Lon­dri­na, 83 anos: uma­ci­da­de que agu­ça os cin­co sen­ti­dos

Lon­dri­na com­ple­ta 83 anos com a vo­ca­ção pa­ra ser­vi­ços con­so­li­da­da, mas pre­ci­sa ace­le­rar pro­ces­so de cap­ta­ção de in­dús­tri­as pa­ra for­ta­le­cer o PIB

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Ali­ne Ma­cha­do Pa­ro­di Re­por­ta­gem Lo­cal

Mai­or po­lo ur­ba­no do in­te­ri­or do Pa­ra­ná, com vo­ca­ção con­so­li­da­da pa­ra TI e ser­vi­ços, ta­teia em bus­ca de pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção. FOLHA pro­põe aven­tu­ra sen­so­ri­al, des­ta­can­do ele­men­tos que pos­si­bi­li­tam di­fe­ren­tes for­mas de sen­tir Lon­dri­na

Lon­dri­na com­ple­ta 83 anos nes­te do­min­go (10) co­mo 13ª ci­da­de mais em­pre­en­de­do­ra do País. Es­se sta­tus foi con­fe­ri­do pe­la En­de­a­vor Bra­sil em es­tu­do di­vul­ga­do mês pas­sa­do. A ci­da­de ca­mi­nha pa­ra seu pri­mei­ro cen­te­ná­rio ten­do con­so­li­da­do sua vo­ca­ção pa­ra o co­mér­cio e os ser­vi­ços, prin­ci­pal­men­te nas áre­as de edu­ca­ção e saú­de. E quer ago­ra for­ta­le­cer sua in­dús­tria.

Com uma po­pu­la­ção de 558.439 ha­bi­tan­tes, se­gun­do pro­je­ção do IBGE (Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es- ta­tís­ti­cas), Lon­dri­na é o se­gun­do mai­or mu­ni­cí­pio do Es­ta­do e tem se des­ta­ca­do na área de tec­no­lo­gia. Es­se po­ten­ci­al é con­si­de­ra­do de­ci­si­vo pa­ra a ins­ta­la­ção na ci­da­de de um es­cri­tó­rio do CTI Re­na­to Ar­cher (Cen­tro de Tec­no­lo­gia da In­for­ma­ção), au­to­ri­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e Ino­va­ções e Co­mu­ni­ca­ções, em agos­to des­te ano.

O co­or­de­na­dor ge­ral de Com­pe­tên­ci­as Ins­ti­tu­ci­o­nais do CTI, Cláudio Ro­ma­nel­li, ex­pli­ca à FOLHA que um dos mo­ti­vos que pe­sa­ram pa­ra a es­co­lha de Lon­dri­na foi a or­ga­ni­za­ção do se­tor na ci­da­de. “A exis­tên­cia de um APL (Ar­ran­jo Pro­du­ti­vo Lo­cal) de TI or­ga­ni­za­do foi uma das coi­sas que pe­sa­ram”, afir­ma.

Ele tam­bém ci­ta que “o fa­to de a ci­da­de ter a úni­ca em­pre­sa pú­bli­ca de te­le­co­mu­ni­ca­ções do País (a Ser­com­tel) tam­bém foi le­va­do em con­ta.” Por meio da re­de da te­lefô­ni­ca mu­ni­ci­pal, Ro­ma­nel­li acre­di­ta ser pos­sí­vel de­sen­vol­ver so­lu­ções re­la­ci­o­na­das à in­ter­net das coi­sas.

“A in­dús­tria de TI de­ve ser o car­ro-che­fe nos pró­xi­mos anos, mas só is­so não bas­ta. Pre­ci­sa­mos tra­zer a in­dús­tria tra­di­ci­o­nal, de to­das as áre­as pa­ra ter­mos um equi­lí­brio”, co­men­ta Ary Su­dan, pre­si­den­te do Fó­rum De­sen­vol­ve Lon­dri­na.

Na ava­li­a­ção da en­ti­da­de, a ci­da­de pre­ci­sa de um par­que in­dus­tri­al pa­ra abri­gar em­pre­sas de mé­dio e gran­de por­tes, com in­fra­es­tru­tu­ra viá­ria, de sa­ne­a­men­to e ener­gia e li­cen­ci­a­men­tos am­bi­en­tais. “Vo­cê tem que es­tar pre­pa­ra­do an­tes de vir a em­pre­sa e não o con­trá­rio. Ho­je, ve­mos que on­de se cria um par­que in­dus­tri­al, ra­pi­da­men­te se de­sen­vol­ve a in­dús­tria”, res­sal­ta Su­dan.

SE­TOR PÚ­BLI­CO

A ci­da­de, lem­bra o pre­si­den­te, tam­bém pre­ci­sa equi­par me­lhor o se­tor pú­bli­co pa­ra li­be­rar com mais agi­li­da­de os pro­ces­sos ne­ces­sá­ri­os pa­ra a im­plan­ta­ção de no­vos ne­gó­ci­os. E ain­da bus­car en­ga­jar as li­de­ran­ças e em­pre­sá­ri­os lo­cais no de­sen­vol­vi­men­to de es­tra­té­gi­as de cres­ci­men­to. “Os em­pre­sá­ri­os pre­ci­sam en­ten­der que te­mos que tra­ba­lhar jun­tos pa­ra que a nos­sa ci­da­de se­ja me­lhor”, des­ta­ca.

Mas aci­ma de tu­do, de acor­do com ele, Lon­dri­na ne­ces­si­ta de­fi­nir com ur­gên­cia seu pla­ne­ja­men­to es­tra­té­gi­co e com mais pre­ci­são as áre­as on­de os em­pre­en­di­men­tos po­dem se ins­ta­lar. “Lon­dri­na pre­ci­sa de uma in­dús­tria que par­ti­ci­pe de 20% a 30% do PIB (Pro­du­to In­ter­no Bru­to) mu­ni­ci­pal”, afir­ma. Ho­je, o se­tor in­dus­tri­al res­pon­de por ape­nas 17% do PIB.

“Os em­pre­sá­ri­os pre­ci­sam en­ten­der que te­mos que pa­ra que a nos­sa ci­da­de se­ja me­lhor”

Gus­ta­vo Car­nei­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.