Empresario Digital - - Ges­tão De Pes­so­as -

im­por­tan­te do que is­so, acre­di­to que as em­pre­sas pre­ci­sam ob­ser­var co­mo es­sas no­vas tec­no­lo­gi­as po­dem al­te­rar e con­tri­buir pa­ra mu­dan­ças na cul­tu­ra in­ter­na de ca­da or­ga­ni­za­ção.

É pre­ci­so ain­da cri­ar con­di­ções pa­ra que elas per­mei­em o am­bi­en­te, re­de­fi­nin­do as es­tru­tu­ras or­ga­ni­za­ci­o­nais, bem co­mo no­vas con­fi­gu­ra­ções de hi­e­rar­qui­as e ain­da re­vi­se e ado­te no­vos pro­ces­sos e me­to­do­lo­gi­as pa­ra a ges­tão de pes­so­as e das su­as re­la­ções com as má­qui­nas.

É im­pos­sí­vel pre­ver to­das as mu­dan­ças cau­sa­das pe­las trans­for­ma­ções di­gi­tais, mas ao ob­ser­var­mos aten­ta­men­te o com­por­ta­men­to das pes­so­as, po­de­mos di­zer que o di­na­mis­mo e a ve­lo­ci­da­de dos acon­te­ci­men­tos são, sem som­bra de dú­vi­da, as al­te­ra­ções mais im­pac­tan­tes. Es­se di­na­mis­mo foi des­cri­to pe­lo so­ció­lo­go e fi­ló­so­fo po­lo­nês, Zyg­munt

Bau­man, co­mo mo­der­ni­da­de lí­qui­da.

De acor­do com Bau­man, vi­ve­mos em uma épo­ca his­tó­ri­ca de li­qui­dez, flui­dez, vo­la­ti­li­da­de, in­tan­gi­bi­li­da­de, in­cer­te­za e in­se­gu­ran­ça, on­de pe­que­nas mu­dan­ças po­dem de­sen­ca­de­ar gran­des que­bras de pa­ra­dig­mas.

A so­li­dez não exis­te, a trans­for­ma­ção é ine­ren­te, as re­la­ções são lí­qui­das e o com­por­ta­men­to dos in­di­ví­du­os aca­ba por mo­di­fi­car tam­bém as re­la­ções en­tre em­pre­sa, co­la­bo­ra­do­res e cli­en­tes. Den­tro dos am­bi­en­tes pro­fis­si­o­nais, tu­do es­tá mais rá­pi­do e ágil. Do pon­to de vis­ta das em­pre­sas, os am­bi­en­tes es­tão mais aber­tos e fle­xí­veis, ado­tan­do mo­de­los co­mo ‘open spa­ce’ em que as pa­re­des en­tre as pes­so­as são li­te­ral­men­te der­ru­ba­das e em que di­fe­ren­tes pro­fis­si­o­nais de di­fe­ren­tes áre­as se mes­clam e co­la­bo­ram jun­tos em pro­je­tos.

Olhan­do pa­ra o re­la­ci­o­na­men­to en­tre em­pre­sa e so­ci­e­da­de/cli­en­tes, a for­ma de se co­mu­ni­car es­tá mais di­nâ­mi­ca, me­nos for­mal e mais pró­xi­ma. Se an­tes as or­ga­ni­za­ções eram en­ti­da­des in­to­cá­veis e dis­tan­tes, ho­je exis­te um mo­vi­men­to mui­to for­te que as tor­nam mais aces­sí­veis, per­mi­tin­do um flu­xo de in­for­ma­ção mui­to mais di­re­to, pro­fun­do e de ver­da­dei­ra co­ne­xão.

Se as trans­for­ma­ções di­gi­tais abri­ram por­tas pa­ra re­la­ci­o­na­men­tos mais di­nâ­mi­cos, elas tam­bém der­ru­ba­ram inú­me­ras bar­rei­ras de en­tra­da, fa­zen­do com que o mer­ca­do re­ce­bes­se no­vos players e, au­men­tan­do as­sim, a con­cor­rên­cia en­tre as em­pre­sas. Co­mo a ofer­ta de pro­du­tos e ser­vi­ço se tor­nou mai­or, con­quis­tar o con­su­mi­dor pas­sou a ser a or­dem do dia - to­dos os di­as. Es­ses, por sua vez, es­tão mais exi­gen­tes e com me­nor to­le­rân­cia ao er­ro.

Se as nos­sas re­la­ções com as mar­cas es­tão nes­se ní­vel de exi­gên­cia, por que se­ria di­fe­ren­te den­tro das em­pre­sas on­de tra­ba­lha­mos? Nos­so com­por­ta­men­to en­quan­to co­la­bo­ra­dor es­tá di­re­ta­men­te li­ga­do ao nos­so com­por­ta­men­to en­quan­to con­su­mi­dor. Que­re­mos que es­se di­na­mis­mo nos acom­pa­nhe em nos­so lo­cal de tra­ba­lho e, é as­sim que a mo­der­ni­da­de lí­qui­da im­pul­si­o­na a con­quis­ta de mais li­ber­da­de den­tro das em­pre­sas e pro­por­ci­o­na, por exem­plo, o cres­ci­men­to das po­lí­ti­cas de ho­me of­fi­ce.

Al­gu­mas em­pre­sas con­si­de­ram as­sus­ta­dor dar es­se ti­po de au­to­no­mia pa­ra o fun­ci­o­ná­rio. Es­sa fle­xi­bi­li­da­de de ho­rá­rio, tra­ba­lho re­mo­to e en­ga­ja­men­to por pro­je­to são con­cei­tos no­vos que as­sus­tam os mo­de­los tra­di­ci­o­nais de re­la­ção de tra­ba­lho, on­de o mi­cro ge­ren­ci­a­men­to das ações é o pro­ces­so mais co­mum pa­ra a ges­tão de pes­so­as. A úni­ca pos­si­bi­li­da­de é cri­ar ba­ses só­li­das de con­fi­an­ça e cri­ar pro­gra­mas for­tes de ges­tão de pes­so­as pa­ra man­tê-los en­ga­ja­dos e co­nec­ta­dos, de on­de quer que eles tra­ba­lhem.

Mas vo­cê po­de me per­gun­tar: e o que tu­do is­so tem a ver com re­cru­ta­men­to e se­le­ção? E eu pos­so di­zer que: tu­do. Es­sa ne­ces­si­da­de de en­ga­ja­men­to já nas­ce no pro­ces­so se­le­ti­vo, com a iden­ti­fi­ca­ção en­tre o fun­ci­o­ná­rio e a cul­tu­ra or­ga­ni­za­ci­o­nal. Nes­se con­tex­to, sur­ge um no­vo de­sa­fio es­pe­ci­fi­ca­men­te apli­ca­do ao re­cru­ta­men­to e se­le­ção de pro­fis­si­o­nais. O re­cru­ta­dor pre­ci­sa en­con­trar as pes­so­as com per­fil téc­ni­co pa­ra ocu­par as va­gas dis­po­ní­veis, le­van­do em con­si­de­ra­ção os va­lo­res, as ca­rac­te­rís­ti­cas e, prin­ci­pal­men­te, as mo­ti­va­ções de ca­da can­di­da­to e, tu­do is­so, pre­ci­sa es­tar co­e­ren­te com os va­lo­res da cul­tu­ra em­pre­sa­ri­al. Is­so quer di­zer que o nos­so pa­pel nes­sa era vai mui­to além de ana­li­sar cur­rí­cu­los e fa­zer en­tre­vis­tas. É ne­ces­sá­rio des­bra­var e re­co­nhe­cer nas pes­so­as o seu es­ti­lo de vi­da, o que acre­di­tam, seus pro­pó­si­tos e os ob­je­ti­vos de vi­da tan­to pro­fis­si­o­nais qu­an­to pes­so­ais e, des­co­brir, o qu­an­to es­ses pro­fis­si­o­nais são adap­tá­veis a mu­dan­ças tec­no­ló­gi­cas e até cul­tu­rais.

Ain­da co­mo res­pon­sa­bi­li­da­de dos re­cru­ta­do­res, es­tá o pa­pel de se apro­fun­dar ver­da­dei­ra­men­te na po­lí­ti­ca da em­pre­sa e des­co­brir den­tro do dis­cur­so pa­ra o mer­ca­do quais são as ex­pe­ri­ên­ci­as e pro­pos­tas da mar­ca. Uma con­tra­ta­ção bem-fei­ta, à lon­go pra­zo, le­va em con­si­de­ra­ção o ní­vel de fe­li­ci­da­de do pro­fis­si­o­nal, a li­ber­da­de cri­a­ti­va, sua ca­pa­ci­da­de de en­tre­ga, sua re­si­li­ên­cia e a sua re­la­ção com a em­pre­sa que o con­tra­tou.

As­sim, fi­ca evi­den­te que to­do o pro­ces­so de con­tra­ta­ção pre­ci­sa ser ade­qua­do à no­va con­jun­tu­ra de mun­do. Não é à toa que mui­tas em­pre­sas co­me­ça­ram a en­xer­gar a ne­ces­si­da­de de co­lo­car em prá­ti­ca o con­cei­to de ‘mar­ca em­pre­ga­do­ra’, que bus­ca atrair e re­ter os me­lho­res ta­len­tos, por meio de va­lo­res for­tes e va­len­do-se de tec­no­lo­gia pa­ra trans­mi­tir em al­to e bom som sua voz no mun­do.

Va­mos jun­tos des­bra­var e re­pen­sar es­sa mo­der­ni­da­de, or­ga­ni­za­ções e re­la­ções ca­da vez mais tec­no­ló­gi­cas e, por ve­zes, lí­qui­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.