"DESOBEDIEN­TE E PRODUTIVO "

Ivan Mo­ré dei­xou a vi­tri­ne da TV Glo­bo atrás de seu pro­pó­si­to: em­po­de­rar pes­so­as pe­la co­mu­ni­ca­ção e por um com­por­ta­men­to de su­ces­so

Empresario Digital - - Kakau Lóssio - POR ALE­XAN­DRE CAR­VA­LHO

Co­mo é o pro­ces­so cri­a­ti­vo das gran­des mar­cas? De que for­ma as mu­lhe­res atu­am no mer­ca­do de in­ves­ti­men­tos? Co­mo se­rão os car­ros no fu­tu­ro?

Vo­cê di­fi­cil­men­te as­so­ci­a­ria es­sas e ou­tras ques­tões do pod­cast "De­so­be­di­ên­cia Pro­du­ti­va” com a fi­gu­ra do seu apre­sen­ta­dor, que é tam­bém o ide­a­li­za­dor des­se pro­je­to. Ivan Mo­ré, afi­nal, fi­cou co­nhe­ci­do no Bra­sil in­tei­ro co­mo o ros­to e a voz do Glo­bo Es­por­te, pro­gra­ma que ele aju­dou a re­vo­lu­ci­o­nar com qua­dros ino­va­do­res, re­ple­tos de bom hu­mor, que que­bra­ram uma tra­di­ção de que fu­te­bol pre­ci­sa­va ser tra­ta­do com al­gu­ma si­su­dez.

Mas sua saí­da da TV Glo­bo, ano pas­sa­do – um epi­só­dio de mui­ta po­lê­mi­ca e in­for­ma­ções de­sen­con­tra­das –, abriu es­pa­ço pa­ra que Ivan fos­se ao en­con­tro do seu pro­pó­si­to. Um es­co­po que vi­sa aju­dar pes­so­as a aces­sar uma co­mu­ni­ca­ção efe­ti­va nos mais di­fe­ren­tes as­pec­tos da vi­da, acre­di­tan­do no pró­prio po­ten­ci­al. Pa­ra is­so, ele mer­gu­lhou no em­pre­en­de­do­ris­mo, cri­an­do dois pod­casts, pro­mo­ven­do pa­les­tras e con­sul­to­ria. No

“De­so­be­di­ên­cia Pro­du­ti­va” – tí­tu­lo as­so­ci­a­do ao pró­prio con­cei­to de co­mu­ni­ca­ção que Ivan pro­pa­ga –, ele en­tre­vis­ta gran­des no­mes da ges­tão em­pre­sa­ri­al, pro­fis­si­o­nais cri­a­ti­vos de di­ver­sas áre­as, que em co­mum têm ape­nas um fa­tor: não se­gui­ram um ca­mi­nho con­ven­ci­o­nal em su­as car­rei­ras.

De cer­ta ma­nei­ra, é co­mo se o co­mu­ni­ca­dor en­con­tras­se um es­pe­lho nes­sas con­ver­sas tão ple­nas de bo­as idei­as e so­lu­ções an­ti­con­ven­ci­o­nais. Ele tam­bém es­co­lheu o ca­mi­nho mais di­fí­cil ao sair da Glo­bo ( uma de­ci­são de­le) e ir em bus­ca de seus pró­pri­os va­lo­res no tra­ba­lho. Al­go mais fá­cil de fa­lar nu­ma pa­les­tra do que de fa­zer na prá­ti­ca. Ivan Mo­ré fez. E ago­ra qu­er en­si­nar co­mo ser fe­liz in­do ao en­con­tro de sua pró­pria voz.

EMPRESÁRIO DI­GI­TAL – De fun­ci­o­ná­rio que re­ce­bia seu sa­lá­rio to­do mês na Glo­bo, vo­cê se tor­nou um em­pre­en­de­dor. Co­mo foi es­se pro­ces­so pa­ra vo­cê?

IVAN MO­RÉ – Vi co­mo uma con­ti­nui­da­de de uma ma­nei­ra de me com­por­tar que eu sem­pre ti­ve e que ago­ra pas­sou a ser li­vre das amar­ras de uma gran­de cor­po­ra­ção. Des­de que me en­ten­do co­mo co­mu­ni­ca­dor, aos 14 anos, per­ce­bi que eu pre­ci­sa­va tra­çar o meu ca­mi­nho e sur­pre­en­der as pes­so­as por meio de to­ma­da de ris­co, de ou­sa­dia e de uma apli­ca­ção mui­to gran­de na­qui­lo que eu me pro­pu­ses­se a fa­zer. Sem­pre fui as­sim den­tro da TV Glo­bo. Até que co­me­cei a ser blo­que­a­do sis­te­ma­ti­ca­men­te por con­ta de uma hi­e­rar­quia en­ges­sa­da, que im­pe­dia que as pes­so­as en­tre­gas­sem o seu me­lhor e im­ple­men­tas­sem ino­va­ções. Foi qu­an­do cons­ta­tei que era o mo­men­to de sair. Es­se mo­men­to cus­tou a che­gar, fo­ram 20 anos de Glo­bo. Mas é es­sen­ci­al que vo­cê te­nha uma per­cep­ção agu­ça­da e ou­sa­da de que a mu­dan­ça tem de con­ti­nu­ar, o seu pro­pó­si­to tem de pre­va­le­cer. Se eu con­ti­nu­as­se lá, es­ta­ria den­tro de uma gai­o­la. E, pa­ra ren­der bem, eu pre­ci­so es­tar li­vre, ter cri­a­ti­vi­da­de e a ou­sa­dia co­mo gui­as. En­tão me lan­cei de pei­to aber­to no mun­do, bus­can­do a trans­for­ma­ção por meio da co­ra­gem, da con­fi­an­ça e da in­tui­ção de que da­ria cer­to.

ED – Co­mo vo­cê vê a de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va acon­te­cen­do na sua tra­je­tó­ria?

IVAN MO­RÉ – Eu sou uma de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va am­bu­lan­te. Eu po­de­ria qua­li­fi­car mi­nha ati­tu­de co­mo re­bel­dia cor­po­ra­ti­va qu­an­do eu es­ta­va den­tro da TV Glo­bo, e ago­ra dei­xou de ser is­so pa­ra se tor­nar uma

pro­vo­ca­ção ao mer­ca­do. Acho que não exis­te ga­ran­tia de su­ces­so em na­da, só há a ga­ran­tia de se­guir sua pró­pria ver­da­de. As pes­so­as po­dem trans­for­mar su­as tra­je­tó­ri­as se con­se­gui­rem per­ce­ber e con­fi­ar na­qui­lo que elas têm de bom. Mui­ta gen­te ho­je tem um co­nhe­ci­men­to e um po­ten­ci­al de que não se deu con­ta por fal­ta de con­fi­an­ça, por fal­ta de uma co­mu­ni­ca­ção as­ser­ti­va so­bre as pró­pri­as po­ten­ci­a­li­da­des.

ED – Vo­cê fa­la­va di­re­ta­men­te com o pú­bli­co que é fã de es­por­tes. Co­mo tem si­do le­var es­sa men­ta­li­da­de da de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va pa­ra em­pre­sá­ri­os e ges­to­res?

IVAN MO­RÉ – Nes­sa no­va jor­na­da, eu lo­go per­ce­bi que mui­to do mun­do em que eu vi­via, dos es­por­tes, tem a ver com o uni­ver­so do em­pre­en­de­do­ris­mo. São am­bi­en­tes de su­pe­ra­ção, de en­tre­ga e dis­ci­pli­na pa­ra vo­cê con­se­guir sur­pre­en­der e ter gran­des re­a­li­za­ções. De ca­ra no­tei que os gran­des no­mes do es­por­te têm mui­to em co­mum com as gran­des per­so­na­li­da­des da so­ci­e­da­de co­mo um to­do. Per­ce­bi tam­bém que, tan­to no em­pre­en­de­do­ris­mo quan­to nos es­por­tes de al­ta per­for­man­ce, a in­tui­ção tem um pa­pel fun­da­men­tal. Qu­an­do vo­cê en­ten­de que o ma­pe­a­men­to in­ter­no das su­as idei­as e da sua in­tui­ção é al­go po­de­ro­so, vo­cê con­se­gue co­lo­car is­so em prá­ti­ca por meio de pro­pó­si­to, con­fi­an­ça, co­ra­gem, téc­ni­ca e até por meio do er­ro, che­gan­do a re­sul­ta­dos in­crí­veis.

ED – Co­mo vo­cê tra­duz a pro­xi­mi­da­de des­ses dois mun­dos pa­ra o seu no­vo pú­bli­co?

IVAN MO­RÉ – Ex­plo­ran­do to­da es­sa ba­ga­gem que eu ti­ve em um des­ses la­dos, que foi o con­ví­vio com es­por­tis­tas de gran­de ca­li­bre. Eu já jo­guei par­ti­da de tê­nis com o Na­dal, jo­guei com o Fe­de­rer, já en­tre­vis­tei o Phelps du­as ve­zes em si­tu­a­ções nas quais eu me de­sa­fi­ei a con­se­guir os tra­ba­lhos. As en­tre­vis­tas não caí­ram no meu co­lo. Eu cos­tu­rei is­so tu­do. Fiz ma­té­ri­as sur­pre­en­den­tes no es­por­te por con­ta de uma de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va que o Ivan bus­ca­va co­mo co­mu­ni­ca­dor. Vo­cê com­pa­ra exem­plos de gran­des re­a­li­za­do­res do es­por­te, de gran­des co­mu­ni­ca­do­res e de gran­des em­pre­en­de­do­res, e per­ce­be que exis­te um pon­to em co­mum: é o com­por­ta­men­to de su­ces­so que eu de­no­mi­no co­mo de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va.

ED – Vo­cê foi um dos que ino­va­ram no jor­na­lis­mo es­por­ti­vo, apre­sen­tan­do qua­dros de uma ma­nei­ra com a qual o pú­bli­co não es­ta­va acos­tu­ma­do. Co­mo foi lan­çar es­sa cri­a­ti­vi­da­de na TV, sain­do da zo­na de con­for­to em que os pro­gra­mas mais tra­di­ci­o­nais per­ma­ne­cem até ho­je?

IVAN MO­RÉ – Cri­a­mos um mo­vi­men­to em 2009 com a trans­for­ma­ção do Glo­bo Es­por­te, e eu co­me­cei a as­su­mir um pro­ta­go­nis­mo qu­an­do fiz um ma­pe­a­men­to que apon­tou que eu gos­ta­va de me co­nec­tar emo­ci­o­nal­men­te com a mi­nha au­di­ên­cia. Na TV, eu ti­nha um jei­to di­ver­ti­do, ver­da­dei­ro, por­que sou um ca­ra do in­te­ri­or de São Pau­lo, fui cri­a­do no meio do ma­to, su­bia em pé de goi­a­ba, fa­zia es­ti­lin­gue pa­ra der­ru­bar ca­sa de abe­lha. Só que eu nun­ca

ti­nha va­lo­ri­za­do es­se la­do, e es­se ma­pe­a­men­to me pro­por­ci­o­nou uma abor­da­gem di­fe­ren­te, mais emo­ci­o­nal, pa­ra aco­mu­ni­ca­ção.

En­tão pas­sei a bus­car re­por­ta­gens que ti­ves­sem al­gu­ma men­sa­gem, al­gum com­por­ta­men­to que que­bras­se pro­to­co­los, al­gu­ma his­tó­ria ins­pi­ra­do­ra. De­pois de um pe­río­do de mui­ta des­con­tra­ção e até um cer­to ex­ces­so na brin­ca­dei­ra, fui mol­dan­do a mi­nha per­so­na­li­da­de de co­mu­ni­ca­dor.

Meu ob­je­ti­vo era me co­nec­tar com a au­di­ên­cia sem ver­go­nha de me ex­por, de re­ve­lar meus sen­ti­men­tos, mi­nhas fra­gi­li­da­des. Du­ran­te mui­to tem­po, eu via re­por­ta­gens que me emo­ci­o­na­vam mui­to e me ex­pres­sa­va por meio de lá­gri­mas, por­que qual­quer coi­sa me faz cho­rar. Mas qu­an­do vo­cê es­tá cho­ran­do nu­ma vi­tri­ne em que mi­lhões de pes­so­as es­tão te as­sis­tin­do, aca­ba ten­do ver­go­nha des­sas emo­ções. Eu ti­nha es­sa ver­go­nha. Fui até mi­nha psi­có­lo­ga e fa­lei pa­ra ela: “te­nho so­fri­do mui­to por­que às ve­zes eu qu­e­ro re­ve­lar meus sen­ti­men­tos e eu não con­si­go, te­nho ver­go­nha de cho­rar na TV”. Ela per­gun­tou: “is­so é ge­nuí­no? Se é, en­tão fa­ça”. A ver­da­de ven­de. E, sen­do ge­nuí­no, nin­guém vai jul­gar ne­ga­ti­va­men­te.

ED – Há al­gum ca­so emo­ci­o­nan­te que te mar­cou mais?

IVAN MO­RÉ – Um dos epi­só­di­os mais mar­can­tes foi o dia em que eu, sem per­ce­ber, dei­xei ex­tra­va­sar mi­nhas emo­ções por­que as­so­ci­ei uma re­por­ta­gem à mor­te en­tão re­cen­te do meu pai. Foi uma his­tó­ria em que pai e fi­lho tor­ci­am pa­ra ti­mes opos­tos.

O pai era pal­mei­ren­se e o fi­lho co­rin­ti­a­no, e eles nun­ca ha­vi­am fre­quen­ta­do es­tá­dio jun­tos por­que não da­va pa­ra o fi­lho ir com a

ca­mi­sa do Co­rinthi­ans ao es­tá­dio do Pal­mei­ras nes­se mo­men­to de ra­di­ca­lis­mo de al­gu­mas tor­ci­das. Aí o pai ti­nha des­co­ber­to um cân­cer e es­ta­va com me­do de mor­rer. O fi­lho, en­tão, abriu mão de tor­cer pe­lo Co­rinthi­ans en­quan­to o pai es­ti­ves­se vi­vo, pa­ra tor­cer pe­lo Pal­mei­ras, usan­do ca­mi­sa do Pal­mei­ras pa­ra fre­quen­tar o mes­mo am­bi­en­te que o pai. Es­sa re­por­ta­gem es­ta­va sen­do edi­ta­da nu­ma ma­nhã, eu sou­be do con­teú­do e dis­se pa­ra abrir­mos o pro­gra­ma com ela, sem que eu a vis­se pre­vi­a­men­te. Que­ria ser im­pac­ta­do por ela no ar. Qu­an­do co­me­çou, ime­di­a­ta­men­te pen­sei no meu pai, que ha­via fa­le­ci­do e era um apai­xo­na­do pe­lo Co­rinthi­ans, ti­nha o so­nho de co­nhe­cer o es­tá­dio do ti­me e eu con­se­gui le­vá-lo dois ou três me­ses an­tes de­le mor­rer. En­tão eu me vi mui­to na­que­la si­tu­a­ção e fi­quei emo­ci­o­na­do. Fa­lei: "Caio, que his­tó­ria bo­ni­ta, né?". O Caio [Ri­bei­ro, co­men­ta­ris­ta da Glo­bo] foi fa­lar da his­tó­ria e ba­teu a mão no meu jo­e­lho: "A gen­te que ain­da tem pai, e a gen­te que é pai... Uh, des­cul­pe Ivan, vo­cê per­deu seu pai". Aqui­lo me to­cou, fez com que to­da a mi­nha emo­ção aflo­ras­se, vi­es­se à to­na e eu re­ve­las­se o meu ti­me, o que era proi­bi­do edi­to­ri­al­men­te pe­la TV Glo­bo. Só que na ho­ra eu re­ve­lei sem me dar con­ta. Não ra­ci­o­na­li­zei, fa­lei com a voz do co­ra­ção. E aqui­lo re­per­cu­tiu.

O edi­tor dis­se que es­ta­va ner­vo­so por­que não sa­bia se da­ria pro­ble­ma pa­ra a gen­te, e lo­go em se­gui­da ti­nha um mon­te de gen­te man­dan­do men­sa­gem, di­zen­do que achou emo­ci­o­nan­te, que achou lin­do o que eu fiz. A apro­va­ção do pú­bli­co foi ime­di­a­ta. Qu­an­do vo­cê fa­la com uma ver­da­de que vem do co­ra­ção, vo­cê co­nec­ta as pes­so­as.

ED – Ho­je vo­cê es­tá com o pod­cast “De­so­be­di­ên­cia Pro­du­ti­va”, com ou­tro cha­ma­do “Qu­a­lé, Mo­ré?”, com uma con­sul­to­ria, pa­les­tras... Co­mo o seu tem­po es­tá di­vi­di­do en­tre es­sas ati­vi­da­des?

IVAN MO­RÉ- As­sim que saí da TV, meu pri­mei­ro pro­je­to foi vol­tar pa­ra mi­nhas ori­gens, por­que co­me­cei no rá­dio aos 14 anos. Já ti­nha a ideia de fa­zer um pod­cast, mas a Glo­bo não me li­be­ra­va. Qu­an­do saí da em­pre­sa, eu que­ria rom­per com es­se for­ma­to de co­mu­ni­ca­ção, de­se­ja­va en­ten­der o mer­ca­do, que não é es­se de TV. Mas eu fui fa­zer es­se es­tu­do de mer­ca­do pa­ra en­ten­der de que for­ma pos­so apro­vei­tar me­lhor mi­nhas ha­bi­li­da­des em fa­vor de uma au­di­ên­cia es­pe­cí­fi­ca, fa­zen­do o que sei fa­zer bem, que é um com­por­ta­men­to de suc­ces­so

A pa­les­tra já exis­tia des­de 2017 e me aju­dou a en­ten­der que os meus ges­to­res na TV pen­sa­vam uma coi­sa e eu pen­sa­va di­fe­ren­te. Foi a par­tir daí que co­me­cei es­sa rup­tu­ra, que cul­mi­nou com a mi­nha saí­da. Ago­ra en­trei num di­re­ci­o­na­men­to mais as­ser­ti­vo em re­la­ção a es­se com­por­ta­men­to de su­ces­so, que é a de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va.

ED – Mui­ta gen­te tem pro­ble­ma com a pró­pria co­mu­ni­ca­ção?

IVAN MO­RÉ – Exis­te mui­to ruí­do en­tre o si­nal que é emi­ti­do do pon­to A e o que che­ga ao pon­to B. E as pes­so­as, às ve­zes, não sa­bem co­mo tra­ba­lhar a co­mu­ni­ca­ção de uma for­ma lim­pa, di­re­ta e per­su­a­si­va. O que a gen­te qu­er, por meio do “De­so­be­di­ên­cia Pro­du­ti­va”, é ge­rar es­se ti­po de pro­vo­ca­ção e tam­bém tra­zer al­guns en­si­na­men­tos e téc­ni­cas bá­si­cas pa­ra vo­cê me­lho­rar seu ní­vel de co­mu­ni­ca­ção, se­ja ela cor­po­ra­ti­va, den­tro de ca­sa, no seu ne­gó­cio, se­ja nu­ma pa­les­tra ou num pro­gra­ma, de fren­te pa­ra a câ­me­ra.

ED – O “De­so­be­di­ên­cia Pro­du­ti­va” fa­la bas­tan­te de ino­va­ção, de fugir do lu­gar co­mum. Quão mais im­por­tan­te tem si­do is­so ago­ra, nes­se pe­río­do de pan­de­mia?

IVAN MO­RÉ – O im­pac­to da pan­de­mia pa­ra o tra­ba­lho po­de ser po­si­ti­vo ou ne­ga­ti­vo. Só de­pen­de do seu ní­vel de en­ten­di­men­to pes­so­al. Eu acho que es­sa cri­se re­ve­la pa­ra o pú­bli­co em ge­ral que pre­ci­sa­mos es­tar pre­pa­ra­dos sem­pre pa­ra uma mu­dan­ça de com­por­ta­men­to men­tal. Ago­ra não adi­an­ta vo­cê achar que pre­ci­sa ter pres­sa, não adi­an­ta achar que o pre­sen­ci­al vai re­sol­ver, não adi­an­ta ser aves­so à tec­no­lo­gia. Vo­cê vai obri­ga­to­ri­a­men­te se adap­tar a no­vos con­cei­tos que fo­ram tra­zi­dos pe­la so­ci­e­da­de glo­bal. Se vo­cê é um ca­ra con­trá­rio a mu­dan­ças, a crí­ti­cas, à trans­for­ma­ção, vai ter de se ade­quar. E, se vo­cê li­dar com is­so de ma­nei­ra po­si­ti­va, o pe­río­do vai te pro­por­ci­o­nar co­nhe­ci­men­to. Re­ve­ja seus con­cei­tos, olhe pa­ra den­tro de si e mu­de sua ma­nei­ra de con­du­zir sua vi­da, dan­do va­lor pa­ra aqui­lo que de fa­to faz sen­ti­do pa­ra vo­cê.

ED – Co­mo a pan­de­mia im­pac­tou vo­cê pes­so­al­men­te?

IVAN MO­RÉ – Eu sem­pre fui um ca­ra mui­to ace­le­ra­do, que gos­ta­ria de fa­zer as coi­sas pre­sen­ci­al­men­te, mas per­ce­bi al­go mui­to im­por­tan­te, que foi me co­nec­tar co­mi­go mes­mo por meio de mais lei­tu­ra, de me­di­ta­ção, que pas­sei a ado­tar co­mo prá­ti­ca, e de con­ta­to com a na­tu­re­za. Es­sas fo­ram as três trans­for­ma­ções. Eu acho que o pro­ble­ma do mun­do ho­je, prin­ci­pal­men­te com es­sa tec­no­lo­gia em ex­ces­so, ge­ra­da pe­las re­des so­ci­ais, é que as pes­so­as aca­bam se dis­train­do. E a dis­tra­ção faz com que vo­cê dei­xe de olhar pa­ra seus pró­pri­os con­cei­tos e pa­ra den­tro de si. En­tão, em vez de me dis­trair, pre­fi­ro me pro­por a me en­ten­der, a me co­nec­tar co­mi­go mes­mo ou com al­gum ti­po de co­nhe­ci­men­to.

ED – Ivan, vo­cê men­ci­o­nou sua saí­da da Glo­bo em al­guns mo­men­tos des­sa en­tre­vis­ta. Do que saiu na im­pren­sa, o que era ver­da­de e o que foi bo­a­to sem fun­da­men­to?

IVAN MO­RÉ – Hou­ve al­gu­mas man­che­tes sen­sa­ci­o­na­lis­tas ba­se­a­das em pu­ra es­pe­cu­la­ção. Por exem­plo, mi­nha mu­lher foi vi­a­jar no ano pas­sa­do pa­ra a Eu­ro­pa. Fi­cou em Pa­ris por du­as se­ma­nas e eu fi­quei to­man­do con­ta dos meus fi­lhos. E fiz um ví­deo fa­lan­do so­bre co­mo era di­fí­cil cui­dar das cri­an­ças, quan­to é sub­va­lo­ri­za­do o pa­pel da mu­lher na nos­sa so­ci­e­da­de, e dis­se que mi­nha mu­lher es­ta­va fo­ra vi­a­jan­do, en­quan­to eu es­ta­va cui­dan­do dos meus fi­lhos, e que era al­go tão so­fri­do que às ve­zes da­va von­ta­de de cho­rar.

En­tão a man­che­te que saiu foi:

“Dis­pen­sa­do da Glo­bo, chu­ta­do pe­la Re­cord e tam­bém aban­do­na­do pe­la mu­lher, apre­sen­ta­dor cho­ra ao cri­ar os fi­lhos”. Ca­ra, é tão pa­té­ti­co o que as pes­so­as fa­zem pa­ra con­se­guir cli­que... En­tão vou te fa­lar o que re­al­men­te acon­te­ceu. Num pri­mei­ro mo­men­to, a TV Glo­bo che­gou pa­ra mim e dis­se: “Vo­cê vai sair do Glo­bo Es­por­te”. Res­pon­di que eles ti­nham o di­rei­to de me ti­rar e eu ti­nha o di­rei­to de sa­ber o mo­ti­vo. Até por­que ha­via uma ava­li­a­ção de que eu es­ta­va mui­to bem. Os nú­me­ros pro­vam is­so. O Glo­bo Es­por­te nun­ca ti­nha da­do tan­ta au­di­ên­cia. En­fim, eu só que­ria as mé­tri­cas que eles usa­ram pa­ra che­gar a es­sa de­ci­são. Mas não ti­nha mé­tri­ca, o jul­ga­men­to era sub­je­ti­vo. “Nós que­re­mos con­ti­nu­ar com vo­cê na equi­pe co­mo re­pór­ter.” En­tão res­pon­di que não pre­ten­dia vol­tar a ser re­pór­ter. “Vo­cês têm al­go mais pa­ra mim? Vin­cu­la­do ao meu pro­pó­si­to?” Dis­se­ram que não, mas que te­ri­am da­li a um mês, que eu es­pe­ras­se. Em um mês, não con­ver­sa­ram co­mi­go, en­tão pe­di a rup­tu­ra do meu con­tra­to. Aí fa­la­ram:

“vo­cê es­tá lou­co, vai sair da Glo­bo...” Eu dis­se: “não nas­ci aqui, não vou mor­rer aqui”. Eu e a em­pre­sa vi­ve­mos 90% des­ses 20 anos em con­ver­gên­cia. Mas nos úl­ti­mos pe­río­dos dei­xa­mos de ser con­ver­gen­tes pa­ra pen­sar de for­ma di­ver­gen­te. E aí ca­be ao pro­fis­si­o­nal ter a co­ra­gem su­fi­ci­en­te pa­ra dar va­são ao que acre­di­ta e to­mar uma ati­tu­de.

ED – Não ape­nas saiu da Glo­bo co­mo não quis con­ti­nu­ar na te­le­vi­são, cer­to?

IVAN MO­RÉ– As­sim que saí, apa­re­ce­ram a Re­cord e a Band, que me ofe­re­ce­ram uma es­tru­tu­ra de pro­gra­ma vin­cu­la­da a al­go em que eu não acre­di­ta­va mais. Eu já es­ta­va de olho nes­se mer­ca­do de fo­ra, per­ce­ben­do o ní­vel de pe­ne­tra­ção das pes­so­as que con­ver­sam com au­di­ên­cia ge­nuí­na e que têm li­ber­da­de pa­ra pro­du­zir seu pró­prio con­teú­do. O ní­vel de con­ver­gên­cia des­sa co­mu­ni­ca­ção é al­tís­si­mo. Pen­sei que não pre­ci­so

ne­ces­sa­ri­a­men­te es­tar nu­ma vi­tri­ne enor­me pa­ra co­mu­ni­car mi­nha ver­da­de. En­tão eu po­dia rom­per com is­so mon­tan­do meu pró­prio bu­si­ness, sem uma li­mi­ta­ção edi­to­ri­al. É fá­cil? Ima­gi­na, es­tá lon­ge de ser fá­cil. É ar­ris­ca­do? Mui­to. Mas é al­go que es­tá vin­cu­la­do à mi­nha per­so­na­li­da­de e que eu es­tou me pro­pon­do a fa­zer.

ED – Vo­cê acha que es­tá em ati­vi­da­des que fa­zem par­te de uma tran­si­ção na sua car­rei­ra ou vo­cê se en­con­trou de vez nes­se ca­mi­nho atu­al?

IVAN MO­RÉ – Eu es­tou pas­san­do por um mo­men­to de pro­fun­da trans­for­ma­ção quan­to à ela­bo­ra­ção do meu pró­prio con­teú­do e a en­con­trar uma au­di­ên­cia es­pe­cí­fi­ca pa­ra ele. Eu não des­car­to nun­ca a pos­si­bi­li­da­de de vol­tar pa­ra a TV, des­de que ache um pro­je­to di­fe­ren­te, ino­va­dor, no qual eu te­nha au­to­no­mia. No mé­dio pra­zo, me ve­jo co­mo um co­mu­ni­ca­dor, mui­to efe­ti­vo na­qui­lo que eu sem­pre fiz, não só de es­por­te, mas tra­zen­do idei­as e pro­vo­ca­ções, e com­par­ti­lhan­do to­da a mi­nha ex­pe­ri­ên­cia. Tam­bém pre­ten­do lan­çar o pri­mei­ro cur­so de co­mu­ni­ca­ção que vai trans­for­mar a ma­nei­ra co­mo as pes­so­as po­dem ser per­su­a­si­vas le­van­do em con­ta aqui­lo que elas têm de bom. Es­ta­mos fa­zen­do um ma­pe­a­men­to do mer­ca­do e tra­çan­do es­tra­té­gi­as. Que­re­mos im­pac­tar com es­se cur­so e, num se­gun­do mo­men­to, com uma pla­ta­for­ma de con­teú­do di­gi­tal que te­rá in­sights re­la­ci­o­na­dos à que­bra de pro­to­co­los e à de­so­be­di­ên­cia pro­du­ti­va. Tem a ver com o meu pro­pó­si­to, dar em­po­de­ra­men­to pa­ra as pes­so­as no que diz res­pei­to à co­mu­ni­ca­ção, pa­ra que aces­sem aqui­lo que de fa­to sa­bem e te­nham um com­por­ta­men­to de su­ces­so ba­se­a­do nis­so.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.