Ca­pa­ci­ta­ção é pri­o­ri­da­de pa­ra pro­fes­sor, apon­ta pes­qui­sa

Es­tu­do apon­ta que mé­dia de bra­si­lei­ros nes­ta con­di­ção es­tá es­tag­na­da há uma dé­ca­da; es­pe­ci­a­lis­ta Adri­a­na Fa­ri­as afir­ma que es­cas­sez de re­cur­sos e in­ter­rup­ção de pro­gra­mas pú­bli­cos im­pe­dem re­ver­são do qua­dro

Folha de Londrina - - Primeira Página - Fá­bio Ga­li­ot­to Re­por­ta­gem Lo­cal

In­ves­ti­men­to em for­ma­ção con­ti­nu­a­da é uma das pri­o­ri­da­des dos do­cen­tes pa­ra au­men­tar o ní­vel de sa­tis­fa­ção com a pro­fis­são. Par­ti­ci­pa­ção na ela­bo­ra­ção de po­lí­ti­cas edu­ca­ci­o­nais, res­tau­ra­ção da au­to­ri­da­de e au­men­to sa­la­ri­al tam­bém são apon­ta­dos co­mo me­di­das es­sen­ci­ais pa­ra o re­co­nhe­ci­men­to da ca­te­go­ria. ■ Es­pe­ci­a­lis­ta ava­lia que au­sên­cia de po­lí­ti­ca de Es­ta­do pre­ju­di­ca me­ta de re­du­ção do anal­fa­be­tis­mo fun­ci­o­nal.

Três em ca­da dez bra­si­lei­ros com mais de 15 anos têm di­fi­cul­da­des pa­ra ler, es­cre­ver ou fa­zer con­tas co­ti­di­a­nas, se­gun­do le­van­ta­men­to di­vul­ga­do no úl­ti­mo dia 3 e que mais pa­re­ce no­tí­cia ve­lha. Is­so por­que o re­sul­ta­do do Inaf (In­di­ca­dor do Anal­fa­be­tis­mo Fun­ci­o­nal) 2018 mos­tra a mes­ma re­a­li­da­de de edi­ções an­te­ri­o­res, fei­tas nos úl­ti­mos dez anos, ain­da que uma das me­tas es­ta­be­le­ci­das no PNE (Pla­no Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção) se­ja re­ver­ter o qua­dro até 2024.

Al­go di­fí­cil de se cum­prir, diz a pro­fes­so­ra da UEL (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Lon­dri­na) Adri­a­na Me­dei­ros Fa­ri­as, co­or­de­na­do­ra do Gru­po de Es­tu­do e Pes­qui­sas em Edu­ca­ção Po­pu­lar e EJA (Edu­ca­ção de Jo­vens e Adul­tos). Ela afir­ma que fal­tam po­lí­ti­cas pú­bli­cas de Es­ta­do, con­tí­nu­as, e sobram ini­ci­a­ti­vas tem­po­rá­ri­as, que mudam a ca­da tro­ca de pre­fei­to, go­ver­na­dor ou pre­si­den­te.

O Inaf, fei­to pe­lo Ibo­pe In­te­li­gên­cia em par­ce­ria com a ONG Ação Edu­ca­ti­va e o Ins­ti­tu­to Pau­lo Mon­te­ne­gro, apon­ta que 8% dos bra­si­lei­ros são anal­fa­be­tos ab­so­lu­tos. Ou­tros 21% são al­fa­be­ti­za­dos, mas têm pro­ble­mas de exe­cu­ção de ta­re­fas sim­ples, des­de con­fe­rir o tro­co em di­nhei­ro ou iden­ti­fi­car cor­re­ta­men­te uma da­ta em um calendário. Os 29% re­pre­sen­tam 38 mi­lhões de bra­si­lei­ros. “Mas po­lí­ti­cas co­mo a lei de te­to de gas­tos e o des­mon­te de po­lí­ti­cas es­ta­du­ais re­du­zi­ram os re­cur­sos des­ti­na­dos pa­ra es­se fim nos úl­ti­mos anos”, diz a es­pe­ci­a­lis­ta.

Fa­ri­as, que tem dou­to­ra­do em edu­ca­ção pe­la Uni­camp (Uni­ver­si­da­de Es­ta­du­al de Cam­pi­nas) e in­te­gra o Fó­rum Pa­ra­na­en­se de Edu­ca­ção de Jo­vens e Adul­tos na re­gião Lon­dri­na, con­si­de­ra que a mai­o­ria das ações pú­bli­cas ado­ta­das não bus­ca a ofer­ta de en­si­no e es­co­la­ri­za­ção, mas, sim, a chan­ce de ob­ter uma cer­ti­fi­ca­ção va­zia, que esconde o pro­ble­ma re­al. Ela fa­lou à FO­LHA na úl­ti­ma sex­ta-fei­ra (10) so­bre o te­ma.

Qu­al a de­fi­ni­ção de anal­fa­be­tis­mo fun­ci­o­nal?

Exis­tem con­cei­tos cen­si­tá­ri­os pa­ra con­si­de­rar uma pes­soa anal­fa­be­ta. Por exem­plo, é anal­fa­be­to quem não sa­be ler e es­cre­ver um bi­lhe­te sim­ples no idi­o­ma que co­nhe­ce. O anal­fa­be­tis­mo fun­ci­o­nal se dá quan­do, mes­mo sa­ben­do ler e es­cre­ver um bi­lhe­te sim­ples, a pes­soa não tem as com­pe­tên­ci­as ne­ces­sá­ri­as pa­ra sa­tis­fa­zer as pró­pri­as de­man­das do dia a dia, vi­a­bi­li­zar o seu de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al e pro­fis­si­o­nal. Ain­da que te­nha pas­sa­do pe­la es­co­la ou que per­ma­ne­ça no sis­te­ma de en­si­no, es­sa pes­soa es­tá na con­di­ção de anal­fa­be­to fun­ci­o­nal e vai re­tor­nar pa­ra a es­co­la de­pois, quan­do se de­tec­ta que não hou­ve con­ti­nui­da­de na edu­ca­ção e que o su­jei­to faz uma uti­li­za­ção ru­di­men­tar da lei­tu­ra e da es­cri­ta. O anal­fa­be­tis­mo ab­so­lu­to é mais com­pre­en­sí­vel, mas o fun­ci­o­nal é as­sus­ta­dor por­que, ape­sar de a pes­soa ler e es­cre­ver, is­so não é o bas­tan­te pa­ra a in­ser­ção de­la em uma so­ci­e­da­de que tem a lei­tu­ra e a es­cri­ta co­mo ne­ces­sá­ri­as pa­ra qual­quer ati­vi­da­de de tra­ba­lho e de lazer. São jo­vens aci­ma de 15 anos, adul­tos e ido­sos, que pas­sa­ram pe­la es­co­la e se tor­na­ram anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais. A cri­an­ça não en­tra, por­que tem mais anos de es­co­la­ri­za­ção pe­la fren­te e po­de vir a ser um adul­to al­fa­be­ti­za­do.

Se­gun­do o no­vo Inaf (In­di­ca­dor de Anal­fa­be­tis­mo Fun­ci­o­nal), au­men­tou o nú­me­ro de bra­si­lei­ros que che­gam ao en­si­no mé­dio, mas se man­te­ve o per­cen­tu­al de 29% dos que são anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais. Por quê?

O anal­fa­be­tis­mo é um pro­ble­ma es­tru­tu­ral, que tem ori­gem nas ba­ses de­si­guais de or­ga­ni­za­ção da so­ci­e­da­de ca­pi­ta­lis­ta. Se não ti­ver­mos es­sa pre­mis­sa, não adi­an­ta fa­zer pes­qui­sa e in­di­car quan­tos anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais te­mos, por­que é uma es­tru­tu­ra de pro­du­ção de anal­fa­be­tis­mo. É a re­or­ga­ni­za­ção do ca­pi­tal, do mun­do do tra­ba­lho, que tem pro­du­zi­do es­sa con­di­ção. As ações do Es­ta­do não têm con­se­gui­do al­te­rar es­se qua­dro, por­que o anal­fa­be­tis­mo fun­ci­o­nal é tam­bém de­cor­ren­te da au­sên­cia de con­ti­nui­da­de das ações que o pró­prio Es­ta­do ofer­ta. Ain­da que te­nha­mos pro­gra­mas em po­lí­ti­cas de go­ver­no, que nem sem­pre são de Es­ta­do, o su­jei­to aces­sa a lei­tu­ra e a es­cri­ta, mas, sem con­ti­nui­da­de de uso, vol­ta a se tor­nar um anal­fa­be­to fun­ci­o­nal. O Pa­ra­ná vi­nha em um mo­vi­men­to de en­fren­ta­men­to des­se pro­ble­ma, mas es­tá há oi­to anos es­tag­na­do em po­lí­ti­cas pú­bli­cas da EJA (Edu­ca­ção de Jo­vens e Adul­tos), além de ter re­tro­ces­sos, que têm ge­ra­do anal­fa­be­tis­mo ab­so­lu­to, fun­ci­o­nal e bai­xa es­co­la­ri­za­ção. Os in­di­ca­do­res que te­re­mos nos pró­xi­mos anos vão de­mons­trar que não ti­ve­mos ações efe­ti­vas pa­ra aten­der a es­se pro­ble­ma.

Que me­di­das po­de­ri­am ser to­ma­das pa­ra re­du­zir a quan­ti­da­de de anal­fa­be­tos fun­ci­o­nais?

Não há er­ra­di­ca­ção de anal­fa­be­tis­mo, por­que a pa­la­vra é equi­vo­ca­da, ape­sar de es­tar em do­cu­men­tos na­ci­o­nais. Anal­fa­be­tis­mo não é do­en­ça. Po­de­mos su­pe­rar es­sa con­di­ção, o que pres­su­põe uma ação con­tí­nua, ar­ti­cu­la­da en­tre os di­fe­ren­tes en­tes da fe­de­ra­ção e ne­ces­sa­ri­a­men­te com re­cur­sos pa­ra is­so. O PNE (Pla­no Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção) ti­nha pre­vi­são de fi­nan­ci­a­men­to, que, por con­ta da lei de te­to de gas­tos do go­ver­no fe­de­ral, foi in­vi­a­bi­li­za­do. O texto do PNE in­di­ca­va que até 2024 o País de­ve­ria ter – e es­se é o ter­mo em­pre­ga­do lá – a er­ra­di­ca­ção do anal­fa­be­tis­mo, o que foi in­vi­a­bi­li­za­do. Pre­ci­sa­mos de in­ves­ti­men­to na edu­ca­ção, no mí­ni­mo os 10% do or­ça­men­to que eram es­ta­be­le­ci­dos pa­ra a re­or­ga­ni­za­ção edu­ca­ção pú­bli­ca no Bra­sil. As ações pre­ci­sam ser ar­ti­cu­la­das pe­los en­tes mu­ni­ci­pal, es­ta­du­al e fe­de­ral, pa­ra que aque­les que nun­ca ti­ve­ram es­co­la­ri­za­ção, pa­ra os que ti­ve­ram qua­tro anos e pa­ra que to­dos os ou­tros te­nham aces­so, em um mes­mo ter­ri­tó­rio (ci­da­de ou bair­ro), e com con­ti­nui­da­de. É pre­ci­so ter alfabetização, en­si­no fun­da­men­tal e mé­dio no mes­mo ter­ri­tó­rio. Se a pes­soa ti­ver que se des­lo­car pa­ra ou­tro bair­ro ou ci­da­de, is­so se de­ses­ta­bi­li­za. A pes­soa que não se al­fa­be­ti­zou não es­tá na mes­ma con­di­ção que uma cri­an­ça que a mãe obri­ga a ir pa­ra a es­co­la e que o po­der pú­bli­co res­pon­sa­bi­li­za os pais por is­so. O adul­to já foi ex­cluí­do por mui­to tempo do pro­ces­so de es­co­la­ri­za­ção. Quan­do ele vol­ta, é o Es­ta­do que de­ve se res­pon­sa­bi­li­zar por is­so, o que es­tá pre­vis­to na lei. A con­di­ção pa­ra ele não ir à es­co­la é es­tru­tu­ral, sa­la­ri­al, de saú­de, fa­mi­li­ar, de ma­chis­mo, de pre­con­cei­to, de si­tu­a­ção de fra­cas­so, de fal­ta de trans­por­te. Os es­tu­dan­tes da EJA pre­ci­sam da isen­ção de trans­por­te pa­ra que che­guem até a es­co­la. E exis­te a cha­ma­da pú­bli­ca, que é uma ação de res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do de iden­ti­fi­car qu­an­tas pes­so­as ne­ces­si­tam da es­co­la­ri­za­ção e ga­ran­tir que te­nham aces­so a lo­cais on­de há es­sa ofer­ta. Um ele­men­to que o Fó­rum Pa­ra­na­en­se de Edu­ca­ção de Jo­vens e Adul­tos traz co­mo fun­da­men­tal é a cha­ma­da pú­bli­ca, que não é só usar re­des so­ci­ais, a mí­dia, pa­ra di­zer que exis­tem ma­trí­cu­las aber­tas. Não fun­ci­o­na as­sim. A ação pre­ci­sa ser lo­ca­li­za­da, no bair­ro, nas co­mu­ni­da­des, pa­ra che­gar até a pes­soa. Ou não se con­se­gue fa­zer com que quem pre­ci­se ser es­co­la­ri­za­da te­nha aces­so a es­sas va­gas.

Quais fo­ram os er­ros e acer­tos das po­lí­ti­cas pú­bli­cas pa­ra a re­du­ção do anal­fa­be­tis­mo fun­ci­o­nal na úl­ti­ma dé­ca­da?

Te­mos um avan­ço mí­ni­mo do pon­to de vis­ta le­gal, pe­lo re­co­nhe­ci­men­to da EJA co­mo mo­da­li­da­de da edu­ca­ção bá­si­ca. As pes­so­as não vão po­der con­si­de­rar que adul­tos, jo­vens e ve­lhos não ti­ve­ram es­co­la­ri­za­ção e que a cul­pa é de­les. Mas é im­por­tan­te des­ta­car que é um di­rei­to pú­bli­co sub­je­ti­vo. É uma obri­ga­ção do po­der pú­bli­co, sem­pre es­te­ve na le­gis­la­ção e o Es­ta­do sem­pre en­con­trou es­tra­té­gi­as pa­ra evi­tar o aces­so, co­mo se­le­ção pa­ra va­gas. A par­tir de 1996, te­mos es­sa afir­ma­ção le­gal e a in­ser­ção das me­tas no PNE, mas a ofer­ta de pro­je­tos ain­da ocor­re de formas emer­gen­ci­ais e de­pen­den­do da tro­ca de um go­ver­no por ou­tro, is­so po­de ser in­ter­rom­pi­do. Nes­se as­pec­to pre­ci­sa­mos avan­çar, so­bre­tu­do, no Pa­ra­ná. Nos úl­ti­mos oi­to anos hou­ve re­tro­ces­so por­que hou­ve um des­mon­te des­sas ações. O Es­ta­do ofe­re­ce exa­mes em mas­sa, a pes­soa ad­qui­re uma cer­ti­fi­ca­ção de con­clu­são de en­si­no mé­dio, mas é uma cer­ti­fi­ca­ção va­zia. São pro­vas mui­to fá­ceis.

Co­mo a sra. ava­lia o Enc­ce­ja (Exa­me Na­ci­o­nal pa­ra Cer­ti­fi­ca­ção de Com­pe­tên­ci­as de Jo­vens e Adul­tos)?

To­dos têm o di­rei­to de fi­na­li­zar os es­tu­dos a par­tir da ofer­ta de de um Enc­ce­ja, mas te­mos de con­si­de­rar vá­ri­as si­tu­a­ções. Não há ne­ces­si­da­de de fa­zer es­sa ofer­ta mas­si­va, que é o que acon­te­ce no Pa­ra­ná. Não pre­ci­sa ofe­re­cer du­as, três ve­zes ao ano, por­que es­se não é o ob­je­ti­vo prin­ci­pal. O ob­je­ti­vo é a es­co­la­ri­za­ção. Quan­do se ofe­re­ce vá­ri­as pro­vas, com ques­tões mui­to sim­ples, às ve­zes ele­men­ta­res, em que só a pre­sen­ça já con­ta na pon­tu­a­ção, aqui­lo pro­duz um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de pes­so­as com cer­ti­fi­ca­ção. O Es­ta­do po­de fa­zer a ade­são ao Enc­ce­ja, mas é des­ne­ces­sá­ria mais de uma vez ao ano. O Enc­ce­ja tem si­do usa­do, nes­te mo­men­to, pa­ra o ali­gei­ra­men­to dos es­tu­dos. Sem con­tar a aber­tu­ra que es­se ti­po de exa­me pro­por­ci­o­na pa­ra o mer­ca­do de cur­si­nhos pre­pa­ra­tó­ri­os, que é ou­tra dis­cus­são que pre­ci­sa­ria ser fei­ta à par­te, por­que ofe­re­cem a fa­lá­cia da es­co­la­ri­za­ção rá­pi­da à clas­se tra­ba­lha­do­ra, que co­lo­ca o seu di­nhei­ri­nho ali pen­san­do que vai ter um cur­so, quan­do na ver­da­de é pre­pa­ra­do pa­ra fa­zer um exa­me de cer­ti­fi­ca­ção. A pes­soa acha que é uma saí­da e de­pois tem de vol­tar à es­co­la.

Leia en­tre­vis­ta com­ple­ta uti­li­zan­do apli­ca­ti­vo ca­paz de ler QR Co­de e po­si­ci­o­nan­do no có­di­go abai­xo:

O su­jei­to aces­sa a lei­tu­ra e a es­cri­ta, mas, sem con­ti­nui­da­de de uso, vol­ta a se tor­nar um anal­fa­be­to fun­ci­o­nal

Marcos Santos/USP Ima­gens

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.