LINHAE AGULHA

Es­ta edi­ção fa­la dos gran­des des­fi­les, do se­tor ata­ca­dis­ta, do tra­di­ci­o­nal cor­te e cos­tu­ra e dos pro­fis­si­o­nais que tra­ba­lham pa­ra ge­rar in­for­ma­ção em pe­ças de rou­pa

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA -

Com 71 anos no ra­mo, o al­fai­a­te Jo­sé Gon­çal­ves de Oli­vei­ra já per­deu as con­tas de quan­tas pe­ças con­fec­ci­o­nou. “Ho­je o ho­mem não se ves­te tão bem co­mo an­tes”, la­men­ta o pro­fis­si­o­nal. Edi­ção so­bre o mun­do da mo­da abor­da tam­bém os gran­des des­fi­les e a im­por­tân­cia do se­tor ata­ca­dis­ta

A mo­da, por mais pre­sen­te que es­te­ja em nos­sa ro­ti­na, é mais com­ple­xa do que se ima­gi­na. O con­cei­to pen­sa­do, es­tru­tu­ra­do, uma obra de ar­te des­fi­lan­do em gran­des es­pe­tá­cu­los. Dos mu­seus à in­dús­tria. As “mai­sons” de al­ta cos­tu­ra e seus es­ti­lis­tas re­no­ma­dos. O fast fashi­on, que co­lo­ca a sua ver­são nas vi­tri­nes e po­pu­la­ri­za o que pa­re­cia inal­can­çá­vel. O com­por­ta­men­to, o ne­gó­cio, a ex­pres­são, o con­su­mo de­sen­fre­a­do. Mo­da nun­ca foi só uma pe­ça do seu gu­ar­da-rou­pa.

“Exis­tem vá­ri­os vi­e­ses da mo­da: o so­ci­o­ló­gi­co, his­tó­ri­co, psi­co­ló­gi­co e o dos ne­gó­ci­os. É um as­sun­to que abran­ge mui­tas fa­ce­tas que es­tão in­ter­li­ga­das”, con­ta Cleu­za For­na­si­er, do­cen­te do de­par­ta­men­to de De­sign de Mo­da, da UEL (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na). Nos ne­gó­ci­os, o mo­men­to é de crí­ti­ca ao con­su­mo exa­ge­ra­do. No en­tan­to, a pro­fes­so­ra apre­sen­ta al­guns pon­tos fa­vo­rá­veis.

Se­gun­do ela, a al­ta cos­tu­ra dos des­fi­les de ho­je não é, ne­ces­sa­ri­a­men­te, con­su­mi­da por pes­so­as, mas por mu­seus. “É um ne­gó­cio co­mo ou­tro qual­quer e que de­mons­tra o que o es­ti­lis­ta fez de raiz, de con­cei­to da­que­le de­ter­mi­na­do mo­men­to”, ex­pli­ca. As­sim, a rou­pa é uma men­sa­gem, co­mo em uma obra de ar­te. “São es­pe­tá­cu­los, não rou­pas pa­ra se­rem con­su­mi­das. Eles di­tam ten­dên­cia? Di­tam”, afir­ma.

Es­ses des­fi­lem in­flu­en­ci­am a con­fec­ção mun­di­al. E com a ra­pi­dez dos mei­os de co­mu­ni­ca­ção, tu­do acon­te­ce de for­ma ime­di­a­ta. “De­pois da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, sur­ge o prêt-à-por­ter (pron­to pa­ra ves­tir), pri­mei­ra­men­te ven­di­do pa­ra as lo­jas de de­par­ta­men­to com ca­rac­te­rís­ti­cas de al­ta cos­tu­ra. Ho­je não­tem mais es­sa ca­rac­te­rís­ti­ca,não no Bra­sil”, in­for­ma.

Te­ci­dos e mo­de­la­gem ade­qua­das (não exa­ta­men­te os me­lho­res) e aca­ba­men­to mais per­fei­to pos­sí­vel que uma in­dús­tria pos­sa fa­zer são ele­men­tos que ca­rac­te­ri­zam o nos­so prêt-àpor­ter de ho­je. “Que cus­ta tão ca­ro quan­to uma al­ta cos­tu­ra cus­ta­va an­ti­ga­men­te”, ar­gu­men­ta.

Pa­ra es­sa pro­du­ção, as in­dús­tri­as en­ten­de­ram que era ne­ces­sá­rio fa­zer um pla­ne­ja­men­to de co­res, te­ci­dos, com­pri­men­tos e for­mas da ma­cro­ten­dên­cia, aque­las que per­du­ram por al­gum tem­po, e mi­cro­ten­dên­cia, que pas­sam mais Vo­cê já pen­sou em nós ho­je di­ri­gin­do, cui­dan­do de ca­sa, pro­fis­são e usan­do es­par­ti­lho e saia com­pri­da?” rá­pi­do. Com is­so, o pro­ces­so dá iní­cio pe­la in­dús­tria quí­mi­ca de tinta, que se reú­ne pa­ra de­fi­nir as co­res do ano.

Com es­sa car­te­la de co­res, o es­ti­lis­ta mon­ta a sua co­le­ção até por­que ou­tras co­res não são pro­du­zi­das. “Aí te­ria que man­dar fa­zer tu­do. Uma ‘grand mai­son’ tem a pos­si­bi­li­da­de de fa­zer, mas sai ca­ro e pa­ra is­so vo­cê tem que pen­sar. Não adi­an­ta ser um gran­de es­ti­lis­ta e não ter con­di- ção fi­nan­cei­ra. Por que Yves Saint Lau­rent deu cer­to? Por que Va­len­ti­no deu cer­to e con­ti­nua mes­mo de­pois da sua apo­sen­ta­do­ria? Por­que não eram eles que cui­da­vam da par­te econô­mi­ca”, ex­pli­ca.

Em­bo­ra o con­su­mo exa­ge­ra­do apon­ta­do no iní­cio do tex­to es­te­ja im­plan­ta­do, ex­pres­sar a per­so­na­li­da­de, ter ati­tu­de pa­ra ves­tir o que qui­ser e exi­gir uma mu­dan­ça so­ci­al são pon­tos im­por­tan­tes. “A mo­da sem­pre es­te­ve de acor­do com seu con­tex­to. Vo­cê já pen­sou em nós ho­je em dia di­ri­gin­do, cui­dan­do de fi­lho, ca­sa, pro­fis­são e usan­do es­par­ti­lho e saia com­pri­da?”, ques­ti­o­na.

A mo­da tem mui­tas fa­ce­tas e, ape­sar da crí­ti­ca ao con­su­mis­mo, For­na­si­er res­sal­ta que es­ta é a se­gun­da in­dús­tria mais po­de­ro­sa do mun­do e que tem uma gran­de quan­ti­da­de de mu­lhe­res tra­ba­lhan­do. “Ou se­ja, é aque­la in­dús­tria que ti­ra as fa­mí­li­as da po­bre­za, que dá em­pre­go pa­ra quem não co­nhe­ce na­da. Quan­to mais po­bre a so­ci­e­da­de, mais as mu­lhe­res sa­bem cos­tu­rar. Por­tan­to, omer­ca­do­da­mo­da­pa­ra­a­so­ci­e­da­de ca­ren­te é uma gran­de pos­si­bi­li­da­de de me­lho­rar de vi­da”, en­fa­ti­za.

Gi­na Mar­do­nes

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.