Empresario Digital - - Ca­pa -

em­pre­sá­rio, quan­do quer ex­pan­dir o ne­gó­cio, re­ti­rar um di­nhei­ro que de­ve­ria ser pa­ra o seu cur­to pra­zo de mo­do a in­ves­tir no imo­bi­li­za­do. Ou se­ja, ele pre­ju­di­ca o seu ca­pi­tal de gi­ro. Is­so vi­ra uma bo­la de ne­ve e di­fi­cul­ta mui­to a vi­da. Foi aí que eu per­ce­bi que o mercado pre­ci­sa­va mui­to de um apoio pa­ra su­as ques­tões de cré­di­to. En­con­trei mais dois só­ci­os, com ex­pe­ri­ên­ci­as di­fe­ren­tes, e nos jun­ta­mos pa­ra fa­zer ope­ra­ções na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais nes­se sen­ti­do: o de es­tu­dar a si­tu­a­ção de ca­da cli­en­te e apre­sen­tar uma so­lu­ção de cré­di­to que se­ja me­lhor que aque­la que o em­pre­sá­rio já tem.

E de que ma­nei­ra is­so acon­te­ce?

A pri­mei­ra coi­sa que nós fa­ze­mos é iden­ti­fi­car qual é a re­al ne­ces­si­da­de do em­pre­sá­rio. É ca­pi­tal de gi­ro? É ex­pan­são? Ele se en­qua­dra nu­ma li­nha de ino­va­ção? Ele quer in­ves­tir em efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca? Is­so é im­por­tan­te por­que há li­nhas de cré­di­to es­pe­cí­fi­cas pa­ra ne­ces­si­da­des es­pe­cí­fi­cas. E é mui­to co­mum o em­pre­sá­rio pe­gar uma li­nha de ca­pi­tal de gi­ro pa­ra uma ne­ces­si­da­de di­fe­ren­te. E aí, iden­ti­fi­ca­da a ques­tão de­le, va­mos ver co­mo po­de­mos aju­dá-lo a ter um re­cur­so nas me­lho­res con­di­ções pos­sí­veis. E um dos me­lho­res ca­mi­nhos, que o em­pre­sá­rio ra­ra­men­te bus­ca por con­ta pró­pria, é tra­ba­lhar com re­cur­sos in­cen­ti­va­dos ou go­ver­na­men­tais. Quan­do di­go is­so, vo­cê lo­go pen­sa em BNDES, mas exis­tem ou­tras fon­tes. Por exem­plo, den­tro do es­ta­do de São Pau­lo, há uma agên­cia de fo­men­to es­ta­du­al que pos­sui li­nhas pró­pri­as e é re­pas­sa­do­ra do BNDES. Nós nos es­pe­ci­a­li­za­mos nes­se ti­po de ope­ra­ção pa­ra a mi­cro, pe­que­na e mé­dia em­pre­sa.

Por que é in­te­res­san­te ir atrás des­se ti­po de cré­di­to?

Por­que o re­cur­so in­cen­ti­va­do, se­ja da agên­cia es­ta­du­al ou do pró­prio BNDES, tem co­mo ob­je­ti­vo jus­ta­men­te fo­men­tar a eco­no­mia, dar con­di­ções pa­ra o em­pre­sá­rio ge­rar em­pre­go, de­sen­vol­ver-se, ter mais re­cur­sos. En­tão é um cré­di­to mais ba­ra­to. O ban­co co­mer­ci­al tam­bém tem, cla­ro, a sua im­por­tân­cia pa­ra a eco­no­mia – pa­ra a li­qui­dez, pa­ra a es­ta­bi­li­da­de. Mas ele já cap­ta o re­cur­so de um in­ves­ti­dor e em­pres­ta pa­ra um to­ma­dor. Ao fa­zer es­sa me­di­a­ção, ele tem de co­brir os ris­cos e os cus­tos de­le, de mo­do que o em­prés­ti­mo que vem do ban­co sem­pre ten­de a ser mais ca­ro que o re­cur­so in­cen­ti­va­do.

E gran­de par­te dos em­pre­sá­ri­os não sa­be co­mo es­ses re­cur­sos in­cen­ti­va­dos fun­ci­o­nam, não é is­so?

Jus­ta­men­te. Tan­to que mui­ta gen­te que che­ga aqui, quan­do eu fa­lo em cré­di­to do BNDES, acha que is­so é só pa­ra gran­des em­pre­sas. E não é. Tem mui­to re­cur­so dis­po­ní­vel pa­ra pe­que­nas e mi­cro­em­pre­sas. En­tão uma das pri­mei­ras coi­sas que fa­ze­mos na CredUp é mos­trar que es­ses re­cur­sos exis­tem e es­tão aces­sí­veis, des­de que aten­den­do a al­gu­mas es­pe­ci­fi­ca­ções. Is­so por­que, pa­ra plei­te­ar um re­cur­so des­ses, é pre­ci­so se­guir um ro­tei­ro, aten­der a uma sé­rie de exigências, de­mons­trar as su­as in­ten­ções e su­as con­di­ções. E nós gui­a­mos o em­pre­sá­rio em to­do es­se ca­mi­nho das pe­dras. Por exem­plo, te­mos al­guns cli­en­tes da área grá­fi­ca. A mai­or par­te dos equi­pa­men­tos des­ses cli­en­tes é im­por­ta­da, coi­sa que o

Fi­na­me não fi­nan­cia. Mas aí in­di­ca­mos ou­tras for­mas de con­se­guir, co­mo com os re­cur­sos es­ta­du­ais. Even­tu­al­men­te, des­co­bri­mos um tra­de que na­ci­o­na­li­za e faz a ven­da por en­co­men­da, en­tão con­se­gue o cré­di­to. Ou se­ja, mos­tra­mos que exis­tem di­ver­sos ca­mi­nhos pos­sí­veis pa­ra se fa­zer uma ope­ra­ção.

Ou­tra coi­sa que os em­pre­sá­ri­os não sa­bem é que não é qual­quer ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra que fa­ci­li­ta o re­pas­se do BNDES, em­bo­ra to­da ope­ra­ção abai­xo de 20 mi­lhões te­nha de ser re­pas­sa­da por uma ins­ti­tui­ção cre­den­ci­a­da. Os ban­cos co­mer­ci­ais são re­pas­sa­do­res, mas é di­fí­cil vo­cê ver um ge­ren­te de ban­co ofe­re­cer um re­pas­se do BNDES. Pa­ra ele, in­te­res­sa mui­to mais pas­sar os re­cur­sos do pró­prio ban­co. E is­so é mais um mo­ti­vo pe­lo qual a gen­te uti­li­za a agên­cia de fo­men­to es­ta­du­al.

Tem oca­sião em que vo­cês de­mons­tram a opor­tu­ni­da­de de um cré­di­to até pa­ra quem acha que não pre­ci­sa?

Sim, e é mui­to sa­tis­fa­tó­rio ver um cli­en­te se be­ne­fi­ci­ar de uma si­tu­a­ção que ele mal con­se­guia vis­lum­brar. Por exem­plo, exis­te um re­pas­se rá­pi­do do BNDES que é fa­ci­li­ta­do, li­mi­ta­do a R$ 200 mil. E eu te­nho, en­tre os cli­en­tes, uma dis­tri­bui­do­ra de hor­ti­frú­ti pró­xi­ma ao Ce­a­gesp que é uma ope­ra­ção sau­dá­vel, não pre­ci­sa fi­nan­ci­ar ca­pi­tal de gi­ro por­que com­pra e ven­de num in­ter­va­lo mui­to pró­xi­mo, re­ce­be rá­pi­do, en­tão tem um ci­clo bem ajus­ta­do. Aí fa­lei pa­ra o em­pre­sá­rio des­se re­pas­se fa­ci­li­ta­do pa­ra ca­pi­tal de gi­ro, que vem do BNDES e es­tá nu­ma con­di­ção mui­to boa, uma ta­xa a par­tir de 1,20%, ten­do 36 me­ses pa­ra pa­gar, com 3 de ca­rên­cia... Ele me res­pon­deu que não pre­ci­sa­va de di­nhei­ro, que a ope­ra­ção es­tá re­don­di­nha. Aí mos­trei que, com es­se re­cur­so, ele po­de­ria pa­gar an­te­ci­pa­da­men­te ao for­ne­ce­dor de­le, ga­nhan­do um des­con­to de até 7%. En­tão vai pe­gar uma ta­xa de 1,20% pa­ra ga­nhar um des­con­to de 7%... vai au­men­tar a mar­gem de­le.

Mas a atu­a­ção da CredUp vai além da ori­en­ta­ção de cré­di­to, cer­to?

Sim, nós au­xi­li­a­mos em tu­do o que en­vol­ve as fi­nan­ças da em­pre­sa, des­de o pla­ne­ja­men­to or­ça­men­tá­rio, pla­no de ne­gó­cio... mas ge­ral­men­te co­me­ça­mos pe­la cap­ta­ção de re­cur­sos. Tem si­tu­a­ções em que aju­da­mos o cli­en­te a res­ta­be­le­cer seu cré­di­to no mercado. Mos­tra­mos que, com pla­ne­ja­men­to e di­re­ci­o­na­men­to, o em­pre­sá­rio con­se­gue evi­tar a ne­ces­si­da­de de um cré­di­to de ur­gên­cia, quan­do mui­tas ve­zes re­cor­re ao em­prés­ti­mo no seu ban­co de re­la­ci­o­na­men­to, que tem um cus­to mui­to al­to. Cos­tu­mo fa­lar que es­se re­cur­so in­cen­ti­va­do é um re­cur­so bom, jus­to. En­tão é fun­da­men­tal a em­pre­sa se pro­gra­mar pa­ra ter uma li­nha in­cen­ti­va­da.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.