Co­mo ga­ran­tir a com­pe­ti­ti­vi­da­de e a lon­ge­vi­da­de das em­pre­sas

Empresario Digital - - Artigo -

om o in­ten­so sur­gi­men­to e cres­ci­men­to de ca­nais, pla­ta­for­mas, tec­no­lo­gi­as e a ace­le­ra­da trans­for­ma­ção nos há­bi­tos de con­su­mo, os lí­de­res de mar­ke­ting en­xer­gam uma ne­ces­si­da­de de re­ci­cla­gem, ten­do co­mo ba­se to­das as ex­pe­ri­ên­ci­as que vi­ve­ram nos mais va­ri­a­dos ca­sos. No­vos co­nhe­ci­men­tos, ou­tras for­mas de en­can­tar, no­vos sta­kehol­ders, cli­en­tes mais ri­go­ro­sos, co­nec­ta­dos e ágeis de­man­dan­do al­ta per­for­man­ce em tem­po re­du­zi­do, vêm que­bran­do to­dos os pa­drões de pla­ne­ja­men­to tra­di­ci­o­nais.

To­dos es­ses as­pec­tos de­vem ter co­mo ob­je­ti­vo o equi­lí­brio en­tre re­sul­ta­dos e po­si­ci­o­na­men­to de mar­ca. Di­an­te des­sa cons­ta­ta­ção, há que se con­si­de­rar um fa­tor pri­mor­di­al que é a Atri­bui­ção.

Ou se­ja, os re­sul­ta­dos que ca­da ação de mar­ke­ting pro­vo­ca é de gran­de im­por­tân­cia pa­ra jus­ti­fi­car es­tra­té­gi­as mais ro­bus­tas e as­ser­ti­vas. Tam­bém é ine­gá­vel a ne­ces­si­da­de de pen­sar em mar­cas co­mo per­so­nas que têm ati­tu­de, opi­nião e de­fen­dem ban­dei­ras co­mo a di­ver­si­da­de e a sus­ten­ta­bi­li­da­de, tra­zen­do com­pe­ti­ti­vi­da­de e cor­ro­bo­ran­do pa­ra a cons­tru­ção das cha­ma­das ‘Lo­ve Brands”. Re­le­van­te in­cluir nes­se con­tex­to tam­bém os de­sa­fi­os diá­ri­os do CMO em sua bus­ca in­ces­san­te pe­lo ‘Wow Fac­tor’, que im­pli­ca no en­ten­di­men­to do ci­clo do seu con­su­mi­dor, na aná­li­se de da­dos e na de­vo­lu­ti­va com as tam­bém dis­cu­ti­das Cus­to­mer e User

Ex­pe­ri­en­ce.

Fo­ram es­ses de­sa­fi­os que es­ti­ve­ram na pau­ta do CMO SAB 2018, en­tre os di­as 17 e 19 de ou­tu­bro, no in­te­ri­or de São

Pau­lo, on­de um gru­po de pro­fis­si­o­nais da área par­ti­ci­pou de uma imer­são nes­se am­plo debate. O CMO SAB 2018 –

Equi­li­bran­do By­tes, Li­kes, Re­sul­ta­dos e Ex­pe­ri­ên­ci­as, dis­cu­tiu te­mas co­mo

Cos­tu­mer & User Ex­pe­ri­en­ce, Di­gi­tal,

Atri­bui­ção e Pa­pel do CMO na Cons­tru­ção de uma Lo­ve Brand.

No con­tex­to atu­al dos ne­gó­ci­os ter uma ofer­ta ou um pro­du­to di­gi­tal não é su­fi­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir a com­pe­ti­ti­vi­da­de e a lon­ge­vi­da­de das em­pre­sas. É pre­ci­so ir além e ter uma cul­tu­ra di­gi­tal. O per­fil do con­su­mi­dor em cons­tan­tes mu­dan­ças cria no­vos ce­ná­ri­os on­de as em­pre­sas pre­ci­sam de adap­ta­ções rá­pi­das e fle­xí­veis. Di­an­te des­sa no­va di­nâ­mi­ca, as prá­ti­cas de

De­sign, Le­an e Agi­le têm re­mo­de­la­do a for­ma co­mo fa­ze­mos, pen­sa­mos e agi­mos fren­te aos de­sa­fi­os e opor­tu­ni­da­des de mar­ke­ting, ne­gó­ci­os e ino­va­ção ten­do o con­su­mi­dor e su­as ex­pe­ri­ên­ci­as co­mo o cen­tro das es­tra­té­gi­as em­pre­sa­ri­ais.

Um bom exem­plo do que es­ta­mos fa­lan­do, é o bem-su­ce­di­do ca­so em par­ce­ria da Ste­fa­ni­ni com a Saint Paul Es­co­la de Ne­gó­ci­os, mos­tran­do co­mo uma tra­di­ci­o­nal es­co­la de ne­gó­ci­os ino­vou por meio das prá­ti­cas de Com­pu­ta­ção Cog­ni­ti­va e apli­ca­ção de In­te­li­gên­cia Ar­ti­fi­ci­al.

*Wag­ner Ko­jo é He­ad Di­gi­tal & In­no­va­ti­on da Ste­fa­ni­ni

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.