‘La­va Ja­to vi­ra pa­lan­que pa­ra de­ma­go­gia’

Folha de Londrina - - Política - Gui­lher­me Mar­co­ni Re­por­ta­gem Lo­cal

na opo­si­ção ao pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, a quem já cha­mou de “che­fe de qua­dri­lha”. Com crí­ti­cas es­pe­cí­fi­cas a pla­ta­for­mas do go­ver­no, co­mo a re­for­ma tra­ba­lhis­ta, o pre­si­den­ciá­vel per­deu a opor­tu­ni­da­de de se co­lo­car co­mo a prin­ci­pal op­ção na dis­pu­ta pa­ra os mi­lhões de elei­to­res que clas­si­fi­cam a ges­tão atu­al co­mo ruim ou pés­si­ma.

MA­RI­NA

Ma­ri­na Sil­va (Re­de) fez ata­ques ci­rúr­gi­cos a Alck­min, em es­pe­ci­al nos su­ces­si­vos es­for­ços pa­ra as­so­ciá-lo aos par­ti­dos do cen­trão que o apoi­am. A can­di­da­ta, que se ven­deu co­mo uma ter­cei­ra via nas elei­ções de 2010 e 2014, con­quis­tou um elei­to­ra­do de cen­tro que tem per­fil se­me­lhan­te ao do tu­ca­no. Sem es­tru­tu­ra po­lí­ti­ca e tempo na pro­pa­gan­da elei­to­ral, ela te­me ser de­si­dra­ta­da ca­so Alck­min co­me­ce a cres­cer nas pes­qui­sas.

AL­VA­RO

Al­va­ro Di­as (Po­de­mos) ten­ta­va fa­lar o no­me do juiz Ser­gio Mo­ro sem­pre que po­dia. Em um de­ba­te mo­nó­to­no e pul­ve­ri­za­do, o se­na­dor pa­ra­na­en­se bus­cou se es­co­rar em uma fi­gu­ra po­pu­lar pa­ra cha­mar a aten­ção. Re­pe­tia que já con­vi­dou Mo­ro pa­ra ser mi­nis­tro da Jus­ti­ça e pe­dia o co­men­tá­rio dos ri­vais - que, na­tu­ral­men­te, se es­qui­va­vam de crí­ti­cas ao juiz.

CA­BO DA­CI­O­LO

É ine­vi­tá­vel que o de­ba­te se tor­ne su­per­fi­ci­al e dis­per­so com oi­to can­di­da­tos no es­tú­dio. Nes­se ce­ná­rio, o per­fil pi­to­res­co de Ca­bo Da­ci­o­lo (Pa­tri­o­ta) fez com que ele fos­se o úni­co be­ne­fi­ciá­rio in­con­tes­tá­vel do even­to. O ex-bom­bei­ro se tor­nou mais co­nhe­ci­do, es­pe­lhan­do-se no mo­de­lo bi­zar­ro de Enéas Carneiro pa­ra atrair um vo­to de pro­tes­to, e, de qu­e­bra, ain­da ser­viu pa­ra for­mar do­bra­di­nha com Jair Bol­so­na­ro e atacar a po­lí­ti­ca tra­di­ci­o­nal.

BOU­LOS

Gui­lher­me Bou­los (PSOL) foi com­pa­ra­do ao Lu­la da cam­pa­nha de 1989 com sua de­fe­sa en­fá­ti­ca de tra­ba­lha­do­res e

Pa­ra o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co Rodrigo Pran­do, da Uni­ver­si­da­de Pres­bi­te­ri­a­na Mac­ken­zie, o de­ba­te foi morno e su­per­fi­ci­al e o ní­vel, abai­xo da mé­dia até pe­lo mo­de­lo ado­ta­do com oi­to can­di­da­tos à Pre­si­dên­cia com um mi­nu­to e meio pa­ra dis­cor­rer so­bre os te­mas apre­sen­ta­dos.

So­bre a La­va Ja­to e o com­ba­te à cor­rup­ção, o ci­en­tis­ta po­lí­ti­co con­si­de­ra que os presidenciáveis não mos­tra­ram um po­si­ci­o­na­men­to com pro­pos­tas cla­ras de com­ba­te. “A La­va Ja­to é um avan­ço cí­vi­co por pren­der po­lí­ti­cos e em­pre­sá­ri­os de pri­mei­ro es­ca­lão, além da re­cu­pe­ra­ção de di­nhei­ro. Mas no de­ba­te não pas­sou de pa­lan­que pa­ra de­ma­go­gia pa­ra po­lí­ti­cos sal­va­ci­o­nis­tas”, ava­lia, em men­ção à fra­se de Al­va­ro Di­as (Po­de­mos), que uti­li­zou di­ver­sas ve­zes o te­ma ale­gan­do que iria con­vo­car o juiz Ser­gio Mo­ro pa­ra Mi­nis­tro da Jus­ti­ça (leia nes­ta pá­gi­na).

Pa­ra o ana­lis­ta, a au­sên­cia do PT re­for­ça a ideia da ine­le­gi­bi­li­da­de de Lu­la pa­ra os elei­to­res. “Foi uma de­ci­são ar­ris­ca­da, mas foi uma es­co­lha po­lí­ti­ca man­tê-lo, mes­mo pre­so pe­la La­va Ja­to em Cu­ri­ti­ba”.

ata­ques ao sis­te­ma fi­nan­cei­ro. A di­fe­ren­ça é que Lu­la se aco­to­ve­la­va ape­nas com Le­o­nel Bri­zo­la na­que­la elei­ção pa­ra che­gar ao se­gun­do tur­no. Bou­los pre­ci­sa­rá en­fren­tar o fan­tas­ma do pró­prio ex-pre­si­den­te, uma dis­pu­ta mul­ti­la­te­ral por seu es­pó­lio po­lí­ti­co e, ain­da, um dis­cur­so na mes­ma es­tei­ra (po­rém mui­to mais mo­de­ra­do) na voz de Ci­ro Go­mes.

MEI­REL­LES

Com um dis­cur­so ain­da Pran­do afir­ma que o elei­to­ra­do de es­quer­da te­rá que bus­car al­ter­na­ti­vas. “Bou­los (PSOL) foi o úni­co que fez re­fe­rên­cia a Lu­la, já Ci­ro (PDT), iso­la­do pe­lo pró­prio PT quan­do Lu­la blin­dou o PSB, fi­cou mais re­traí­do em ci­tá-lo.” O pro­fes­sor lem­bra que a es­quer­da des­de 1989 tem Lu­la no pa­lan­que, mes­mo com a ex-pre­si­den­te Dil­ma Rous­sef ten­do si­do can­di­da­ta por du­as ve­zes. “Ele tem es­sa li­de­ran­ça e não dei­xou nin­guém cres­cer.”

Pran­do tam­bém des­ta­ca a pre­sen­ça de Ca­bo Da­ci­o­lo (Pa­tri­o­ta) co­mo fran­co ati­ra­dor. “To­da elei­ção tem es­sa fi­gu­ra ale­gó­ri­ca. Até hou­ve es­sa tro­ca en­tre o Ca­bo e Ca­pi­tão da re­ser­va, que aca­bou sem que­rer ou não ame­ni­zan­do a fi­gu­ra con­tro­ver­sa de Bol­so­na­ro.”

Em ge­ral, pa­ra o ana­lis­ta não hou­ve ne­nhum gran­de des­ta­que po­si­ti­vo no pri­mei­ro de­ba­te na te­le­vi­são. Pran­do diz acre­di­tar que ago­ra nas re­des so­ci­ais é que as “edi­ções” po­dem ani­mar a mi­li­tân­cia de al­guns can­di­da­tos. “Não dá pa­ra me­nos­pre­zar. Ago­ra a per­gun­ta é: co­mo es­se de­ba­te vai ser usa­do pe­los par­ti­dos? Ou até quan­do es­sa brin­ca­dei­ra na In­ter­net te­rá in­flu­en­cia de de­ci­são de vo­to?”

es­cor­re­ga­dio, Hen­ri­que Mei­rel­les (MDB) saiu apa­ga­do do de­ba­te. O ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da te­ria ga­nha­do al­gu­ma ex­po­si­ção se fos­se usa­do co­mo es­ca­da pe­los ad­ver­sá­ri­os pa­ra ata­ques ao pre­si­den­te Mi­chel Te­mer, mas nem is­so ocor­reu. Mei­rel­les foi pou­co con­vin­cen­te tan­to ao bus­car dis­tân­cia da po­lí­ti­ca tra­di­ci­o­nal (“nun­ca exer­ci man­da­to”) quan­to ao apa­gar seus la­ços com Te­mer (“tra­ba­lhei pe­lo Bra­sil”).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.