A ERA DO PRO­PÓ­SI­TO E POR QUE TU­DO IS­SO É IM­POR­TAN­TE.

Mar­cas for­tes ob­têm re­sul­ta­do ao se co­nec­tar de ver­da­de com as pes­so­as por meio de cren­ças e va­lo­res for­tes.

Empresario Digital - - Andrea Dietrich -

O pro­pó­si­to de mar­ca é ho­je uma es­tra­té­gia ca­paz de re­de­fi­nir um ne­gó­cio e fa­zer sur­gir opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to que não se­ri­am aces­sí­veis de ou­tra for­ma.

Além dis­so, o im­pac­to de ter es­se po­si­ci­o­na­men­to cla­ro e pos­to em prá­ti­ca vai além do ROI. As mar­cas se tor­nam mais atra­en­tes co­mo em­pre­ga­do­ras (atrain­do os me­lho­res ta­len­tos) e tam­bém co­mo po­ten­ci­ais par­cei­ros e co­la­bo­ra­do­res.

Em­pre­sas de al­to cres­ci­men­to já per­ce­be­ram is­so. Es­ses ne­gó­ci­os não se li­mi­tam ao seu cam­po de atu­a­ção atu­al e à ven­da de pro­du­tos e ser­vi­ços. Ao in­vés dis­so, eles le­vam em con­si­de­ra­ção to­do o ecos­sis­te­ma em que a mar­ca es­tá in­se­ri­da, on­de in­te­res­ses se co­nec­tam e re­la­ci­o­na­men­tos cri­am mais opor­tu­ni­da­des, e dei­xam que o pro­pó­si­to guie es­se ca­mi­nho.

Ho­je trou­xe­mos 4 pon­tos-cha­ve pa­ra en­ten­der, na prá­ti­ca, quais são os di­fe­ren­ci­ais des­sas mar­cas mo­vi­das por pro­pó­si­to e por­que elas re­al­men­te dão re­sul­ta­do.

1 Elas de­fen­dem uma cau­sa e têm um com­pro­mis­so com a so­ci­e­da­de.

Ao se co­nec­tar com ou­tras mar­cas e par­cei­ros pa­ra exe­cu­tar o pro­pó­si­to, o al­can­ce é ain­da mais po­de­ro­so Par­ce­ri­as dão cre­di­bi­li­da­de às mar­cas pa­ra fa­lar so­bre pro­ble­mas so­ci­ais e am­bi­en­tais, prin­ci­pal­men­te se elas. se uni­rem a es­pe­ci­a­lis­tas.

76% das em­pre­sas con­cor­dam que par­ce­ri­as são es­sen­ci­ais pa­ra al­can­çar me­tas de re­cei­ta, se­gun­do pes­qui­sa da For­res­ter.

A Uni­le­ver é um exem­plo dis­so, for­man­do par­ce­ria com ONGs pa­ra pro­mo­ver ações de hi­gi­e­ne, co­mo sa­ne­a­men­to em par­tes da Áfri­ca, com o de­ter­gen­te pa­ra ba­nhei­ro do­més­ti­cos, e pro­gra­mas de in­cen­ti­vo à la­va­gem das mãos na Ín­dia, com o sa­bo­ne­te Li­fe­bu­oy.

2 Elas se co­nec­tam ver­da­dei­ra­men­te com sua au­di­ên­cia

E bus­cam en­ten­der pro­fun­da­men­te co­mo po­dem aju­dar es­sas pes­so­as a atin­gi­rem seus ob­je­ti­vos de vi­da e se­rem me­lho­res.

Re­cen­te­men­te, abor­da­gens mais in­clu­si­vas têm si­do ado­ta­das, abra­çan­do a flui­dez de gé­ne­ro e re­la­ci­o­na­men­tos do mes­mo se­xo em cam­pa­nhas.

Na cam­pa­nha do Clio, a Re­nault saiu de uma abor­da­gem mais pa­tri­ar­cal nos anos 90 com o co­mer­ci­al que tra­zia ' Pa­pa e Ni­co­le', pa­ra uma his­to­ria de ro­man­ce lés­bi­co em 2019. ce­le­bran­do os 30 anos do car­ro.

3 Elas se co­nec­tam ver­da­dei­ra­men­te com sua au­di­ên­cia É pre­ci­so co­ra­gem pa­ra ma­ni­fes­tar aqui­lo que são em tu­do que fa­zem, por­que is­so qu­er di­zer "não" pa­ra al­gu­mas coi­sas. Qu­an­do uma mar­ca se po­si­ci­o­na, ela cria um vín­cu­lo mui­to mais for­te com as pes­so­as que pen­sam co­mo ela.

Uma mar­ca de pro­pó­si­to tem co­ra­gem de agir com co­e­rên­cia a par­tir do que acre­di­ta e se po­si­ci­o­na.

A mar­ca de vod­ka Ab so­lut fez is­so com a cam­pa­nha True Co­lors of Slo­va­kia. Em um dos paí­ses mais xe­no­fó­bi­cos da Eu­ro­pa, a mar­ca se po­si­ci­o­nou tra­zen­do uma can­to­ra es­lo­va­ca ne­gra pa­ra a ima­gem da cam­pa­nha e co­nec­tan­do ela com a mú­si­ca fol­cló­ri­ca lo­cal.

RE­SUL­TA­DOS

13% foi o au­men­to nas ven­das ano a ano

8% foi o au­men­to em brand awa­re­ness

4 Elas cri­am ex­pe­ri­ên­ci­as úni­cas, que agre­gam va­lor na vi­da das pes­so­as

Co­lo­can­do em prá­ti­ca seu pro­pó­si­to, te­mos o exem­plo da Re­xo­na. A mar­ca fez uma par­ce­ria com o app de trans­por­te Grab e cri­ou o Ge­rak, um ser­vi­ço de ca­ro­na ati­va­do por voz pa­ra pes so­as com de­fi­ci­ên­cia na In­do­né­sia - pals com bai­xa In­fra­es­tru­tu­ra de mo­bi­li­da­de ur­ba­na pa­ra pes­so­as com di­fi­cul­da­de de lo­co­mo­ção.

Após qua­se 5 me­ses vi­ven­ci­an­do es­ta no­va re­a­li­da­de, fi­ca­mos ten­tan­do nos nor­te­ar, olhan­do pa­ra os la­dos em bus­ca de exem­plos e ata­lhos que pos­sam nos con­du­zir com se­gu­ran­ça até o ou­tro la­do do pe­nhas­co.

Os mo­men­tos de ca­da um são to­tal­men­te di­fe­ren­tes. É sa­bi­do pe­la psi­co­lo­gia, que o me­do é um for­te ga­ti­lho pa­ra de­fla­grar sen­ti­men­tos, sen­sa­ções e pa­ra­li­sa­ção nas pes­so­as.

Acal­mar es­tes sen­ti­men­tos não é ta­re­fa fá­cil, pois a sequên­cia de di­as e os pra­zos fic­tí­ci­os de mo­men­tos me­lho­res e de que “vai pas­sar”, co­me­çam a se es­fa­re­lar qu­an­do os me­ses pas­sam a se acu­mu­lar nu­ma mes­ma si­tu­a­ção.

Nes­tas ho­ras, abro a men­te e vi­a­jo no tem­po, trans­for­man­do se­ma­nas e me­ses em grãos, fren­te o ta­ma­nho da vi­da. É a pri­mei­ra vez que vi­ve­mos is­to, mas não é a pri­mei­ra vi­ven­do as mes­mas sen­sa­ções ao mes­mo tem­po. Nor­mal­men­te, vi­ven­ci­a­mos is­to em si­lên­cio, mes­mo por­que, se­ria di­fí­cil ha­ver com­pre­en­são e em­pa­tia sem ter ex­pe­ri­men­ta­do o mes­mo sen­ti­men­to.

O tem­po é re­la­ti­vo. Ima­gi­ne-se ten­do que ul­tra­pas­sar um de­sa­fio com a cer­te­za do que irá en­con­trar, co­mo se fos­se um jo­go de­fi­ni­do, pois uma coi­sa eu apren­di nes­ta vi­da, não exis­te es­for­ço, gar­ra e de­ter­mi­na­ção que não se­jam re­com­pen­sa­dos. Po­de de­mo­rar, mas em tu­do que vo­cê co­lo­ca amor e sen­ti­men­to, lu­ta e ener­gia, ver­da­de e hon­ra, da­rá re­sul­ta­do.Vo­cê es­ta­rá con­vic­to do re­sul­ta­do, de­mo­re quan­to de­mo­rar, e se não vi­er no tem­po pre­vis­to, é por­que ain­da não che­gou a ho­ra e te­rá que re­sis­tir por mais tem­po, até o dia che­gar. E pos­so afir­mar, ele che­ga!

Não de­sis­ta, mas cho­re, fi­que ner­vo­so, até gri­te se for pre­ci­so, mas não de­sis­ta Es­ta é ve­lha, mas mui­to boa: “O leão acor­da to­dos os di­as pa­ra ca­çar a ga­ze­la e não mor­rer de fo­me, e a ga­ze­la cor­re de­le to­dos os di­as até ma­tá-lo de fo­me e so­bre­vi­ver”. Se­ja o leão ou a ga­ze­la, a vi­da não dá mo­le­za nem pa­ra os mais fra­cos, nem pa­ra os mais for­tes.

Bo­ra se­guir em fren­te com mui­to afin­co. Se ti­ver di­as ruins, que se­jam ex­ce­ções, pois a vi­da não dei­xa­rá de nos tes­tar, nem ago­ra e nem de­pois de tu­do is­to ter pas­sa­do.

PRO­PÓ­SI­TO

Ou­tro con­cei­to que, se não for en­si­na­do, não é des­per­ta­do na­tu­ral­men­te nos pro­fis­si­o­nais ne­gros. Co­mo exi­gir vi­são de lon­go pra­zo de pes­so­as que lu­tam, to­dos os di­as, pa­ra co­lo­car co­mi­da no pra­to? Um pro­pó­si­to fir­me é a úni­ca ex­pli­ca­ção pa­ra que al­guns pro­fis­si­o­nais ne­gros te­nham al­can­ça­do re­a­li­za­ções que de­sa­fi­am su­as cir­cuns­tân­ci­as.

COM­POR­TA­MEN­TO

Nin­guém ex­pli­cou pa­ra os pro­fis­si­o­nais ne­gros que o que vai di­fe­ren­ciá-los no mo­men­to de uma pro­mo­ção não é a téc­ni­ca ( o sa­ber fa­zer é obri­ga­ção), são as ha­bi­li­da­des com­por­ta­men­tais. É ter ati­tu­de, boa co­mu­ni­ca­ção, re­so­lu­ção de con­fli­tos, pen­sa­men­to crí­ti­co e cri­a­ti­vo, in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, re­si­li­ên­cia, ne­go­ci­a­ção, to­ma­da de de­ci­são, mo­ti­va­ção, li­de­ran­ça...

PRE­PA­RA­ÇÃO

Qu­an­do um pro­fis­si­o­nal ne­gro sem pre­pa­ra­ção che­ga ao mer­ca­do de tra­ba­lho, per­ce­be que tem de li­dar com reu­niões, pro­je­tos, pla­ne­ja­men­tos es­tra­té­gi­cos. Ele po­de par­ti­ci­par de tu­do is­so, mas não con­se­gue se des­ta­car, sen­do com­pa­ra­do a pes­so­as de clas­se mé­dia que cres­ce­ram em fa­mí­li­as nas quais o pla­ne­ja­men­to se faz pre­sen­te.

AÇÃO

Tony Rob­bins tem uma fra­se ma­ra­vi­lho­sa: “o mai­or dom que as pes­so­as ex­cep­ci­o­nal­men­te bem­su­ce­di­das e re­a­li­za­das têm em re­la­ção às pes­so­as co­muns é sua ha­bi­li­da­de de agir”. Co­mo trans­for­mar is­so em ati­tu­de pa­ra pes­so­as que cres­ce­ram e vi­ram seus pais e avós re­ce­ben­do or­dens, tra­ba­lhan­do co­mo pe­drei­ros, ga­ris, em­pre­ga­das do­més­ti­cas? A mai­o­ria da po­pu­la­ção ne­gra não foi pro­gra­ma­da pa­ra en­trar em ação de for­ma efe­ti­va.

NIN­GUÉM DIS­SE QUE SE­RIA FÁ­CIL

Os cin­co pi­la­res que des­cre­vi são im­por­tan­tes pa­ra to­do pro­fis­si­o­nal. Mas pa­ra o ne­gro re­pre­sen­ta um ca­mi­nho ge­ral­men­te re­ple­to de obs­tá­cu­los adi­ci­o­nais. Es­ses obs­tá­cu­los vão exis­tir de qual­quer ma­nei­ra, mes­mo que ele se­ja um aco­mo­da­do.

Por is­so, ter men­ta­li­da­de, pro­pó­si­to, com­por­ta­men­to, pre­pa­ra­ção e ação é – ti­ran­do a sor­te ou uma cir­cuns­tân­cia ex­tra­or­di­ná­ria – o úni­co ca­mi­nho que le­va­rá o ne­gro pa­ra um su­ces­so sig­ni­fi­ca­ti­vo na car­rei­ra – des­ta­can­do-se de uma ma­nei­ra que nem mes­mo o pre­con­cei­to se­rá ca­paz de ig­no­rar.

Um mun­do de opor­tu­ni­da­des? A pan­de­mia obri­gou tan­ta gen­te a cri­ar pro­du­tos e so­lu­ções, que es­sa far­tu­ra de pro­je­tos e idei­as dis­po­ní­veis no mer­ca­do nos exi­ge es­co­lher os que re­al­men­te fun­ci­o­nam. Exis­te mui­to di­nhei­ro à pro­cu­ra de pro­je­tos? Nem tan­to. Pro­me­ter, pro­me­ter e não en­tre­gar es­tá fo­ra de co­gi­ta­ção. As pes­so­as que­rem in­ves­tir pa­ra ter re­tor­no, e com da­dos ob­je­ti­vos que com­pro­vem is­so. Sua ideia po­de ser sen­sa­ci­o­nal, mas ela re­al­men­te ofe­re­ce se­gu­ran­ça pa­ra um investidor? Pen­se nis­so an­tes de sair ven­den­do e, prin­ci­pal­men­te, pen­se nis­so an­tes de sair com­pran­do.

Se­ja sem­pre lem­bra­do(a). Tem mui­ta gen­te sain­do de ca­sa, mas ain­da as­sim os al­mo­ços de ne­gó­ci­os não vol­ta­ram com tu­do. Nem sem­pre con­vi­tes pa­ra en­con­tros pre­sen­ci­ais são bem re­ce­bi­dos. OK, mas não é por­que vo­cê es­tá em ca­sa que não po­de ali­men­tar o seu networ­king. Man­de men­sa­gens, use as re­des so­ci­ais ou sim­ples­men­te te­le­fo­ne, mas não su­ma!

Es­tu­de pro­fun­da­men­te. É bas­tan­te co­mum no meu dia-a-dia re­ce­ber pro­je­tos lin­dos, só­li­dos e con­sis­ten­tes que são apre­sen­ta­dos por pes­so­as to­tal­men­te des­pre­pa­ra­das. É di­fí­cil co­nhe­cer

. to­dos os as­sun­tos pro­fun­da­men­te, ver­da­de. Mas es­tu­de, con­ver­se com pes­so­as que sa­bem e que pos­sam te aju­dar a não co­me­ter er­ros cras­sos du­ran­te uma reu­nião. Ao con­trá­rio das reu­niões pre­sen­ci­ais, o si­lên­cio e a fal­ta de res­pos­tas nos en­con­tros vir­tu­ais aca­bam com uma reu­nião que po­de­ria ser pro­mis­so­ra. Es­que­ça qual­quer im­pro­vi­so. Não há pau­sa pa­ra um ca­fe­zi­nho ou gan­cho pa­ra vo­cê mu­dar de as­sun­to ra­pi­da­men­te, en­quan­to vo­cê ga­nha tem­po pa­ra pen­sar. Pre­pa­re-se mui­to ou é fra­cas­so na cer­ta.

Em­pa­tia vir­tu­al. Tu­do con­ta. Os 5 mi­nu­tos atra­sa­dos que eram con­si­de­ra­dos pon­tu­a­li­da­de no mun­do re­al são ina­cei­tá­veis nas ví­deo con­fe­rên­ci­as. Qu­er mais um exem­plo de si­tu­a­ção cons­tran­ge­do­ra? Sa­be aque­le mo­men­to ini­ci­al em que vo­cê aguar­da to­dos se co­nec­ta­rem na reu­nião? Não per­mi­ta que o si­lên­cio pre­va­le­ça. Es­te­ja sem­pre pre­pa­ra­do(a) pa­ra que­brar o ge­lo com um as­sun­to in­te­res­san­te pa­ra to­dos. Não po­de­ria es­que­cer de fa­lar so­bre as câ­me­ras de ví­deo des­li­ga­das. Se vo­cê es­tá em uma ví­deo con­fe­rên­cia pres­su­põem que as pes­so­as se ve­jam. Não es­tá pre­pa­ra­do(a) pa­ra

ser vis­to(a)? Ok, fa­ça uma call. Não é a sua vez de fa­lar? Dei­xe o mi­cro­fo­ne no mu­do. Seu(sua) fi­lho(a) po­de cho­rar, o ca­chor­ro la­tir ou o in­ter­fo­ne to­car a qual­quer mo­men­to.

Che­ga de li­ves! A qua­ren­te­na ge­rou uma ver­da­dei­ra epi­de­mia de­las e o for­ma­to ra­pi­da­men­te se des­gas­tou. Pes­qui­sa re­cen­te do Go­o­gle Trends mos­tra que a bus­ca pe­las li­ves caiu 70% no Bra­sil. Se em mar­ço as em­pre­sas dis­pu­ta­vam lu­gar nes­ses en­con­tros pa­ra seus exe­cu­ti­vos, ho­je es­se não é o me­lhor ca­mi­nho pa­ra ver e ser vis­to.

Abra a sua men­te. A pan­de­mia trou­xe mui­tos te­mas so­ci­ais pa­ra o mun­do dos ne­gó­ci­os. Di­ver­si­da­de, ra­cis­mo e vi­o­lên­cia con­tra a mu­lher, en­tre ou­tras, se tor­na­ram cau­sas de­fen­di­das pe­las em­pre­sas e por lí­de­res se­to­ri­ais. É ne­ces­sá­rio acom­pa­nhar o de­sen­vol­vi­men­to des­ses as­sun­tos e es­tar pre­pa­ra­do(a) pa­ra de­ba­tê-los.

Fu­ja dos ex­tre­mos. Sai­ba de­fen­der seu pon­to de vis­ta. De­ba­ter as­sun­tos po­lê­mi­cos não sig­ni­fi­ca ser ra­di­cal. Equi­lí­brio e pon­de­ra­ção são atri­bu­tos mui­to va­lo­ri­za­dos no am­bi­en­te de ne­gó­ci­os. Se por um la­do é ca­da vez mais co­mum ver­mos em­pre­sas de­fen­den­do te­mas so­ci­al­men­te re­le­van­tes, que di­zem res­pei­to à vi­da de seus cli­en­tes, por ou­tro, pos­tu­ras ra­di­cais e po­si­ções po­lí­ti­cas e ide­o­ló­gi­cas ex­tre­ma­das po­dem te afas­tar do fe­cha­men­to de um bom de­al.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.