Co­mo o RH pode se tor­nar ain­da mais es­tra­té­gi­co?

Empresario Digital - - Gestão De Pessoas -

As re­la­ções de tra­ba­lho es­tão se trans­for­man­do em rit­mo ace­le­ra­do, e não é pa­ra me­nos, já que gra­ças à re­vo­lu­ção di­gi­tal as em­pre­sas es­tão se rein­ven­tan­do. As mu­dan­ças es­tão exi­gin­do que o de­par­ta­men­to de Re­cur­sos Hu­ma­nos se tor­ne ain­da mais es­tra­té­gi­co. Ser a pon­te de in­ter­sec­ção que une em­pre­sas e pes­so­as ain­da é a prin­ci­pal ta­re­fa des­sa área, mas es­tá lon­ge de ser o seu úni­co de­sa­fio.

O RH nas­ceu den­tro das or­ga­ni­za­ções em um con­tex­to de mun­do mui­to di­fe­ren­te. An­tes, o re­la­ci­o­na­men­to en­tre em­pre­sa e co­la­bo­ra­do­res era mais sim­ples: a em­pre­sa pe­dia que seus fun­ci­o­ná­ri­os en­tre­gas­sem tem­po, ener­gia e tra­ba­lho em tro­ca de di­nhei­ro e es­ta­bi­li­da­de.

Ho­je, es­sa in­te­ra­ção se tor­nou mui­to mais com­ple­xa.

As pes­so­as de­se­jam cons­truir car­rei­ras com ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da, qu­e­rem tra­ba­lhar com pro­pó­si­to. Mui­tas ve­zes, a fe­li­ci­da­de, a qua­li­da­de de vi­da e a realização en­quan­to in­di­ví­duo pe­sa mais do que o pa­co­te sa­lá­rio/be­ne­fí­ci­os.

Já as em­pre­sas exi­gem mui­to mais do que tem­po. Elas qu­e­rem fun­ci­o­ná­ri­os com­pro­me­ti­dos com o ne­gó­cio, mind­set em­pre­en­de­dor e pre­pa­ra­do pa­ra a ino­va­ção.

Olhan­do pa­ra es­se ce­ná­rio, con­se­gui­mos en­ten­der o ta­ma­nho do de­sa­fio! O RH, além de su­as fun­ções diá­ri­as que en­vol­vem fo­lha de pa­ga­men­to, ges­tão

de be­ne­fí­ci­os, re­cru­ta­men­to e se­le­ção, re­ten­ção de ta­len­tos, trei­na­men­to e cul­tu­ra em­pre­sa­ri­al, ain­da precisa ba­lan­ce­ar as ex­pec­ta­ti­vas en­tre o cres­ci­men­to do ne­gó­cio e a realização das pes­so­as.

Se do pon­to de vis­ta do ne­gó­cio o re­sul­ta­do fi­nan­cei­ro é a úni­ca mé­tri­ca que re­al­men­te con­ta, pa­ra os in­di­ví­du­os, a fe­li­ci­da­de e a sa­tis­fa­ção pes­so­al são mui­to mais im­por­tan­tes do que a fo­lha de pa­ga­men­to. Uma vez que as em­pre­sas não con­se­guem pro­du­zir na­da sem as pes­so­as, en­tre­gar pa­ra os co­la­bo­ra­do­res aqui­lo que eles de­se­jam em tro­ca de mai­or pro­du­ti­vi­da­de e re­sul­ta­do pa­re­ceu ser a gran­de sa­ca­da da área. Ago­ra, o gran­de de­sa­fio é mos­trar em nú­me­ros e em re­sul­ta­dos tan­gí­veis que a sa­tis­fa­ção dos co­la­bo­ra­do­res re­sul­ta em mai­o­res lu­cros e cres­ci­men­to pa­ra a em­pre­sa.

Nin­guém ques­ti­o­na a im­por­tân­cia e o pa­pel que a área de­sem­pe­nha, mas o fa­to é que é pre­ci­so dar mais um pas­so. Os pro­fis­si­o­nais de RH de­vem se de­bru­çar na ta­re­fa de cri­ar in­di­ca­do­res ca­pa­zes de quan­ti­fi­car e tra­du­zir a com­ple­xi­da­de dos se­res hu­ma­nos. O exer­cí­cio de­ve ser li­te­ral­men­te tan­gil­bi­li­zar o in­tan­gí­vel.

Ou­tro de­sa­fio, me­nos ur­gen­te, mas tão im­por­tan­te quan­to, é en­ten­der qual o pa­pel das pes­so­as no fu­tu­ro do tra­ba­lho. Co­mo se­rá em­pre­ga­da nos­sa for­ça de tra­ba­lho da­qui há al­guns anos, qu­an­do a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e a ca­pa­ci­da­de téc­ni­ca das má­qui­nas se equi­pa­ra­rem ao tra­ba­lho que nós, hu­ma­nos, en­tre­ga­mos? Pa­re­ce im­pos­sí­vel pre­ver o que vai acon­te­cer, mas é um exer­cí­cio que pre­ci­sa­mos fa­zer.

Rein­ven­tar o RH é uma ta­re­fa que vai de­man­dar al­guns anos, mui­to debate, inú­me­ras ten­ta­ti­vas, vá­ri­os er­ros, pro­tó­ti­pos e su­ges­tões. Mas, mes­mo pa­re­cen­do um ho­ri­zon­te dis­tan­te, quan­to an­tes co­me­çar­mos a ca­mi­nhar, mais rá­pi­do e pre­pa­ra­dos pa­ra es­sas mu­dan­ças nós es­ta­re­mos.

As pes­so­as de­se­jam cons­truir car­rei­ras com ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da, qu­e­rem tra­ba­lhar com pro­pó­si­to. Mui­tas ve­zes, a fe­li­ci­da­de, a qua­li­da­de de vi­da e a realização en­quan­to in­di­ví­duo pe­sa mais do que o pa­co­te sa­lá­rio/be­ne­fí­ci­os.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.