Dinheiro Rural - - AGRO ECO­NO­MIA -

Apan­de­mia de Co­vid-19 não tra­vou o agro­ne­gó­cio bra­si­lei­ro, mas pu­xou o freio de mão das má­qui­nas e im­ple­men­tos agrí­co­las. Em abril, quan­do o iso­la­men­to so­ci­al le­vou à in­ter­rup­ção das ati­vi­da­des de mon­ta­do­ras em to­do o País, a pro­du­ção da in­dús­tria au­to­mo­ti­va re­cu­ou 99% so­bre o mês de mar­ço. Foi o pi­or re­sul­ta­do des­de 1957, quan­do a As­so­ci­a­ção Na­ci­o­nal dos Fa­bri­can­tes de Veí­cu­los Au­to­mo­to­res (An­fa­vea) co­me­çou a con­ta­bi­li­zar os nú­me­ros do se­tor. Em mar­ço, fo­ram pro­du­zi­dos 190 mil veí­cu­los no Bra­sil. Em abril, ape­nas 1.847, in­cluin­do au­to­mó­veis, co­mer­ci­ais le­ves (pi­ca­pes e fur­gões), ca­mi­nhões e ôni­bus. Es­sa que­da pode im­pac­tar pro­fun­da­men­te a ca­deia do agro­ne­gó­cio já es­te ano – e ter con­sequên­ci­as fu­tu­ras.

A ex­pan­são no uso de má­qui­nas e equi­pa­men­tos na agri­cul­tu­ra bra­si­lei­ra foi mar­ca­da por uma on­da de in­ves­ti­men­tos e po­lí­ti­cas pú­bli­cas, que ala­van­ca­ram a pro­du­ção e as ven­das. Os dois prin­ci­pais exem­plos des­sas po­lí­ti­cas fo­ram o Pla­no Na­ci­o­nal da In­dús­tria de Tra­to­res Agrí­co­las, con­ti­do no Pla­no de Me­tas do go­ver­no de Jus­ce­li­no Ku­bits­check e, anos de­pois, o pro­gra­ma de Mo­der­ni­za­ção da Fro­ta de Tra­to­res Agrí­co­las e Co­lhei­ta­dei­ras, o co­nhe­ci­do Mo­der­fro­ta, lan­ça­do no iní­cio dos anos 2000 pe­lo Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co e So­ci­al (BNDES) e que im­pul­si­o­nou o se­tor. Equi­pa­men­tos mo­der­nos, co­mo se­me­a­do­ras, co­lhei­ta­dei­ras e adu­ba­do­ras, em­bar­cam tec­no­lo­gi­as de pon­ta que aju­dam a cum­prir o ci­clo pro­du­ti­vo da la­vou­ra com mai­or agi­li­da­de e efi­ci­ên­cia. As­sim, os gran­des in­ves­ti­men­tos do pro­du­tor em má­qui­nas agrí­co­las coin­ci­dem com mai­o­res ga­nhos lí­qui­dos pos­te­ri­o­res.

Uma das me­lho­res for­mas de o mer­ca­do co­nhe­cer os no­vos mo­de­los de má­qui­nas agrí­co­las (in­cluin­do os pe­que­nos em­pre­en­de­do­res) é a Agrishow, a mai­or fei­ra de tec­no­lo­gia agrí­co­la da Amé­ri­ca La­ti­na, re­a­li­za­da anu­al­men­te em Ribeirão Pre­to (SP). Em 2019, fo­ram ne­go­ci­a­dos R$ 2,9 bi­lhões em má­qui­nas, im­ple­men­tos e ou­tros pro­du­tos. Nes­te ano, após 25 edi­ções, a Agrishow foi can­ce­la­da de­vi­do à ne­ces­si­da­de de dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al im­pos­to pe­la pan­de­mia do no­vo co­ro­na­ví­rus. Se­gun­do da­dos da An­fa­vea, 4.300 má­qui­nas agrí­co­las e ro­do­viá­ri­as fo­ram pro­du­zi­das pa­ra o mer­ca­do in­ter­no em mar­ço. Em abril, a pro­du­ção caiu pa­ra 1.752 uni­da­des. A que­da foi me­nor que a do se­tor au­to­mo­ti­vo co­mo um to­do.

STELA MAS­SON

Ain­da as­sim, a re­du­ção de 59% re­pre­sen­ta o pi­or re­sul­ta­do des­de ja­nei­ro de 2016, quan­do fo­ram pro­du­zi­das 1.653 uni­da­des. “Co­mo ha­via es­to­que nas con­ces­si­o­ná­ri­as, 2.400 pu­de­ram ser ven­di­das em abril, nú­me­ro mai­or que as pro­du­zi­das no pe­río­do. Po­rém fi­ca­ram 41,8% abai­xo das ne­go­ci­a­das em mar­ço, que so­ma­ram 4.100 uni­da­des”, afir­ma o vi­ce-presidente da An­fa­vea, Al­fre­do Mi­guel. As ex­por­ta­ções de má­qui­nas tam­bém caí­ram no quar­to mês do ano: fo­ram 477 uni­da­des, sen­do que, em mar­ço, 975 ha­vi­am si­do em­bar­ca­das pa­ra ex­por­ta­ção. A que­da na ar­re­ca­da­ção com a ven­da ex­ter­na é ain­da mais ex­pres­si­va: em mar­ço, 709,9 mi­lhões de dó­la­res, em abril, 252,8 mi­lhões de dó­la­res – re­du­ção de 64,4%. “Es­ta­mos vi­ven­do três cri­ses: de saú­de, eco­no­mia e po­lí­ti­ca”, diz Al­fre­do Mi­guel. “E em meio a tan­tas dú­vi­das e in­cer­te­zas, o pro­du­tor re­trai os in­ves­ti­men­tos pa­ra pro­te­ger o flu­xo de cai­xa e po­der pa­gar su­as con­tas”.

Em 23 de mar­ço, com a im­plan­ta­ção do iso­la­men­to so­ci­al pa­ra evi­tar a trans­mis­são do no­vo co­ro­na­ví­rus, 63 das 65 fá­bri­cas que pro­du­zem pa­ra as 26 mon­ta­do­ras ins­ta­la­das no País en­tra­ram em sus­pen­são to­tal de pro­du­ção, dei­xan­do qua­se 125 mil fun­ci­o­ná­ri­os de chão de fá­bri­ca em fé­ri­as co­le­ti­vas ou em ban­co de ho­ras pa­ra fu­tu­ra com­pen­sa­ção, en­quan­to o pes­so­al do se­tor ad­mi­nis­tra­ti­vo pas­sou a tra­ba­lhar em ho­me of­fi­ce. Em abril, oi­to in­dús­tri­as re­to­ma­ram a pro­du­ção, e 30 mil tra­ba­lha­do­res vol­ta­ram a seus pos­tos, en­quan­to 90 mil per­ma­ne­ce­ram pa­ra­dos.

Na­que­le mês, 400 ca­mi­nhões fo­ram pro­du­zi­dos – um re­cuo de 95,2% em com­pa­ra­ção a mar­ço, e quan­ti­da­de si­mi­lar à dos anos 1950. “Es­te im­pac­to atin­giu to­da a ca­deia pro­du­ti­va: for­ne­ce­do­res, mon­ta­do­ras e che­gou até a pon­ta da ca­deia, nas con­ces­si­o­ná­ri­as”, afir­ma Gus­ta­vo Bo­ni­ni, vi­ce-presidente da An­fa­vea e di­re­tor de re­la­ções ins­ti­tu­ci­o­nais da Sca­nia. Com o re­tor­no gra­du­al das ati­vi­da­des in­dus­tri­ais no fi­nal de abril, qua­tro mil uni­da­des de ca­mi­nhões

Ache­ga­ram a ser co­mer­ci­a­li­za­das no mer­ca­do in­ter­no – nú­me­ro que re­pre­sen­ta que­da de qua­se 40% so­bre as ven­das de mar­ço, que foi de 6,4 mil veí­cu­los.

Bo­ni­ni ex­pli­ca que a pro­du­ção de ca­mi­nhões tem uma di­nâ­mi­ca di­fe­ren­te dos de­mais seg­men­tos. “Al­gu­mas fá­bri­cas re­to­ma­ram par­te das ati­vi­da­des em abril pa­ra aten­der se­to­res li­ga­dos ao agro­ne­gó­cio e à re­no­va­ção de fro­ta, já pre­vis­ta por al­gu­mas em­pre­sas. Não sig­ni­fi­ca uma si­na­li­za­ção de re­to­ma­da do rit­mo”, des­ta­ca. Pa­ra o exe­cu­ti­vo, qual­quer ten­ta­ti­va de pre­vi­são so­bre o mer­ca­do de pe­sa­dos nes­te mo­men­to, se­ria “es­pe­cu­la­ção”. Ape­nas 396 chas­sis de ôni­bus fo­ram fa­bri­ca­dos no Bra­sil no quar­to mês do ano (353 mo­de­los ur­ba­nos e 43 ro­do­viá­ri­os), nú­me­ro 80,1% me­nor que o de mar­ço, e 85,8%

abai­xo do de abril de 2019. No acu­mu­la­do des­te ano, a que­da na fa­bri­ca­ção de ôni­bus su­pe­ra a de ca­mi­nhões, atin­gin­do 28,5%.

O pe­río­do de in­ter­rup­ção na li­nha de pro­du­ção foi apro­vei­ta­do pe­las mon­ta­do­ras, que se pre­pa­ra­ram pa­ra o re­tor­no com no­vos pro­to­co­los de saú­de, se­guin­do as re­co­men­da­ções das au­to­ri­da­des e de ben­ch­marks mun­di­ais. As ações en­vol­vem dis­tan­ci­a­men­to so­ci­al, hi­gi­e­ne, e uso de EPIs (Equi­pa­men­to de Pro­te­ção In­di­vi­du­al). Al­gu­mas mon­ta­do­ras tam­bém au­men­ta­ram sua fro­ta pa­ra o trans­por­te dos fun­ci­o­ná­ri­os, a fim de man­ter o dis­tan­ci­a­men­to den­tro dos veí­cu­los. Ou­tras am­pli­a­ram o ho­rá­rio de tra­ba­lho na li­nha de pro­du­ção. “Ago­ra va­mos aguar­dar o mer­ca­do re­a­gir, pa­ra se­guir as de­man­das do ‘no­vo nor­mal’”, apon­ta Bo­ni­ni. En­tre elas es­tá a pre­ser­va­ção dos em­pre­gos, de­ci­são que exi­ge fô­le­go no cai­xa e pode de­pen­der de cré­di­to jun­to ao sis­te­ma ban­cá­rio. “E o cré­di­to es­tá ca­ro”, ana­li­sa o exe­cu­ti­vo.

Pe­los da­dos apre­sen­ta­dos, vê-se que o se­tor de ca­mi­nhões e má­qui­nas agrí­co­las foi afe­ta­do des­de o fi­nal do mês de mar­ço e por to­do mês de abril. A par­tir do co­me­ço de maio, a mai­o­ria das mon­ta­do­ras re­to­mou a pro­du­ção pa­ra aten­di­men­to de pe­di­dos já fei­tos, em es­pe­ci­al do seg­men­to do agro­ne­gó­cio, “mas não sa­be­mos co­mo se­rão os pró­xi­mos me­ses”, re­fle­te Bo­ni­ni. Pa­ra Luiz Car­los Moraes, presidente da An­fa­vea, a cri­se em de­cor­rên­cia da pan­de­mia do Co­vid-19 é sem pre­ce­den­tes, por is­so o se­tor “es­pe­ra me­di­das de apoio do go­ver­no fe­de­ral”. Em sua ava­li­a­ção, o exe­cu­ti­vo con­si­de­ra que o úni­co in­di­ca­dor po­si­ti­vo do se­tor no mo­men­to é o ní­vel de em­pre­gos di­re­tos na in­dús­tria, “que se man­tém em um pa­ta­mar de 125 mil, na so­ma das 26 mon­ta­do­ras as­so­ci­a­das à An­fa­vea”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.