Pa­ra to­dos

Empresario Digital - - Pessoas De Resultado -

che­ga­da do no­vo ano ain­da mis­tu­ra eu­fo­ria, re­fle­xão, além de mui­ta von­ta­de em dar cer­to. O que deu er­ra­do vi­ra apren­di­za­gem e o pla­ne­ja­men­to precisa sair do pa­pel. Va­mos con­ti­nu­ar com a cul­tu­ra de apri­mo­rar a vi­são e se pre­pa­rar pa­ra dar con­ta em re­la­ção aos conflitos que per­mei­am nos­so ne­gó­cio.

Cer­ta­men­te vo­cê já ouviu: “Fa­zer coi­sas iguais nos per­mi­te re­sul­ta­dos iguais”. Mas vo­cê já pa­rou pa­ra pen­sar, o por que fa­zer al­go no­vo é tão de­sa­fi­a­dor? Pa­ra ca­da coi­sa no­va que imaginamos fa­zer, há uma sé­rie de ações ne­ces­sá­ri­as que se sub­di­vi­dem em ou­tras tan­tas e que pre­ci­sam se­guir uma es­tru­tu­ra ló­gi­ca, uma es­tra­té­gia co­e­ren­te com os va­lo­res da em­pre­sa, um ob­je­ti­vo cla­ro em bem de­fi­ni­do e me­tas au­da­ci­o­sas.

Se­gun­do a neu­ro­ci­ên­cia, o cé­re­bro foi de­sig­na­do a eco­no­mi­zar ener­gia e, por­tan­to, bus­ca vol­tar ao es­ta­do ini­ci­al no qual es­tá­va­mos acos­tu­ma­dos. Ou se­ja, a ten­dên­cia é con­ti­nu­ar­mos fa­zen­do as coi­sas co­mo sem­pre fi­ze­mos.

Nos úl­ti­mos anos, ti­ve o pra­zer de tra­ba­lhar com um sig­ni­fi­ca­ti­vo nú­me­ro de em­pre­sá­ri­os que so­frem do mes­mo pro­ble­ma. Ava­li­ar os re­sul­ta­dos é sem­pre um pro­ble­ma, em es­pe­ci­al se as me­tas pro­pos­tas não fo­ram al­can­ça­das. Qu­an­do o re­sul­ta­do não vem, a frus­tra­ção to­ma con­ta e mui­ta coi­sa vol­ta a “es­ta­ca ze­ro”.

Al­guns até re­co­nhe­cem al­guns pon­tos, mas dei­xam a no­va es­tra­té­gia pa­ra um ou­tro mo­men­to.

Mui­tos dos ca­sos são re­sol­vi­dos, qu­an­do num pro­ces­so jun­to ao em­pre­sá­rio, uma pes­soa de fo­ra e dis­so­ci­a­da da ro­ti­na dos ne­gó­ci­os, con­se­gue aju­dar no mo­ni­to­ra­men­to sis­te­má­ti­co. Al­guém que aju­da na ori­en­ta­ção e fase de exe­cu­ção.

Um cor­re­dor pro­fis­si­o­nal que tem co­mo me­ta de per­cor­rer 100 me­tros em 9,9 se­gun­dos tem num trei­na­dor ex­pe­ri­en­te, o

“fe­ed­back” ne­ces­sá­rio pa­ra fa­zer pe­que­nos ajus­tes pa­ra me­lho­rar o de­sem­pe­nho.

Na gran­de mai­o­ria dos ca­sos, os ajus­tes são pe­que­nos, mas pre­ci­sam acon­te­cer den­tro de um tem­po es­pe­cí­fi­co. Mui­tos fa­to­res ex­ter­nos im­pac­tam na ne­ces­si­da­de de cor­ri­gir um pla­ne­ja­men­to de mé­dio pra­zo e dei­xar a pro­pos­ta de ino­va­ção ca­da vez mais as­ser­ti­va. Ne­nhum pla­ne­ja­men­to pode ser es­tá­ti­co qu­an­do o mun­do nos di­as de ho­je tem uma for­ma di­nâ­mi­ca e tu­do muda a to­do tem­po.

Com o ad­ven­to da tec­no­lo­gia e mo­bi­li­da­de ur­ba­na, a no­ção de tem­po e es­pa­ço mu­dou. Pa­ra ca­da ati­tu­de pre­ci­sa­mos men­su­rar o re­sul­ta­do e va­li­dar se con­ti­nu­a­mos com o pla­no ou par­ti­mos pa­ra uma no­va ro­ta. Em­bo­ra a ex­pec­ta­ti­va de um no­vo ano é no­tá­vel pa­ra a re­no­va­ção dos vo­tos, cren­ças e cos­tu­mes, pre­ci­sa­mos de for­ma ob­je­ti­va, en­ten­der que na­da mu­da­rá se con­ti­nu­ar­mos os mes­mos e que um nú­me­ro a mais, não vai por si só trans­for­mar a vi­da em al­go me­lhor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.