Pai pa­ra to­da obra

Me­câ­ni­co, car­pin­tei­ro, ele­tri­cis­ta, quan­do a paternidade avan­ça os li­mi­tes da re­la­ção com os fi­lhos

Folha de Londrina - - Folha Mais - LAIS TAINE RE­POR­TA­GEM LO­CAL

“Eu en­trei no car­ro e o car­ro não pe­ga­va. Pa­ra quem eu li­guei pri­mei­ro? Pa­ra o meu pai”, con­ta rin­do Ana Pau­la Ro­sa, 33, a pri­mei­ra das três fi­lhas de João Ro­sa, 55. O pai é apo­sen­ta­do, mas con­ti­nua tra­ba­lhan­do fo­ra e nas ho­ras va­gas as­su­me a fun­ção de ele­tri­cis­ta, pe­drei­ro, me­câ­ni­co, pin­tor e es­tá em qual­quer si­tu­a­ção de emer­gên­cia que as fi­lhas pre­ci­sa­rem. É o ver­da­dei­ro pai pa­ra to­da obra.

Não há ta­re­fa im­pos­sí­vel pa­ra ele. A ca­sa que a mais ve­lha mo­ra foi re­for­ma­da por ele. “Meu pai as­sen­tou pi­so, azu­le­jo, pin­tou pa­re­de, er­gueu mu­ro, ins­ta­lou chu­vei­ro, ro­ça a gra­ma pa­ra mim, ele faz tu­do, fo­ra o que faz pa­ra os ne­tos”, or­gu­lha­se Ana Pau­la.

Pa­ra além dos tra­ba­lhos ma­nu­ais, João tam­bém ad­mi­nis­tra as con­tas da fa­mí­lia, in­cluin­do até as du­as mais ve­lhas, que já são ca­sa­das e não mo­ram na mes­ma ca­sa. “Ele em­pres­ta di­nhei­ro, às ve­zes com­pra al­gu­ma coi­sa pa­ra os ne­tos, o car­tão de­le é pra­ti­ca­men­te co­mu­ni­tá­rio”, ri a mais ve­lha e é in­ter­rom­pi­da pe­lo pai. “Aju­dar fi­nan­cei­ra­men­te é di­fí­cil, o que eu dou é o meu no­me. Eu fa­lo pa­ra elas que não de­vem gas­tar mais do que po­dem pa­gar e is­so elas apren­de­ram”, edu­ca.

João apren­deu so­zi­nho a fa­zer tra­ba­lhos ma­nu­ais e acre­di­ta que a sua edu­ca­ção con­tri­buiu pa­ra is­so. Ho­je pos­sui ha­bi­li­da­des que de­sen­vol­veu com a ex­pe­ri­ên­cia e que com­par­ti­lha com ge­ne­ro­si­da­de. “Eu não acho ruim fa­zer is­so por elas. As pes­so­as fa­lam que eu sou bo­bo, que elas apro­vei­tam, mas meu co­ra­ção não é as­sim, o que eu pu­der fa­zer por elas eu fa­ço, de co­ra­ção”, afir­ma com hu­mil­da­de.

Mas nem tu­do sai bem fei­to. “Sou um fra­cas­so pa­ra fa­zer co­mi­da, ma­le­má (sic) fa­ço um ar- roz”, brin­ca. Em­bo­ra não se in­co­mo­dem, as fi­lhas con­cor­dam rin­do e va­lo­ri­zam o tra­ba­lho do pai. “Ele me in­cen­ti­vou a fa­zer o cur­so de ca­be­lei­rei­ra, pa­gou as men­sa­li­da­des, me le­va­va, es­pe­ra­va e me tra­zia”, re­ve­la a ca­çu­la, Ali­ni Ga­bri­el­li, 18. “Não sei o que se­ria da gen­te sem meu pai, de ver­da­de”, acres­cen­ta Ana Pau­la emo­ci­o­na­da.

O apo­sen­ta­do afir­ma que faz por amor e que jun­to com a es­po­sa con­se­gue edu­car com o exem­plo, pois os fa­vo­res não se res­trin­gem às fi­lhas, ele es­tá sem­pre aju­dan­do al­gum ami­go ou vi­zi­nho. Por con­ta des­sa ati­tu­de, sem­pre é cha­ma­do pa­ra fa­zer al­gum ser­vi­ço. “Es­tou sem­pre fa­zen­do um bi­co. Não gos­to de fi­car pa­ra­do”, con­ta.

A fa­mí­lia acre­di­ta que é uma ques­tão de edu­ca­ção e que nem to­dos fa­ri­am o que o pai faz. “Não é uma ques­tão de ge­ra­ção, por­que co­nhe­ce­mos pes­so­as mais jo­vens que fa­zem tam­bém. Acho que é cri­a­ção mes­mo, al­guns são mais aco­mo­da­dos, tal­vez por­que têm sem­pre o pai pa­ra aju­dar”, opi­na Ana Pau­la. “Jo­vens não têm mui­ta pa­ci­ên­cia, mas se aper­tar eles fa­zem sim”, afir­ma o pai.

João en­fa­ti­za a im­por­tân­cia de sa­ber fa­zer con­ser­tos. “Vo­cê já pen­sou se to­da coi­si­nha que fos­se ar­ru­mar em ca­sa ti­ves­se que pa­gar?”, ad­mi­ra-se com os cus­tos. Com is­so, ten­ta pas­sar os en­si­na­men­tos da ho­nes­ti­da­de e ge­ne­ro­si­da­de tam­bém pa­ra os três ne­tos. “Ja­mais me ar­re­pen­do do que eu fa­ço por eles, es­sas mi­nhas me­ni­nas e meus ne­tos são as coi­sas mais que­ri­das que eu te­nho, que­ro aju­dá­las a en­si­nar os va­lo­res pa­ra os fi­lhos de­las”, re­ve­la. Ana Pau­la se emo­ci­o­na com a con­ver­sa. “Ho­je sou mãe e en­ten­do que amor é es­se que ele sen­te. Pai não po­dia mor­rer, ti­nha que ser eter­no”, fi­na­li­za.

Ho­je sou mãe e en­ten­do que amor é es­se que ele sen­te. Pai não po­dia mor­rer, ti­nha que ser eter­no”

Ar­qui­vo pes­so­al

“Ja­mais me ar­re­pen­do do que fa­ço por eles, são as coi­sas mais que­ri­das que eu te­nho”, diz o apo­sen­ta­do João Ro­sa, en­tre as fi­lhas e os ne­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.