PATRIMÔNIO LONDRINENSE -

Jor­na­lis­ta e cro­nis­ta Paulo Bri­guet lan­ça o li­vro “Co­ra­ção de Mãe”, nar­ra­ti­va so­bre a fun­da­ção do Co­lé­gio Mãe de Deus, que já com­ple­tou 81 anos

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Ma­ri­an Tri­guei­ros Re­por­ta­gem Lo­cal

O jor­na­lis­ta e co­lu­nis­ta da FOLHA Paulo Bri­guet lan­ça o li­vro “Co­ra­ção de Mãe”, nar­ra­ti­va li­te­rá­ria so­bre a fun­da­ção do Co­lé­gio Mãe de Deus. Obra com ma­pas iné­di­tos pro­põe re­fle­xão so­bre a co­lo­ni­za­ção de Lon­dri­na.

‘Co­ra­ção de Mãe” é o mais re­cen­te li­vro do jor­na­lis­ta e cro­nis­ta da Folha de Lon­dri­na, Paulo Bri­guet, cu­jo lan­ça­men­to se­rá nes­te sá­ba­do (9), às 9h30, no Te­a­tro Mãe de Deus. Após dois anos de pes­qui­sa (a par­tir de do­cu­men­tos, crô­ni­cas do co­lé­gio e a bi­bli­o­gra­fia do Pe. José Ken­te­ni­ch, fun­da­dor do Mo­vi­men­to Apos­tó­li­co In­ter­na­ci­o­nal de Scho­ens­tatt, na Ale­ma­nha, em 1914), o au­tor re­a­li­zou uma nar­ra­ti­va li­te­rá­ria – ao lon­go de 33 ca­pí­tu­los – so­bre a fun­da­ção do Co­lé­gio Mãe de Deus em Lon­dri­na, que es­te ano com­ple­ta 81 anos. A obra, con­du­zi­da por per­so­na­gens re­ais, é ba­se­a­da, prin­ci­pal­men­te, no mo­de­lo edu­ca­ci­o­nal in­tro­du­zi­do na ci­da­de (pri­mei­ra fo­ra da Ale­ma­nha), o Sis­te­ma Pe­da­gó­gi­co de Scho­ens­tatt, re­la­tos de al­guns dos qua­se 80 mil alu­nos que pas­sa­ram pe­lo co­lé­gio, e a his­tó­ria da pró­pria es­co­la. Na oca­sião, es­ta­rão pre­sen­tes en­tre­vis­ta­dos que se­rão ho­me­na­ge­a­dos.

No pre­fá­cio do li­vro, a ges­to­ra edu­ca­ci­o­nal do co­lé­gio, Ir­mã Ro­sa Maria Ruthes, des­ta­ca o re­co­nhe­ci­men­to do au­tor em abor­dar a efi­cá­cia do sis­te­ma pe­da­gó­gi­co, na obra que con­si­de­ra “his­tó­ri­ca, ora ro­man­ce­a­da, ora com ter­mos poé­ti­cos”. “Des­de o iní­cio de su­as ati­vi­da­des, es­ta ação pe­da­gó­gi­ca ca­ris­má­ti­ca do fun­da­dor exer­ceu e con­ti­nua a se des­do­brar na for­ma­ção de per­so­na­li­da­des li­vres, for­tes, pro­fun­da­men­te vin­cu­la­das e ar­rai­ga­das na con­quis­ta da har­mo­nia or­gâ­ni­ca en­tre a na­tu­re­za hu­ma­na e a gra­ça di­vi­na. No li­vro, Bri­guet tam­bém mos­tra o que há de no­vo nes­ta com­pro­va­da al­ter­na­ti­va edu­ca­ci­o­nal que o sis­te­ma pe­da­gó­gi­co ken­te­ni­chi­a­no ofe­re­ce, co­mo ex­pe­ri­ên­cia con­cre­ta, fren­te à cri­se uni­ver­sal de nos­sos tem­pos tão agi­ta­dos e con­fu­sos”.

Con­fi­ra en­tre­vis­ta de Paulo Bri­guet con­ce­di­da com ex­clu­si­vi­da­de à Folha 2:

Na apre­sen­ta­ção do li­vro vo­cê diz: “es­te li­vro não é uma obra his­to­ri­o­grá­fi­ca.É uma nar­ra­ti­va li­te­rá­ria ins­pi­ra­da nos fa­tos his­tó­ri­cos de uma ins­ti­tui­ção”. Qual o pro­pó­si­to do li­vro?

Não sou e ja­mais pre­ten­di ser um his­to­ri­a­dor. Sou um es­cri­tor, mais pre­ci­sa­men­te um cro­nis­ta. Creio que é pos­sí­vel par­tir de fa­tos his­tó­ri­cos pa­ra com­por nar­ra­ti­vas en­vol­ven­tes, co­mo en­si­na­ram gran­des mes­tres da li­te­ra­tu­ra co­mo Tols­tói, Stendhal e Man­zo­ni. Em três ca­pí­tu­los do li­vro, de­vi­da­men­te in­di­ca­dos no tex­to de apre­sen­ta­ção, eu me per­mi­ti uti­li­zar ele­men­tos de ima­gi­na­ção e per­so­na­gens fic­ci­o­nais pa­ra ilus­trar fa­tos com­pro­va­da­men­te his­tó­ri­cos. O pro­pó­si­to do li­vro é to­car o co­ra­ção do leitor; não me re­fi­ro aqui ao co­ra­ção ape­nas co­mo se­de dos sen­ti­men­tos, mas no sen­ti­do bí­bli­co do ter­mo, de­fi­ni­do pe­lo pa­pa emé­ri­to Ben­to XVI: “O cen­tro da exis­tên­cia hu­ma­na, uma con­fluên­cia da ra­zão, von­ta­de, tem­pe­ra­men­to e sen­si­bi­li­da­de, on­de a pes­soa en­con­tra a sua uni­da­de e ori­en­ta­ção in­te­ri­or”. Es­te li­vro foi es­cri­to com o co­ra­ção nas mãos. É uma his­tó­ria lin­da e co­mo­ven­te, uma his­tó­ria de sa­cri­fí­cio, tra­ba­lho e per­sis­tên­cia. Es­pe­ro ter si­do um cro­nis­ta à al­tu­ra de fa­tos tão mi­ra­cu­lo­sos.

Pa­ra es­cre­vê-lo,cer­ta­men­te,vo­cê te­ve de re­cor­rer à his­tó­ria da ci­da­de e da pró­pria es­co­la. Co­mo foi es­se pro­ces­so de pes­qui­sa e quais cri­té­ri­os pa­ra se­le­ção dos fa­tos?

Lon­dri­na cons­ti­tui a es­sên­cia do meu tra­ba­lho li­te­rá­rio. Além de no­vas lei­tu­ras so­bre a his­tó­ria da ci­da­de — pois es­ta­mos sem­pre apren­den­do so­bre es­ta ama­da ter­ra —, mer­gu­lhei na vas­ta obra edu­ca­ci­o­nal e te­o­ló­gi­ca do Pa­dre José Ken­te­ni­ch (1885-1968), fun­da­dor do Mo­vi­men­to In­ter­na­ci­o­nal de Scho­ens­tatt e do Co­lé­gio Mãe de Deus. O co­nhe­ci­men­to da es­pi­ri­tu­a­li­da­de ex­pan­diu meu ho­ri­zon­te in­te­lec­tu­al e me ofe­re­ceu uma vi­são or­gâ­ni­ca so­bre es­se mi­la­gre cha­ma­do Mãe de Deus. Ou­tra fon­te im­por­tan­tís­si­ma fo­ram as en­tre­vis­tas: ou­vi cer­ca de 40 pes­so­as, que ti­ve­ram di­fe­ren­tes papéis ao lon­go da his­tó­ria do Co­lé­gio. A par dos pre­ci­o­sos de­poi­men­tos, va­li-me de do­cu­men­tos his­tó­ri­cos, com o im­por­tan­te au­xí­lio da ex-alu­na do CMD Ele­ni­ce De­que­ch e sua equi­pe (res­pon­sá­veis por or­ga­ni­zar o acer­vo da ins­ti­tui­ção). Por fim, mas igual­men­te es­sen­ci­al, as Ir­mãs de Maria per­mi­ti­ram que eu con­sul­tas­se as Crô­ni­cas em que as pi­o­nei­ras des­cre­vem, des­de os anos 1930, o dia a dia da ins­ti­tui­ção. As­sim foi pos­sí­vel, por exem­plo, “con­ver­sar” di­re­ta­men­te com a pri­mei­ra di­re­to­ra do Co­lé­gio, Ir­mã Nor­ber­ta. Quan­do me re­ti­rei pa­ra es­cre­ver o li­vro, des­co­bri que es­ta­va di­an­te de uma his­tó­ria épi­ca. Pa­ra­do­xal­men­te, um épi­co da hu­mil­da­de, em que os he­róis e he­roí­nas são os se­res mais dis­cre­tos e re­ser­va­dos que po­de­mos con­ce­ber.

Di­an­te dis­so,quais fa­tos his­tó­ri­cos des­ta­ca­ria da tra­je­tó­ria da es­co­la em Lon­dri­na e co­mo trans­for­mou tu­do em nar­ra­ti­va? Exis­tem“per­so­na­gens”que con­du­zem es­sa his­tó­ria?

Sim, as per­so­na­gens são os con­du­to­res da his­tó­ria. Eu já sa­bia que o li­vro te­ria 33 ca­pí­tu­los. É um nú­me­ro po­de­ro­sa­men­te sim­bó­li­co: a ida­de de Cris­to (que o após­to­lo São Paulo cha­ma­da de“ple­ni­tu­de da ida­de”) e o mes­mo nú­me­ro de can­tos da Di­vi­na Co­mé­dia em ca­da uma de su­as par­tes. Pa­ra o an­tro­pó­lo­go Jo­seph Camp­bell, to­da his­tó­ria pre­ci­sa ter um he­rói e um con­du­tor. Vir­gí­lio con­du­ziu Dan­te no In­fer­no e Be­a­triz con­du­ziu Dan­te no Pa­raí­so. Es­te cro­nis­ta de se­te lei­to­res, que de se­me­lhan­ça com Dan­te só tem o nú­me­ro de ca­pí­tu­los, te­ve por con­du­to­res as pes­so­as que fi­ze­ram a his­tó­ria do Mãe de Deus: a co­me­çar pe­lo Pa­dre Ken­te­ni­ch — um dos he­róis do nos­so tem­po —, lo­go em se­gui­da as 12 Ir­mãs pi­o­nei­ras que vi­e­ram da Ale­ma­nha em 1936 e de­pois to­dos aque­les que aju­da­ram a cons­truir o so­nho de Lon­dri­na, o so­nho do Co­lé­gio, o so­nho do San­tuá­rio. Po­de­mos re­su­mir to­dos es­ses so­nhos nu­ma ex­pres­são que o Pa­dre Ken­te­ni­ch uti­li­zou quan­do es­ta­va pre­so pe­los na­zis­tas em Co­blen­ça, em 1941-42: Ma­ri­e­gar­ten. O Jar­dim de Maria. O Co­lé­gio Mãe de Deus é o Jar­dim de Maria. Em mui­tos mo­men­tos, eu me emo­ci­o­nei com a co­ra­gem e a de­ter­mi­na­ção das per­so­na­gens des­te jar­dim. Elas pas­sa­ram a fa­zer par­te da mi­nha vi­da.

Após as pes­qui­sas pa­ra ela­bo­rar o li­vro, co­mo de­fi­ni­ria a par­ti­ci­pa­ção do co­lé­gio na vi­da so­ci­al e cul­tu­ral da ci­da­de?

Lon­dri­na te­ve vá­ri­os nas­ci­men­tos e re­nas­ci­men­tos. Nas­ceu his­to­ri­ca­men­te em 1929, com a pri­mei­ra ca­ra­va­na. Nas­ceu po­li­ti­ca­men­te em 1934, quan­do se tor­nou mu­ni­cí­pio. Nas­ceu ins­ti­tu­ci­o­nal­men­te em 1937, com a fun­da­ção da ACIL. Nas­ceu jor­na­lis­ti­ca­men­te em 1948, com a fun­da­ção da Folha de Lon­dri­na. Nas­ceu aca­de­mi­ca­men­te com a fun­da­ção da UEL. Re­nas­ceu em 1975, quan­do se rein­ven­tou a par­tir da Gran­de Ge­a­da. O Co­lé­gio Mãe de Deus foi res­pon­sá­vel por um des­ses nas­ci­men­tos: o nas­ci­men­to edu­ca­ci­o­nal, cul­tu­ral e es­pi­ri­tu­al de nos­sa ci­da­de. Uma das te­ses cen­trais do li­vro é a ideia de que o Mãe de Deus — mais es­pe­ci­fi­ca­men­te, o San­tuá­rio Mãe Es­ma­ga­do­ra da Ser­pen­te — é o co­ra­ção es­pi­ri­tu­al de Lon­dri­na. E o fa­to de es­tar li­ga­do a Maria — “Ben­di­ta sois vós en­tre as mu­lhe­res” — não nos dei­xa es­que­cer da fun­da­men­tal im­por­tân­cia que o Co­lé­gio te­ve na for­ma­ção das mu­lhe­res de Lon­dri­na. Em­bo­ra mui­tos ho­mens tam­bém te­nham ti­do ali a sua casa do sa­ber. De­pois de es­cre­ver “Co­ra­ção de Mãe”, eu me con­si­de­ro um de­les.

Qual a im­por­tân­cia das ir­mãs no sis­te­ma de en­si­no tra­zi­do à Lon­dri­na?

Há no li­vro vá­ri­as re­fe­rên­ci­as à Pe­da­go­gia de Scho­ens­tatt. A edu­ca­ção ba­se­a­da na li­ber­da­de e no amor é um con­cei­to cen­tral na tra­je­tó­ria do Co­lé­gio Mãe de Deus. Is­so des­de o co­me­ço, no dia 3 de mar­ço de 1936, quan­do a es­co­la co­me­çou a fun­ci­o­nar em uma casa de ma­dei­ra si­tu­a­da no mes­mo lo­cal on­de ho­je fi­ca a se­de da Acil. Pa­ra as Ir­mãs de Maria, o tra­ba­lho edu­ca­ci­o­nal es­tá sem­pre gui­a­do pe­las cin­co es­tre­las con­du­to­ras: Mo­vi­men­to, Con­fi­an­ça, Ali­an­ça, Vin­cu­la­ção, Ide­al. Eis aí cin­co pa­la­vras que aju­da­ram a con­du­zir meu tra­ba­lho.

E no en­si­no de mú­si­ca, co­mo des­cre­ve­ria a edu­ca­ção que aqui foi ini­ci­a­da?

Nem to­dos sa­bem, mas o Cur­so de Mú­si­ca da UEL nas­ceu den­tro do Co­lé­gio Mãe de Deus; nos pri­mei­ros anos, o CMD era a se­de do cur­so. Por ali pas­sa­ram, co­mo pro­fes­so­res, gran­des mes­tres da mú­si­ca, co­mo Antô­nio De­lo­ren­zo e Hans-Jo­a­chim Ko­ell­reut­ter, além de mui­tos ta­len­tos que Lon­dri­na re­ve­lou ao mun­do e es­ti­ve­ram em seus ban­cos es­co­la­res. Ou­tro da­do im­por­tan­te: em 1936, três Ir­mãs do Co­lé­gio — vin­das da Ale­ma­nha — for­ma­ram o Co­ral San­ta Ce­cí­lia, gru­po mu­si­cal mais an­ti­go da ci­da­de e pos­si­vel­men­te o mais lon­ge­vo do Bra­sil, em ati­vi­da­de até ho­je. Foi tam­bém no Mãe de Deus que ocor­reu a pri­mei­ra apre­sen­ta­ção te­a­tral da his­tó­ria da ci­da­de, com a par­ti­ci­pa­ção de Maria Ali­ce Bru­gin, pri­mei­ra alu­na ma­tri­cu­la­da do Co­lé­gio. D. Maria Ali­ce vai es­tar no lan­ça­men­to do li­vro, no Te­a­tro Mãe de Deus — es­se que é um dos mais va­li­o­sos pa­trimô­ni­os cul­tu­rais que Lon­dri­na co­nhe­ceu nos úl­ti­mos anos.

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Foto: Acer­vo do Co­lé­gio Mãe de Deus

Vi­si­ta do Pa­dre Ken­te­ni­ch ao Co­lé­gio Mãe de Deus (1947): ele é uma das pes­so­as mais im­por­tan­tes na cons­tru­ção des­sa his­tó­ria

Ri­car­do Chi­ca­rel­li

Paulo Bri­guet: “Eu me per­mi­ti uti­li­zar ele­men­tos de ima­gi­na­ção e per­so­na­gens fic­ci­o­nais pa­ra ilus­trar fa­tos com­pro­va­da­men­te his­tó­ri­cos”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.