A In­dús­tria 4.0 é uma re­a­li­da­de!

Empresario Digital - - Talk Science -

Mui­to mais do que uma ten­dên­cia ou um me­ro avan­ço tec­no­ló­gi­co, a In­dús­tria 4.0 é uma re­a­li­da­de e, se vo­cê tem a in­ten­ção de se des­ta­car e con­du­zir pro­ces­sos de ino­va­ção dis­rup­ti­va no seu seg­men­to, precisa não só in­ves­tir em mu­dan­ças tec­no­ló­gi­cas, co­mo tam­bém pes­qui­sar e es­tar atu­a­li­za­do, a fim de an­te­ci­par ten­dên­ci­as e ge­rar no­vas opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to.

Se vo­cê de­se­ja sa­ber al­gu­mas das prin­ci­pais ten­dên­ci­as da In­dús­tria 4.0 e co­mo elas po­dem im­pac­tar o seu ne­gó­cio, con­ti­nue acom­pa­nhan­do o post de ho­je! Con­fi­ra as in­for­ma­ções nos tó­pi­cos a se­guir!

O mind­set da In­dús­tria 4.0

Na verdade, mui­to tem se fa­la­do na In­dús­tria 4.0.

As pa­la­vras de or­dem são: au­to­ma­ção de pro­ces­sos, es­ca­la­bi­li­da­de, Da­ta Sci­en­ce, Big Da­ta e IOT (In­ter­net das Coi­sas).

Ino­va­ção e cri­a­ti­vi­da­de an­dam jun­tos. Mas a in­ten­ção não é so­men­te pen­sar em so­lu­ções au­to­ma­ti­za­das e es­ca­lá­veis, é pre­ci­so in­ver­ter os pro­ces­sos — apos­te na ten­dên­cia de cus­to­mer cen­tri­city — e re­pen­sar o de­sign da jor­na­da do cli­en­te a fim de en­tre­gar uma ex­pe­ri­ên­cia que re­al­men­te agre­gue va­lor.

Mui­to além da uti­li­za­ção da tec­no­lo­gia por si só, a

In­dús­tria 4.0 pro­põe uma al­te­ra­ção no mind­set: à par­te de apa­ra­tos e téc­ni­cas, é im­por­tan­te lem­brar que a trans­for­ma­ção di­gi­tal é, an­tes, so­bre as pes­so­as. Tra­ta-se de uma mu­dan­ça de pa­ra­dig­ma que re­fle­te, so­bre­tu­do, nas es­fe­ras cul­tu­ral e com­por­ta­men­tal.

As prin­ci­pais ten­dên­ci­as da In­dús­tria 4.0

Ago­ra que já dis­cu­ti­mos so­bre o quan­to uma al­te­ra­ção sig­ni­fi­ca­ti­va no mind­set é fun­da­men­tal pa­ra as or­ga­ni­za­ções que pre­ci­sam se adap­tar à re­a­li­da­de da In­dús­tria 4.0, co­nhe­ça al­gu­mas das prin­ci­pais ten­dên­ci­as e te­nha in­sights pa­ra apli­cá-las à re­a­li­da­de do seu ne­gó­cio.

Om­ni­chan­nel

Na úl­ti­ma “Di­gi­tal Pro­duct We­ek”, em novembro de 2018, Gus­ta­vo Pa­che­co, he­ad de Growth da Go­o­gle

Bra­sil, de­fi­niu Om­ni­chan­nel co­mo: “ven­der co­mo o cli­en­te quer com­prar e aten­der do jei­to que o cli­en­te quer ser aten­di­do”. Se­gun­do a fa­la de Pa­che­co, vol­ta­mos ao mind­set da In­dús­tria 4.0.

A ideia do Om­ni­chan­nel não é sim­ples­men­te dispor de inú­me­ros ca­nais e tec­no­lo­gi­as, co­mo chat­bot, por exem­plo, pa­ra aten­der ao con­su­mi­dor. A pre­mis­sa é sim­ples: aten­da on­de seu con­su­mi­dor es­tá — ca­nais viá­veis pa­ra aten­der ao cli­en­te, apro­xi­man­do as ex­pe­ri­ên­ci­as on­li­ne e of­fli­ne. Se­ja no e-com­mer­ce ou na lo­ja fí­si­ca, a re­gra é sim­ples: guie-se pe­la ex­pe­ri­ên­cia do usuá­rio/ con­su­mi­dor.

Ex­pe­ri­ên­cia Imer­si­va

Tor­nou-se qua­se cor­ri­quei­ro fa­lar de Re­a­li­da­de Vir­tu­al

— uma in­ter­fa­ce que per­mi­te ao usuá­rio en­trar em um am­bi­en­te si­mu­la­do, com in­te­ra­ções, efei­tos so­no­ros, tá­teis e vi­su­ais. Não há dú­vi­das de que tal tec­no­lo­gia veio pa­ra fi­car e tem se apri­mo­ra­do a ca­da dia. As or­ga­ni­za­ções de­vem re­pen­sar o con­cei­to de Re­a­li­da­de

Vir­tu­al a fim de pro­por­ci­o­nar ex­pe­ri­ên­ci­as imer­si­vas aos cli­en­tes.

Com o uso in­dis­cri­mi­na­do dos dis­po­si­ti­vos mó­veis, a in­te­ra­ção é pra­ti­ca­men­te em tem­po re­al e in­te­gral.

In­de­pen­den­te do apa­ra­to, a tec­no­lo­gia de­ve fo­car, ca­da vez mais, em pes­so­as. As­sim co­mo men­ci­o­na­mos a apro­xi­ma­ção en­tre o of­fli­ne e on­li­ne no ca­so do om­ni­chan­nel, a ex­pe­ri­ên­cia imer­si­va vi­sa a que­bra da fron­tei­ra en­tre “as re­a­li­da­des”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.