TEM­PO DE DESPERTAR

Empresario Digital - - Carta Ao Leitor - Um ano “du­ca” pa­ra to­dos nós ;-)

É bem ver­da­de que es­ta fa­se de po­la­ri­za­ção (es­pe­re­mos que não pas­se de uma fa­se) tem pro­vo­ca­do es­tra­go em mui­tas re­la­ções pes­so­ais – e pro­fis­si­o­nais tam­bém. Ho­mens de ne­gó­cio de di­rei­ta evi­tan­do fe­char ne­gó­cio com ou­tros que são mais aber­ta­men­te de es­quer­da, e vi­ce-ver­sa. O re­sul­ta­do é ruim pa­ra to­do mun­do: per­de-se uma opor­tu­ni­da­de de tra­ba­lho con­jun­to, que po­de­ria ren­der no­vos ne­gó­ci­os, ino­va­ções e com­ple­men­ta­ri­e­da­de nos pro­je­tos de ca­da um. Mas mais do que is­so: per­de-se uma chan­ce de diá­lo­go, de en­xer­gar o ou­tro com olhos li­vres de pre­con­cei­to, e re­fle­tir so­bre quan­to há de ra­zão em am­bos os la­dos – e so­bre quan­to des­se ódio que ho­je san­gra pe­las re­des so­ci­ais po­de­ria ser di­zi­ma­do com uma aten­ção pro­fun­da e le­gí­ti­ma aos va­lo­res do ou­tro.

Eins­tein di­zia que só exis­te luz por­que exis­tem som­bras. E eu acre­di­to mui­to no po­der de trans­for­ma­ção das coi­sas – e das pes­so­as. Na ca­pa­ci­da­de que te­mos de ven­cer ob­je­ções e se­guir adi­an­te. Mes­mo no am­bi­en­te de ne­gó­ci­os, as opor­tu­ni­da­des só vão pa­ra a fren­te por­que so­mos pes­so­as se re­la­ci­o­nan­do com pes­so­as. A tec­no­lo­gia, ain­da que ma­jes­to­sa­men­te con­fi­gu­ra­da, re­pre­sen­ta ape­nas um meio pa­ra que es­sa re­la­ção se­ja bem-su­ce­di­da. E eu acho que a ar­te tem jus­ta­men­te es­se po­der de trans­for­ma­ção – e de pro­mo­ver re­la­ções, diá­lo­go, re­fle­xão. As for­mas co­mo as ima­gens se com­bi­nam, luz e cor, quan­do ma­ni­pu­la­das por um ar­tis­ta com um pro­pó­si­to na ca­be­ça, po­dem despertar os sen­ti­men­tos mais di­ver­sos. E nos acor­dar pa­ra a nos­sa pró­pria hu­ma­ni­da­de. A mi­nha e a do ou­tro que, de­pen­den­do da cir­cuns­tân­cia, po­de dis­cor­dar de mim ra­di­cal­men­te em di­ver­sos te­mas, mas que pre­ci­sa tra­ba­lhar a em­pa­tia, lem­brar-se de que es­tá li­dan­do, sem­pre, com ou­tro ser hu­ma­no – mes­mo que no la­do opos­to des­se mu­ro ide­o­ló­gi­co.

Eu bus­co apren­der com pes­so­as de di­ver­sas pre­fe­rên­ci­as po­lí­ti­cas, econô­mi­cas, li­nhas ide­o­ló­gi­cas, re­li­giões... Até com pal­mei­ren­ses eu con­ver­so sem (mui­to) pre­con­cei­to. Hehehe... Brin­ca­dei­ras à par­te, o fa­to é que es­sa cu­ri­o­si­da­de pe­lo que o ser hu­ma­no tem de ex­tra­or­di­ná­rio me per­mi­te en­con­trar pes­so­as in­crí­veis – que en­ri­que­cem a mi­nha ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber nos­so uni­ver­so de ou­tras for­mas. E um in­di­ví­duo em es­pe­ci­al me cau­sou ta­ma­nha ad­mi­ra­ção que eu quis com­par­ti­lhar a vi­são de mun­do de­le aqui com vo­cê.

Ti­ve o imen­so pra­zer – e a sor­te – de co­nhe­cer o fo­tó­gra­fo Ga­bri­el Wick­bold em 2019, um pro­fis­si­o­nal que faz gran­de ar­te ao mes­mo tem­po que man­tém uma pai­xão pe­lo seu la­do em­pre­en­de­dor. E, a pro­pó­si­to, su­as obras são in­crí­veis. Fa­ça um fa­vor a si mes­mo e co­me­ce a se­guir o Instagram do Ga­bri­el: www.instagram.com/ga­bri­elwick­bold. Sua tra­je­tó­ria ex­tra­or­di­ná­ria, que pas­sa por um mer­gu­lho no au­to­co­nhe­ci­men­to e na ex­pres­são ar­tís­ti­ca de seu pro­fun­do hu­ma­nis­mo, vo­cê vai co­nhe­cer aqui na en­tre­vis­ta sen­sa­ci­o­nal con­du­zi­da pe­lo jor­na­lis­ta Ale­xan­dre Car­va­lho. A sé­rie mais re­cen­te do tra­ba­lho au­to­ral do Ga­bri­el – “I am Light” – di­a­lo­ga com es­se au­to­ques­ti­o­na­men­to que a Em­pre­sá­rio Di­gi­tal sem­pre re­co­men­dou aos nos­sos va­li­o­sos lei­to­res: nós to­dos te­mos luz pró­pria. E te­mos den­tro de nós tu­do o que pre­ci­sa­mos pa­ra o su­ces­so em nos­sas jor­na­das.

Eu não sei o que vo­cê de­se­ja pa­ra o seu ano no­vo. Fa­to é que, in­de­pen­den­te de cren­ça, va­lo­res ou op­ção po­lí­ti­ca, to­dos qu­e­re­mos evo­luir. E o úni­co ca­mi­nho é nos ali­men­tar­mos da­qui­lo que nos faz bem. Nes­se me­nu 2020, in­clua um mai­or con­ta­to com a ar­te, com con­teú­do po­si­ti­vo e o de­sen­vol­vi­men­to de bo­as re­la­ções. Daí fi­ca mais di­ver­ti­do fa­zer o que já te­mos com­pe­tên­cia pa­ra fa­zer. À tec­no­lo­gia, res­ta­rá ape­nas o pa­pel de nos aju­dar nes­se ca­mi­nho.

Mar­co Mar­ce­li­no, Pu­blisher

Twit­ter do edi­tor: @mar­co_­mar­ce­li­no Twit­ter da re­vis­ta: @re­vis­ta_ESD www.em­pre­sa­ri­o­di­gi­tal.com.br (no­tí­ci­as to­dos os di­as)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.