Trân­si­to

Folha de Londrina - - Opinião -

Des­de ju­lho do ano pas­sa­do, ten­ta­mos sem su­ces­so a ins­ta­la­ção de re­du­tor de ve­lo­ci­da­de ou de qual­quer me­di­da pa­re­ci­da na rua Ser­ra da Man­ti­quei­ra, no jar­dim Ban­dei­ran­tes, nas pro­xi­mi­da­des de um CEI fi­lan­tró­pi­co e do Co­lé­gio Mo­ra­es de Barros. Por ser pre­fe­ren­ci­al, car­ros, mo­tos e até ca­mi­nhões abu­sam da ve­lo­ci­da­de. Vá­ri­os aci­den­tes, in­clu­si­ve com mor­tes, já ocor­re­ram nes­sa via. Tu­do co­me­ça com o tal “fa­le com a pre­fei­tu­ra” do si­te. A res­pos­ta apon­ta que é ne­ces­sá­rio pro­to­co­lar um pe­di­do pessoalmente no Ip­pul. Fei­to is­so, em ple­na era da in­ter­net, a res­pos­ta vem me­ses de­pois, di­zen­do que “a on­du­la­ção trans­ver­sal po­de ser uti­li­za­da on­de se ne­ces­si­te re­du­zir a ve­lo­ci­da­de de for­ma im­pe­ra­ti­va” e que “ou­tras al­ter­na­ti­vas de en­ge­nha­ria de trá­fe­go são ine­fi­ca­zes”. Ou­tra ale­ga­ção é que em vi­as de acli­ve não é per­mi­ti­da a co­lo­ca­ção de qu­e­bra-mo­las, sen­do que no pró­prio bair­ro te­mos a ave­ni­da Arthur Tho­mas com lom­ba­das em acli­ves. Uma res­pos­ta pí­fia e ge­né­ri­ca co­mo es­sa dei­xa cla­ro que com cer­te­za ne­nhum dos en­ten­di­dos do Ip­pul fi­cou no lo­cal se­quer por cin­co mi­nu­tos. Se ti­ves­se fi­ca­do, te­ria vis­to vá­ri­os veí­cu­los tra­fe­gan­do fa­cil­men­te a 50, 60 e até 70 km/h.

RU­BENS BARBOSA JÚ­NI­OR (ges­tor de RH) - Lon­dri­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.