer­ca­do há 60 anos. Ra­mos ad­mi­nis­trou to­dos os ne­gó­ci­os da fa­mí­lia des­de os 23 anos, mas so­men­te em 2015 pas­sou a to­mar con­ta ex­clu­si­va­men­te da par­te que lhe ca­bia na he­ran­ça, de­pois de dois pro­ces­sos de su­ces­são fa­mi­li­ar. “A pe­cuá­ria sem­pre foi vis­ta co­mo uma boa reserva de cai­xa”, diz ele. “Mas ago­ra a his­tó­ria é ou­tra.”

LI­ÇÃO DE CA­SA

Marga Schultz Ra­mos, a es­po­sa que es­tá jun­to no pro­je­to de cons­tru­ção da mar­ca AgroHora, afir­ma que a mu­dan­ça de con­cei­to no cam­po pas­sa pe­la vi­são de fu­tu­ro. “En­tão, se não tra­tar es­sa pe­cuá­ria co­mo se ela fos­se uma gran­de em­pre­sa não ha­ve­rá re­tor­no,” diz. Marga con­ta so­bre a ex­pe­ri­ên­cia, por exem­plo, da de­ci­são de in­ves­tir em uma fá­bri­ca de ra­ção. “Na agri­cul­tu­ra, com­prar ma­qui­ná­ri­os so­fis­ti­ca­dís­si­mos não cau­sa es­pan­to, mas quan­do vo­cê diz que vai in­ves­tir nu­ma fá­bri­ca pa­ra o ga­do, mui­ta gen­te se es­pan­ta. Mas é ela que vai ga­ran­tir co­mi­da ba­ra­ta lá na fren­te.”

TOU­RO NO CAM­PO

O Bra­sil tem um re­ba­nho es­ti­ma­do de 2,1 mi­lhões de touros. São re­pro­du­to­res em ati­vi­da­de, mas a mai­or par­te não vem de pro­gra­mas de se­le­ção li­de­ra­dos por ins­ti­tui­ções co­mo a Em­bra­pa, USP, ABCZ, en­tre ou­tras. Não há no País um úni­co da­do ofi­ci­al so­bre o vo­lu­me de ani­mais pro­va­dos, mas a es­ti­ma­ti­va é que não che­gue a 70 mil os touros ofer­ta­dos pe­las fa­zen­das ins­cri­tas em pro­gra­mas de me­lho­ra­men­to do ga­do. Pa­ra o se­le­ci­o­na­dor William

Koury, 77 anos, do­no da fazenda Kaluene, de 4,4 mil hec­ta­res em Gaú­cha do Nor­te, no Ma­to Gros­so, as fa­zen­das que en­gor­dam ga­do e que são mais tec­no­ló­gi­cas uti­li­zam touros su­pe­ri­o­res e de­man­da por eles. “Es­se é um mer­ca­do cres­cen­te, à me­di­da da so­fis­ti­ca­ção do mer­ca­do de car­ne”, diz ele. Mas há um de­sa­fio, que é o mer­ca­do de cria.

Koury co­me­çou a se­le­ci­o­nar ne­lo­re em 1964. Ho­je são 1,4 mil fê­me­as, com uma pro­du­ção de touros en­tre 400 e 500 ani­mais por ano. Des­de os anos 1980 o re­ba­nho es­tá ins­cri­to no pro­gra­ma Ne­lo­re Bra­sil, da As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal de Cri­a­do­res e Pes­qui­sa­do­res (ANCP/USP). “O seg­men­to me­nos in­for­ma­do, que me­nos uti­li­za tec­no­lo­gi­as na pe­cuá­ria de cor­te é o cri­a­dor de be­zer­ro”, diz ele. “En­tão, é uma ques­tão de evo­lu­ção, por­que so­men­te quan­do es­se pro­du­tor cria um be­zer­ro me­lhor ele vai sen­tir a ne­ces­si­da­de de en­trar no mer­ca­do de touros.” Nos úl­ti­mos anos, a pro­du­ção bra­si­lei­ra de be­zer­ros tem os­ci­la­do en­tre 50 mi­lhões e 55 mi­lhões, an­te 44 mi­lhões de uma dé­ca­da atrás.

Além dis­so, o tou­ro é fun­da­men­tal pa­ra um re­ba­nho me­lho­rar su­as ma­tri­zes, as mães dos ani­mais que irão ao aba­te. “É is­so que in­te­res­sa. Mas na pe­cuá­ria de cria, mui­ta gen­te ain­da fa­la que a fê­mea é só uma fôrma. Não é ver­da­de, por­que ela con­tri­bui com 50% da ge­né­ti­ca de um be­zer­ro”, diz K Koury. “Se ela for de ge­né­ti­ca me­lh me­lho­ra­da, com um tou­ro su­pe­ri­or, i vai if fa­zer um boi mais ce­do.” Pa­ra ele, es­sa é uma evo­lu­ção pe­la qual a pe­cuá­ria co­mer­ci­al ain­da pre­ci­sa pas­sar. E o ca­mi­nho a ser tra­ça­do até 2030, pa­ra pro­du­zir aci­ma de 10 mi­lhões de to­ne­la­das de car­ne bo­vi­na, 1 mi­lhão a mais do que ho­je.

TOU­RO GOLD: 50% DE SUA POS­SE VEN­DI­DOS POR R$ 142,5 MIL, ALÉM DE 4 MIL DO­SES DE SÊ­MEN, NO RE­MA­TE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.