Stephen Haw­king: o ci­en­tis­ta pop

Ci­en­tis­ta in­flu­en­ci­ou ge­ra­ções em vá­ri­as par­tes do mun­do. No Pa­ra­ná, gru­pos de de­ba­te e ob­ser­va­ção dis­cu­tem pen­sa­men­to ci­en­tí­fi­co, na­tu­re­za e uni­ver­so ins­pi­ra­dos em obra e his­tó­ria do pes­qui­sa­dor

Folha de Londrina Domingo - - PRIMEIRA PÁGINA - Lais Tai­ne Re­por­ta­gem Lo­cal

A mor­te de Stephen Haw­king dei­xou ór­fã uma le­gião de fãs em to­do o mun­do.Fa­mo­so por es­tu­dar a ori­gem do uni­ver­so,foi exem­plo por en­fren­tar li­mi­ta­ções pro­vo­ca­das pe­la Es­cle­ro­se La­te­ral Ami­o­tró­fi­ca. Po­pu­la­ri­da­de le­vou o ci­en­tis­ta a par­ti­ci­par de pro­gra­mas de TV, ani­ma­ções e se­ri­a­dos. Co­or­de­na­dor de gru­po de as­tro­no­mia ,Mi­guel Mo­re­no diz que obra do bri­tâ­ni­co ins­pi­rou mui­ta gen­te a aban­do­nar o “anal­fa­be­tis­mo ci­en­tí­fi­co”

Ele foi um dos ci­en­tis­tas mais ca­ris­má­ti­cos pe­la sim­pli­ci­da­de com que ten­tou pas­sar seu­ses­tud os­pa­rao pú­bli­co em ge­ral”

“Por to­da a mi­nha vi­da eu te­nho pro­cu­ra­do en­ten­der o uni­ver­so e achar res­pos­tas pa­ra per­gun­tas”, dis­se uma voz ro­bó­ti­ca em pa­les­tra do TED, em 2008. Em um te­lão, sen­ta­do em uma ca­dei­ra de ro­das e por meio de mo­vi­men­tos da fa­ce, Stephen Haw­king con­tro­la­va seu dis­cur­so re­pro­du­zi­do por um com­pu­ta­dor. Da má­qui­na saíam as ques­tões mais enig­má­ti­cas so­bre o uni­ver­so.

O di­ag­nós­ti­co de ELA (Es­cle­ro­se La­te­ral Ami­o­tró­fi­ca) veio aos 21 anos. Ape­sar da do­en­ça de­ge­ne­ra­ti­va, Haw­king con­vi­veu com o pro­ble­ma - não sem di­fi­cul­da­des, mas com bom hu­mor – até a sua mor­te, anun­ci­a­da nes­ta quar­ta-fei­ra (14), aos 76 anos. A da­ta em­ble­má­ti­ca co­me­mo­ra­ria o ani­ver­sá­rio de 139 anos de Al­bert Eins­tein, as­sim co­mo o seu nas­ci­men­to, em 8 de ja­nei­ro de 1942, mar­cou os 300 anos da mor­te de Ga­li­leu Ga­li­lei.

Nes­te tem­po, o ci­en­tis­ta se tor­nou um dos prin­ci­pais es­tu­di­o­sos da fí­si­ca. “Ele te­ve re­sul­ta­dos clás­si­cos, ou se­ja, avan­ços da te­o­ria de Eins­tein, cha­ma­dos te­o­re­mas da sin­gu­la­ri­da­de. Ele tam­bém foi um dos pi­o­nei­ros em bus­car com­bi­nar a re­la­ti­vi­da­de ge­ral, de Eins­tein, com a me­câ­ni­ca quân­ti­ca. Um dos prin­ci­pais re­sul­ta­dos de­le é o que as pes­so­as cha­mam ho­je de ra­di­a­ção Haw­king”, ex­pli­ca Thi­a­go Pe­rei­ra, pro­fes­sor es­pe­ci­a­lis­ta em cos­mo­lo­gia do De­par­ta­men­to de Fí­si­ca da UEL (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na).

Mais do que sua con­tri­bui­ção aca­dê­mi­ca, Haw­king con­se­guiu trans­mi­tir a men­sa­gem até pa­ra os mais lei­gos. Es­sa for­ma sim­ples de se co­mu­ni­car fez com que su­as te­o­ri­as che­gas­sem a to­do can­to do mun­do. “Do pon­to de vis­ta ci­en­tí­fi­co, in­clu­si­ve, ele foi um dos ci­en­tis­tas mais ca­ris­má­ti­cos pe­la sim­pli­ci­da­de com que ten­tou pas­sar seus es­tu­dos pa­ra o pú­bli­co em ge­ral. Co­mo ele in­flu­en­ci­ou de ma­nei­ra tão mar­can­te es­sa ge­ra­ção de fí­si­cos, fãs de Stephen Haw­king? Pri­mei­ro, pe­la sua ca­pa­ci­da­de de reu­nir ou­tras te­o­ri­as, in­clu­si­ve idei­as do pró­prio Eins­tein, e re­for­mu­lá-las pa­ra pro­por me­lhor com­pre­en­são do uni­ver­so”, de­fen­de Fran­cis­co Vi­a­na, mes­tran­do em fí­si­ca pe­la UFABC (Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral do ABC) e pro­fes­sor do Cur­si­nho da Po­li, em São Pau­lo (SP).

O li­vro Uma Bre­ve His­tó­ria doTem­po, de 1988, es­te­ve en­tre os mais ven­di­dos, mes­mo fa­lan­do so­bre te­ma tão den­so. “Al­guém me dis­se que ca­da equa­ção que eu in­cluís­se no li­vro re­du­zi­ria as ven­das pe­la me­ta­de. As­sim, re­sol­vi não uti­li­zar ne­nhu­ma”, es­cre­veu no pró­prio li­vro. No en­tan­to, avi­sa so­bre a in­clu­são da equa­ção de Eins­tein, es­pe­ran­do que is­so não fos­se as­sus­tar seus po­ten­ci­ais lei­to­res. E não as­sus­tou. De­pois­des­se, pu­bli­cou O Uni­ver­so em Uma Cas­ca de Noz e, en­tre ou­tros, um au­to­bi­o­grá­fi­co, pe­que­no, es­cri­to já na di­fi­cul­da­de de ter o cor­po pa­ra­li­sa­do, uti­li­zan­do o quei­xo pa­ra di­gi­tar uma pa­la­vra por mi­nu­to.

Sua po­pu­la­ri­da­de den­tro e fo­ra do meio aca­dê­mi­co per­mi­tiu que Haw­king par­ti­ci­pas­se de pro­gra­mas de TV, ani­ma­ções, se­ri­a­dos, en­tre­vis­tas e ti­ves­se a vi­da re­tra­ta­da em um fil­me. A Te­o­ria de Tu­do, lan­ça­do em 2014, foi des­ta­que e ren­deu o Os­car de me­lhor ator pa­ra Ed­die Red­may­ne. Com is­so, ser um nerd foi dei­xan­do de ser um far­do. “Na dé­ca­da de 1980, 1990, nin­guém que­ria ser o nerd. Ho­je é uma coi­sa le­gal. Com certeza ele te­ve um pa­pel nis­so. No fim, ele aju­dou a es­ta­be­le­cer es­sa fi­gu­ra do ci­en­tis­ta co­mo uma pro­fis­são le­gal, atu­al e mo­der­na”, con­ta o pro­fes­sor da UEL, na cren­ça de que o fí­si­co se­ja res­pon­sá­vel por em­pur­rar mui­tas pes­so­as pa­ra a car­rei­ra ci­en­tí­fi­ca.

In­flu­en­ci­ar pes­so­as pa­ra o mun­do­da­ci­ên­cia é um le­ga­do bas­tan­te im­por­tan­te a se dei­xar. Haw­king de­mons­trou que é pos­sí­vel, ain­da que ha­ja obs­tá­cu­los. De Ox­ford, on­de nas­ceu, pas­san­do porCam­brid­ge, on­de­mor­reu, mui­tos fãs do mun­do to­do, in­cluin­do o Pa­ra­ná (ve­ja tex­tos a se­guir), la­men­tam a per­da da­que­le que bus­ca­va com­pre­en­der de on­de vi­e­mos e pa­ra aon­de ire­mos. Fi­ca­mos sem al­gu­mas res­pos­tas, mas sa­be­mos que o mun­do per­deu um pou­co do en­tu­si­as­mo a par­tir de ago­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.