Empresario Digital - - Di­gi­tal -

con­cor­ren­te sou­ber mais so­bre seu cli­en­te do que vo­cê mes­mo é cer­to que irá per­dê-lo. Não cus­ta lem­brar que a ex­plo­são do mercado de smartpho­nes le­vou a de­ci­são de com­pra pa­ra pon­ta dos de­dos; um sim­ples to­que na te­la e bye, bye cli­en­te.

Por­tan­to, vi­re a cha­ve.

3. A mai­or ame­a­ça ao seu ne­gó­cio pro­va­vel­men­te não vi­rá dos con­cor­ren­tes tra­di­ci­o­nais.

Já deu pa­ra per­ce­ber que um no­vo lí­der no seu mercado po­de­rá sur­gir, ou até já sur­giu, de on­de me­nos se es­pe­ra; tal­vez da ca­be­ça de um jo­vem ge­ek ca­paz de con­ven­cer in­ves­ti­do­res de ris­co a apos­ta­rem na sua ideia.

Quan­tos ne­gó­ci­os nas­ce­ram nes­ta úl­ti­ma dé­ca­da que rom­pe­ram mo­de­los tra­di­ci­o­nais até aqui con­si­de­ra­dos in­des­tru­tí­veis? Já pa­rou pa­ra fa­zer es­te ma­pe­a­men­to na sua área? On­de es­tá seu fu­tu­ro (ou atu­al) con­cor­ren­te que vo­cê ain­da não en­xer­gou?

Um dos nos­sos as­so­ci­a­dos no Ex­pe­ri­en­ce Club dá o exem­plo. A Athié

Wohn­rath, o mai­or es­cri­tó­rio de ar­qui­te­tu­ra cor­po­ra­ti­va do Bra­sil, lan­çou um mo­de­lo de alu­guel mais ba­ra­to de um imó­vel ins­ta­la­do em um pré­dio no­vo e de­co­ra­do pa­ra tra­zer ins­pi­ra­ção às idei­as ino­va­do­ras. A opor­tu­ni­da­de veio da cri­se imo­bi­liá­ria, que dei­xou imó­veis co­mer­ci­ais no­vos às mos­cas. O no­vo ne­gó­cio trou­xe re­cei­ta adi­ci­o­nal de R$ 350 mi­lhões em 2017.

Mas a em­pre­sa quer ir mais lon­ge. De olho nas opor­tu­ni­da­des do mercado de star­tups e dis­pos­to a se apro­xi­mar des­ta cul­tu­ra, seu CEO, Ivo Wohn­rath, se as­so­ci­ou com a por­tu­gue­sa Fá­bri­ca de

Star­tups, que es­tá trans­fe­rin­do seu es­cri­tó­rio pa­ra o Bra­sil, pa­ra ofe­re­cer aos seus cli­en­tes os ser­vi­ços da Use, uma joint ven­tu­re das du­as em­pre­sas que, além de dis­po­ni­bi­li­zar os es­pa­ços, pas­sa­rá a dar men­to­ria pa­ra aju­dá-los a im­ple­men­tar um am­bi­en­te de ino­va­ção.

Re­fli­ta se sua em­pre­sa tam­bém não tem po­ten­ci­al pa­ra cri­ar no­vas fren­tes de ne­gó­ci­os e saia na fren­te. Só sai per­den­do quem não ar­ris­ca e não olha fo­ra da cai­xa.

4. Pre­pa­re-se. Uma no­va cri­se glo­bal po­de­rá che­gar ain­da em 2019.

Aqui va­le a ve­lha má­xi­ma: trans­for­me um li­mão em uma li­mo­na­da.

O re­la­tó­rio so­bre a pers­pec­ti­va econô­mi­ca di­vul­ga­do re­cen­te­men­te pe­la

Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE) acen­de um si­nal de alerta: a eco­no­mia glo­bal de­ve­rá atin­gir seu ápi­ce de cres­ci­men­to do PIB glo­bal de 3,7% es­te ano pa­ra ini­ci­ar uma de­sa­ce­le­ra­ção que le­va­rá a uma re­du­ção pa­ra 3,5% em 2019 e 2020. A pre­vi­são an­te­ri­or era de que se man­ti­ves­se no mes­mo pa­ta­mar de 3,7%.

A OCDE apon­ta co­mo al­gu­mas das prin­ci­pais ra­zões pa­ra um ce­ná­rio glo­bal mais des­fa­vo­rá­vel as ten­sões co­mer­ci­ais, es­pe­ci­al­men­te en­tre Es­ta­dos Uni­dos e

China, o re­fle­xo do Bre­xit, que tam­bém au­men­tou a in­cer­te­za po­lí­ti­ca e ge­o­po­lí­ti­ca na Eu­ro­pa, as al­tas dos ju­ros do

Fe­de­ral Re­ser­ve (o Fed, o ban­co cen­tral ame­ri­ca­no), cu­ja ta­xa bá­si­ca de­ve­rá fi­car en­tre 3,25% a 3,50% até o fim de 2019, con­tra os atu­ais 2% a 2,25%, e o au­men­to do pre­ço do pe­tró­leo.

Nem é pre­ci­so di­zer que se as re­for­mas não ca­mi­nha­rem co­mo pre­vis­to, es­pe­ci­al­men­te a fis­cal e a pre­vi­den­ciá­ria, pas­sar ao lar­go da cri­se se­rá uma mis­são qu­a­se, pa­ra não di­zer to­tal­men­te, im­pos­sí­vel.

Di­to is­so, fi­que aten­to ao an­dar da car­ru­a­gem da eco­no­mia pa­ra não ser atro­pe­la­do por ela e, se pos­sí­vel, ti­rar o me­lhor pro­vei­to.

A con­si­de­rar o dis­cur­so do no­vo go­ver­no, po­de­mos es­pe­rar uma ges­tão fe­de­ral abrin­do mai­or es­pa­ço à ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

5. As­su­ma o pro­ta­go­nis­mo.

A con­si­de­rar o dis­cur­so do no­vo go­ver­no, que já anun­ci­ou a Se­cre­ta­ria Ge­ral de De­ses­ta­ti­za­ção e De­si­mo­bi­li­za­ção, vin­cu­la­da ao Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, po­de­mos es­pe­rar uma ges­tão fe­de­ral abrin­do mai­or es­pa­ço à ini­ci­a­ti­va pri­va­da.

O es­tí­mu­lo é mais que bem-vin­do, mas pre­ci­sa­mos dei­xar de la­do a ve­lha ma­nia de es­pe­rar pas­si­va­men­te pe­las de­ci­sões do Po­der Exe­cu­ti­vo pa­ra de­pois bus­car com­pen­sa­ções no va­re­jo.

Se de­fen­de­mos uma eco­no­mia ori­en­ta­da pe­lo mercado, nos­sos líderes em­pre­sa­ri­ais pre­ci­sam as­su­mir o pa­pel de pro­ta­go­nis­tas e co­man­dar o re­a­que­ci­men­to dos ne­gó­ci­os. Não dá pa­ra con­ti­nu­ar de­po­si­tan­do tu­do na con­ta de Bra­sí­lia e a ca­da so­la­van­co ame­a­çar aban­do­nar o bar­co.

Ago­ra é ho­ra de acre­di­tar e, mais do que nun­ca, par­ti­ci­par ati­va­men­te da ges­tão do País apoi­an­do o que nos co­lo­car no­va­men­te na es­tra­da do cres­ci­men­to e com­ba­ten­do o que pos­sa bar­rar os avan­ços ne­ces­sá­ri­os a um mercado do­més­ti­co for­ta­le­ci­do e pron­to pa­ra ga­nhar po­si­ção de des­ta­que na eco­no­mia glo­bal.

Só as­sim fa­re­mos de 2019 o ano da su­pe­ra­ção. Va­mos nes­sa?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.