‘In­ves­ti­mos bas­tan­te’, afir­ma se­cre­tá­ria

Folha de Londrina - - Especial - Isa­be­la Fleis­ch­mann Re­por­ta­gem Lo­cal

En­quan­to os do­cen­tes ques­ti­o­nam a fal­ta de com­pro­me­ti­men­to da Se­ed (Se­cre­ta­ria Es­ta­du­al de Edu­ca­ção do Pa­ra­ná) na pro­gres­são de car­rei­ra e em de­ci­sões con­jun­tas com os pro­fes­so­res so­bre de­cre­tos pa­ra a edu­ca­ção, Lú­cia Cor­tez, res­pon­sá­vel pe­la pas­ta, re­pli­cou: “o Es­ta­do tem um pla­no de car­rei­ra e tra­ba­lha com a for­ma­ção do pro­fes­sor”.

Em su­ma, a ideia de qua­li­fi­ca­ção pro­fis­si­o­nal dos do­cen­tes pa­ra a Se­ed é cha­má-los pa­ra um re­tor­no às ins­ti­tui­ções de en­si­no que re­ce­be­ram a li­cen­ci­a­tu­ra ou ba­cha­re­la­do. “Nos­so fo­co é pre­pa­rar o pro­fes­sor pa­ra que ele vol­te pa­ra a uni­ver­si­da­de da qu­al saiu”, ex­pli­ca.

Cor­tez acre­di­ta que o ca­mi­nho pa­ra a edu­ca­ção é a pre­pa­ra­ção do pro­fes­sor, não só em ques­tões da dis­ci­pli­na que le­ci­o­na, mas tam­bém na for­ma de re­ce­ber o alu­no “co­nec­ta­do”, co­mo no­meia a se­cre­tá­ria os es­tu­dan­tes de ho­je.

A re­mu­ne­ra­ção dos pro­fes­so­res es­tá atre­la­da à for­ma­ção e à par­ti­ci­pa­ção

com os anos de tra­ba­lho e qua­li­fi­ca­ções. “Mais de 90% dos nos­sos pro­fes­so­res são es­pe­ci­a­lis­tas, mes­tres e dou­to­res”, ga­ran­te. Ca­be aos do­cen­tes a cer­ti­fi­ca­ção pe­la car­ga ho­rá­ria e, des­sa for­ma, a pro­gres­são na car­rei­ra pa­ra gal­gar mai­o­res sa­lá­ri­os. “Com mes­tra­do e dou­to­ra­do, ho­je os do­cen­tes têm a pos­si­bi­li­da­de de atin­gir o ní­vel três, em que os sa­lá­ri­os pas­sam de R$ 16 mil.”

Cor­tez afir­ma que o pla­no de car­rei­ra es­ta­du­al pos­si­bi­li­ta avan­ços. “A gen­te sem­pre pen­sa em ga­nhar mais, nin­guém es­tá sa­tis­fei­to com o que ga­nha, e que bom que é as­sim, que lu­ta­mos. Nós, en­quan­to Se­cre­ta­ria, es­ta­mos sem­pre pen­san­do e cal­cu­lan­do re­a­jus­tes”.

ATEN­DI­MEN­TO

An­si­e­da­de, pa­to­lo­gi­as e ou­tros en­tra­ves cau­sa­dos pe­lo tra­ba­lho são co­muns no meio dos pro­fes­so­res. Mas a se­cre­tá­ria vê tal si­tu­a­ção co­mo in­trín­se­ca ao la­bor, não só em do­cen­tes. “É que so­mos uma ca­te­go­ria com um nú­me­ro mui­to gran­de”, jus­ti­fi­ca. “É cla­ro que te­mos ca­sos que re­que­rem tra­ta­men­to, e eles têm “, ga­ran­te.

Cor­tez ori­en­ta que o ser­vi­dor bus­que o tra­ta­men­to que é dis­po­ni­bi­li­za­do pe­lo Es­ta­do. “Não é o ide­al”, acres­cen­ta, sus­ten­tan­do que ain­da em um pla­no de saú­de pri­va­do há di­fi­cul­da­des.

“Mas ele têm a pos­si­bi­li­da­de de se afas­tar e se cui­dar. O Es­ta­do pen­sa mui­to no ser­vi­dor”.

Se­rem ou­vi­dos em dis­cus­sões e cons­tru­ções de po­lí­ti­cas pú­bli­cas são rei­vin­di­ca­ções dos pro­fes­so­res. Pa­ra Cor­tez, nes­te sen­ti­do, o Pa­ra­ná tem avan­ça­do. “Te­mos in­ves­ti­do bas­tan­te no aten­di­men­to ao pro­fes­sor e no ge­ren­ci­a­men­to de con­fli­tos”. No pró­xi­mo se­mes­tre, o Es­ta­do tra­ba­lha­rá ges­tão com os di­re­to­res das es­co­las, a fim de tro­car ex­pe­ri­ên­cia e for­ne­cer cur­sos, con­for­me ex­pli­ca a se­cre­tá­ria. “Já é um pro­ces­so nos­so que os pro­fes­so­res se­jam ou­vi­dos e dis­cu­tam den­tro da es­co­la. Fa­ze­mos con­sul­tas das nos­sas de­ter­mi­na­ções, ava­li­a­mos e pe­di­mos opinião”, pon­tua.

“Nos­sa me­ta é atin­gir o pro­fes­sor e o alu­no”, diz. Cor­tez elo­gi­ou as es­co­las es­ta­du­ais, que, em úl­ti­ma ava­li­a­ção de por­tu­guês e ma­te­má­ti­ca (em 2015) avan­ça­ram sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te. “Te­mos es­co­las que ti­ve­ram pon­tu­a­ções 5.7 e 4.9, mas va­le res­sal­tar que a es­co­la de 4.9 saiu de 2.0, por exem­plo”, ex­pli­ca.

O pa­no­ra­ma da edu­ca­ção, po­rém, es­tá lon­ge dos pa­râ­me­tros de­se­ja­dos. A se­cre­tá­ria afir­mou que ain­da há tra­ba­lho a ser fei­to. “Te­mos que nos de­bru­çar e tra­çar me­tas pa­ra me­lho­rar mais em ci­ma dos re­sul­ta­dos”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.